A economia do dar para receberDaily Blog Tips

">

A economia do dar para receber

O que você pode fazer para ajudar os outros? Aí estará o pontapé inicial do seu futuro negócio de sucesso

O artigo de hoje foi escrito por Marcos Rezende, empreendedor à frente da Noxion e do blog Insistimento.

A ECONOMIA DO DAR PARA RECEBER
Todos nós já estamos cientes da grande revolução que estamos vivendo. Para se criar um negócio hoje em dia não é nem sequer preciso ter um real no bolso. Com acesso a um ponto de internet conseguimos facilmente criar um website utilizando qualquer um dos milhares de serviços gratuitos deste tipo disponíveis na internet. Porém, melhor que essa revolução de acesso à informação e de empreendedorismo, é notar que a roda da riqueza só gira perfeitamente e a nosso favor quando nos preocupamos mais em dar do que receber. Eu já sabia disso quando tocava humildemente o meu blog no início de 2008, mas em 2010, com a entrada de pequenos negócios na internet e com a administração de alguns deles por mim à frente da Noxion, minha empresa de marketing digital, ficou claro que o mundo mudou. Mudou para melhor.

A importância da generosidade

Cause esse tipo de reação nas pessoas

É DANDO QUE SE RECEBE
Isso pode parecer meio antiquado, mas se qualquer um quiser ter sucesso no seu pequeno empreendimento, precisa primeiro preocupar-se em dar mais do que receber, pois o contrário não funciona mais. Como exemplo, vou citar o caso de um dos meus clientes, a empresa Ecoville Portas e Janelas que atua na cidade de Curitiba. Eles eram uma empresa como outra qualquer, mas que se viam diante de algo que apavora qualquer um que tem a sua empresa: a maior parte da sua receita vinha de um só cliente. Eles me chamaram lá, fiz uma análise do seu negócio e expus para eles que era necessário que publicassem conteúdo dos seus trabalhos anteriores para atrair novos clientes.

Desconfiados e acostumados com modelos de negócios antigos, cujas bases era no modelo de receber para depois (talvez) dar, começaram de forma discreta a publicar seu conteúdo na grande rede com a nossa ajuda. Foi depois de três meses que os resultados financeiros começavam a saltar aos olhos no fluxo de caixa e que mais clientes chegavam até eles através da internet. Publicando seu portfolio de portas conseguiram expor seu trabalho na rede e ainda atrair pessoas os contratavam para produzirem mais produtos para o seu portfolio. Assim a roda girou até chegarem a um fluxo de caixa onde a maior parte dos seus rendimentos viessem de vários clientes e não de alguns poucos como era no passado.

MAS EU PRECISO TRABALHAR DE GRAÇA?
Não é disso que estou falando. O que quero dizer quando afirmo que a nova economia baseia-se em dar para só depois receber é que precisamos mudar a mentalidade para não trabalharmos mais pelo dinheiro e sim pelo trabalho. Já mencionei isto outras vezes no meu blog pessoal e apesar de divulgar bastante essa idéia, muitas pessoas desconfiam ainda do poder que pode haver numa ação como essas.

Se você, por exemplo, é um apaixonado por confeccionar almofadas para sofás, tem aí um belo nicho de mercado e o que é mais importante: é um apaixonado por fazer almofadas. Como apaixonado, você irá sempre buscar mais e melhores informações para criar almofadas novas, irá fazer ainda mais pesquisas, frequentar grupos de discussão de arte em tecido e ainda não trabalhará um segundo do seu dia. É como se vivêssemos uma época onde a prosperidade é tão abundante e acessível a todos que basta que saiamos do lugar para encontrarmos rapidamente nosso lugar ao sol.

PONTO DE PARTIDA IDEAL PARA QUEM É PEQUENO
Quem é pequeno empreendedor ou está prestes a abrir sua empresa está em um ponto mais favorável que aquele que já é dono de um grande negócio. Sendo pequeno você ganha em agilidade e em adaptabilidade, ao contrário de quem é grande e movido por grandes processos de decisão. Nesta nova economia, um blog, um hotsite, um website pequeno, podem ganhar muito mais que uma empresa grande e pior: tirar o mercado dessa empresa.

Sinceramente, quando começamos a fazer o que gostamos, o dinheiro que recebemos vira simplesmente uma métrica para sabermos se estamos fazendo bem ou não o nosso trabalho. Apenas isso. Quando comecei meus empreendimentos, primeiro me preocupava em ganhar o suficiente para me sustentar e depois o suficiente para sustentar uma viagem, uma pequena poupança, o estudo dos filhos, etc. Galgando um passo de cada vez fica mais fácil de atingir os objetivos sem perder energia com uma ansiedade desnecessária em concluir algo antes de construir. Responda a pergunta sobre o que você pode fazer para ajudar os outros que aí estará o pontapé inicial do seu futuro negócio de sucesso.

Mãos à obra!

  • juditesara

    Quanto ao parecer meio antiquado “É dando que se recebe”, Sr. Marcos Rezende, nos dias em que estamos vivendo, numa competição acirrada, mercado cada vez mais competitivo, acredito que isso faz a grande diferença. Talvez por falta desse tipo de atitude no “mundo empresarial” é que chegamos ao ponto que chegamos. Mas as portas estão abertas para quem quer aprendizado e mudança.