o que é pró-labore

O que é pró-labore? Entenda o que é e como valorizá-lo na sua empresa

Se você é sócio de uma empresa e trabalha ativamente para o sucesso do negócio, você provavelmente tem um dia a dia muito atarefado. Essa é a dura realidade do empreendedorismo que só se descobre na prática.

Se você é sócio de uma empresa e trabalha ativamente para o sucesso do negócio, você provavelmente tem um dia a dia muito atarefado. Essa é a dura realidade do empreendedorismo que só se descobre na prática.

Entre uma reunião e outra, você está focado em equilibrar as finanças para ter uma empresa próspera, não é? Mas será que consegue ter o mesmo cuidado com suas finanças pessoais? Cuidar de tudo ao mesmo tempo não é tarefa fácil, mas o seu dinheiro não pode ser negligenciado.

O pagamento que você recebe todo mês devido às suas atividades administrativas na empresa em que é sócio merece ser valorizado! Esse salário, que é conhecido como pró-labore, ainda é subutilizado por muitos empreendedores que não sabem como investir o dinheiro com eficiência.

Você também tem dúvidas sobre isso? Continue lendo para entender o que é pró-labore, como determiná-lo e como fazê-lo render de verdade!

O que é pró-labore?

O termo vem do latim e significa “pelo trabalho”. Como já foi dito, esse pagamento é referente às atividades administrativas realizadas por um sócio na empresa. Este valor é opcional e não é a mesma coisa que a distribuição de lucros ou pagamento de dividendos.

Um empregado que não é sócio da empresa recebe salário, conta com o pagamento do 13º no fim do ano, tem a possibilidade de sacar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e pode receber, eventualmente, um valor referente à participação nos lucros.

Um sócio que não exerce nenhuma função administrativa recebe apenas a distribuição de lucros, dividendos ou juros sobre capital próprio. Por outro lado, o sócio que exerce atividades na administração da empresa, além destes valores, também pode receber o pró-labore.

Outro detalhe importante: pela lei trabalhista do Brasil, o pró-labore não pode ser considerado um salário. Isso porque as regras sobre 13º salário, férias e FGTS não são obrigatórias. Parece um pouco confuso de início, mas é mais simples do que parece.

No caso do pró-labore, o que chamamos de benefícios trabalhistas são opcionais, isto é, são definidos a partir de um acordo entre a empresa e o sócio-administrador. Desta forma, é possível que haja contratos em que foi acordado que o sócio tem direito a férias, mas não receberá 13º salário, por exemplo.

Como determinar o pró-labore

Agora que você já entendeu o que é pró-labore, o próximo passo é compreender os detalhes e as peculiaridades trabalhistas às vezes podem soar como uma tarefa maçante. Contudo, é importante ter uma boa noção sobre o assunto, já que elas têm impacto direto no balanço financeiro e no planejamento tributário de uma empresa.

Pensando no pró-labore, como ele seria definido afinal? Não existe na legislação um valor mínimo predeterminado, mas é possível se basear na tabela do INSS que define o piso e o teto para a arrecadação. Sendo que o piso é de um salário mínimo.

Existem outros tributos específicos que incidem sobre o pró-labore e que podem variar de acordo com o regime tributário da empresa. Assim sendo, é preciso estar atento a eles na hora de calcular o pagamento ao sócio.

Outra boa ajuda para estipular o valor do pró-labore pode ser avaliar as funções que o sócio desempenha na administração da empresa. Pare e pense: quanto você pagaria a um funcionário, que não é sócio, para exercer estas funções? A resposta dessa pergunta pode ser um valor bem próximo do que você chegará a pagar.

Pensando assim, faz sentido determinar um valor acima do que os funcionários da empresa já ganham. Esse detalhe é importante porque essa comparação também é feita por órgãos fiscalizadores para verificar possíveis discrepâncias no pagamento do pró-labore.

Valorize seu pró-labore

Se você está no time de quem recebe o pró-labore, é bem provável que constantemente tenha dúvidas do que fazer com ele. Além de pagar as contas mensais e curtir momentos de lazer, muitas pessoas entendem a importância de aplicá-lo em bons investimentos.

Investir o pró-labore é uma ótima alternativa para quem pensa no futuro. Afinal, a Previdência Social recolhe um percentual sobre esse pagamento, mas possivelmente o valor não será suficiente para garantir tranquilidade financeira daqui há alguns anos.

Por isso mesmo, uma boa ideia é não depender apenas do INSS. O baixo retorno desse recolhimento já é uma excelente justificativa para você buscar aplicações financeiras com melhores rentabilidades, não acha?

Existem diversas possibilidades disponíveis no Mercado Financeiro. Independente dos seus objetivos, a escolha sobre qual o melhor caminho para investir seu pró-labore cabe somente a você. É claro que você pode pedir ajuda especializada, mas no fim das contas a decisão está em suas mãos.

Para saber se está realmente jogando a favor do seu pró-labore, a primeira definição é fugir da poupança. A não ser que você vá precisar do dinheiro em um curtíssimo espaço de tempo, é bobeira manter o valor na caderneta. A alta inflação é inimiga do seu dinheiro, já que com o tempo ele perde poder de compra se ficar parado na poupança.

Uma alternativa mais interessante e rentável é o investimento em ações. Você pode investir em ativos de empresas renomadas, buscando retornos tanto no curto quanto no longo prazo. E sabe qual a maior vantagem? Você pode investir e cuidar bem do seu negócio ao mesmo tempo. Assim, você não precisa abrir mão do trabalho para ver seu pró-labore trazer resultados excelentes.

Para quem prefere a renda fixa, uma boa opção é o Tesouro Direto. Você pode adquirir títulos públicos federais pela internet, de forma simples e rápida. Ele também oferece rentabilidade bem maior que a poupança e está cada vez mais popular entre os brasileiros.

Investir é sempre uma boa ideia, especialmente se a decisão é feita de forma planejada. Por isso mesmo, para não correr o risco de aplicar seu dinheiro em uma modalidade que não corresponde às suas expectativas, o primeiro passo é delimitar seu perfil de investidor.

Após checar se você é mais conservador ou mais arrojado, é importante definir uma estratégia de investimentos. Afinal, se você traça um plano de negócios para sua empresa, por que não faria o mesmo para o seu pagamento?

Com essas definições bem estruturadas, ficará mais fácil ver seu pró-labore trazer excelentes resultados enquanto sua empresa cresce cada dia mais.

Já deu para entender que empreender não é tão simples, Mas, no final, todo o esforço vale a pena.

Então, aprendeu o que é pró-labore? Quer continuar seus estudos com a gente? Que tal ver as principais habilidades empreendedoras que você pode desenvolver para tornar o caminho do sucesso mais fácil?

Autoria: Ana Cláudia Inez, graduada em Relações Públicas, mestre em Processos Comunicacionais e estudiosa do mercado de ações. Integrante da equipe Toro Radar, é responsável pela comunicação e relacionamento da empresa com parceiros em todo o país.

  • Leandro Oliveira

    Olá Ana, não existe o conceito de teto máximo e teto mínimo. O que existe é o teto e o piso. Bom texto. Parabéns!

    • Letícia Abrantes

      Olá, Leandro! Nós fizemos as devidas correções no texto.
      Agradeço pelo feedback! 😉