gestora em reunião falando sobre os tipos de liderança

Tipos de liderança: você sabe qual é o seu?

Listamos os de tipos de liderança mais comuns e quais situações são mais adequadas para cada um deles. Leia e entenda qual você se encaixa melhor!

Hoje em dia muito se fala sobre liderança e a forma como esse termo tem se transformado ao longo dos anos. Com tanta gente falando sobre o assunto por aí, fica difícil filtrar as informações que realmente valem a pena.

Eis a questão: um bom líder é quem alcança resultados a qualquer custo? Ou é melhor focar em uma liderança que consegue guiar o time de forma mais livre? A boa notícia é que as duas maneiras de liderar podem ser corretas, tudo depende do seu modelo de negócio e do contexto em que ele está inserido.

Parece confuso? Sem problemas. Para te ajudar a entender melhor tudo isso, listamos os tipos de liderança mais comuns e quais situações são mais adequadas para cada um deles. Quem sabe depois de ler este artigo você descubra qual perfil mais se aproxima do que procura?

Como ser um bom líder

Essa é uma questão complexa, mas não necessariamente difícil de responder. Pode-se dizer que uma boa liderança é aquela que é feita pensando no ganho coletivo. Um líder só é líder porque tem pessoas para guiar, por isso é fundamental buscar tirar o melhor de sua equipe.

Você verá logo mais que existem diferentes tipos de liderança e cada uma é mais indicada para determinadas ocasiões. De todo modo, algumas atitudes são comuns a todos os líderes de sucesso, independentemente da sua maneira de chefiar. Veja só:

Atitudes positivas de um líder

  • Apresentar suas ideias e pedir sugestões para a equipe;
  • Compartilhar um problema e buscar resolvê-lo em conjunto;
  • Saber integrar todas as áreas sob sua gestão;
  • Ter empatia e estar aberto para receber críticas e feedbacks;
  • Incentivar o crescimento de seus colaboradores.

Atitudes negativas de um líder

  • Manter distância: você não precisa ser o melhor amigo de todos que trabalham com você, mas manter um relacionamento amistoso torna o ambiente de trabalho mais agradável e menos tenso;
  • Não trabalhar com transparência: na medida do possível, converse francamente com sua equipe e apresente uma visão ampla do que acontece na empresa;
  • Não assumir a culpa: se seu time não vai bem, parte do problema está ligado à sua gestão. Portanto, vista a camisa e veja o que pode ser melhorado;
  • Tentar caminhar sozinho: um time só ganha se todos trabalharem juntos. Portanto, não se isole apenas por ser o chefe.

No que se refere ao papel da empresa para desenvolver bons líderes, é de suma importância que haja um programa bem estruturado de capacitação, com treinamentos internos e, se preciso for, com ajuda de consultorias especializadas no assunto.

Quando uma liderança está bem preparada, é possível reconhecer nela diferentes formas de gestão de acordo com a necessidade da organização. E é justamente essas maneiras de liderar pessoas que vão influenciar, positiva ou negativamente, o funcionamento da empresa. Ter líderes capacitados facilita bastante para que as metas definidas sejam alcançadas dentro do prazo estabelecido.

Tipos de liderança

Democrático

Uma liderança democrática é entendida como um sistema de gestão em que todo o time participa da tomada de decisão. Dessa forma, a responsabilidade é compartilhada com todos os membros, deixando evidente que a opinião e as expectativas de todos são sempre bem-vindas.

Esse líder é ideal para momentos de transição, em que é preciso pensar em novos processos e promover mudanças buscando a inovação. Nesses casos, aumentam-se as chances de todos estarem engajados para construir algo excelente. Por outro lado, pode não ser tão interessante quando nem todos os membros da equipe conseguem opinar de forma construtiva para o planejamento.

Impositivo

Também chamado de autoritário, este tipo de líder gosta de decidir sozinho o que deve ser feito e a forma de fazê-lo. Tachado de mandão e controlador, está mais focado em ter tudo bem feito dentro do prazo.

Este estilo de liderança pode ser um pouco intimidador, mas algumas situações, como processos de fusão, abertura de capital ou escândalos sobre a empresa, podem se beneficiar deste modelo. No entanto, é preciso ter cuidado pois a equipe pode ficar desmotivada, já que este líder dificilmente faz elogios.

Dirigente

Esse é um modelo que tem ganhado cada vez mais espaço atualmente. O líder dirigente consegue enxergar os resultados no longo prazo e guiar sua equipe para alcançá-los. Com foco no objetivo final, os membros do time têm mais liberdade para definir suas atividades no intuito de chegar lá.

É um perfil interessante para estimular a autonomia da equipe, mas não funciona muito bem com funcionários acomodados ou quando o momento pede mais organização e clareza das tarefas a serem desempenhadas, como em emergências e imprevistos, por exemplo.

Afetivo

Focado no lado emocional, a liderança afetiva é aquela que coloca as pessoas em primeiro lugar. Essa é a postura muito necessária em momentos de estresse e falta de confiança, como quando várias pessoas acabaram de ser demitidas ou a empresa passa por uma séria crise financeira.

O líder afetivo consegue incentivar o potencial de sua equipe e traz mais harmonia para o ambiente de trabalho. Porém, este perfil corre sérios riscos de perder o rumo das metas se aceitar desempenhos medianos.

Modelador

Ele prefere ser o modelo a ser seguido por todos. Este líder tem plena confiança de que sua forma de trabalho é a melhor para bater as metas traçadas. Devido à sua pouca flexibilidade, a equipe tem mais dificuldades de opinar e apresentar sugestões.

É mais indicado quando é preciso aliar qualidade e rapidez na entrega, mas não é um modelo sustentável no longo prazo já que pode inibir a criatividade do time.

Treinador

O treinador, ou coach, é aquele que está empenhado em desenvolver sua equipe. Este líder sabe os pontos fortes de todos os membros do time e também reconhece onde cada um pode melhorar. Seu maior objetivo é estimular novas habilidades e competências, para conseguir alcançar os melhores resultados.

No longo prazo, a equipe sob seu comando pode se mostrar mais capacitada. Todavia, essa evolução só será possível se todos os membros estiverem dispostos a aprender e a mudar se necessário.

Especialista

O líder, neste caso, costuma ter grande conhecimento e capacidade técnica sobre sua área de atuação. Essa competência acaba refletindo mais segurança para a equipe e suas decisões são sempre respeitadas. Por isso mesmo, é preciso equilibrar no dia a dia sua experiência para poder ensinar e auxiliar todos ao seu redor sem se transformar em um líder autoritário.

É uma liderança que pode contribuir bastante para o crescimento da equipe, mas é preciso ter vontade de ensinar e passar esse conhecimento adiante.

Situacional

É um tipo bastante aplicado nas organizações hoje em dia. Como o próprio nome já diz, um líder situacional consegue intercalar diferentes formas de gerir a partir da situação em que sua equipe e a empresa estão vivenciando. Nesses casos, tudo é uma questão de análise e adaptação.

Em momentos de crise, por exemplo, pode-se adotar uma posição mais impositiva. E, quando o momento permitir, será possível virar a chave e passar a liderar de forma mais democrática. O importante é saber adequar sua liderança à capacidade de sua equipe para realizar determinadas tarefas dentro de um contexto específico.

Ficou mais fácil saber em qual tipo de líder você se encaixa? Se ainda está em dúvida, nada impede que você faça testes para descobrir qual desses perfis são mais indicados para a gestão da sua equipe.

Gostou do conteúdo e quer continuar aprendendo mais com a gente? Confira nosso post sobre as melhores páticas no momento do desligamento de funcionário!

Conteúdo produzido pela equipe Torodar!