Dicas para empresas de base tecnológica

Fala-se muito na defasagem tecnológica do Brasil em relação a países de 1º mundo, mas felizmente temos visto iniciativas para reverter isso, como o Instituto Inovação, Adrenax, Fapesp, o Fundo Criatec e o Governo Federal através da Finep.

Fala-se muito na defasagem tecnológica do Brasil em relação a países de 1º mundo, mas felizmente temos visto iniciativas para reverter isso, como o Instituto Inovação, Adrenax, Fapesp, o Fundo Criatec e o Governo Federal através da Finep.

Incentivos como os realizados por essas organizações à criação de empresas de base tecnológica (definição:”…empresas que tem como principal insumo os conhecimentos e as informações técnico-científicas.“) são cruciais para que o país passe a exercer um papel de liderança em inovação tecnológica e não fique sempre correndo por fora.

Dada essa grande importância, colocamos abaixo algumas dicas para quem quer abrir ou está abrindo uma empresa de base tecnológica.

Incubadoras
Definição: ambiente para auxiliar o estabelecimento e crescimento inicial de empresas de base tecnológica.
O que oferecem: local físico (junto com outras empresas incubadas), serviços básicos administrativos e de suporte (advogado e contador), consultorias (normalmente em gestão), realização de cursos e workshops – tudo isso com um custo bem mais baixo que o normal.
Por que incubar: ganhar tempo para pesquisa e desenvolvimento (P&D;). Nos estágios iniciais a tecnologia não é comercializável e o seu mercado foco ainda está sujeito a muita incerteza; além disso, a falta de experiência em gestão é minimizada pela ajuda de consultores e acesso fácil a serviços básicos.
Principal diferencial: contatos, acesso a investidores formais, proximidade com universidade, ambiente com outras empresas nascentes – estar num ponto chamativo para novas oportunidades.
Como achar uma? Procure sempre perto de grandes universidades e cheque suas referências e especialidades.

Incentivos fiscais
Apesar das nossas leis e impostos não serem os fatores mais favoráveis ao empreendedorismo, existem incentivos fiscais sobre imposto de renda e compra de equipamentos para P&D; na lei do bem. Logo, se você se encaixa, fique atento a essas e outras possibilidades.
Peça um guia sobre como identificar e usar incentivos fiscais para P&D; aqui.

Financiamento
Ao contrário de um empreendedor de subsistência, empresas de base tecnológica dificilmente pegam financiamento de bancos, especialmente por causa dos altos juros. Para elas existem tanto os financiamentos públicos, principalmente através da Finep, quanto os investidores formais, desde investidores anjo até venture capital (veja portal capital de risco e Fundo Criatec).

Universidade
Esteja próximo de universidades de ponta em pesquisa, já que através delas você encontra os mais avançados pesquisadores, pesquisas e laboratórios – pontos básicos para seu processo de P&D.; Além disso, universidades apresentam também oferta de mão-de-obra altamente qualificada, tanto para P&D;, quanto para Gestão.

Você tem mais dicas? Por favor, poste como comentário.

Abraços,
Luiz Piovesana (pela inovação tecnológica brasileira)

p.S.: Agradecimento ao Danilo Herrero pela sugestão do tema.

  • Desafio aquele que disser que o empreendedorismo tecnológico não é o mais gostoso e desafiador deles.

    Não se trata de invenção. Tão pouco de uma lampadazinha que pisca acima na cabeça indicando uma ideia genial.

    Empreendedorismo tecnológico, na minha leitura, deriva de dedicação, audácia, sorte, matemática, física, química, biologia, laboratório, madrugadas e, claro, foco no impacto social.

    Cansado de ver o Brasil vender pedra/mato e comprar Intel/Coquetéis-anti-Câncer, encontro-me disposto a desenvolver a Ciência Aplicada aqui mesmo.

    Ajudas são bem-vindas, e obrigado pelo Post e reconhecimento.

  • Desafio aquele que disser que o empreendedorismo tecnológico não é o mais gostoso e desafiador deles.Não se trata de invenção. Tão pouco de uma lampadazinha que pisca acima na cabeça indicando uma ideia genial.Empreendedorismo tecnológico, na minha leitura, deriva de dedicação, audácia, sorte, matemática, física, química, biologia, laboratório, madrugadas e, claro, foco no impacto social.Cansado de ver o Brasil vender pedra/mato e comprar Intel/Coquetéis-anti-Câncer, encontro-me disposto a desenvolver a Ciência Aplicada aqui mesmo.Ajudas são bem-vindas, e obrigado pelo Post e reconhecimento.

  • Pingback: Modelo de pesquisa de mercado – Consultoria em gestão | Saia do Lugar()

  • Ok Luiz, boa apresentação.
    Tenho uma empresa de Base Tecnológica, sediada agora em uma incubadora em um centro de inovação tecnológica.
    A minha dica é sobre PESSOAS.
    São o bem mais precioso e essencial.. uma ideia, por si só, de nada vale. É preciso pessoas pra fazer a “coisa” acontecer, e não pode ser qualquer um, a equipe para este tipo de negócio deve ser altamente motivada e comprometida com o resultado. Ou os membros “vestem a camisa” ou estão fora.
    Fica ai a dica.
    No meu blog falei sobre incubadoras recentemente: http://www.tiagogouvea.com.br
    Abraços!

  • luizpiovesana

    Oi Tiago, tudo bem?

    Não só concordo com a importância da equipe, como considero isso como o
    fator mais importante para se empreender.

    Entre os fatores mais comuns que determinam o sucesso de uma empresa, como a
    qualidade da ideia ou o potencial de mercado, nenhum deles realmente pode
    ser colcoado em execução com uma equipe ruim.

    Além disso, como diz Kawasaki, a vida é muito curta pra gastá-la com pessoas
    que você não gosta, então além delas vestirem a camisa e acreditarem no
    mesmo sonho, elas precisam combinar com a equipe.

    Abraços,
    Luiz

  • Tiago,
    Faço minhas as palavras de Luiz. A melhor oportunidade do mundo não sairá do
    lugar sem uma equipe excepcional.

    Quem criará seu produto são pessoas e quem pagará seu salário no final do
    mês também são pessoas, seus clientes. Sem uma equipe fenomenal tanto
    tecnicamente quanto em tratar bem as pessoas (principalmente os clientes),
    não há tecnologia e técnicas de gestão que tornem a empresa grandiosa.

    Sobre seu blog, achei bem bacana. Acabou de ganhar um leitor do RSS.

    Abração!

  • Pingback: Quer inovar? Confira alguns financiamentos disponíveis | Saia do Lugar()

  • Letícia

    Para quem mora no Rio Grande do Sul e tem interesse em incubar, a UNITEC é a incubadora do parque Tecnosinos http://www.tecnosinos.com.br/ (dentro da Universidade UNISINOS http://www.unisinos.br ). A empresa que trabalho está incubada aqui. E eu estudo na UNISINOS 😉
    Posso fazer o contato, inclusive, de quem tiver interesse. Só mandar uma Direct Message: @titapozza

  • Claudio AC Silva

    Luiz,

    As universidades brasileiras, mesmo as consideradas “de ponta” em nosso contexto, não necessariamente têm “os mais avançados pesquisadores, pesquisas e laboratórios” das áreas tecnológicas. O Jorge Salomão da PadTec já citou isso numa apresentação. Na área dele, as universidades brasileiras estão atrasadas em 15 anos do ponto de vista tecnológico. Conheço vários casos assim.

  • Luiz, muito boas dicas para os aspirantes ao empreendedorismo digital. Parabéns por incentivar com o artigo e dicas.

    Acabei de postar em meu blog um novo artigo: A Importância da Modelagem de Negócios – http://bit.ly/ieFzeP – baseado no livro Business Model Generation, de Alexander Osterwalder & Yves Pigneur, mostra como desenhar modelos de negócios. Ajuda os iniciantes a colocarem as suas idéias no papel, aos inovadores a enriquecerem seus projetos, aos empresários a rever os elementos de negócio, repensar a estratégia, melhorar os processos, aumentar vendas, reduzir custos e conseqüentemente conseguirem melhores margens.