pessoa analisando o indicadores financeiros

9 indicadores financeiros que todo empreendedor deve ficar de olho

Através dos indicadores financeiros é possível extrair indicadores que mostram o cenário da situação da empresa. Então, não deixe de conferir este post!

(Clique no player para o ouvir a narração do nosso post! Deixe nos comentários o que achou.)

Todo bom empreendedor precisa saber acompanhar os indicadores financeiros do seu negócio, pois essa é uma das únicas maneiras de saber como anda a saúde financeira da empresa, além de ser algo que auxilia fortemente em suas tomadas de decisão.

Até porque, o lado financeiro de qualquer negócio é um dos elementos mais importantes. Por isso, é preciso saber lidar com esse processo, realizando um acompanhamento o mais próximo possível para que ele possa prosperar cada vez mais.

Além disso, saber analisar os demonstrativos financeiros da empresa é essencial para conseguir medir o desempenho no que diz respeito à evolução do negócio.

Saiba que através desse recurso é possível extrair indicadores que mostram o cenário da situação da empresa, auxiliando na identificação do que está bom e o que precisa ser melhorado.

Por isso, preparamos esse post com 9 indicadores financeiros que todo empreendedor precisa conhecer e saber analisar. Ficou interessado? Então, veja quais são esses indicadores:

1. Margem de contribuição

Esse é um dos indicadores financeiros mais básicos e por isso deve ser acompanhado de perto. A margem de contribuição indica o quanto sobra da receita gerada pelas vendas após descontar os custos considerados fixos, exceto os impostos.

Após realizar esse cálculo, o que sobrar de receita é o lucro. Esse cálculo pode ser feito para toda a produção da empresa ou unitariamente para um produto.

Analisar esse indicador não é difícil, pois se a margem de contribuição apresentar um resultado negativo é um forte indício de que as coisas não estão dando certo, já que isso demonstra que a empresa está tendo prejuízo.

Caso ela seja positiva, é possível verificar se essa margem é suficiente para viabilizar a operação da empresa.

2. Margem EBITIDA

Outro indicador financeiro relevante é a margem EBITIDA, que basicamente é a sigla para “lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização” quando traduzimos para o português.

Ele é semelhante a margem de contribuição, a diferença entre eles é que o EBITIDA não leva em consideração eventuais depreciações e despesas financeiras do processo.

Entender esse indicador é importante, pois, na maioria das vezes, analisar somente o resultado final do desempenho da empresa, que pode ser lucro ou prejuízo, é insuficiente para chegar a uma conclusão de como foi o seu real progresso durante um dado período.

Com o EBITIDA, essa mensuração fica muito mais próxima da realidade, auxiliando nas tomadas de decisão do negócio de forma mais sólida.

3. Margem Líquida

A margem líquida também é um dos indicadores financeiros mais importantes. O seu entendimento não é difícil. Basta fazer os mesmos cálculos da margem de contribuição, porém agora sim adiciona-se os custos com os impostos.

Pois bem, a partir desse indicador é possível saber se houve lucro líquido ou prejuízo com as vendas do negócio. Dessa maneira, o entendimento sobre o quanto os impostos estão influenciando no desempenho do negócio fica muito mais claro.

A partir disso é possível buscar soluções, identificando pontos que podem contribuir para que a margem líquida seja a melhor possível!

4. Lucratividade

O indicador de lucratividade também é um dos mais interessantes de serem analisados, pelo simples fato de ir além de trabalhar somente com as despesas e receitas do negócio. Ele apresenta de forma clara a eficiência operacional da empresa.

O cálculo desse indicador é bem simples: basta dividir o lucro sobre a receita de um dado período.

Por exemplo, se no período de um mês as vendas de um produto tiveram uma receita de R$10.000, sendo que isso gerou R$9.000 de despesas e R$1.000 de lucro, o índice de lucratividade será de 10%.

Portanto, vale muito a pena estar atento para a lucratividade do negócio, uma vez que só assim será possível analisar em quais pontos será necessário reduzir custos, independentemente se ele seja fixo ou variável, para que a lucratividade possa aumentar cada vez mais.

5. Ponto de equilíbrio

O ponto de equilíbrio também está no hall dos indicadores financeiros que valem a pena serem acompanhados de perto.

Ele mostrará, basicamente se o objetivo de vendas do negócio é viável ou não, em outras palavras, apresentará claramente se as suas metas estão dentro de uma margem que gera prejuízo ou não.

Na prática, o ponto de equilíbrio dirá quantos produtos ou serviços será preciso vender para que a empresa não tenha prejuízo.

Para calcular esse indicador é preciso combinar três variáveis:

  • O preço unitário por venda do produto;
  • Os custos variáveis de cada unidade do produto;
  • Custos fixos do período que o produto foi produzido;

Após levantar esses pontos, é preciso somar os custos variáveis com os custos fixos e dividir pelo preço unitário do produto. A partir desse cálculo será possível estimar o número mínimo de unidades que devem ser vendidas para a empresa não ficar no vermelho.

Esse indicador se torna interessante para comparar com a capacidade de produção e venda do negócio. Após a análise, fica muito mais fácil o entendimento se será preciso aumentar vendas ou reduzir custos para alcançar o ponto de equilíbrio, por exemplo.

6. Geração de caixa

O indicador de geração de caixa está totalmente ligado ao indicador da lucratividade. Nesse caso é necessário que o empreendedor estime o quanto de caixa está sendo poupado no fim do mês.

A importância desse indicador está no fato de que gerar e economizar caixa pode ser um diferencial para que a empresa não entre em processo de falência em momentos de crise.

Assim, tenha em mente que a criação de um fundo de reserva para esses momentos mais complicados poderá fazer toda a diferença para a sua sobrevivência.

O ideal é definir uma meta de geração de caixa junto com um valor do fundo de reserva e outro para distribuição de lucros no fim do ano.

Por exemplo, se você pretende distribuir R$240.000 em lucros e guardar R$360.000 como fundo de reserva, a sua geração de caixa mensal deverá ser de R$50.000

7. Ticket médio

O ticket médio é um dos indicadores financeiros que, inclusive, podem ser utilizados por outras áreas da empresa, tal como a de marketing e vendas de forma estratégica.

Ele indicará o valor médio de venda que a sua empresa faz. Por exemplo, se durante esse mês foram feitas 10 vendas e o total dessas vendas foi de R$1.500, o ticket médio mensal é de R$15. Ou seja, cada cliente gastou em média R$150 ao comprar o seu produto ou serviço.

Esse indicador poderá ajudar a entender toda a dinâmica de vendas da empresa e auxiliar a empreender ações que ajudem a melhorar o desempenho das suas vendas.

Pense o seguinte: se o resultado não estiver satisfatório, o negócio poderá desenvolver estratégias para capacitar mais a sua equipe de vendas, ou então mudar as estratégias de marketing da empresa, se for o caso.

8. Custos fixos

Sem dúvida alguma, saber os custos fixos do negócio deve ser uma das prioridades de todo empreendedor e por isso esse é um dos indicadores financeiros mais importantes.

Para levantar o valor desse indicador não precisa fazer nada muito complexo, basta levantar todas as despesas que não variam, ou seja, mesmo com a mudança ou gastos eventuais, os valores permanecem os mesmos.

Por exemplo, o valor do aluguel de um ponto comercial é um custo fixo, assim como os salários sem comissão dos funcionários.

Estar atento a esse indicador é imprescindível, pois assim será possível elaborar estratégias de corte de custos e controlá-lo para não crescer muito, já um custo fixo muito alto pode ser prejudicial no final de cada mês.

9. Rentabilidade

A rentabilidade também pode ser chamada de ROI, que em inglês significa return of investment, em português a tradução é “retorno sobre o investimento”.

Esse indicador também é bem simples de ser entendido. Ele mostra a eficiência dos investimentos feitos pela empresa, além de prever uma boa previsão para investimentos futuros.

O cálculo deve ser feito da seguinte maneira: ROI = (Retorno do Investimento – Custo do Investimento) / Custo do Investimento.

Em uma situação hipotética, vamos definir que a equipe de marketing da empresa investiu R$1.500 na compra de mídia paga para divulgar os seus produtos e isso gerou um retorno de R$3.000 em vendas.

Calculando o ROI dessa ação, temos o seguinte valor: 2. Ou seja, a empresa investiu e teve um retorno do dobro do que foi investido, então podemos chegar a conclusão que esse investimento valeu a pena.

Agora se o valor das vendas geradas fosse de R$750, o ROI seria de 0,5. Isso mostra que o retorno do valor investido veio pela metade e isso gerou um prejuízo para o negócio, que não conseguiu pagar toda essa campanha.

Esse indicador é muito útil para fazer projeções da viabilidade de novos produtos, projetos ou então qualquer ação da empresa que envolva algum custo relevante. Ele também é interessante para testar diferentes estratégias e avaliar quais delas tem um retorno mais atrativo.

Saiba que esses são apenas alguns dos principais indicadores financeiros que existem no mundo do empreendedorismo. Porém, existem muitos outros que também podem ser interessantes para o seu modelo de negócios, basta estudá-los para fazer essa análise.

Agora que você já sobre a importância dos indicadores financeiros, conheça nossas 5 dicas para virar um influenciador digital