Lidando com os erros

10 dicas para lidar com os erros

Este texto faz parte da coluna da Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.

Este texto faz parte da coluna da Plataforma Brasil feito especialmente para os leitores do Saia do Lugar.

Como sabemos, tocar um empreendimento não é tarefa para qualquer um, e como consequência natural, pode se transformar em uma usina de erros. Eventuais, recorrentes, graves ou inofensivos, podem nos levar ao céu ou ao inferno, dependendo da forma como são enfrentados.

Alguns trazem aprendizados, outros a ruína, mas em geral quase todos são contornáveis, desde que tenhamos um método para lidar com eles.

Lidando com os erros

Desespero nunca é a melhor solução

Vamos lá:

  1. Uma vez cometido o erro, evite o desespero. Em pânico, sobrevalorizamos suas consequências, inviabilizando uma abordagem racional e ponderada;
  2. O rigor com que você encara a condução do seu negócio é o termômetro principal para identificar os eventuais tropeços. Seja rigoroso (não esqueça que o mercado é rigoroso e implacável), sem perder a consciência das bobagens realizadas, o que difere muito de ser paranoico. Em seguida, tenha coragem para encará-los e efetivar as correções;
  3. Os erros podem ser individuais ou coletivos, mas independentemente de quem os cometeu, saiba identificar os responsáveis (mesmo que você esteja incluído) envolvendo-os na solução ao problema. Isso sensibiliza a equipe sobre as eventuais consequências e ajuda a amadurecer a cultura corporativa;
  4. Caso seja você o empresário ou o líder do empreendimento em questão, não fuja da responsabilidade pelos equívocos que vier a cometer e os assuma rapidamente;
  5. Crie uma cultura onde seus colaboradores, sócios ou parceiros não tenham medo ao assumir erros cometidos, por mais graves que sejam. Pior do que abordá-los clara e francamente é tê-los encobertos por conta do medo de sua reação;
  6. Não se esqueça que todo negócio ou projeto atravessará sempre uma curva de aprendizado. Isso é impossível se não houver uma cultura que trate equívocos e tropeções com uma certa (mas naturalmente calculada) naturalidade;
  7. Tente documentar ao máximo as situações críticas concebidas por conta dos erros cometidos. Isso traz eficiência de processos e calibra procedimentos de segurança;
  8. Não permita que os erros tragam influência psicológica suficiente para abalar a sua confiança ou capacidade de ação. Eles são inevitáveis e até necessários em um enfoque de longo prazo, portanto, evite o desespero.
  9. As situações de crise tratadas exclusivamente na mente, são quase sempre muito potencializadas em comparação com a realidade. Desta forma prefira sempre a realidade e fuja das conjecturas.
  10. Ao identificar os erros cometidos e conseguir enxergar suas consequências, adote as medidas preventivas e controle os resultados, usando sua energia para viver o presente e construir o futuro.

Boa sorte e até o próximo.
Gustavo Chierighini, da Plataforma Brasil

Para ler outros textos da coluna da Plataforma Brasil no Saia do Lugar, clique aqui.

Se você gostou desse texto, provavelmente gostará também do texto: O que fazer quando tá tudo dando errado.

  • Adorei a Postagem…

    Vou postar no meu blog também, para não esquecer…

    Abraços

  • Parabéns pelas dicas e é isso mesmo. O erro pode ser superado se não ignorado. Deve-se aprender com ele, essa é a chave para evitar sua repetição.

    Parabéns novamente.