Casos de empreendedorismo: As 2 barraquinhas de limonada

História originalmente postada por Seth Godin em seu blog.

História originalmente postada por Seth Godin em seu blog.

A primeira barraca é gerenciada por 2 crianças. Elas usam limonada de caixinha, copos descartáveis e uma mesa comum. É uma boa barraquinha de limonadas, uma dentre as muitas barraquinhas de limonada que existem por aí. Custa 1 dólar para comprar um copo, o que é um bom preço, ainda mais considerando que você ganhou tanto a limonada quanto a satisfação de saber que ajudou 2 crianças.

Barraquinha de limonada

A outra barraquinha é diferente. A limonada é de graça, mas existe um grande pote para gorjetas. Quando você chega, a dona da barraquinha fica lá, quieta, como só uma garota de 11 anos pode ficar. Ela calmamente pega um pote com gelo e limão. Depois pega o limão, corta-o e faz o suco em um espremedor.

O tempo todo em que ela está espremendo o limão, ela também está conversando com você, compartilhando suas ideias (e alegria) sobre o poder que a limonada tem para mudar seu dia. É um lindo dia e ela não tem pressa. A limonada não tem pressa, ela diz. Ou se faz da forma certa ou não se faz. Então ela te fala para colocar um pouco menos de açúcar, porque o gosto fica melhor dessa forma.

Enquanto vocês conversam, uma dúzia de pessoas vai embora porque parece que demora demais. Porém, você não se importa porque está conectado, praticamente hipnotizado. Algumas pessoas chegam junto e esperam na fila, atrás de você.

Finalmente, quando ela termina, você coloca 5 dólares no pote, porque a limonada de graça valeu pelo menos o dobro disso. Talvez a limonada em si não valeria nem 3 dólares, mas você felizmente pagaria de novo por isso. A experiência te marcou. Na verdade, mudou você.

Qual dos 2 empreendedores você acredita que terá maior chance de sucesso no futuro?

Obs.: Se você acha que não é possível fazer isso no Brasil, lembre-se da Dona Helena e seu exemplo de bom atendimento.

Obs2: Não deixe de conferir outros casos de empreendedorismo aqui.

  • a parábola é bacana e realista…
    às vezes a ânsia de “cobrar” é tanta que não nos preocupamos em “entregar”…

  • a parábola é bacana e realista…
    às vezes a ânsia de “cobrar” é tanta que não nos preocupamos em “entregar”…

  • e olhando o blog do Seth acabei de descobrir que a parábola se materializou diante de nossos olhos

  • e olhando o blog do Seth acabei de descobrir que a parábola se materializou diante de nossos olhos

  • Rodrigo

    Essa idéia é muito boa na teoria. Na prática, não funcionaria, ainda mais no Brasil.

    O atendimento tem que ser excelente, independente do preço e serviço. Fidelização > all.

  • Rodrigo

    Essa idéia é muito boa na teoria. Na prática, não funcionaria, ainda mais no Brasil.

    O atendimento tem que ser excelente, independente do preço e serviço. Fidelização > all.

  • Uma vez assisti um vídeo do Waldez Ludwig (grande cara), onde ele diz algo como: “não compramos somente um produto. Compramos um momento, uma sensação”. Infelizmente, a maioria dos vendedores não parece saber disso e trabalha na base do: contanto que você consuma meu produto e me dê dinheiro, pode sentir o que quiser.

  • Uma vez assisti um vídeo do Waldez Ludwig (grande cara), onde ele diz algo como: “não compramos somente um produto. Compramos um momento, uma sensação”. Infelizmente, a maioria dos vendedores não parece saber disso e trabalha na base do: contanto que você consuma meu produto e me dê dinheiro, pode sentir o que quiser.

  • Thamy

    Os brasileiros tem hábito de ter pressa, logo a idéia (não me acostumo com as novas regras) que daria certo no Brasil, infelizmente é a limonada de um dolar onde o atendimento é rápido e você ainda sai com a consciência de que “ajudou” uma criança, porque se uma pessoa quer se ajudada ele compra um livro de auto-ajuda (com hífen ou sem? não me acostumo com as…) e lê as 3 primeiras páginas (nada de radicalismos).

  • Thamy

    Os brasileiros tem hábito de ter pressa, logo a idéia (não me acostumo com as novas regras) que daria certo no Brasil, infelizmente é a limonada de um dolar onde o atendimento é rápido e você ainda sai com a consciência de que “ajudou” uma criança, porque se uma pessoa quer se ajudada ele compra um livro de auto-ajuda (com hífen ou sem? não me acostumo com as…) e lê as 3 primeiras páginas (nada de radicalismos).

  • Lion

    Como sempre bom post Millor. Thamy, acredito que mudar é sempre necessário. A mensagem neste texto se refere a atenção que devemos dar ao nosso cliente e não ao tempo para entregar o produto ou serviço.
    “A pressa é inimiga da perfeição.”

    • millor

      Exatamente isso Lion! A ideia é falar muito mais sobre a atenção dada do que o tempo em si.

      Abraços

    • Verdade. Compras muitas vezes tem a ver com experiência. Minha namorada faz piadinhas falando que qualquer pessoa com simpatia e um sorriso no rosto me faz comprar qualquer coisa. Em muitos casos a experiência proporcionada traz mais satisfação do que o produto em si.

  • Lion

    Como sempre bom post Millor. Thamy, acredito que mudar é sempre necessário. A mensagem neste texto se refere a atenção que devemos dar ao nosso cliente e não ao tempo para entregar o produto ou serviço.
    “A pressa é inimiga da perfeição.”

    • millor

      Exatamente isso Lion! A ideia é falar muito mais sobre a atenção dada do que o tempo em si.

      Abraços

  • Thamy

    Lion, isso eu entendi! O texto nos passa essa lição, o que eu quero dizer quando digo isso, é só um comentário a respeito de por que que as coisas não funcionam como deveriam…ou seja, aproveitar a atenção recebida e não o tempo.
    Entende agora?

  • Thamy

    Lion, isso eu entendi! O texto nos passa essa lição, o que eu quero dizer quando digo isso, é só um comentário a respeito de por que que as coisas não funcionam como deveriam…ou seja, aproveitar a atenção recebida e não o tempo.
    Entende agora?

  • Texto simples que ajuda a entender o que foco no cliente significa, e esclarece bem as atuais tendências de consumo. Genial, Millor, obrigada pelo post.

  • Valmir

    Belo exemplo de como funciona a economia do GRÁTIS .

    Quer entender sobre a economia do GRÁTIS , participe de minha palestra gratuita : Free o Futuro dos Preços , acesse http://www.aulavox.com/2010/valmird/free.htm

    Valmir Duarte Costa
    Diretor Geral
    http://www.aulavox.com
    [email protected]
    +55 11 4231 1459
    +55 11 9654 9455
    Compartilhar conhecimentos é a nossa missão.
    Clique aqui e fale comigo agora !

  • Guili

    No mundo de hoje as 2 barraquinhas estão fadadas a extinção, bom antedimento e eficiência tem que andar juntas