matriz bcg

Como a matriz BCG pode ajudar a mapear o seu produto?

Mapear o seu produto e ver como ele vai se comportar no mercado é fundamental para você acompanhar o crescimento do seu negócio. Entenda a matriz BCG!

É interessante parar para pensar em alguns produtos, ou serviços, que antigamente eram fundamentais para as pessoas.

Graças a eles, grandes empresas foram construídas, formando verdadeiros impérios.

Por exemplo, a Kodak. Durante várias décadas, essa empresa foi a grade referência quando o assunto era fotografia.

Profissionais e amadores tinham na marca Kodak um ideal de qualidade.

Mas, e hoje em dia? Kodak é a marca que vem à sua cabeça quando se fala em máquinas fotográficas? Provavelmente a resposta seja não. E é por isso que precisamos falar sobre a Matriz BCG.

A Kodak não era líder mundial de mercado porque vendia câmeras fotográficas, mas sim, porque vendia filmes fotográficos.

Essa realidade de mercado fez com que a empresa, inclusive, adquire-se um grande laboratório químico, fazendo com que, na verdade,  a companhia líder em fotografias no mundo fosse especializada em processos químicos para revelação de imagens.

Acho que você já está entendendo onde vamos chegar, né?

Quando foi a última vez que você comprou um filme fotográfico? Não é preciso ter acesso aos documentos da Kodak para perceber que a situação da empresa não está nada boa, e isso ocorreu por um motivo: ciclo de vida do produto.

Ciclo de Vida do Produto (CVP)

Antes de falarmos da Matriz BCG é importante que você saiba o que é um ciclo de vida do produto.

Esse estudo fornece ao empreendedor uma espécie de linha do tempo do produto analisado. Mostra sua fase de introdução, crescimento, maturidade e declínio.

Todo produto, normalmente, passa por no mínimo quatro fases:

Lançamento (ou introdução)

O produto, ou serviço, está sendo lançado. Não existem muitos concorrentes e a possibilidade de crescimento é alta –Se quiser saber sobre o processo de precificação e promoção do lançamento de um determinado produto, leia esse post.

Além disso, existe chances de você conseguir explorar mais de um mercado, além de o definido inicialmente.

Para que essa fase do CVP seja eficaz, o empresário terá que fazer grandes investimentos em promoções, propaganda, logística e etc.

Afinal, o consumidor precisará ter fácil acesso ao que está sendo oferecido.

Em resumo: nesse momento não é o consumidor que vai atrás do produto, mas sim o produto que se apresenta a ele.

Crescimento

As pessoas já estão conhecendo o seu produto, por isso, os investimentos são menores, e a taxa de lucro começa a crescer.

Maturidade

A taxa de crescimento e a lucratividade do produto apresentam estabilidade. Grandes investimentos não são necessários.

Porém, seu produto já tem que lidar com outros desafios, por exemplo: concorrência.

Outras empresas já estão atuando no mesmo nicho que você, lançando produtos semelhantes, ou melhores. O mercado já mostra sinais de saturação.

Declínio

Nessa fase, as empresas realizam estratégias para alavancar os produtos, como novas ações marketing, propagandas, capacitação de profissionais.

Também pode ser o momento de buscar novos parceiros, mas de, principalmente, inovar, e tentar apresentar uma nova versão do produto, para recomeçar o CVP.

O CVP não leva em consideração apenas o produto feito pela sua empresa, mas a situação dele no mercado como um todo.

Vamos voltar ao exemplo da Kodak. Você consegue imaginar um CVP para filmes fotográficos? Quando será que eles entraram em declínio? Por quanto tempo permaneceram estáveis no mercado?

É para entender esses aspectos que precisamos desenvolver o estudo de ciclo de vida do produto.

Você já percebeu que o mercado muda, não é mesmo? O avanço da tecnologia cria novas possibilidades de consumo, por isso é importante ficar atento às oportunidades de atuação que a sua empresa tem, mas, além disso, estar concentrado para não deixar seu produto, ou serviço ficar obsoleto.

Agora sim, vamos falar da Matriz BCG

A matriz BCG é uma análise muito importante no mundos dos negócios. Foi criada em 1970, por Bruce Henderson.

Ela apresenta de maneira gráfica – o que facilita sua compreensão – as diferentes fases do ciclo de vida dos produtos que uma empresa oferece.

Assim, graças à matriz BCG, é fácil entender qual produto está inserido em um segmento de mercado que crescerá, e qual já está entrando em declínio.

Além disso, o empresário tem um noção exata de qual produto traz mais lucro, com menos riscos, à sua empresa. Por isso ela é tão importante.

Possuir esses dados facilita na hora de investir, não é mesmo?

Classificação do produto pela Matriz BCG

A matriz BCG é dividida em dois eixos. No eixo vertical temos o crescimento de mercado.

Na parte de baixo desse eixo está um produto que possui baixo crescimento de mercado, ou seja, esta em um mercado que não tem apresentado grandes taxas de crescimento.

Na parte de cima, encontra-se um produto com alto crescimento de mercado.

Já o eixo horizontal revela a participação relativa no mercado. Na primeira parte do eixo horizontal posiciona-se um produto com alta participação no mercado.

Na segunda parte da mesma localidade, encontra-se um produto com baixa participação relativa no mercado.

Assim, seguindo a orientação dos dois eixos da matriz BCG, poderemos saber qual a participação e a taxa de crescimento dos serviços oferecidos pela empresa.

Vaca, estrela, interrogação ou abacaxi?

Calma, você já vai entender esses conceitos. E, acredite, eles têm total sintonia com empreendedorismo e marketing.

infográfico da matriz bcg

Vaca leiteira 

Uma vaca leiteira é investimento certo para o fazendeiro, né? Afinal, todo dia ele vai e tira o leite. Faça chuva ou sol. A vaca não precisa de grandes investimentos, apenas o suficiente para sua acomodação.

Na matriz BCG a vaca leiteira é o produto com grande taxa de lucro. A vaca leiteira já está bem posicionada em relação aos seus concorrentes. O lucro é certo.

No entanto, a taxa de crescimento do mercado é baixa, por isso, não são necessários grandes investimentos.

Normalmente vacas leiteiras são a base de uma empresa, pois já conquistaram seu espaço no mercado e trazem lucro considerável.

Ainda não entendeu? Uma dica: durante muitos anos os filmes fotográficos foram a vaca leiteira das empresas de fotografia.

O lucro era certo e o crescimento de mercado baixo, por isso, não eram necessários grandes investimentos.

Estrela

Produtos que têm grande participação no mercado. No entanto, o segmento no qual estão inseridos possuem grande crescimento, por isso, precisam de altos investimentos para manter a competitividade e a fatia de mercado.

Em alguns casos o fluxo de caixa desses produtos é nulo, devido ao constante investimento necessário.

Mas, se o crescimento de mercado cair, um produto que está classificado como estrela por tornar-se uma vaca leiteira, ou seja, um produto gerador de caixa.

Exemplo prático? OK. Vamos lá! Você já percebeu como as emissoras de tevê estão investindo em streaming?

Esse é um exemplo de uma tendência de mercado que está crescendo muito rápido, por isso precisa de constante investimento.

Dependendo do grupo de comunicação, essa estratégia exemplifica um produto estrela. Ou seja, um produto que ainda não é responsável por encher o caixa da organização, mas pode, no futuro fazê-lo.

Ponto de interrogação 

São produtos que ainda não geram grande receita, pois têm pequena participação de mercado e, seu segmento não tem um crescimento tão claro.

Normalmente, precisam de grandes investimentos de marketing e publicidade, por isso, não trazem retorno à empresa.

O investimento é realizado pensando no futuro, uma vez que existe uma projeção de crescimento para o mercado no qual estão inseridos.

Produtos novos, ou lançamentos, normalmente estão nessa categoria da Matriz BCG. 

Esse tipo de produto pode facilmente revelar- se um mal investimento e tornar-se um produto abacaxi – próximo item da nossa lista – , mas se conquistar uma fatia de mercado e trazer lucro pode, com o tempo, transformar-se em estrela e, até mesmo, em vaca leiteira.

Abacaxi

Produtos que têm baixa participação de mercado, em um segmento que também cresce pouco — ou nem cresce.

Esses produtos ainda demandam investimentos, afinal, estão sendo produzidos. Significam custo para a empresa.

Porém, já não trazem lucro. Ao perceber que um produto está nessa parte da Matriz BCG, o administrador tem que fazer uma avaliação da viabilidade do mesmo.

Só assim será possível descobrir se uma ação de marketing, por exemplo, pode ajudá-lo a reagir nas vendas, ou se é hora da empresa aposentá-lo.

E aí, lembra do exemplo dado no início do texto? Se você tivesse que classificar os filmes fotográficos usando a Matriz BCG, em qual categoria você os colocaria?

Pois é. Eles tornaram-se, literalmente, um abacaxi para a maioria das empresas de fotografia.

Tudo muda com o tempo, inclusive a participação dos seus produtos

Como você já deve ter percebido neste texto, é normal que os produtos mudem de classificação na Matriz BCG, afinal ela leva em consideração fatores internos e externos, e eles estão sofrendo modificações constantes.

Se você observar organizações com décadas de atuação no mercado, perceberá que antigas estrelas hoje são vacas leiteiras.

Pontos de interrogação podem ter virado abacaxis e, o produto campeão de vendas, a menina dos olhos da companhia já foi descontinuado há muito tempo. Isso é normal.

Vantagens da Matriz BCG

A Matriz BCG ajuda o empreendedor a:

  • Saber qual produto pode ampliar a participação de sua empresa no mercado;
  • Descobrir qual item já conquistou seu espaço no mercado e apresenta estabilidade;
  • Qual segmento está crescendo e apresenta oportunidade de negócio a longo prazo;
  • Qual produto já não é mais viável.

É interessante para a empresa ter um leque variado de produtos.

A Matriz BCG ajuda o empresário a tomar decisões estratégicas com relação a cada um deles,e levando em consideração o caixa da empresa, além de metas a longo prazo, como a participação em um novo nicho de mercado, por exemplo.

Não se esqueça que o foco da Matriz BCG é o produto.

Ela não deve ser usada como uma mapeamento da organização como no geral. Ela não expõe fragilidades internas, como problemas com mão de obra ou erros de logística, por exemplo.

Além disso, ela não traz uma avaliação de qualidade do seu portfólio de produtos que sua empresa está oferecendo. Ela apenas demostra o atual papel de cada um em relação à organização e nicho de atuação.

Some os conhecimentos adquiridos com a Matriz BCG com outros estudos, como a viabilidade de um novo produto que será lançado ou uma análise de concorrência, por exemplo.

Com isso várias decisões podem ser aperfeiçoadas, como as estratégias de marketing.

Matriz BCG não é uma análise SWOT

Empreendedores que estão começando a se familiarizar com o mundo dos negócios podem se confundir com as diferentes análises e estudos disponíveis para ajudar uma empresa a sair do papel e gerar lucro.

A Matriz BCG expõe pontos fortes e fracos, mas do seu produto, e não da sua empresa!

Nós já explicamos aqui o que é, e para que serve, uma análise SWOT, mas vale a pena dar uma relembrada para evitar confusões.

A análise SWOT tem como objetivo oferecer um mapeamento da sua empresa.

Nesse estudo mapeamos fraquezas, forças, oportunidades e ameaças que o empresário vai encontrar no mercado. Assim, o empreendedor não é pego de surpresa.

  • Fraquezas: seja realistas, quais os pontos fracos da sua empresa? É melhor que você os aponte, para que possa corrigi-los do que fingir que eles não existe.
  • Forças: comparando com a concorrência, quais são os pontos fortes do seu negócio?

Esses dois aspectos referem-se ao ambiente interno, ou seja, à sua empresa. Conhecê-los te ajudará a fazer modificações importantes.

Os outros itens da SWOT são:

  • Oportunidades: como sua empresa pode beneficiar-se do atual momento do mercado? Existe alguma tendência de consumo surgindo e sua companhia pode aproveitá-la?
  • Ameaças: economia turbulenta, mudanças com fornecedor, alteração no comportamento do consumidor…Enfim, como alguns fatores do ambiente podem influenciar seus negócios?

Os dois itens acima referem-se ao ambiente externo. É importante para todo investidor acompanhar as mudanças e informações ligadas ao seu mercado de atuação para poder conhecê-los.

Para encerrar

Pense no seu produto como um ser vivo, afinal, ele passa por várias etapas desde o seu lançamento.

Nunca deixe de estudar os resultados e estratégias de sua empresa e do mercado. A Matriz BCG é uma grande aliada nesses estudos!

Gostou do nosso conteúdo? Não pare por aqui! Continue aprendendo com nosso conteúdo: Zona de conforto: 7 motivos pelos quais você deve parar de nadar em águas calmas.