O que a sua empresa pode aprender com a cultura startup em 5 pontos

Desde que a Netflix divulgou seu culture code em 2009, centenas de empresas em todo o mundo começaram a repensar seus hábitos organizacionais, em uma tentativa de implementar a chamada cultura de   startup.

Destoando dos padrões corporativos tradicionais que prezam por regras e códigos de conduta extremamente rígidos, a gigante do streaming deposita confiança e dá liberdade aos funcionários.

Os resultados? Uma empresa em clara ascendência, formada por funcionários apaixonados e engajados. O desejo de todo empreendedor.

Mas você sabe os reais benefícios que uma cultura como a da Netflix pode trazer para sua empresa?

Nesse artigo, listamos 5 motivos para implementar uma cultura de startup que você não pode ignorar — e um extra para esquecer totalmente o assunto:

1. Desenvolvimento técnico do time

Ao contrário das empresas tradicionais, em que os funcionários permanecem estagnados na mesma função por décadas, nas startups as coisas mudam muito rápido. Um cargo que existe hoje pode não existir amanhã.

Por isso, os profissionais dessas empresas estão sempre estudando e aperfeiçoando suas habilidades. A mentalidade geral é que todo dia você precisa ser 1% melhor do que era ontem se quiser continuar relevante.

Além disso, startups também são ambientes onde há um incentivo muito forte de compartilhamento de conhecimento.

A lógica é: ensinando alguém, você põe seus conhecimentos em prática, posiciona-se como especialista e ajuda no desenvolvimento profissional de um colega de trabalho — o que impacta diretamente nos resultados da companhia.

Como você deve ter percebido, o benefício de replicar isso na sua empresa é um time colaborativo e em constante evolução.

2. Maior agilidade nos processos

**Quer matar todas as ideias do seu time? Tenha processos burocráticos. **Não existe nada melhor para impedir a realização de um projeto do que impor a aprovação de dezenas pessoas para fazer seu trabalho.

É por isso que uma cultura de startup preza pela autonomia dos funcionários. Todos os funcionários da empresa tem liberdade para executar projetos e possuem poder decisório inerente ao cargo ocupado.

Eles podem focar nas metas e agir por conta própria sem precisar se justificar o tempo inteiro. Isso dá agilidade aos processos e permite que as coisas sejam feitas rapidamente, alcançando resultados em um curto espaço de tempo.

Quer ganhar agilidade na sua empresa? Implemente uma cultura de startup e dê autonomia a seus colaboradores.** Você os contratou, confie na sua escolha!**

3. Aumento no engajamento dos colaboradores

Com a evolução das relações profissionais e as mudanças de valores sociais ocorridas nos últimos anos, as pessoas passaram a relacionar cada vez mais o trabalho à satisfação pessoal.

Hoje, queremos trabalhar em lugares onde somos valorizados, respeitados e desafiados diariamente a nos tornarmos profissionais melhores. O acolhimento e as possibilidades de reconhecimento e desenvolvimento são nossos maiores motivadores, o que nos fazem dar o nosso melhor para a empresa.

E digo mais: podemos até atuar em empresas que não nos oferecem essas condições, mas certamente não daremos nosso máximo por pura e simples falta de motivação.

É por isso que as startups conseguem colaboradores tão engajados. Quando você tem uma cultura que deposita confiança, dá autonomia e fornece um ambiente de trabalho horizontal, agradável e com possibilidade de crescimento, você tem uma cultura de motivação.

Quer manter seus colaboradores motivados no trabalho? Pesquise como startups mais queridas estão motivando seus funcionários e transforme seus colaboradores em defensores!

4. Criação de um ambiente de inovação

Muito comum no meio de startups, o mantra “fail fast, fail often” — em português, falhe rapidamente e repetidas vezes — resume perfeitamente porque as soluções mais inovadoras têm surgido nessas empresas.

Falhar rápido e repetidamente significa não ter medo de arriscar e experimentar.

Veja bem, a única maneira de nunca errar é ficar parado. Se você está fazendo algo, você vai errar em algum momento, e o mesmo acontece com o seu time.

O verdadeiro problema não está em errar, mas em repetir um erro, já que o resultado disso continuará o mesmo. Ou em descobrir o erro muito tempo depois de tê-lo cometido, porque o impacto dessa falha nos negócios será maior.

Sendo assim, o melhor é que o erro aconteça o quanto antes, para que você possa repará-lo sem grandes prejuízos e seguir em frente com uma nova ideia, mesmo que ela também venha a ser descartada no futuro.

Ou seja: fail fast, fail often! Tente, e se der errado parta para outra até fazer dar certo. É arriscando que se inova.

5. Melhor custo-benefício para a empresa

Uma das maiores lições que as grandes companhias podem aprender com as startups é a metodologia lean que, em termos simples, significa fazer muito com poucos recursos.

Isso quer dizer que você não precisa de um planejamento super detalhado, centenas de funcionários à disposição ou contratar uma ferramenta específica para conseguir bons resultados.

Foque em otimizar os processos existentes, eliminando desperdícios e aprendendo na prática qual a melhor maneira de fazer as coisas.

Não pode contratar uma ferramenta? Vire-se com uma planilha. O Google Sheets tem funcionalidades ótimas!

Não tem tempo para fazer tudo que precisa? Defina prioridades ao invés de abrir novas contratações. Muitas vezes nosso foco está em alguma tarefa que não impacta diretamente nos resultados e por isso uma nova pessoa não é necessária.

É como diz o CEO da Rock Content, Edmar Ferreira:

“Faça o que você pode, com o que você tem, onde você está”.

E lembre-se: grandes companhias fizeram muito com pouco. O Facebook, por exemplo, passou um bom tempo funcionando de uma casa e com um time enxuto simplesmente porque contratar mais e ter uma sede não eram prioridades.

Mas uma cultura de startup realmente é para a minha empresa?

Como prometido, aqui vai um motivo muito forte para não implementar uma cultura startup na sua empresa:* ela não é para qualquer um.*

Algumas empresas simplesmente não vão se adaptar a esse tipo de ambiente profissional horizontal e altamente mutável. Entretanto, todas as companhias podem aprender muito sobre cultura organizacional com as startups, como você viu nesse post.

E que fique claro: uma boa cultura organizacional não é um powerpoint legal ou um lema descolado.  Diego Gomes, Co-Founder da Rock Content, falou sobre isso nesse artigo em que destrincha as culturas corporativas em detalhes. Confere lá para saber mais e aproveite para ver o material  que ensina tudo sobre esse tipo de empresa.

eBook com o tema de startups.

comments powered by Disqus