saúde financeiraAbrir uma empresa é uma tarefa que pode ser muito complicada e burocrática, mas garantir a sobrevivência do empreendimento pode ser ainda mais difícil. Portanto, ao decidir se tornar um empreendedor, é importante estar pronto para arcar com todas as responsabilidades que isso envolve.

">

Indicadores de saúde financeira da sua empresa

Preparamos este post para demonstrar os principais indicadores de saúde financeira de um negócio. Confira e descubra que o sua empresa está no caminho certo.

Abrir uma empresa é uma tarefa que pode ser muito complicada e burocrática, mas garantir a sobrevivência do empreendimento pode ser ainda mais difícil. Portanto, ao decidir se tornar um empreendedor, é importante estar pronto para arcar com todas as responsabilidades que isso envolve.

Assim, um dos principais cuidados que um gestor deve ter é em relação às finanças do seu empreendimento. A razão disso é que a saúde financeira está atrelada a uma série de fatores e variáveis que, se não forem bem avaliados, podem colocar a situação do negócio em sérios riscos.

Por isso, diversos indicadores de saúde financeira foram desenvolvidos com o intuito de apontar o real desempenho, a rentabilidade, a lucratividade e o potencial que uma empresa tem.

Tais indicadores ajudam os gestores a tomar decisões mais acertadas e pensar em medidas preventivas, caso os negócios caminhem de forma ineficiente. Eles também permitem que melhores práticas sejam adotadas para otimizar e melhorar cada vez mais os resultados.

Quais são os principais indicadores de saúde financeira que você precisa ficar de olho?

Continue lendo o artigo para conferir os principais indicadores de saúde financeira de uma empresa e descubra que o seu negócio está no caminho certo.

1. Cobertura de Juros

Não poderia deixar de ser o primeiro da lista, pois esse indicador de saúde financeira é altamente relevante para que a empresa possa evitar entrar em um endividamento por conta de clientes inadimplentes e contas atrasadas.

A Cobertura de Juros ajuda a mostrar a capacidade da empresa de adquirir capital para cobrir juros contratuais sem que sua geração de caixa seja comprometida.

Além disso, ela ajuda a identificar se os juros estão causando prejuízos ao caixa da empresa, em qual quantidade e a definir estratégias de recuperação de crédito. Quanto maior for esse índice, maior será a capacidade que uma empresa tem de atender suas obrigações.

2. Margem Operacional

Este é o indicador de saúde financeira que mostra qual é a real margem de lucratividade da empresa. Através da Margem Operacional é possível mensurar se há rentabilidade nas transações financeiras do empreendimento em um determinado período de tempo.

O indicador permite uma minuciosa avaliação que leva em conta:

  • O nível de vendas;
  • O capital investido;
  • Os ativos da empresa.

Ele possibilita que o gestor faça uma comparação mais efetiva do desempenho de sua empresa em diferentes períodos.

3. Custos Fixos

Um gestor jamais deve perder de vista quais são os custos fixos de sua empresa. Esse indicador se refere aos custos que não variam, independente se houver alguma alteração no faturamento. São despesas como: pagamento de funcionários, aluguel, luz, água, materiais de escritório, produtos de limpeza e tudo o que é necessário pagar para manter o negócio em funcionamento.

É importante estar sempre atento aos custos fixos, pois, caso eles aumentem mais do que o esperado, poderão causar graves danos à saúde financeira da empresa.

Mantenha a atenção principalmente a aqueles custos que podem variar de acordo com o consumo, como água, luz e telefone. Oriente os funcionários em relação a isso para que eles colaborem e não excedam nos gastos.

4. Liquidez Corrente

Esse indicador é importante para assegurar a saúde financeira do empreendimento, pois lida diretamente com as previsões de recebimentos da empresa em relação às suas contas a pagar.

Ou seja, a Liquidez Corrente é uma relação entre os valores que vão sair e aqueles que vão entrar.

É um indicador que ajuda a prever possíveis furos no orçamento, o que permite que o gestor possa tomar medidas preventivas, a tempo de evitar uma catástrofe financeira na empresa.

Resumindo, a Liquidez Corrente mostra quanto a empresa tem a receber em um curto período e quanto tem a pagar nesse mesmo período.

5. Nível de Satisfação do Cliente

O nível de Satisfação do Cliente é um dos indicadores mais relevantes para a empresa.

Diferentemente de todos os outros que lidam com informações passadas para sustentar o presente, o Nível de Satisfação do Cliente ou Consumidor ajuda a projetar o futuro do negócio, baseando-se nas experiências de vendas realizadas.

O objetivo é monitorar o nível de satisfação que seus clientes tiveram ao comprar seus produtos ou contratar seus serviços. Quanto maior esse nível de satisfação, maiores as chances de o cliente retornar e consumir mais, além de também poder ser um divulgador de sua marca.

A chamada propaganda de “boca a boca” é o sonho de todo empreendedor. E isso é algo que acontece naturalmente sempre que alguém compra um produto ou um serviço de qualidade.

Atualmente as empresas estão precisando redobrar sua atenção com o nível de satisfação de seus clientes por causa das redes sociais. Elas acabaram se tornando um meio para dizer o quão bom ou ruim é um produto.

Quando o nível de satisfação do cliente é baixo, é preciso tomar algumas atitudes específicas, tais como:

  • Mudar as suas estratégias de venda;
  • Reavaliar a qualidade de seus produtos ou serviços;
  • Reformular, em casos mais drásticos, seu planejamento de negócios.

O nível de satisfação dos clientes pode ser medido de diversas formas, como:

  • Com base nas informações obtidas pelo SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente);
  • Verificação das mensagens enviadas pelos clientes para as redes sociais da empresa;
  • Realizando pesquisas de satisfação com os clientes.

6. Ticket Médio

O ticket médio se refere ao valor médio das compras efetuadas pelos clientes. É um indicador especialmente importante se sua empresa faz parte do segmento do varejo. O cálculo é bastante simples: basta dividir o valor total do faturamento de um período de tempo pela quantidade de vendas do mesmo.

Esta informação permite uma série de análises, incluindo uma verificação do desempenho de cada vendedor, pois é possível calcular o ticket médio de venda de cada funcionário e, então, ver qual se destaca vendendo itens mais caros, por exemplo.

Além disso, é possível verificar se há a necessidade de fazer alterações na equipe de vendedores ou mesmo alterar as estratégias de marketing a fim de aumentar o valor do ticket médio.

7. Giro de Caixa

O Giro de Caixa é um importante indicador de saúde financeira que aponta a quantidade de vezes que o caixa de uma empresa gira a cada ano. Ele é utilizado para financiar as atividades operacionais da empresa.

Além disso, serve para mostrar o tempo que os custos do empreendimento levam para ser convertidos em vendas ou em caixa.

Quanto maior for o indicador de giro de caixa de um negócio, melhor e mais eficaz é sua gestão financeira.

8. Ferramenta de Gestão Financeira

Uma das melhores formas de assegurar a saúde financeira de qualquer empresa é garantindo uma gestão eficiente.

Principalmente quando estamos lidando com as notas fiscais. Não basta organizar as NFes em planilhas manuais e armazená-las em HDs de computadores que podem ser facilmente danificados e levar à perda de todos os arquivos.

Uma ferramenta de gestão financeira eficiente oferece inúmeros benefícios ao seu negócio, como:

  • Gerenciar de forma eficaz notas fiscais eletrônicas;
  • Armazenar NFE-s diretamente em servidores na nuvem, garantindo a segurança dos arquivos;
  • Controlar de forma completa o setor financeiro de sua empresa;
  • Contar com sistema conectado à Secretaria da Fazenda, permitindo que todas as NFE-s e os CTes sejam emitidos diretamente no CNPJ da empresa;
  • Receber notas fiscais antes mesmo dos produtos chegarem.

A Importância de ter um profissional para cuidar das finanças da empresa

saúde financeira

Como se pode ver, são muito detalhes a serem levados em consideração. Dada a importância da saúde financeira de uma empresa, é interessante que se tenha uma pessoa apenas para cuidar dessa área. O gestor, claro, deve acompanhar tudo de perto, porém é praticamente impossível que sozinho ele consiga dar conta de todas as tarefas.

Quando uma empresa está no início, é natural que o dono acumula diversas funções, mas é imprescindível que ele tenha consciência do momento em que deve passar a delegar essas tarefas.

Não é necessário que o responsável pelo setor financeiro da empresa tenha alguma formação específica, mas se tiver, melhor. É importante ser uma pessoa competente e de confiança.

Afinal ela tomará conta do coração da empresa, efetuando pagamentos, fazendo análises, relatórios, etc.

Ao delegar as tarefas mais simples do setor financeiro para um funcionário, o gestor terá mais tempo para analisar os indicadores de saúde financeira da empresa e tomar as medidas que forem necessárias.

Garanta a saúde financeira da sua empresa

Independente se sua empresa é de pequeno, médio ou grande porte, é importante colocar todos os indicadores financeiros em prática e ter uma visão estratégica de seu negócio, prevendo cenários negativos antes que ocorram e tomando atitudes para modificá-los a tempo.

As finanças são o coração de uma empresa, se essa área não for bem administrada dificilmente ela conseguirá permanecer na ativa por muito tempo.

Sua empresa utiliza indicadores de saúde financeira ou uma ferramenta de gestão para organizar suas notas fiscais? Deixe um comentário compartilhando sua experiência conosco.

Quer aprender como comissionar seu time de vendas? Então, confira nosso post Comissionamento de vendas para times SaaS: Montando o plano perfeito.