Os 6 pecados capitais do empreendedorismo

Os 6 pecados capitais do empreendedorismo

6 pecados que podem fazer muita diferença na sua jornada empreendedora. Cuidado especial com a 2a

Este texto faz parte da coluna da Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.

Construir um negócio do zero não é nada fácil. Demanda coragem, sangue frio, disposição de guerreiro e muito, muito bom senso.

Diante dessa constatação é preciso deixar claro que quem julga os equívocos cometidos por empreendedores, atende pelo nome de mercado, e é constituído por um júri implacável, que não tem a menor compaixão pelo seu esforço e boa vontade. Portanto todo cuidado é pouco.

Falando em pecados…

Reunimos aqui uma lista de coisas que simplesmente não podem acontecer. La vai:

1- Descapitalização progressiva do negócio

O projeto vai bem, os primeiros clientes vieram e parecem estar satisfeitos. Pouco a pouco a empresa vai se consolidando e ganhando espaço.

Pronto, embriagados pelo ainda incipiente sucesso, os sócios se reúnem e certos que de agora em diante só virão outros sucessos e mais e mais contratos, passam a realizar investimentos desnecessários, dispersam recursos com inutilidades corporativas e outras superficialidades.

Criam com isso uma cultura de displicência financeira, que pouco a pouco fragiliza o negócio, eliminando a sua sustentabilidade no médio e às vezes até no curtíssimo prazo.

2- Ansiedade, impaciência e precipitação

É óbvio que qualquer projeto de risco causa ansiedade. É quase impossível evitar esse sentimento em algumas fases e situações. Mas isso não pode dominar o processo de decisões. Deve ser encarado coma um sentimento normal, mas não pode jamais orientar a gestão da empresa.

Na hora de agir, é preciso ter paciência e concentração. É muito importante manter a cabeça no lugar e encarar obstáculos e adversidades como componentes de um jogo.

3- Falta de Planejamento

Você não precisa montar um documento que aborde o negócio para os próximos dez anos. Mas é fundamental conceber um material bastante objetivo e viável, como um bom “plano de vôo”, onde fique claro em que lugar você quer chegar, quando e de que forma.

4- Desorganização

Corra dela, é um dos pecados mais graves. Causa insegurança para você, seus colaboradores e parceiros e acaba refletindo diante dos clientes.

Ela ocasiona uma sangria permanente no negócio, consome tempo e traz complicações, além de minar todas as iniciativas planejadas

5- Incompetentes

Não os deseje nem para o pior inimigo. Simplesmente elimine-os do convívio profissional. Eles não trazem nada de bom. Atrasam o andamento das atividades, desmotivam os competentes e criam um ambiente de desgaste geral.

6- Otimismo ou Pessimismo Exagerado

Lembre-se de manter um certo ceticismo saudável. A auto-crítica ajuda muito a ajustar expectativas e evitar decepções custosas.

Neste caso, acreditamos no ditado popular, de que a virtude está no meio. Portanto empreendedor, nem tanto ao céu, nem tanto à terra. Mas, sobretudo, conte com imprevistos. Conte com atrasos, furos e atue sempre com muita antecedência.

Por fim, siga firme no seu caminho, sem se esquecer de que empreender é sobretudo, um estilo de vida, um estado de espírito constante.

Gustavo Chierighini, da Plataforma Brasil

Para ler outros textos da coluna da Plataforma Brasil no Saia do Lugar, clique aqui.

Por sinal, se você aprendeu a fugir dos pecados e está no momento de começar a sua empresa, temos um site específico para te orientar nesse momento. É o Abra Sua PJ.

Além de conteúdo bem didático sobre o processo de registro do CNPJ, temos uma equipe especializada para tirar todas as suas dúvidas e a realizar a abertura da sua empresa. Veja mais aqui

  • Muito bom texto Gustavo

    Realmente a vida de empreendedor é cheia de armadilhas! Valeu pelas dicas.

  • Gustavo Chierighini

    Obrigado Reinaldo
    O nosso objetivo é compartilhar o nosso ponto de vista, com informação e conhecimento útil aos nossos leitores.
    Sem dúvida empreender traz uma série de armadilhas, mas facilmente evitáveis com planejamento e bom senso.

    Forte Abraço

    Gustavo Chierighini
    Plataforma Brasil

  • Muito bom Luiz.
    Sobre o item 5, Interessante é como um consultor me falou um dia: “Existem 3 tipos de colaboradores, o Talento, o Incompetente e o ‘meia-boca’.”
    O talento, sabemos que temos que retê-lo na empresa.O incompetente sabemos que devemos encaminhar para o mercado de trabalho.
    Já o “meia-boca” não sabemos, porque as vezes produz, outras horas só faz burrice.
    Com isso, se torna a maior dúvida para o empregador, a demissão ou manutenção da criatura na empresa.
    Por isso que medir resultados é o melhor remédio. O processo torna-se binário: ou é ou não é (1 ou 0).
    Abraço e sucesso.

  • Na minha opinião uma atitude e uma ferramenta resolvem esse problema: Disciplina + Planejamento. Publiquei um artigo em meu site sobre este assunto, espero que nao levem a mal pois acompanho quase que diariamente o site de vcs e vejo neste uma fonte muito rica de informação. Como forma de me aprofundar no assunto resolvi criar o blog e sempre que posso invisto meu tempo reunindo minhas ideias a respeito de assuntos relacionados ao empreendedorismo. Estejam a vontade para visitar e comentar. Forte abraço e parabéns pela excelente fonte de informação.