Desenvolvimento de produto: Projete seu sistema pensando nas pessoas que farão “caquinha”

A dica de hoje foi dada por Seth Godin em seu blog

A dica de hoje foi dada por Seth Godin em seu blog

Se você pedir a 100 pessoas pra fazer uma tarefa (especialmente relacionadas a seguir instruções ou usar um computador), saiba que 2 delas farão “caquinha”.

Não importa se você usa TODAS AS LETRAS MAIÚSCULAS. Não importa se suas instruções são a coisa mais clara do mundo. Não faz diferença se você as faz assinar um termo. 2% irá sempre fazer besteira. E não são sempre os mesmos 2%, então remover os perdidos não irá funcionar.

Isso significa que você só tem 2 opções:

  • Projetar um sistema que tenha bom senso e graça para permitir que os 2% continuem nele
  • Perturbar, aterrorizar e perder essas pessoas

As pessoas que mexem com tecnologia odeiam essa escolha, mas é a mais pura verdade. Você precisa se planejar para falha humana e parte do seu trabalho é ter os recursos e ajudar as pessoas a permanecer na sua Tribo mesmo que não consigam seguir uma simples instrução.

[Só para deixar claro que a primeira opção não é a única. Muitos projetistas bem sucedidos (incluindo a Apple) se orgulham de escolher a segunda opção. Agradar a todos não é necessário. Escolher fazê-lo intencionalmente sim]

Obs.: Para entender melhor o conceito de ser líder através da formação de Tribos, confira o vídeo aqui.

Para mais dicas sobre quem está sentindo na pele a emoção de criar uma nova tecnologia, siga nosso Twitter: @empreendemia

  • Pingback: Tweets that mention Desenvolvimento de produtos: Faça a interface de usuário o mais intuitiva possível | Saia do Lugar -- Topsy.com()

  • excelente tema. Foi indicada uma leitura no meu blog sobre o tema sistemas de empresa. O livro se chama O Mito do Empreendedor, é muito bacana

    ABraço!

  • excelente tema. Foi indicada uma leitura no meu blog sobre o tema sistemas de empresa. O livro se chama O Mito do Empreendedor, é muito bacana

    ABraço!

  • Millor

    Se for só uma “caquinha” poderemos nos considerar felizes. O problema é que pode ser uma kgd de proporções bíblicas.
    Eu penso que precisamos ter o bom senso de medir o impacto do erro inevitável no sistema. Até que ponto o molho ficará mais caro que o peixe?

    Imagine se tivessemos 2% de caquinhas no cockpit de um Airbus! Pra reduzir isso pros limites aceitáveis, e pra quem nós lê, pode crer que existe um limite aceitável, os sistemas são replicados “ad nauseam” pra que esse erro, ainda que aconteça, não tenha consequências maiores do que um “ops! quase aconteceu uma bobagem”.

    Nos demais casos, nada que um ALFREEEEEEDO, não dê jeito.

  • Millor

    Se for só uma “caquinha” poderemos nos considerar felizes. O problema é que pode ser uma kgd de proporções bíblicas.
    Eu penso que precisamos ter o bom senso de medir o impacto do erro inevitável no sistema. Até que ponto o molho ficará mais caro que o peixe?

    Imagine se tivessemos 2% de caquinhas no cockpit de um Airbus! Pra reduzir isso pros limites aceitáveis, e pra quem nós lê, pode crer que existe um limite aceitável, os sistemas são replicados “ad nauseam” pra que esse erro, ainda que aconteça, não tenha consequências maiores do que um “ops! quase aconteceu uma bobagem”.

    Nos demais casos, nada que um ALFREEEEEEDO, não dê jeito.

  • millor

    Oi Valter,

    Concordo plenamente com você. Na verdade, existem 3 coisas que você pode fazer para diminuir a famosa “falha de user”:
    Orientá-lo sobre como usar o sistema sem fazer caca (nem sempre funciona)
    Deixar o sistema o mais robusto possível pra mesmo que o usuário queira, ele não consiga fazer caca
    Diminuir o impacto da caca caso ela seja feita
    A estratégia do “ALFREEEEEDO” eu não conhecia, mas pode ser também uma ótima alternativa heheh

    Abraços!

  • millor

    Oi Valter,

    Concordo plenamente com você. Na verdade, existem 3 coisas que você pode fazer para diminuir a famosa “falha de user”:
    Orientá-lo sobre como usar o sistema sem fazer caca (nem sempre funciona)
    Deixar o sistema o mais robusto possível pra mesmo que o usuário queira, ele não consiga fazer caca
    Diminuir o impacto da caca caso ela seja feita
    A estratégia do “ALFREEEEEDO” eu não conhecia, mas pode ser também uma ótima alternativa heheh

    Abraços!

  • Tudo a ver com o Jailbreak dos iPhones – que até a pouco tempo atrás era considerado pirataria, ilegal, e hoje passa a ser um procedimento que até usuários “leigos” desejam realizar, para ter acesso a um número maior de aplicativos.

    Aliás, li hoje (9/Ago) a notícia que um Hacker criou um modo dos iPhones e iPads rodarem Flash – mais uma vez, contra a política original da Apple. No final, são os consumidores que mandam no seu produto, não o contrário! 😉

  • Lfpozatti

    “2% irá sempre fazer besteira” arruma lá o português…”2% IRÃO sempre…”

  • Pingback: [t.i.] Desenvolvimento de produto: Projete seu sistema pensando nas pessoas que farão “caquinha” | Site pessoal de Pedro Sérgio Angelotti()