marketing no varejo

Ações essenciais de marketing no varejo

São muitas as possibilidades de ações de marketing no varejo, e o principal desafio para os varejistas é saber escolher em quais ações ele deve investir.

São muitas as possibilidades de ações de marketing no varejo, e o principal desafio para os profissionais responsáveis por uma loja, mercado ou qualquer outro modelo varejista é saber escolher em quais ações ele deve investir, quais estratégias serão melhores para o seu negócio e quais trarão mais resultados.

Nesse post você vai descobrir qual é, de fato, a importância do marketing no varejo, como isso pode ajudar o varejo a conquistar novos clientes, fidelizar os antigos e, ainda, como essas ações poderão lhe trazer retorno financeiro se forem bem aplicadas, ou seja, com foco no resultado e no seu público alvo.

A importância do marketing no varejo

O ponto mais importante das ações de marketing no varejo é que elas acontecem ao vivo e mexem diretamente com as emoções dos clientes, fazendo com que eles se sintam estimulados a comprar por impulso.

Uma pesquisa realizada pelo POPAI (Point of Purchase Advertising Institute – associação global dedicada ao desenvolvimento da atividade de marketing de varejo no ponto de venda) comprovou que cerca de 70% das decisões de compra acontecem dentro do ponto de venda.

Pensando nesse fato citado acima, se o trabalho de marketing no varejo estiver bem feito, ele será o seu maior aliado para convencer os clientes a comprar na sua loja e não em um concorrente, e ainda pode fazê-lo comprar mais do que ele pretendia.

Dessa forma, vê-se que a importância das ações de marketing no varejo pode ser ainda maior do que você imaginava.

Agora que você já entendeu que precisa focar nisso, vamos te ajudar com quais dessas ações são essenciais para qualquer varejista, e como cada uma delas pode te ajudar no dia a dia do seu negócio.

Melhores ações de marketing no varejo

Você já deve ter lido ou escutado por aí que estamos na “Era da Experiência”, não é mesmo? Se por um minuto você pensou que isso não era verdade, estava enganado!

Com a facilidade das compras online, e muitas vezes melhores preços, o varejo precisa oferecer algo que as lojas virtuais não conseguem oferecer e que serão a razão pela qual os clientes estarão dispostos a sair de casa e ir comprar na sua loja.

Pois é, o responsável por esse comportamento é a experiência. É atrás de sentir e viver algo diferente que os consumidores topam sair de casa para realizar suas compras em pontos de venda convencionais.

Existem duas áreas do marketing responsáveis por criar esse tipo de percepção e sensação nos clientes, são elas o Live Marketing (também conhecido como marketing promocional) e o Marketing Sensorial (que em muitas literaturas estão categorizados como parte do Live Marketing, mas devido a sua importância, vamos tratá-lo separado aqui).

Essas são estratégias indispensáveis de marketing para o varejo, e agora vamos falar sobre o que é cada uma delas e quais ações de cada uma delas você pode começar a implantar no seu ponto de vendas hoje mesmo.

Live marketing ou marketing promocional

A associação de marketing promocional, a AMPRO, define o marketing promocional como “A atividade de comunicação onde se incluem todas as ações, campanhas e eventos que proporcionem experiência de marca e interação para, de forma estratégica, se atingir resultados e soluções de comunicação para marcas produtos ou serviços”

Sendo assim, são de responsabilidade do Marketing promocional, todas as ações que acontecem ao vivo com o cliente.

Alguns exemplos são: Eventos promocionais, entrega de brindes, promoções, degustação, visual merchandising e também as ações de marketing sensorial que vamos entrar mais a fundo a seguir.

Marketing Sensorial

Trata-se de uma subdivisão do marketing que tem a finalidade de trabalhar a percepção dos clientes por meio de estímulos sensoriais, ou seja, mexendo com todos os sentidos e emoções do cliente.

As ações de marketing sensorial buscam causar identificação com uma marca não só pelo aspecto visual das propagandas ou vitrines, mas também com fragrâncias (para ativar o olfato) ou com músicas (para ativar a audição) nos pontos de venda, por exemplo.

Explorar os sentidos do cliente na busca por causar maior impacto no marketing é, portanto, o que norteia esse tipo de estratégia.

O marketing sensorial permite criar uma ligação emocional mais intensa com os clientes, que sempre se lembrarão da sua marca com mais facilidade.

Além disso, ele desperta interesse e curiosidade em potenciais clientes que estejam passando pelo local, convidando-os a entrar e olhar mais de perto as opções que a loja oferece e fortalece a marca e o relacionamento com os clientes já atraídos, proporcionando uma relação de consumo mais prolongada.

Estão entre as ações de marketing sensorial ações que exploram todas as áreas sensoriais, ou seja, a visão, o olfato, o tato, o paladar e por fim a audição.

Entre as estratégias mais comuns, estão as que buscam atingir a visão do cliente, ou seja, vitrines, visual merchandising, materiais impressos, entre outros.  

Depois disso, você também já deve ter reparado nas lojas que utilizam o olfato muito bem, com o cheirinho da Melissa por exemplo.

Por fim, temos uma estratégia que muitas marcas usam, porém poucas se preocupam de verdade com ela: A Música.

Se utilizada da maneira correta, a música é a principal estratégia de marketing sensorial depois da visão, e por ser o melhor custo benefício entre essas estratégias, vamos focar bastante nela daqui pra frente.

A importância da música no ponto de venda

Conforme falamos anteriormente, a música é uma importante ferramenta do marketing sensorial, assim como o cheiro, identidade visual e outros elementos de um ponto de venda, ela visa conferir uma assinatura para cada marca.

Agora, o que ainda não foi dito, é que essa é uma das estratégias com maior custo benefício, pois não é uma estratégia com alto custo, e se realizada da maneira correta, pode trazer muitos resultados para sua loja.

A programação musical da sua loja deve ser resultado de um estudo baseado no comportamento dos seus clientes enquanto estão ali, ou seja, no tempo de permanência e atitudes deles na loja.

Além disso, precisamos analisar os pontos de posicionamento da marca, como o tipo de venda que a loja trabalha (por impulso, consultiva, programada, etc…) e que impressão ela deve causar na percepção dos clientes (é uma marca antenada, calma, sofisticada, jovem, adulta e etc).

Para marketing sensorial, a música é um fator decisivo pois a sonoridade tem que combinar com o ambiente, produtos e principalmente: criar um conceito para quem entra no ponto de venda.

Uma pesquisa que aconteceu na Suécia visava entender quais influências a música de um estabelecimento comercial poderia causar nos consumidores, e os resultados apenas comprovam tudo o que foi dito aqui.

O primeiro ponto comprovado pelo estudo é que as empresas que tocam músicas de acordo com a sua identidade de marca são 96% mais propensas a serem lembradas e vendem 14% a mais do que empresas que não utilizam música ou utilizam a música errada.

A música certa também influencia diretamente no tempo de permanência dos clientes. Foi constatado que 33% deles passam mais tempo na loja porque gostam da música.

E os benefícios não param por aí, ela ainda é capaz de estimular novas visitas. Foi comprovado que 31% dos clientes geralmente voltam a visitar a loja e 21% indicam para amigos.

Mas acredite, não acaba por aí. Os resultados mostram ainda que a música trabalhada da maneira errada pode derrubar seus resultados de maneira significativa.

Cerca de 44% dos clientes afirmaram ir embora se a música da loja estiver incomodando, e ainda 38% não voltam mais e 25% não indicam aos amigos.

Você pode ver essa pesquisa completa em soundslikebranding.com ou ter acesso ao infográfico completo traduzido aqui.

Como montar a playlist certa para sua loja?

Agora que você já entendeu a importância da música para sua loja, é preciso pensar em como montar uma playlist que atenda essa necessidade.

Segue aqui os principais passos para o desenvolvimento da sua programação musical.

Planeje: Como falamos acima, é preciso pensar, antes de qualquer coisa, nos atributos da sua marca e no perfil do seu público alvo. Após essa definição, é feito a seleção dos gêneros musicais que devem conter em sua playlist.

Crie: Desprenda-se do seu gosto pessoal e caia na criação da sua playlist com foco no que foi planejado. Monte playlists de cerca de 1500 músicas dos gêneros selecionados para evitar repetições.

Atualize: Disponha de um tempo de, no mínimo uma vez por mês para atualizar suas playlists colocando as novidades que foram lançadas pelo mercado fonográfico e retire as músicas que já estão ultrapassadas.

Se você não tem um profissional que entenda muito do mundo da música e que tenha tempo para realizar essa tarefa, você pode considerar a contratação de empresas especializadas que podem otimizar o tempo e os resultados, e contam com a expertise necessária.

Conclusão

O que podemos concluir deste assunto é que o varejo cada vez mais precisa se diferenciar para conquistar seus clientes, e as estratégias de marketing no varejo são muito importantes para isso.

O marketing promocional ajuda a aumentar as compras por impulso e utilizando estratégias de marketing sensorial, como a música por exemplo, é possível aumentar não só as vendas, mas a fidelização de clientes e indicações.

Esse post foi oferecido pela ListenX, empresa criadora do Atmosfera, plataforma desenvolvida para criar uma experiência incrível nos pontos de venda através da música com o melhor custo benefício.

Produzido pela equipe ListenX!