inserir no mercado

Como se inserir no mercado? Separamos 14 passos para ajudar você.

Passos necessários para lançar um novo produto no mercado. Desde a análise de mercado até a estratégia de divulgação.

Você tem uma boa ideia e quer entrar no mercado e não sabe como?

Para realizar a mágica de fazer as pessoas comprarem o seu produto, recomendamos 14 passos!

Aprenda mais antes de entrar e durante toda sua permanência no mercado

Aprender nunca é demais! Como já dizia Freud: “Conhecimento traz o poder”.

Antes de investir sem planejamento, aprenda mais, estudando sobre o assunto.

Há muitos livros interessantes sobre o tema, escritos especialmente para ajudar as pessoas que desejam aventurar-se no mundo dos negócios.

Claro que não vai seguir tudo o que eles dizem e até encontrará conflitos entre um livro e outro.

Mas eles servirão como bússola para você arriscar-se com mais segurança.

Negociar é sempre um risco, mas não precisa ser um risco tão grande que traga prejuízos.

A seguir, confira uma lista de livros que poderão te dar uma luz:

  • Quem mexeu no meu queijo? (Spencer Johnson);
  • Pai Rico, Pai Pobre (Robert Kyiosaki e Sharon Lechter);
  • O Homem Mais Rico da Babilônia (George S. Clason);
  • O Líder do Futuro (Peter Drucker);
  • Vantagem Competitiva (Michael E. Porter);
  • O Monge e o Executivo (James C. Hunter);

Muitas vezes, uma conversa com quem entende mais pode esclarecer muitos pontos.

Há consultorias especializadas para quem deseja se inserir no mercado e possui pouca ou nenhuma experiência.

Posicionamento e definição de atributos

Posicionar-se significa deixar bem definido o que sua empresa faz, o que ela é, quem é seu público e qual é seu produto ou serviço.

Atributos são características que qualificam sua empresa, como honestidade, confiabilidade, tempo de atuação e outras coisas.

Certos atributos podem servir para diferenciar seus produtos e atendimento de outras empresas do mesmo ramo, como melhor preço e oferta diferenciada de serviços.

Definindo estratégias para se inserir no mercado

É preciso também traçar estratégias para alcançar o alvo.

O termo “estratégia” sempre foi muito utilizado no campo das táticas de guerra como os meios usados para alcançar o inimigo, desbaratá-lo, derrubar suas fortalezas, penetrar em seus territórios.

Esses eram os objetivos, ou alvos, dos exércitos.

Da mesma forma, no mercado, é preciso definir estratégias para atingir os objetivos, a partir dos valores da empresa e de suas perspectivas para o futuro.

Talvez, diversificar os produtos de sua empresa seja uma boa estratégia para aumentar as vendas.

Uma boa equipe pode ajudar muito

A princípio, você começará com poucas pessoas.

Pelo menos, isso é o mais comum. Seja como for, procure escolher bons profissionais para trabalhar com você, pessoas que realmente estejam interessadas em trabalhar e vencer.

O comprometimento de todos é o que vai determinar, em grande parte, o sucesso de seu negócio.

Sem dúvida, com os problemas econômicos, existem muitas pessoas desejando trabalhar e que estão dispostas a mostrar seu valor.

Na hora de selecionar, considere a experiência e o currículo dos candidatos, mas não deixe de levar em conta suas habilidades naturais, sua força de vontade, seu desejo de aprender mais: uma pessoa dedicada, depois de treinada, pode trazer um retorno maior do que se imagina.

Cuidado ao escolher sua “tripulação”! Juntos, vocês estarão navegando no mesmo barco, faça chuva ou faça sol, sobre ondas amenas ou violentas!

Construção da marca e da identidade da empresa

Certamente, você já ouviu falar da Marca do Zorro.

Onde as pessoas viam aquela marca, sabiam que o Zorro havia passado por ali.

Pois, a marca de sua empresa deve ser algo do mesmo gênero: uma espécie de assinatura da empresa.

Marca e identidade andam juntas. Crie uma marca que tenha tudo a ver com o que a empresa representa: inovação, mobilidade, comunicação.

O conceito de beleza é muito relativo e está ligado aos atributos da empresa.

Vemos muitos desenhos por aí que não são exatamente o que podemos chamar de bonito, mas que passam perfeitamente a ideia que desejam passar.

O desenvolvimento da identidade vai um pouco além do desenvolvimento da marca, envolvendo-a.

A identidade deve ser reconhecida mesmo quando a marca não aparece, seja na forma de atendimento, no discurso da empresa, nas cores utilizadas, na roupa usada pelos funcionários e assim por diante.

Análise de mercado

Para analisar um mercado, você tem basicamente duas opções.

  • Pesquisa de gabinete:

Procurar dados lendo notícias, relatórios técnicos, estatísticas do governo, dados de associações comerciais etc.

Em geral, caso você seja pequeno, esses dados servirão mais para te dar uma ideia geral do que alguma garantia sobre seu produto.

  • Pesquisa de campo:

Perguntar ao seu possível cliente o que ele usa atualmente para resolver o problema que você solucionará, o que ele precisa e quanto ele pagaria pelo seu produto.

Para a maioria dos empreendedores, os dados mais importantes vêm da boca do próprio cliente.

Você não precisa de um mercado potencial de 1 bilhão de pessoas. Para começar, o mercado ideal é aquele que é um pouco maior do o que você consegue atender.

Quando você crescer, aí sim você precisa de mercados maiores.

Se você está vendendo bem, provavelmente é um sinal de que mais pessoas do que você tinha imaginado vão acabar comprando seu produto e você não precisa mais se preocupar em ter certeza de que existe mercado.

Faça as pessoas ouvirem falar de você

Digamos que seu produto tem um mercado potencial enorme. Se o seu mercado enorme não lhe conhecer, nada adianta.

Tenha uma estratégia para divulgar seu produto. Algumas opções são: internet (sim, estamos nos divulgando nesse momento), telefone, panfletos, TV e rádio. Descubra qual a forma de mídia que seus possíveis clientes usam e utilize-a com o menor custo possível.

Desenvolva um relacionamento saudável com as empresas concorrentes

Certamente, você encontrará pessoas que estão no mercado e no ramo há muito tempo. Outras pessoas serão novatas como você, em busca de crescimento.

É importante que saiba se relacionar com elas, sem necessariamente criar rivalidades.

Muitas delas serão suas concorrentes, mas isso não é motivo suficiente para que sejam inimigas.

A concorrência está em todo lugar: nas escolas, nos vestibulares, nos concursos públicos, em qualquer profissão.

Isso não significa que você não pode ter amigos na escola ou no trabalho, ou que tenha que ver cada concorrente de um cargo público como um inimigo seu – ao contrário, poderão até unir forças para alcançar seus objetivos!

No mercado, você poderá fazer da mesma forma, desenvolvendo relações amistosas com as empresas e até aprendendo com elas.

A época de crise econômica está conduzindo a economia para rumos que a maior parte dos empreendedores não esperava: a unificação.

Isso já é comum nas atividades dos autônomos que se unem em coworkings para dividir espaço, conhecimentos e clientes.

Algumas empresas se fundem ou se agregam a outras para manter e aumentar seu potencial competitivo.

Já existem muitas parcerias nesse sentido, em que cada empresa oferece o que faz de melhor para, juntas, lucrarem mais.

Apesar de aplicarmos técnicas de guerra no mercado, não é preciso chegar ao extremo de vermos inimigos perigosos por todos os lados, que devem ser abatidos a qualquer custo.

Lembre que, em geral, os resultados das guerras são ruins para ambos os lados. Se tratar a concorrência com muito rigor, acabará sozinho – o que é bem pior.

Mantenha seu potencial competitivo: aposte no diferencial

No mercado, a concorrência se manifesta de forma bem visível na disputa pelos clientes através de ofertas, descontos, promoções, serviços agregados, divulgação massiva e outras coisas.

É fundamental manter seu potencial competitivo e enfrentar as inovações e mudanças das empresas concorrentes.

Nem sempre é possível inovar ou mudar na mesma medida, mas é possível valer-se de outros recursos que compensem algumas limitações de seu negócio.

Um grande exemplo de empreendedorismo e muito potencial competitivo é o das Casas Bahia, cujo grande diferencial foi apostar nas camadas mais baixas da população: facilitando o acesso dessas pessoas aos bens de consumo, a empresa também cresceu, tornando-se uma das maiores marcas no cenário econômico nacional.

Em resumo, a Casas Bahia arriscou em um território inseguro na época, mas que deu certo: dessa forma, as pessoas de menor renda saíram ganhando, aumentando o tão falado “poder aquisitivo”, e a empresa se projetou no mercado, tornando-se uma das favoritas (confira o tópico “Seja uma opção de compra”).

Tenha entusiastas

Caso sua ideia seja realmente boa, provavelmente você terá pessoas que amam seu produto e farão o que puderem para ajudar a divulgá-la.

Esses entusiastas podem ser: clientes felizes, amigos, empresas parceiras, referências na área que você atua etc.

Ame os seus entusiastas e eles o ajudarão a “espalhar a palavra” melhor do que ninguém.

Saiba distribuir o seu produto

Imagine que há uma multidão de clientes desesperados para comprar o seu produto, mas que não sabe como encontrá-lo. Não é o que você quer né?

Normalmente você precisa do cliente mais do que ele precisa de você, não dificulte a vida dele.

Antes de lançar seu produto pense bem em como distribuí-lo aos seus clientes.

Algumas formas de distribuição: internet, correio, lojas de varejo, distribuição direta, equipe de vendedores etc.

Seja uma opção de compra

Hoje, o cliente procura sempre as melhores opções para comprar e fidelizar-se.

Procure fazer com que sua empresa seja uma dessas opções.

Tornar-se uma opção de compra exige um bom relacionamento com o cliente, assim ele comprará não somente uma vez, mas várias vezes, o que pode gerar fidelização.

Na verdade, há muitos nomes de empresas no mercado, mas para tornar-se efetivamente uma opção de compra é preciso investir bastante no que pode agradar ao cliente a fim de que, após a primeira vez, ele sinta interesse em comprar de novo.

Tecnologia é uma forma de crescer

O uso da tecnologia está dominando o mundo inteiro, incluindo o mundo particular dos negócios.

A tecnologia pode se manifestar através de equipamentos mais modernos, maquinário mais compacto e mais eficiente e, principalmente, nos softwares voltados para as empresas.

Existem softwares de gestão financeira, de CRM (relacionamento com o cliente), para controle rigoroso do fluxo de caixa, para vendas externas, para cálculos (inclusive para medir o nível de produtividade ou o grau de fidelização dos clientes).

Há diferentes aplicativos móveis que permitem uma interação dinâmica e em tempo real com clientes e funcionários.

Outra maneira de usar a tecnologia a favor da empresa é utilizando as redes sociais (Facebook, Linkedin, Twitter, Instagram, etc.), os blogs, os sites, as plataformas, os fóruns de discussão.

Tudo vai facilitar sua inserção no mercado, pois o mercado atual depende desses recursos.

Quem sabe, você não desenvolve paralelamente à sua empresa física, um negócio eletrônico, ou seja, um e-commerce?

O comércio eletrônico pode até ser o pontapé inicial, já que envolve menores custos e mais praticidade.

A partir do que você começar a ganhar no mundo digital, poderá investir em uma loja física e ampliar suas possibilidades.

A boa gestão é fundamental para sua entrada e permanência no mundo dos negócios

Sem a devida gestão, nenhuma empresa pode sobreviver, nem mesmo começar.

Gerir envolve administrar todos os setores da empresa de modo a garantir os melhores resultados.

A boa gestão financeira vai evitar perdas e gastos desnecessários, contribuindo para o maior faturamento da empresa.

Mais que isso, a gestão financeira vai permitir que você possa lançar seu produto no mercado.

Porém, a gestão vai além das finanças, incluindo aspectos técnicos, publicitários, o relacionamento com clientes e fornecedores.

Por exemplo, tudo que puder otimizar o ciclo operacional da empresa, melhorando a produtividade e o produto final é importante para o negócio.

Nesse sentido, valem os bons equipamentos e técnicas mais desenvolvidas de trabalho e produção.

Se você quiser saber mais sobre negócios e empreendedorismo, clique aqui e leia a respeito no post “Empreendedorismo: o pantanoso mundo das sociedades”.