tendências de mercado

Como identificar tendências de mercado?

Você está por dentro dos futuros negócios? Confira as nossas dicas para se antecipar sobre tendências de mercado e esteja sempre à frente! 

Quando decidimos abrir o nosso próprio negócio, precisamos aprender a fazer apostas.

Afinal, dependendo de cada decisão, o empreendimento pode tomar um rumo completamente diferente do que era planejado no plano de negócios, e é preciso que cada escolha seja realizada com responsabilidade.

Ser assertivo, no entanto, nem sempre é uma habilidade do empreendedor. Quantas vezes já vimos pessoas colocarem todas as suas fichas em produtos com um prazo de validade curto?

Basta lembrar dos que ainda apostam em aparelhos portáteis de MP3 ou dos restaurantes que se especializam em um prato “modinha” – 60% das paleterias mexicanas quebraram no Brasil, por exemplo.

Apostar em mercados conhecidos agrega a vantagem do know-how, mas também conta com uma concorrência já estabelecida.

Por outro lado, arriscar-se em novos rumos implica na construção de uma nova audiência e de inovar em meio a tendências de mercado.

Se sobressair antes mesmo que haja uma concorrência relevante e obter resultados maiores a longo prazo fica mais fácil. Porém, como descobrir o que está por vir?

Confira as nossas dicas para se antecipar sobre tendências de mercado e esteja sempre à frente!

Como identificar tendências de mercado?

As tendências são compostas por um movimento amplo e conjunto de pessoas que aderem a um mesmo produto, valor ou ideia.

Identificar tendências envolve exercícios de pesquisa, análise, ir a campo, entender diferentes movimentos no mercado e criar novas ideias a partir destas percepções.

A experiência, portanto, é muito importante. Por mais que encontremos narrativas sobre gênios que tiveram suas ideias de forma repentina, é preciso ter em mente que estas pessoas se dedicaram à pesquisa por muito tempo, mesmo que estes estudos tenham ocorrido de uma maneira informal.

Um exemplo simples é o do mercado fitness. Com um olhar atento, percebemos a multiplicação de ofertas de academias, programas televisivos sobre saúde, blogs sobre alimentação saudável e eventos populares para caminhada e realização de exames simples.

Torna-se claro que a preocupação com a saúde é bastante relevante na atualidade. Com um pouco de pesquisa, você levanta que 77% dos brasileiros com mais de 50 anos consideram a saúde como a maior preocupação na vida (Ibope).

A saúde é também a maior preocupação do eleitor em 19 capitais (também de acordo com o Ibope). Você descobre ainda que 83% dos brasileiros almoçam na rua (ECD Food Service).

Não seria oportuno, portanto, criar um negócio voltado para a alimentação saudável e prática? Ou um empreendimento no ramo que alcançasse a população idosa, tão pouco visada pelo mercado?

Outro efeito de uma tendência são os movimentos contrários a ela. Quem está focado no cuidado com a saúde passa por uma série de “crises”.

Quem nunca fez uma concessão em meio a uma dieta e se presenteou com um brigadeiro como recompensa por um dia difícil? Por isso, esse nicho também seria frutífero neste cenário.

Algumas pessoas obtém novas ideias por associação. A comida é um fator de comunhão, mas os passeios também são.

Como poderíamos associar estes conceitos para unir pessoas em momentos agradáveis de maneira lucrativa? Um food truck com mesas e cadeiras confortáveis seria uma boa ideia, por exemplo.

Estamos no século XXI, e é comum que se tenha a sensação de que tudo já foi feito. Porém, o mundo não para de girar, e cabe a nós identificarmos oportunidades e brechas em nossos contextos.

Obs: Se quiser saber sobre o empreendedorismo no Brasil, leia esse post.

Com informações e uma análise apurada da sociedade, sob uma perspectiva antropológica e científica (mesmo que você não tenha diploma nestas áreas!) e um bocado de sensibilidade, encontrar o rumo certo no mundo do empreendedorismo é possível.

Um olhar apurado também fará diferença no momento de diferenciar uma tendência que afete a vida das pessoas em nível global e um hype (moda passageira).

A Blockbuster, por exemplo, viu a Netflix apenas como um hype. No entanto, nós já sabemos quem permaneceu no mercado com propostas mais inovadoras, certo?

Por que é importante se informar sobre tendências?

Em um mercado cada vez mais competitivo, inovar é essencial para se sobressair e garantir visibilidade.

Quanto mais inovador for o seu produto ou serviço, menor será a competição em seu nicho de mercado.

Entender o que seus consumidores desejam para o futuro é também observar os possíveis caminhos para uma sociedade e preparar-se para estar sempre à frente nas mudanças.

7 tendências de mercado para se atentar já!

Algumas tendências irão reconfigurar, de diversas formas, as práticas já consolidadas na indústria e no comércio.

Nossos meios de comunicação sofreram transformações radicais, e junto disto a relação entre os consumidores e marcas também mudou. Você está preparado para o que está por vir? Veja o que nós selecionamos para você!

1. Testes de Status

Até hoje, o que observamos no mercado é uma incansável busca pelo status.

Especialmente em sociedades de consumo, o status é o que motiva as ações das pessoas, e caberia às marcas, portanto, entenderem os desejos mais íntimos de seu público.

Porém, segundo o Trendwatching, o próximo passo desta lógica exige um desafio maior à marcas e ao público: os consumidores desejam exclusividade e uma sensação de pertencimento.

Isto significa que as marcas terão de realizar testes de status, fazendo com que seus consumidores provem o seu valor para as marcas. Lembre-se da palavrinha mágica da nova economia: experiência.

Algumas companhias de transporte se aproximam do público com a entrega de sorvetes, por exemplo, e os consumidores têm prazer em mostrar que estão recebendo o produto com o uso do serviço.

Nas ações de testes de status, portanto, os consumidores têm a chance de provar seu conhecimento, bom-gosto e criatividade. Portanto, eles estão inseridos na comunidade que se forma em torno de uma marca.

2. Valorização da experiência do consumidor

Os departamentos de marketing estão se movendo de um modelo não-interativo de comunicação para se tornar um membro inseparável do ciclo de vendas e dos serviços para o consumidor.

Graças a ferramentas interativas, profissionais da área estão engajando potenciais cliente online através da jornada de compra, medindo engajamento e fidelidade, e cruzando dados de comportamentos para encontrar as reais necessidades e interesses de sua audiência.

Mas para consumidores já bombardeados com informações, uma experiência de compra de excelência já está se tornando um lugar-comum.

Por isso, as marcas se preocuparão cada vez mais com o engajamento efetivo dos clientes  e em entender cada vez mais o processo de conversão e vendas.

3. O mundo é mobile

O uso de internet através de dispositivos Mobile já ultrapassou os computadores tradicionais.

Isso transformou uma série de práticas de profissionais de programação e marketing, especialmente se pensarmos nas estratégias de ranqueamento de sites nos mecanismos de busca.

A inclusão definitiva dos dispositivos mobile nas estratégias de comunicação das empresas será vital para qualquer um que queira se dar bem. Formato responsivo sempre!

4. Compra multicanal

Com a democratização do mobile, as empresas tiveram de inovar em soluções para integrar diferentes canais de comunicação, de modo a trazer e fidelizar clientes.

Desta forma, o usuário transita entre a loja física e o aplicativo da marca com conforto, sem ter problemas de comunicação entre as plataformas. Muitas empresas têm optado por integrar as mídias com programas de fidelidade.

Os meios, portanto, ficarão totalmente sincronizados. O cliente pode iniciar sua jornada de compra pelo aplicativo no smartphone, pagar a compra na loja física e retirar o produto ali mesmo, sem qualquer burocracia.

Nos programas de fidelidade, o cliente será recompensado através de múltiplos canais.

Interações nas redes sociais, check-ins e compras vão gerar pontos e vantagens, estimulando que o cliente retorne à marca.

5. Remarketing de conteúdo

O remarketing já é usado em anúncios de e-commerces para estimular que um cliente retorne à loja e compre o item que abandonou em meio ao processo de compra.

Trata-se de uma estratégia bem-sucedida para se aproximar do cliente e  aumentar a conversão de leads.

No remarketing de conteúdo, o usuário é redirecionado para os melhores conteúdos de um site, como e-books, materiais ricos, dentre outros. O objetivo é reconquistar a lead!

6. Sustentabilidade B2B

Em 2010, a Lei nº 12.305/10 instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) em busca de soluções para os impactos sociais, econômicos e ambientais dos resíduos deixados pela indústria e comércio.

Assim, todas as empresas têm de adotar práticas para dar um destino correto aos resíduos resultantes de suas atividades.

A PNRS também inclui o conceito de Responsabilidade Compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos.

Por isso, se você produz cosméticos, por exemplo, precisa se preocupar com o descarte correto das embalagens e dos produtos que ultrapassarem a data de vencimento.

A implantação desta política, junto de um contexto de maior preocupação com o meio ambiente, deu origem à popularização do conceito de logística reversa, que busca reunir uma série de ações para viabilizar a coleta e restituição de resíduos sólidos ao mercado, reaproveitando-os ou destinando-os de maneira correta.

Por isso, cresce o mercado de empresas que prestam serviço de coleta e reaproveitamento.

Transportadoras, empresas de reciclagem e de destruição certificada, bem como outras empresas associadas à logística reversa, movimentavam cerca de R$18 bilhões anuais em 2013, segunda a revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios.

7. Cultura interna como marketing

Estamos todos buscando por maneiras mais sustentáveis para consumir em nossa sociedade. Porém, os consumidores, empoderados com mais informações, estão cada vez mais desconfiados.

Escândalos de uso de mão-de-obra em condições análogas à escravidão e trabalho infantil já se tornaram comuns nos jornais.

Denúncias de corrupção escapam do controle das corporações e se tornam trend topics em questão de segundos.

Se os consumidores têm se preocupado em comprar artigos produzidos de maneira ética, esta questão precisou se estender aos mais altos cargos das empresas também.

É preciso que o seu público se orgulhe de apoiar a sua marca, e você precisa não só apoiar quem trabalha para você como também tornar isto notório – e ético.

Identificar tendências de mercado é uma das maneiras mais assertivas de estar sempre à frente e apresentar propostas de inovação condizentes com os desejos do seu público. Por vezes, cabe à empresa antecipar necessidades.

Invista em pesquisa e em exercícios para que sua equipe se atente para o comportamento dos consumidores em seu nicho.

Afinal, como bem vimos, é preciso ter a curiosidade de um cliente para perceber algo antes de todo mundo!

Um bom exemplo de inovação são as empresas que integram o Vale do Silício. Quer aprender como elas se sobressaíram para ditar tendências em seus mercados? Leia o nosso post especial sobre o assunto!