As 6 desculpas mais esfarrapadas do mundo

As 6 desculpas mais esfarrapadas do mundo

A dica de hoje foi dada por Leandro Branquinho no blog Insistimento. É bom tomar bastante cuidado com essas 6 desculpas.

A dica de hoje foi dada por Leandro Branquinho no blog Insistimento.

Aqui vão 6 desculpas que são amplamente utilizada por pessoas mediocres:

1. Não tenho dinheiro
Não conheço árvore que dá dinheiro e nunca vi cair do céu. Só conheço uma forma de ter dinheiro, trabalhando! Se o dinheiro está faltando, trabalhe mais. Se trabalhar mais não te dá o tanto que você quer, arrume outro trabalho, estude, aprenda, prepare-se, conheça mais pessoas que possam te dar oportunidades. Falar que não tem dinheiro não fará ninguém comover-se com suas lamentações.

2. Não tenho sorte
É engraçado como algumas pessoas, que não se dão bem, que não tem sucesso, colocam a culpa no acaso. Reclamar que não tem sorte é não admitir seus próprios erros. A primeira coisa a fazer quando se comete uma falha, é admitir. Ninguém consegue corrigir falhas se não assumir que falha. Pessoas que sempre reclamam que não tem sorte, na verdade são orgulhosas demais para assumir o que precisam corrigir.

3. Não tenho experiência
É claro que a maioria das pessoas prefere dar oportunidades para quem já tem experiência. É mais cômodo, o risco é menor e dá menos trabalho. Agora, dizer que não tem experiência é desculpa esfarrapada! Trabalho voluntário dá experiência. São tantas entidades que precisam de ajuda e tanta gente querendo uma mãozinha… Ofereça seu trabalho voluntário e em troca ganhará gratidão e experiência. Caso tenha dificuldades em conseguir trabalho voluntário em entidades, seja voluntário em fazer amizades.

4. Não tenho tempo
Todo mundo tem a mesma quantidade de tempo. O dia tem vinte e quatro horas para o pedinte de rua e para o presidente de uma multinacional. Escolher o que é mais importante é o primeiro passo para analisar se o
tempo está sendo utilizado da maneira correta. Todo serviço que não te leva àquilo que você mais quer é um ladrão de tempo. Fazer as coisas como sempre fez sem se preocupar em melhorar os processos é desperdiçar tempo.

5. Não gosto do meu chefe
Seu chefe é você mesmo. Se você é subordinado à alguma pessoa e faz corpo-mole por não gostar dela, na verdade, você está prejudicando a si mesmo. Os colegas percebem, os clientes percebem e não demora,
você será conhecido como uma pessoa amarga, molenga e desleixada. Não gostar do chefe ou de colegas de trabalho não é desculpa aceitável. Se brigou com alguém, faça as pazes. Se alguém te magoou, perdoe. Faça pelos clientes, faça por você. E se, por acaso, não conseguir, despeça seu chefe! Vai trabalhar em algo que te faça feliz. Se não gosta do trabalho que você faz, MUDE!

6. Não gosto de onde eu moro
Procure ver com outros olhos. Quando alguém não é feliz no que faz, costuma por a culpa na cidade onde mora. Tente encontrar coisas que não são especificas de sua área, talvez você encontre algumas coisas que
vão te surpreender. Se não encontrar, MUDE! Existem outras desculpas, se prestar atenção em pessoas medianas, terá uma lista enorme de desculpas esfarrapadas. Conviver somente com pessoas medianas vai
te fazer aprender novas desculpas. Encontrar desculpas para tudo é escolher ser medíocre.

E você, conhece alguma outra desculpa esfarrapada que você sempre escuta?

___

Errou? Tudo bem, mas evite desculpinhas. Recomendo o post: 5 dicas para superar suas falhas.

Para mais dicas que irão ajudar seu dia-a-dia empreendedor, assine nosso RSS ou siga-nos no Twitter: @empreendemia.

  • Renato

    Faltou “Não é minha culpa”.

    • Radiovendas

      Renato, é muito legal ter um texto publicado aqui no Saia do Lugar pelo prestígio do blog e pela participação de leitores, que como você e a Lola, deixam as ideas ainda mais completas.

      Grande abraço!

      Leandro Branquinho

    • Lucas

      Fala Renato, tudo bem?

      Pois é, o “não é minha culpa” chega a ser tão comum que é quase uma resposta automática, dependendo da pessoa. hehe

      Valeu por comentar poraqui.

      Abraços,

  • Lola

    “Não tive oportunidades” – Quem cria as oportunidades é a gente, correndo atrás de contatos, estudando em boas faculdades. Já vi gente que saiu do “nada”. Familia pobre, do interior, e graças a garra de correr atrás, conseguiu chegar em um ótimo emprego.

    “Me sacrifiquei por sua causa e agora quero que vc me dê uma vida confortável” – Esta é a desculpa de pais e mães (normalmente mães) que largam tudo para brincar de casinha. Depois apostam no filho a chance de ter uma vida confortável, cheia de mimos. Afinal, é mais fácil parir que trabalhar né mesmo?

    • Radiovendas

      Lola, obrigado por complementar a lista.

      Realmente, o “ninguém me deu oportunidade” é uma desculpa comum.

      Grande abraço!

      Leandro Branquinho

    • Lucas

      Olá Lola, tudo bem?

      Sensacionais os seus dois complementos.

      O “Não tive oportunidades” é uma desculpa que se escuta muito de pessoas que não chegam onde querem e se conformam em ter uma vida medíocre. Realmente falta de oportunidades é uma coisa que não existe. As oportunidades estão lá, se você não as viu, a culpa foi sua.

      Obrigado pela contribuição, espero ver você mais aqui no SdL.

      Abraços,

  • Radiovendas

    Que legal ver meu texto por aqui! Valeu Lucas!

    Leandro Branquinho

    • Lucas

      Leandro, tudo bem?

      Eu que agradeço pelo ótimo texto. Certo que você irá aparecer mais vezes por aqui.

      Abraços!

  • Fernandosalvaterra

    Já vi muito esse discurso em “cursos” motivacionais em empresas. Há muitas afirmações boas no meio, não o desmereço. O problema é que a base disso aí vêm dum discurso muito mais velho, enraizado em nossa mentalidade: “Vc é culpado por suas mazelas. Ter nascido pobre é culpa de seus pais, continuar pobre é culpa sua. Trabalhe mais. Não se desculpe por chegar atrasado, nada lhe tirará a culpa, portanto apenas não chegue mais atrasado e aceite a carcada na bunda com um sorriso submisso no rosto. Trabalhe mais. O dono da empresa, herdada de seu pai, é um homem santo, idolatre-o, ele se esforçou muito para chegar onde chegou. Não pare para pensar que 999 em cada 1000 trabalhadores esforçados terminaram a vida na pobreza, eles não devem ter tentado o suficiente. Não pare para pensar que 50 por cento dos bilionários herdaram suas fortunas, eles batalharam muito. Tá vendo aquele empresário bem sucedido que veio do nada? Ele batalhou muito pra chegar onde chegou. É claro que ele é 1 em 1000. Pra ele ter conseguido, 999 trabalhadores esforçados precisaram continuar tentando, alimentando o sistema. Continue tentando, é assim que a roda se move. Se vc continuar tentando, talvez um dia você consiga, provavelmente não, mas se eu te der esperança, vc não vai participar de nenhuma revolução e vai continuar submisso. Trabalhe mais. Produza mais. Não chegue atrasado. Sorria, senão seu chefe pode ficar deprimido ao te ver choramingado ou mau humorado, coitado dele. Trabalhe mais. A única garantia de felicidade é ter muito dinheiro, e só é possível ter muito dinheiro produzindo muito para a empresa que você trabalha, se especializando na sua área. Não está feliz com seu atual trabalho? Arrume outro. O quê? Você chega muito cansado e deprimido em casa e só quer ver um pouco de televisão? Eu sei como é, seu verme, é por isso que você, cidadão comum, nunca vai conseguir outro trabalho. Como eu sei disso? Sou parte dum sistema que É essa armadilha. A culpa é sua. Volte amanhã com um sorriso no rosto, senão posso ficar chateado.”

    Não acho que seja necessário, mas complemento: a única regra sem exceção é que todas as regras possuem exceções, então se vc é um empresário que paga bem aos seus funcionários e não é um chefão troglodita, ou se vc é um funcionário amargo com a vida que realmente não presta pra nada, não se sinta tocado por meu comentário.

    • Radiovendas

      Fernando, obrigado por comentar o texto que escrevi.

      Não existe curso motivacional. Cursos não ensinam ninguém a ter motivação. Mas algumas palestras, que alguns consideram razas, servem para inspirar outros a saírem do lugar comum. Mas o meu objetivo,quando escrevi, não era falar de motivação. E sim, humildemete, falar de forma prática aquilo que algumas pessoas não enxergam ou fingem que não enxergam..

      Algumas coisas que você escreveu me pareceram bastante agressivas: “Ter nascido pobre é culpa de seus pais” Não acredito que as coisas sejam assim. Nem que o “sistema” (faz tempo que não via esta expressão) é uma armadilha.

      Chefes trogloditas ainda existem aos montes. Não são excessões, MUITO MENOS são a maioria. As coisas mudam, as pessas também. Existe muita empresa bacana para se trabalhar porque existem muitos chefes bacanas.

      Um grane abraço pra você!

      PS: A felicidade no trabalho é encontrada quando se tem claro qual é o seu propósito. Porém, nem todos os trabalhos te levarão ao seu propósito.

    • Noash

      É isso aí, meu amigo. Cérebros pensantes fazem sempre bem.]

      abç

      Noash

  • Thiago marcel

    Cada caso é um caso. a realidade é totalmente diferente, nada é fácil embora difícil não é impossivel . o mundo é um lugar aonde as pessoas só querem le hostilizar , o mundo é um lugar aonde ninguem que le dar uma oportunidade. mais existe um segredinho que não é fácil mais embora dificil não impossivel o segredo é apanhar e prosseguir, é assim que se vence na vida.

  • Ana

    O post é interessante, concordo com a maior parte do que foi dito. Realmente essas afirmações são usadas como desculpa esfarrapada para quase tudo… Maaaaaasssss: dizer que o único jeito de se conseguir dinheiro é trabalhando, no Brasil, é piada. Bem, se levarmos em conta as práticas criminosas e antiéticas essa afirmação se aproxima um pouco mais da realidade, mas não passa a ser necessariamente verdadeira. Não estou falando só das negociatas políticas, mas das práticas criminosas contra o consumidor praticadas por todas as empresas de telefonia (pelo menos as do estado de São Paulo), pelas empresas que fornecem televisão paga, pelos bancos. Sem falar da sonegação de impostos, dos crimes contra a economia e da corrupção, não pagamento de direitos trabalhistas, discriminação contra empregados, todos práticas comuns usados para aumentar o lucro de empresas.
    Pouca gente enriqueceu no Brasil só a custa de trabalho honesto. Existem, mas não são muitos.
    A mobilidade social no Brasil é baixa e até nos EUA, tomado frequentemente como modelo de meritocracia, é baixa.
    O povo brasileiro é dos mais trabalhadores, dedicados e ainda dos que mais se sacrificam para trabalhar, passando horas em transporte público inadequado, sem ter onde deixar os filhos, etc. E é ao mesmo tempo um dos que mais sofrem com a pobreza, especialmente com a má distribuição de renda. Alguma coisa está errada nessa equação…

  • Fabimor

    Na minha opinião, esse texto nos faz refletir sobre as responsabilidades sobre nossa própria vida, nossa felicidade (ou o que entendemos por felicidade), nossas buscas pessoais. Vi reações de todo o tipo aqui: gente que concorda, gente que discorda e gente que até odeia…rs. Eu só posso dizer que para mim, funciona da seguinte maneira: o que me serve, aproveito. O que não me serve, descarto. Porque estou no centro das minhas decisões. A vida nunca será perfeita. O sistema sempre terá falhas. A democracia é bem imperfeita, mas é o melhor que se conseguiu até hoje, e vamos continuar tentando, e tentando, e tentando. Concordo que muitos nunca terão as oportunidades tão sonhadas, mas também é preciso dizer que enquanto “culpamos” todo o resto, as oportunidades passam encilhadas à nossa frente, e nós, preocupados com nosso discurso de “pobre trabalhador abusado pelo patrão” não vemos. Eu já tive várias decepções com patrões, amigos, familiares. E outras gratas e agradáveis surpresas também. É do ser humano. É da convivência. E é desse amadurecimento das relações que trata esse texto. De não transferir a outros a responsabilidade pelo nosso próprio sucesso ou fracasso. Se eu assino um acordo com alguém (de namoro, de casamento, de trabalho, de amizade) onde aceito exercer certos papéis – mesmo que esse acordo seja tácito – é minha responsabilidade. Para muitos, o leque de opções é muito menor, concordo. Mas para os que estão dispostos a percorrer o “extra mile”, asseguro: as oportunidades se intensificam. Sou a prova disso, filha de classe média-baixa, do interior, com um futuro previsível de mãe, esposa e dona de casa. No máximo, atendente de supermercado – nada contra – estamos falando das opções, lembram? – Hoje falo 3 idiomas, já viajei por mais de 12 países, e liderei equipes estrangeiras em projetos bem complexos. Foi a minha escolha. Quando achei que não servia mais pra mim, não me trazia felicidade, mudei tudo. Tomara que meu depoimento sirva para ajudar nessa reflexão.

  • Marcelo Nascimento

    Nada a declarar! Ficou muito show esse post…

    Abs,
    Marcelo

  • Luis

    Gostei do post! Posso falar com propriedade sobre o tema. Minha história:
    Sou a primeira pessoa da minha árvore genealógica a finalizar o ensino superior. Minha família poderia ser considerada de classe média baixa, Pai e Mãe trabalhando para sustentar a casa e pagar as prestações da casa própria e, sendo assim foi criado pelos meus avós. Meu avó já era aposentado, mas trabalhava para sustentar uma filha com síndrome de down, uma filha deficiente visual e mais dois filhos que moravam com ele, detalhe, não tinha casa própria.
    Eu comecei a trabalhar com 7 anos e nunca deixei de ler e de estudar, características que me ensinaram a disciplina, responsabilidade e valorizar o meu suor que gerava algum no fim do mês. Tinha uma poupança, mas o Collor levou tudo quando assumiu, então o pouco que tinha esvaiu-se do dia para noite. Bem, continuei estudando e trabalhando. Estudei Técnico em Eletronica, Química, Mecânica, continuei estudando e trabalhando, mesmo que isso significasse acordar as 05 da madruga e ir dormir as 01 da madruga. Sei com propriedade que trabalhar não dá grana pra ninguém. Agora, ler, estudar, fazer contatos e diversificar que ajuda em muito. Trabalhei de ajudante de eletricista, servente de pedreiro, garçom, entregador de jornal, auxiliar de escritório, office boy, torneiro mecânico, auxiliar administrativo, fiscal do rodízio (Cetesb), até decidir investir uma grana da rescisão para estudar 15 horas por dia, o que me levou a universidade federal, detalhe, a maior parte de minha instrução foi obtida em escola pública. Estudei farmácia, e desde o 1 semestre do curso trabalhava, por vezes por não ser possível trabalhar de dia, optava pela madrugada mesmo, e o fim de semana dava aula em cursos técnicos, aliado ao plantão na madrugada. Um dia vi um folder sobre um concurso público e apostei  nele, e lembro de ter incentivado vários colegas, mas nenhum demonstrou tanto interesse. Resultado depois de tudo isso: Passei no concurso e ganho hoje o que nunca sonhei ganhar, e quando olho pra trás vejo que foi sofrido e trabalhoso, porém cheguei além do que eu podia imaginar.
    Tudo isso foi possível, pois: sempre (i) executei tudo que me pediam da melhor maneira possível, independente do valor do meu salário, (ii) a ajuda e apoio dos meus Pais (que trabalham até hoje), (iii) nunca deixar de estudar (estou iniciando uma pós agora na minha área e estudo em casa sozinho administração, economia e direito), (iv) não desperdiçar oportunidades, (v) e os contatos que consegui nos mais diversos meios por onde estudei e trabalhei.
    Quando as pessoas observam a minha situação hoje, nem sabem o quanto batalhei, mas se formos acomodados e ficar indo do trabalho pra casa, de casa pro trabalho e ficar assistindo Big Brother e novelinha, já era, pode ficar ai na sua vidinha com descupas esfarrapadas.
    E se engana quem pensa que eu não gosto de me divertir, pra tudo tem um tempo.
    Não quer ser medíocre leia, estude, trabalhe e faça amizades, porém fique atento as oportunidades, e se um ramo não tá bom, inove, mude, pois fazendo sempre a mesma coisa voce não pode esperar um resultado diferente!

    • Oi Luis,

      Muito bacana seu relato! Sem dúvidas essa postura e perseverança são fundamentais para quem quer chegar mais longe.

      Parabéns por todas as suas conquistas!

      Abração

  • Noash

    Eu achei que esse texto resume de maneira muito simplista os motivos pelos quais algumas pessoas não se dão bem. Nem todo mundo está na pior porque é reclamão, acomodado e vagabundo. Não se pode julgar e generalizar sem conhecer a história pessoal de cada um. É mais ou menos como as pessoas que conseguem emagrecer ou parar de fumar e que por isso se sentem superiores a quem não consegue. Se você se deu bem, parabéns, mas não se ache o arquiteto de seu próprio sucesso. Selfmade man é história pra boi dormir. O fator sorte e, principalmente o fator “família com alguma ou muita influência”, estes, sim, são os maiores determinantes de sucesso, na frente de inteligência e talento.
    Beijinhos, Lucas! Dê uma olhadinha nesse link, é perfeito pra vc:
    http://caouivador.wordpress.com/2009/03/18/as-diferencas-entre-classe-media-e-classe-merdia/

  • hahahaha

    Danilo carvalho, pelo menos não fico vagabundando, trabalhar não mata ninguém babaca.

  • MR

    Se as coisas fossem tão simples assim… É muito fácil julgar os outros. Vá dizer a um catador de sucata que é desculpa ele dizer que não tem dinheiro, que é desculpa ele não ter sorte e que está nesse trabalho porque quer, que ele não estuda ou que está nessa situação porque é um desleixado. Será que um catador (por exemplo) trabalha com isso por que é um fracassado? Nem todas as pessoas vivem no mesmo mundo que o seu.

  • elaine

    Eu acho sim que alguns fracassos somos nós mesmos que fazemos, mas eu acho também que muita coisa vem do acaso, sei lá.Tem pessoas que nascem doente, com problemas diversos, limitações físicas, complexos, depressão e tudo isso dificulta na prosperidade dessa pessoa.Agora me fale? que culpa alguém tem de nascer doente, pobre etc, enquanto outros nascem ricos e de boa família.Tem gente que nasce bonito e conseguem as coisas como a Gisele Buchen(não sei escrever o nome dela ) agora me diz o que essa criatura fez para se dar bem na vida, porque me desculpe,mas, ser modelo não precisa de estudar, aliás não precisa fazer nada, é só ter a sorte de nascer bonita.Este é um só exemplo, tem outros.Agora tem pessoas sim que são admiráveis pelo esforço sim.que culpa um ser humano tem de nascer em uma favela e depois virar um serhumano problemático?então não devemos julgar, generalizar, cada um é cada um e tem suas limitações na vida.