sucessão empresarial

Sucessão empresarial: Aprenda como fazer uma sucessão bem sucedida

A sucessão é uma das questões mais importantes para os empreendedores, pois implica na entrega de todo seu patrimônio nas mãos de outra pessoa.

A sucessão é uma das questões mais importantes para os empreendedores, pois implica na entrega de todo seu patrimônio nas mãos de outra pessoa.

As sucessões de cargos executivos, como diretores e gerentes, já representam uma decisão importante do empreendedor, visto que esses profissionais podem garantir o sucesso do negócio ou causar grandes prejuízos, levando mesmo à ruína.

Pois é exatamente desse assunto que falaremos hoje. Se você esta passando por essa fase em sua empresa ou já está pensando no assunto para os próximos anos, leia esse post e tire suas conclusões!

O que é sucessão empresarial?

A sucessão empresarial é um processo inevitável para todas as empresas que desejam permanecer.

Como tudo que acontece na vida humana, a sucessão empresarial também tem um significado simbólico, sendo considerada, por isso, um tipo de ritual de transferência em que o poder e o capital da empresa são passados de uma geração ou grupo para a próxima geração ou grupo diferente.

A sucessão, infelizmente, pode se tornar um problema.

Alguns tipos de sucessão podem ser determinados por parâmetros legais – a sucessão monárquica na antiguidade, por exemplo, priorizava a idade e concedia ao filho mais velho o direito legítimo ao trono (o que não impedia o outro filho de assassinar o irmão para tornar-se rei em seu lugar).

O império de Alexandre, o Grande, foi repartido entre 3 sucessores, que o desintegraram.

Da mesma forma, pode acontecer em uma sucessão empresarial: conflito de interesses e desintegração do patrimônio.

Por isso, o empreendedor deve avaliar bem a situação, considerar o cenário econômico atual e futuro, a capacidade dos pretendentes e as possibilidades de inovação.

Quando a empresa é societária, as dificuldades podem ser maiores. Mas, não existem obstáculos que não possam ser contornados com planejamento, paciência e bom senso.

Quais são os tipos de sucessão empresarial?

A sucessão empresarial é um instituo jurídico e, como tal, é analisado pela lei e submetido a normas, ou seja, existe a necessidade de cumprir obrigações e existe também a percepção de direitos.

O sucessor não somente se apropria dos bens do antigo dono, mas assume também suas dividas, inclusive as obrigações trabalhistas, ou seja, existe a sucessão trabalhista. O empregado, por outro lado, não deve sofrer em nada com o processo de sucessão, mantendo seus direitos.

Conforme define a lei, se for estabelecida (em contrato) a solidariedade entre sucedido e sucessor, o último assume somente as obrigações civis da empresa que forem contraídas a partir de sua posse (as obrigações trabalhistas, contudo, continuam as mesmas).

Como se vê a sucessão empresarial é um instituto que permite certa flexibilidade quanto a alguns assuntos.

Além da sucessão familiar, em que o pai transfere para um de seus filhos (ou outro familiar), a sua empresa não é a única.

Por exemplo, a aquisição de fundo de comércio é um tipo de sucessão perante a lei, pois aconteceu a transferência da parte principal da atividade-fim (em outras palavras, a “essência” da empresa foi transferida).

A sucessão empresarial existe a partir da continuidade de exploração do mesmo negócio.

Assim, uma empresa que substitua outra e mantenha a continuidade de suas atividades, atue no mesmo estabelecimento e conserve os empregados em funções idênticas, ainda que não realize uma transferência formal, é considerada sucessora no que se refere aos direitos trabalhistas.

Caso o sucessor suspenda as atividades por um tempo, isto é, feche o negócio e volte a abri-lo depois de um período (longo, curto ou médio), não existe a sucessão trabalhista (pelo menos, é o que alega a maior parte dos especialistas).

Já a aquisição de imóveis que tem como objetivo a reforma agrária não é um tipo de sucessão empresarial (não houve continuidade das atividades do negócio, houve apenas transferência de um imóvel).

E, no caso de liquidação extrajudicial? Ela acontece quando o Estado intervém em uma empresa privada a fim de “organizar a casa”, pagando suas dívidas e melhorando suas finanças.

Liquidação extrajudicial não é um tipo de sucessão empresarial, pois não acontece a transferência de ativos ou passivos, da empresa ou do estabelecimento (assim explica o STF).

Como fazer uma sucessão de sucesso (o que é preciso)?

Para realizar uma sucessão de sucesso é preciso planejamento estratégico. É um processo a longo prazo e não de última hora.

Todos os responsáveis devem se reunir e avaliar o que deve ser mantido dentro da empresa (cultura, valores, marca) mesmo aceitando, e até estimulando, as inovações.

O potencial do candidato deve ser avaliado, testado e confirmado para a decisão final.

Não importa se será uma sucessão na diretoria, na administração de algum departamento, na gerência – o planejamento deve ser feito e toda a equipe deve ser notificada.

Esse é outro ponto importante para que a sucessão dê certo: todos que trabalham precisam ser avisados, é necessário preparar o terreno, de forma que o sucessor possa contar com o apoio e a atenção dos funcionários e dos outros gestores.

A opinião dos empregados é importante e eles devem sentir que estão fazendo parte das decisões e mudanças ocorridas na empresa.

Quando se trata de sucessão familiar, o procedimento deve ser o mesmo.

O que pode acontecer é um empolgamento excessivo da parte do sucessor, uma ansiedade para tomar o posto e manter-se no controle. Isso precisa ser evitado.

Sucessores muito empolgados, na maioria das vezes, não estão preparados para tomar conta do negócio e, o mais provável, é que causem danos e prejuízos.

Por outro lado, pode acontecer de o familiar mostrar-se totalmente desinteressado ou sentir-se incapaz para a tarefa.

Nem sempre seu filho ou outro familiar próximo possui suas qualidades e pensa do mesmo modo – é fundamental que o empreendedor aceite as diferenças sem criar disputas por causa disso.

Para obter uma sucessão satisfatória, um cuidado é fundamental: o candidato pode ter muitas qualidades de liderança, mas não compartilha de suas opiniões e valores, tem pretensões de modificar radicalmente a cultura empresarial.

Você deseja essa revolução na empresa? Concorda com inovações tão radicais? As inovações são fundamentais, mas ainda assim é preciso seguir regras.

O sucessor precisa estar consciente das responsabilidades que vai assumir e acompanhar o futuro sucedido em suas atividades profissionais, em sua rotina, entrar em contato com os funcionários da empresa no próprio ambiente de trabalho, estudar e compreender o funcionamento do negócio.

Entre as responsabilidades é bom que ele esteja bem informado sobre dívidas, legislação, carga tributária, obrigações trabalhistas (que costumam gerar muitos ônus para as empresas).

Quando se trata de filhos, de uma forma ou de outra, eles herdarão seu patrimônio (e poderão até brigar entre si por sua posse).

Portanto, o ideal é prepará-los através de conselhos, exemplo, orientações. É importante conter a  impulsividade ou natureza predatória de alguns deles (existem pessoas que só pensam em destruir, em gastar dinheiro, sem se esforçar para ganhá-lo).

Faça sua parte e sinta que cumpriu com seu dever de empresário e pai.

Que dicas valem para uma boa sucessão?

Resumindo o que foi dito, podemos passar algumas dicas valiosas para uma boa sucessão:

  • Planejamento antecipado, visando desenvolver estratégias;
  • Leve em conta o que é melhor para sua empresa (não se deixe mover por ideias mesquinhas);
  • Procure evitar ou reduzir as rixas entre possíveis candidatos (divisão interna na empresa é como guerra civil);
  • Analise comportamentos individuais e em equipe;
  • Considere também dados, estatísticas e números (eles também são uma forma de medir potencial e interesse);
  • Trabalhe em grupo durante todo o processo;
  • O candidato deve ser orientado e fiscalizado;
  • Se for um membro da família, prepare-o lentamente, leve-o ao trabalho, passe noções de responsabilidade e dê dicas de liderança (investigue seu interesse e potencial);
  • Deixe o sucessor ciente de que negócios não devem ser misturados a assuntos familiares;
  • Ensine que liderar não é um “mar de rosas” (não significa mandar e querer que todos o obedeçam só porque é o “chefe” – o mínimo que vai conseguir com isso é perder os funcionários e destruir o patrimônio);
  • Se sentir que determinada pessoa não está preparada, mude sua decisão e parta para outro candidato (nem todos estão aptos a desenvolver determinadas funções ou pode ser que ainda precisem de um tempo de preparo maior);
  • Procure deixar, dentro do possível, os negócios em ordem antes de passar a empresa ao sucessor (ao contrário do que fazem muitos líderes políticos, que deixam a “casa bagunçada” para que o sucessor tenha problemas, organize tudo para que ele tenha menos dificuldades no começo de sua administração).

Qual conclusão sobre o tema pode-se chegar?

Primeiramente, esteja ciente de que a sucessão não é um processo simples, pode dar dores de cabeça, consumir tempo e criar problemas.

O diálogo pode ser a saída para divergências e dúvidas. Lembre que seu patrimônio pode ter consumido anos de trabalhos e lutas e que uma má administração pode por tudo a perder.

Valorize o que é seu e zele por ele. Mas, mantenha-se calmo, pense com cuidado, reflita bem, ouça conselhos.

Dependendo da forma como conduza o processo de sucessão, ele pode ser muito agradável e os resultados corresponderem às suas expectativas.

Você tem tempo disponível para pensar em sucessões setoriais e na sucessão definitiva da empresa (que será a mais importante). Faça do tempo um aliado e aproveite-o da melhor forma possível.

Deseja saber mais sobre o tema? Quer conferir mais dicas? Leia o post “Dicas para preparar a sucessão”!