Reta final, é a hora de planejar 2011Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.

">

Reta final, é a hora de planejar 2011

Este texto faz parte da coluna da Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.

Este texto faz parte da coluna da Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.

Os sinais são claros. O calor se aproxima, as eleições já estão definidas, enfeites de natal ganhando espaço nas grandes redes do varejo. Sim meu amigo, o ano está acabando. Logo enfrentaremos dificuldades em confirmar reuniões importantes, ou conciliar agendas por conta da correria e dos tradicionais eventos de dezembro.

Já começa a pairar no ar uma clima de fim de festa. Os empreendedores detestam, o que é natural, para quem tem no DNA a pegada pelo realizar, pelo concretizar (eu odeio, devo confessar). Sempre acreditei que tocar uma empresa ou projeto está mais para as longas maratonas do que para as corridas de cem metros.

Ou seja, é uma questão de ritmo constante e essa pisada no freio realmente não ajuda. Mas existe uma saída para aproveitar a fase modorrenta e dinamizar a próxima, que é justamente o início do próximo ano: planejar.

plano-de-negocios

Colocado dessa forma, parece muito simples, mas é justamente no cuidado com que isso é feito, que reside o pulo do gato (detesto essas frases feitas, mas às vezes nem eu consigo me livrar).

Foi com esse espírito de solidariedade com aqueles que ficam ansiosos para que o final do ano passe rápido, e o novo ano – novinho em folha – surja no horizonte, é que  elaboramos uma lista de cuidados e pontos de atenção que objetivam avaliar os resultados colhidos e planejar o futuro.

Retaguarda:
1) Consolide as conquistas de 2010, fortalecendo o relacionamento com clientes e mercados conquistados.
2) Sedimente as mudanças e reformas implementadas, envolvendo sócios, colaboradores e parceiros. Isso protegerá a plataforma estratégico-operacional que vai potencializar o seu negócio nos próximos doze meses.
3) Faça uma análise criteriosa da sua disponibilidade de caixa. Avance com os dois pés no chão, e sempre com uma pitada de conservadorismo financeiro. Caso se surpreenda ao longo do tempo, ótimo. É infinitamente melhor do que ser pego de surpresa.
4) Levante todos os objetivos que não puderam ser alcançados, com uma cuidadosa avaliação de erros cometidos e aprendizados adquiridos. Isso é um legado e, uma vez bem aproveitado, acaba por se transformar em um grande ativo.

Vanguarda:
1) Estabeleça uma lista de objetivos, metas e ações com riqueza de detalhes. A lógica a se seguir é que a concretização de um conjunto de ações, deve resultar no atingimento da meta, que em conjunto com outras metas atingidas, resultam em um objetivo conquistado. Fuja de generalizações e subjetividades, e se esforce para que tudo seja claro e específico.
2) Ao estabelecer objetivos, metas e ações, tenha certeza de que são atingíveis e que de fato tudo possa ser executado. Metas e objetivos impossíveis, acabam por enfraquecer a credibilidade da equipe no planejamento, justamente por saberem que são mais um sonho do que uma realidade. Sustente uma agressividade empresarial realista.
3) Estabeleça e distribua de forma negociada, as responsabilidades entre sócios e colaboradores, para cada ação, meta e objetivo.
4) Crie um dispositivo de controle e monitoramento, para que todos conheçam a evolução do seu trabalho, e para onde estão indo. Esse dispositivo deve fazer parte do plano.
5) Se possível, Faça tudo isso até a primeira semana de dezembro, justamente para que o resto do ano útil possa ser usado nos ajustes necessários.

Depois de tudo isso, boa sorte e mãos á obra. E jamais se esqueça, empreender é antes de tudo um estado de espírito, portanto, aprenda a gostar da viagem, independentemente do porto onde pretenda ancorar.

Feliz final de 2010!

Gustavo Chierighini, da Plataforma Brasil

Para ler outros textos da coluna da Plataforma Brasil no Saia do Lugar, clique aqui.

Já falamos antes, mas não custa repetir: planejar um negócio é dar direções a ele, não uma coleira.