dois homens analisando o que é lucro da empresa

O que é lucro: Conceito, definição e aplicação

O que é lucro? Lucro é o valor resultante da receita de uma transação comercial, subtraindo os seus custos de produção.

Saber exatamente o que é lucro tornou-se essencial para qualquer empreendedor e empresa que queiram ter sucesso, independente da sua respectiva área de atuação.

Até porque, já não é novidade para ninguém que o lucro é um dos pilares que ajudam qualquer negócio a sobreviver de forma saudável, muito pelo fato dele estar associado a quase todas as áreas da empresa.

Podemos citar os seguintes exemplos:

  •  A área de produto, que precisará ajudar na precificação dos produtos e serviços que o negócio comercializa;
  • A área de marketing, na questão da mensuração de suas ações, que devem comprovar um retorno sobre o investimento feito que seja vantajoso;
  • A diretoria financeira que é a responsável por pagar as contas do negócio e cobrar para que tudo seja feito em prol da sobrevivência da empresa;
  • A área de vendas que trabalhará diretamente com a comercialização dos seus produtos.

Já deu para perceber que entender um pouco mais sobre o lucro é essencial para conseguir fazer com que todas as áreas possam trabalhar com sinergia e com objetivo de trazer mais dinheiro para a empresa, certo?

Pois bem, preparamos esse post para que você não tenha mais dúvidas sobre o que é o lucro. Acompanhe para saber mais!

O que é lucro?

Vamos começar falando um pouco mais sobre a sua definição que diz que o lucro é o valor resultante da receita de uma transação comercial, subtraindo os seus custos de produção. 

Em outras palavras, ele nada mais é do que a quantia monetária que representa a diferença entre as receitas obtidas com a venda de algum produto ou prestação de serviço, retirando todos os custos que foram necessários para produzi-lo ou comprá-lo para fazer essa intermediação.

Ele também pode ser definido como um benefício econômico, que é obtido por um indivíduo ou uma empresa, por meio da realização de uma operação financeira.

Saiba que apesar de usarmos muito esse termo nos dias de hoje, o seu conceito é bem antigo. Ele foi criado no século 15, motivado pela prática econômica do mercantilismo na Europa.

Pois bem, mais de 6 séculos depois, a evolução do lucro é tão evidente que podemos afirmar que o mundo dos negócios não existiria se ele também não existisse.

Hoje podemos contar com 2 tipos de lucro, o normal e o econômico. Vamos falar um pouco mais sobre eles abaixo:

Lucro Normal

O lucro normal é a quantidade que uma empresa precisa para manter a sua operação rodando sem maiores problemas, ou seja, é o valor mínimo necessário para que ela não quebre ou entre em processo de falência.

Podemos dizer, inclusive, que se ao longo do tempo a empresa conseguir obter ganhos acima do lucro normal, ela começa a ganhar poder de mercado.

Lucro Econômico

Já o lucro econômico é muito parecido ao que citamos na definição do próprio lucro. Ele é o resultado da diferença entre a receita total que entra no negócio e todos os seus custos, inclusive o lucro normal que falamos agora pouco.

Saiba que independente deles serem diferentes, ambos se referem ao retorno sobre qualquer investimento que uma empresa, grupo de empresários ou pessoa possam realizar.

O que é margem de lucro?

Agora que você já sabe mais sobre a definição do que é lucro, bem como os tipos de lucros existentes, vamos apresentar um conceito novo, que também está ligado ao tema: A margem de lucro.

Tecnicamente, a margem de lucro nada mais é do que o valor em porcentagem adicionada aos custos totais de um produto ou serviço. 

Sendo assim, é possível formar o preço final que esse produto deverá ser comercializado e consequentemente definir o lucro, em porcentagem, que a empresa ganhará quando realizar uma venda desse item.

Saiba que a margem de lucro está totalmente relacionada com a precificação dos próprios produtos e a lucratividade que é gerada para a empresa, quando falamos dos investimentos que foram realizados para produzi-los ou comprá-los.

Talvez você não tenha percebido, mas a principal função da margem de lucro é otimizar as vendas dos produtos por meio do cálculo dos custos que são necessários para produzi-los juntamente com um acréscimo no valor desses custos.

Dessa forma, é preciso construir o preço final de cada produto, gerando o lucro para o negócio. Entendeu como a margem de lucro está totalmente relacionada com o lucro?

Saiba que a margem de lucro é composta por 3 pilares principais:

1. Custo

O primeiro deles é o próprio custo, que é o valor que foi investido para produzir ou comprar o produto que será vendido.

Nele, podem ser incluídas diversas variáveis, que vão desde os impostos até gastos com frete, equipe, dentre outros possíveis gastos financeiros.

2. Preço de Venda

Outro componente é o Preço de Venda. Saiba que ele representa uma das partes mais importantes quando estamos falando sobre a venda de um produto, pois é ele quem proporcionar prejuízo ou sucesso na comercialização desses produtos.

O segredo para formar um bom preço de venda é alinhar 2 pontos principais:

  • Cálculo do custo da compra ou produção do produto em si;
  • Análise do quanto o consumidor está disposto a pagar por ele.

Dessa maneira é possível definir um preço que seja justo e tenha uma boa margem de lucro para a empresa, tornando a transação comercial uma excelente parceria ganha-ganha para ambos os lados.

3. Lucro

Por fim, temos o lucro propriamente dito, que nada mais é o percentual que a empresa vai receber em cima da venda do produto, conforme já falamos por aqui algumas vezes.

Ou seja, o lucro nada mais é do que o retorno positivo sobre o investimento que foi realizado para conseguir acontecer as vendas da empresa.

Saiba que cada setor do mercado possui uma margem de lucro distinta. Portanto é preciso entender como é a dinâmica da sua, além de estudar muito bem a concorrência para conseguir superá-la nessa questão.

O negócio que consegue unir esses 2 pontos que comentamos acima, conseguirá formar preços cada vez mais próximos do ideal.

Como calcular o lucro?

Pois bem, chegamos a um ponto em que a parte teórica você já está dominando, não é mesmo?

Então, o que acha de saber um pouco mais da parte prática? Vamos te ensinar a calcular o lucro juntamente com alguns exemplos práticos, ok?

Até porque, por mais que seja relativamente simples o conceito do lucro, aplicá-lo de forma correta no papel nem sempre é tão fácil assim.

Por isso, vamos começar com um exemplo simples e depois vamos mostrar outro um pouco mais completo.

Vamos construir o primeiro exemplo na teoria que diz que o lucro é  a subtração do preço da venda pelos custos de sua produção ou compra.

Na prática, se um produto foi comprado por R$500,00 e foi vendido por R$800,00, temos um lucro de R$300,00. Simples, não?

Porém, na grande maioria das vezes, o cálculo do lucro vai muito além de toda essa simplicidade que mostramos nesse exemplo acima. Afinal, as empresas precisam pagar seus colaboradores, impostos, aluguel de imóveis, dentre outros gastos que são inerentes a qualquer negócio.

Ou seja, há muitos outros gastos que vão além do seu custo do produto. Obviamente que isso vai acabar diminuindo muito o lucro da empresa, caso se opte por calculá-lo de forma simplificada.

Por isso, sugerimos fortemente que o cálculo do lucro seja feito de uma maneira mais completa.

Se fosse para conceituar o lucro seguindo um pensamento mais coerente, ele seria o que sobra do valor praticado na venda, menos o custo do produto juntamente com as despesas fixas e variáveis. Entendeu?

Para facilitar, vamos disponibilizar a sua fórmula de cálculo com maiores detalhes:

Lucro = Valor da venda – custo de produção – despesas fixas – despesas variáveis
ou
Lucro = Valor da venda – (custo de produção + despesas fixas + despesas variáveis)

Sendo que as despesas fixas são aquelas que irão ocorrer frequentemente, ou seja, o negócio vai ter que pagá-las todo mês. Exemplos dessas despesas são: o aluguel do seu ponto comercial, os impostos, o custo de toda a equipe que recebe apenas um salário fixo todo mês, dentre outros custos.

Já as despesas variáveis são aquelas que mudam todos os meses, ou seja, não possuem um valor fixo. Exemplos delas podem ser: salários e comissões para a equipe de vendas, ações de marketing que envolve mídia paga, gastos com água e energia, bem como o custo de matéria-prima para produzir os produtos.

Então, se uma empresa vende um produto por R$800, o custo de produção foi de R$200, além disso, ela conta com um custo fixo de R$100 e um variável de R$50, temos que o lucro será:

Lucro = R$800 – R$200 – R$100 – R$50 = R$450

Entendeu como essa maneira de calcular nos informa um valor mais próximo da realidade?

Saiba que é possível encontrar produtos similares com valores diferentes. O motivo para isso acontecer é que algumas empresas podem ter mais gastos do que outras ou então possuem uma margem de lucro maior!

Agora que você já sabe o que é lucro, conheça O que é Coworking e quais seus benefícios