sócio ideal

Sócio ideal: 6 cuidados na hora de encontrar um parceiro para o seu negócio

Empreender não é uma tarefa solitária. Pensando nisso, separamos algumas dicas para você não errar na hora de contratar um sócio para o seu negócio.

Empreender não é uma tarefa solitária. Ainda que uma empresa nasça do desejo individual de uma pessoa de criar algo, de solucionar um problema ou de investir, essa atividade não logrará êxito se for pensada como uma missão de um individual. Em muitos casos se faz necessária uma sociedade. O problema é como encontrar um sócio ideal.

Como escolher um sócio ideal

O primeiro ponto a ser analisado é definir qual o papel do sócio no empreendimento. Por exemplo: o idealizador da empresa pode possuir capital suficiente para colocar suas ideias em prática, mas lhe falta experiência, por isso, ele deseja um sócio.

Outro exemplo é quando a ideia que dá vida à empresa é muito interessante, mas o idealizador não possui dinheiro para sequer começar a colocá-la em prática. Nesse caso, o sócio ideal seria alguém que investisse na empresa, mas que desse liberdade para os idealizadores trabalharem. Esse segundo exemplo é muito comum no caso das startups.

Também existem as empresas que já estão operando, já possuem uma fatia do mercado, mas que enfrentam dificuldades em sua administração, exigindo uma nova postura em seu comando. Algo que pode ser resolvido com a entrada de um sócio.

Esses exemplos ilustram diversos cenários em que a presença de um sócio é importante. Para escolher um sócio ideal o empresário deve primeiro ter em mente o que espera conquistar com uma sociedade.

Impacto na escolha do sócio ideal

A escolha do sócio ideal não pode se resumir em atender uma necessidade imediata da empresa. Nenhuma relação humana dará certo se ela for alicerçada em suprir objetivos efêmeros.

É importante frisar a qualidade da relação interpessoal, afinal, se você imaginar seu sócio apenas como um investidor — ou como alguém com participação secundária na empresa — a relação de negócios sofrerá prejuízos. Nesse caso, ao invés de um sócio você conquistará uma inimizade.

Quando se convida alguém para uma sociedade está implícito que o negócio passa a ser algo coletivo. O empresário deve ter isso em mente, antes de procurar uma parceria.

Quais serão as qualidades de um bom sócio? Vamos descobrir agora.

Dicas para escolher o sócio ideal

1. Nem todo amigo pode ser um sócio

Já ouviu aquele ditado que diz: “amigos, amigos, negócios à parte”? Pois é, nem sempre amigos de longa data se transformam em bons sócios. As pessoas costumam se portar de modo diferente, de acordo com o ambiente em que estão, e isso é natural.

Sabe aquele seu amigo de faculdade, ele pode revelar uma outra personalidade no trabalho. Então tenha cuidado ao achar que uma boa relação, nas situações cotidianas, seja suficiente para que uma pessoa torne-se um sócio ideal.

Nesse caso, dê preferência por pessoas com as quais já tenha trabalhado. O ambiente corporativo é capaz de trazer experiências com relação à capacidade de tomar decisões e responsabilidade com o trabalho. Qualidades que são interessantes em um sócio.

2. O sócio deve confiar em você – e vice-versa

A partir do momento em que a empresa passa a ter mais de um responsável, é importante que os sócios se respeitem. Pode parecer óbvio, mas no dia à dia nem sempre observamos isso.

É comum sócios que se desautorizam na frente dos colaboradores, ou que questionam decisões, apenas para satisfazer suas vaidades.

Quando isso acontece uma coisa está clara: não existe confiança. Lembra-se do filme A Rede Social? Então, é mais ou menos isso.

3. O sócio deve ser complementar

É interessante que o sócio tenha qualidades complementares ao fundador da empresa. Por exemplo: se um deles é muito tímido e tem dificuldades em vender os produtos da empresa é importante que o sócio consiga atender a essa necessidade. Ele deve, portanto, ser um bom comunicador.

Isso ajuda o empreendedor a definir que profissional poderá ser um sócio ideal. Nesse exemplo, alguém com formação em Comunicação ou Marketing traria ganhos ao negócio.

Essa lógica pode ser seguida para qualquer outra demanda da empresa, como lidar com dados ou motivar os colaboradores.

4. O sócio deve saber ouvir — e dar — feedbacks

Ter uma empresa não significa deixar de ser um profissional. Pelo contrário, uma experiência bem-sucedida como empresário pode abrir oportunidades. Por isso, não deixe de buscar aperfeiçoamento enquanto empreende.

O sócio ideal é aquele que transmite ensinamentos e que consegue aperfeiçoar um colega. Feedbacks honestos, e bem esclarecidos, são fundamentais para isso.

Grandes decisões sobre o futuro da empresa surgirão das conversas entre os sócios.

5. O sócio deve ter o mesmo objetivo que você

Esse é um daqueles pontos que parece beirar o óbvio, mas muita gente ainda erra. Como vimos no começo deste artigo, em alguns momentos a escolha de um sócio pode ter como objetivo atender a uma demanda financeira.

O problema dessa falta de objetivos em comum, é que um sócio investidor pode exigir retorno financeiro em um momento em que a empresa precise reinvestir seus ganhos, para poder crescer.

Por isso, sócios com metas diferentes sobre a empresa não são parceiros, mas, em muitos casos, concorrentes. Ter uma conversa clara sobre as expectativas de cada uma das partes sobre o negócio é muito importante para a escolha do sócio ideal.

6. O sócio deve ter os mesmos valores que os seus — e os da companhia

Sua empresa tem missão e valores, e eles norteiam as decisões do negócio. Seu sócio deve saber qual a filosofia da empresa, antes de decidir entrar nela. Afinal, uma empresa que tem como meta oferecer soluções inovadoras pode decepcionar um sócio mais conservador.

Nem o empreendimento mudará seu modo de trabalhar para agradar o sócio, e nem ele deixará seus valores de lado para incentivar a empresa. A parceria começa com uma conversa franca.

Um sócio ideal é aquele que atenderá uma necessidade da empresa — afinal, se você está em busca de um sócio é porque precisa de um complemento em determinada área —, mas acima de tudo: é um profissional que entra para fazer parte da história da companhia.

Agora que você já sabe como escolher um sócio ideal que tal continuar aprendendo? Neste artigo mostramos sete dicas para ajudar na organização do fluxo de caixa.