Entrevista: Simon Olson sobre capital de risco (venture capital)Simon Olson é um dos gestores da FIR Capital. Formado com grau de Júris Doctor pela Northwestern University School of Law e, antes de assumir sua posição na FIR Capital Partners, atuou como Diretor Geral da Galt Capital. Simon também trabalhou como associado no grupo de start-ups da Fenwick & West, uma das consultorias jurídicas especializadas em Alta Tecnologia mais conceituadas de Palo Alto, Califórnia.

">

Entrevista: Simon Olson sobre capital de risco (venture capital)

Simon Olson é um dos gestores da FIR Capital. Formado com grau de Júris Doctor pela Northwestern University School of Law e, antes de assumir sua posição na FIR Capital Partners, atuou como Diretor Geral da Galt Capital. Simon também trabalhou como associado no grupo de start-ups da Fenwick & West, uma das consultorias jurídicas especializadas em Alta Tecnologia mais conceituadas de Palo Alto, Califórnia.

Simon Olson é um dos gestores da FIR Capital. Formado com grau de Júris Doctor pela Northwestern University School of Law e, antes de assumir sua posição na FIR Capital Partners, atuou como Diretor Geral da Galt Capital. Simon também trabalhou como associado no grupo de start-ups da Fenwick & West, uma das consultorias jurídicas especializadas em Alta Tecnologia mais conceituadas de Palo Alto, Califórnia.

Na FIR Capital, Simon teve atuação essencial na venda da empresa de portfólio Akwan para o Google, Inc, e liderou os esforços da empresa em sua associação com a Draper Fisher Jurvetson.

1. Quais são as características que investidores procuram em startups?

  1. Uma boa equipe
  2. Uma boa equipe
  3. Uma boa equipe
  4. Uma boa equipe
  5. O tamanho do mercado
  6. Características de crescimento da empresa (exponencial Vs. aritmética)
  7. Vantagens competitivas (defensibilidade)
  8. Potencial de saída
  9. Estar no lugar certo, na hora certa
  10. Uma boa ideia

É importante entender que, tirando os 4 primeiros pontos, a lista é horizontal ao invés de vertical, ou seja, não existe uma ordem – todas as características são de igual importância.

2. Ir atrás de investimento é algo necessário para qualquer startup?

Não. Por dois motivos.

Primeiro, vamos distinguir os motivos pelos quais empresas procuram capital de risco: algumas empresas o buscam para ajudar no recrutamento, conseguir novos clientes-chave, pra ajudar a alcançar uma saída etc. Procurar capital pra crescer é só uma de uma dúzia de razões pelas quais uma empresa procura financiamento por capital de risco.

Segundo, é preciso diferenciar os tipos de empresas que são apropriadas para esse tipo de financiamento, já que existem muitas que ou não precisam disso, ou não são apropriadas. Por exemplo, se você tem um blog popular e está satisfeito ganhando dinheiro com anúncios, então por que você iria atrás de capital de risco? Não faria sentido. Por outro lado, talvez você tenha uma empresa grande, lucrativa, mas precisa de expertise para levar a empresa para um patamar acima – nesse caso, apesar de você não precisar do dinheiro, você pode querer o capital de risco para ganhar acesso ao expertise que investidores têm.

3. Uma empresa deve aceitar investimento do primeiro investidor que aparecer? O perfil do investidor faz muita diferença?

Não! Se você está contratando uma pessoa para sua empresa, você contrata a primeira que aparece ou entrevista vários candidatos? A parceria entre empreendedor e investidor é como casamento – na alegria e na tristeza, até que a morte os separe. Por isso, você deve conhecer vários diferentes investidores antes de escolher um. Existem muitos tipos diferentes de empreendedores e investidores, então você precisa achar aquele que combina. Por quê? Porque vão existir, invariavelmente, momentos difíceis e, quando eles virem, é essencial que você tenha alguém que você confia ao seu lado.

4. Com o aporte de capital feito, o Fundo passa a ter controle total sobre a gestão da empresa? Como isso funciona?

Não. De novo, algumas distinções devem ser mostradas.

Primeiro, investidores não querem ter nada a ver com o dia-a-dia da empresa. A situação ideal, pelo ponto de vista do investidor, é que a equipe faça um trabalho tão bom, que ele nunca terá que fazer nada. Se você pensar sobre isso, faz muito sentido: o trabalho de um investidor é selecionar as melhores empresas e investir. Eles não querem gerir a sua empresa e isso é um engano comum entre empreendedores de primeira viagem. Investidores não são chefes, são parceiros. Em termos do poder acionário, eles adquirem entre 20 e 45% da empresa. Junto com isso, eles normalmente ganham um lugar no conselho da empresa, e a empresa e o fundo fazem um acordo acionário que garante proteções para os dois lados.

5. Quais as dicas para as empresas que querem atrair capital empreendedor?

  1. Faça um protótipo ou uma prova do seu conceito;
  2. Construa uma boa equipe;
  3. Faça a empresa crescer até a lucratividade ou o break-even;
  4. Tente pegar algumas empresas famosas como clientes;
  5. Tenha certeza de que você está fazendo algo pela qual é apaixonado, senão não vai valer a pena =).

Para ler as outras entrevistas que fizemos, clique aqui.

Para dicas diárias sobre empreendedorismo e startups, assine nosso RSS ou siga-nos no Twitter: @empreendemia

  • Parabéns pela entrevista! É sempre um assunto interessante e que divide opiniões. rs

    Há sempre o mito de que o que interessa aos investidores é apenas uma boa idéia. Cada vez mais vejo na prática que o que vale é a capacidade do empreendedor em agregar, é a sua congruência e engajamento com o que tem que ser feito para que o projeto decole.

    Acho a equipe fundamental, mas sinceramente sem um “aglutinador” que tenha uma visão empreendedora obstinada, não vejo como uma startup poderá passar por todos os desafios que terá pela frente. 🙂

  • luizpiovesana

    Olá Horácio!

    Provavelmente capital de risco e todos os aspectos referentes ao uso dele em
    startups é um dos assuntos mais polêmicos mesmo; e é por isso que tentamos
    sempre trazer à tona aqui no Saia do Lugar os benefícios de usar e também de
    não usar.

    Sobre ter uma equipe boa Vs. um algutinador, eu acho que na verdade o
    necessário é uma equipe completa, que tenha o algutinador, o vendedor, o
    criativo etc. O algutinador é sim necessário para todos os desafios, mas
    também não será o suficiente sem os demais.

    Abraços,
    Luiz

  • Concordo perfeitamente Luiz. Uma equipe completa é o fundamental e por isso que eu acho que dentro desses 10 itens um bem importante deveria ser o perfil e competências do empreendedor. 😉

  • Paulo Coutinho

    Muito boa essa entrevista.
    Em poucas linhas foi falado tudo que é necessário para o entendimento de qualquer empreendedor.
    Parabéns ao site pela entrevista e ao entrevistado pelo conteúdo!

  • Paulo Coutinho

    Muito boa essa entrevista.
    Em poucas linhas foi falado tudo que é necessário para o entendimento de qualquer empreendedor.
    Parabéns ao site pela entrevista e ao entrevistado pelo conteúdo!

  • ..

  • ..

  • Gostei da entrevista, é um bom retrato da realidade. Talvez discorde um pouco do ponto 4, no sentido em que o investidor, como sócio e parceiro, aceito muitas vezes pela sua experiência e rede contatos (por vezes mais importante do que o aporte em si) pode contribuir muito no dia-a-dia da companhia.

  • Gostei da entrevista, é um bom retrato da realidade. Talvez discorde um pouco do ponto 4, no sentido em que o investidor, como sócio e parceiro, aceito muitas vezes pela sua experiência e rede contatos (por vezes mais importante do que o aporte em si) pode contribuir muito no dia-a-dia da companhia.

  • luizpiovesana

    Olá Pedro, tudo certo?

    Com certeza o know-how e os contatos do investidor contribuem muito para o
    dia-a-dia.

    Porém, ele tem atribuições de um conselheiro, assim como o Simon comentou
    nesse mesmo ponto, ou seja, ele é um cara pra dar pitacos na estratégia,
    analisar o andamento, passar contatos, mas não botar a mão na massa – acho
    que foi esse o intuito dessa parte da entrevista.

    Além disso, temos que lembrar que investidores também podem investir em
    outras empresas, o que torna seu tempo mais escasso pra cada uma das
    investidas.

    Abraços,
    Luiz

  • Legal o post, mas queria saber o que define “uma boa equipe” que o Olson tanto frisou? Pessoas engajadas, com alto conhecimento técnico e/ou prático, experientes, perfis diferentes que se complementam?