7 verdades que ninguém te fala sobre ser um gestor

Seja você um empreendedor ou um profissional de carreira, mais cedo ou mais tarde terá que se deparar com a função de gestor. O gestor é a pessoa que faz a ponte entre os objetivos estratégicos da empresa e a execução das atividades para que as metas sejam atingidas.

Ser um gestor significa agir com base no planejamento, organização e liderança. Ao exercer o papel de líder, você certamente passa a ter acesso a algumas vantagens, como o retorno financeiro, o status e satisfação de contribuir.

Porém, nem só de flores é feito o dia a dia dos executivos. Antes de assumir o poder, a maioria de nós acha que pode fazer melhor do que seus antigos chefes. Mas na prática, o trabalho de gerência conta com muitos desafios.

Confira agora 7 duras verdades que ninguém te falou sobre ser um gestor!

1. Você se sente solitário ao ser um gestor

Quando você é um colaborador em uma equipe, você está naturalmente cercado de outros colegas que desempenham funções parecidas. Com isso, cria-se um senso de comunidade: um ajuda ao outro, seja nas tarefas em si ou na parte de motivação.

Por outro lado, o gerente de uma equipe trabalha sozinho na maior parte dos casos. Isso significa que não há a quem recorrer quando você estiver confuso, frustrado ou desmotivado. Isso pode fazer com que você se sinta bem solitário.

Para evitar essa “solidão gerencial“, é preciso que você encontre colegas e colaboradores capazes de dar suporte ao seu trabalho, criando uma rede de aliados.

2. Você se afasta da sua área de especialização

Normalmente, uma pessoa conquista um cargo de gestor porque era muito bom no que fazia como colaborador individual. Por exemplo, um vendedor excelente torna-se um gerente de vendas.

Contudo, ao assumir a liderança, você deixa de praticar o seu ofício. **Agora, seu novo papel é ajudar sua equipe a executar bem suas habilidades. **Sua função passa a ser de facilitador, e não de puro executor. Por causa disso, é normal que você fique meio enferrujado na parte técnica.

Mas como encarar essa dura realidade? O segredo é parar de pensar na gestão como uma promoção e compreender que ela é um trabalho totalmente diferente. Quando você dá um passo em direção à gestão, você se afasta da sua área de especialização. Não há nada de errado nisso, desde que o gestor entenda saiba onde está se metendo.

3. Você nunca termina todas as suas tarefas

Como colaboradores, as pessoas estão acostumadas a receber tarefas, cumpri-las e riscá-las da lista de afazeres. Afinal, é para isso que um colaborador individual é pago.

Entretanto, a realidade do gestor é outra. Ele não é pago para realizar tarefas, e sim para garantir a produtividade da equipe. Muitos novos gerentes estão habituados a executar tarefas rápidas e, quando não fazem isso, sentem que não estão fazendo nada em seu novo papel.

É preciso compreender que o trabalho de um gestor é contínuo e nunca está terminado no final do dia ou da semana. O líder sempre terá metas para bater, relacionamentos para construir e trabalhos para delegar — não para riscar da lista de tarefas.

4. Você não recebe tanto feedback

Pense na rotina de um colaborador: ao terminar um trabalho, ele apresenta o que foi feito ao chefe e recebe um feedback quase instantâneo. Se há uma falha, ela logo é apontada. E ao executar algo incrível, o funcionário também ganha validação rapidamente.

Com o gestor isso não acontece.** Grande parte do seu trabalho consiste em pensar, falar e organizar. Isso significa que o feedback por parte de seus superiores é mais lento. **Normalmente, ele só aparece de tempos em tempos, em períodos já estabelecidos para cumprimento de metas.

E o que dizer da opinião de seus liderados? Sejamos francos: na grande maioria das vezes, as pessoas sentem-se desconfortáveis para dar o seu feedback direto ao chefe. Para incentivar seus subordinados a avaliarem seu desempenho, considere criar um sistema de sugestões anônimas ou incentivá-los a compartilhar seus pensamentos com os seus superiores.

5. Você ainda tem os mesmos sentimentos

Ao ser um gestor você precisa dar críticas construtivas, realizar avaliações de desempenho e resolver conflitos. Às vezes, esse trabalho exige decisões impopulares, trazendo à tona um mar de dificuldades.

A verdade é que, ao se tornar um gerente, você continua sendo o mesmo ser humano. Suas emoções negativas ainda estão presentes. Você ainda sente dúvida, medo, culpa e assim por diante.

**A diferença, agora, é que você precisa aprender a abstrair os sentimentos e fazer o que deve ser feito. **Isso não significa que é preciso negar as emoções. Na realidade, é necessário reconhecê-las e aprender a conviver com elas, apesar das dificuldades. E isso nos leva ao próximo ponto.

6. Você precisa gerenciar as emoções dos outros

Como gerente, além de lidar com seus próprios sentimentos, você também precisa gerir as emoções da sua equipe. Sim! A dura verdade é que esse é um trabalho totalmente emocional.

Mais do que organizar tarefas, cumprir prazos e entregar resultados, um líder precisa motivar sua equipe. É preciso aprender como reduzir o estresse, a preocupação e a raiva de seus liderados, ao mesmo tempo em que os incentiva a fazer um trabalho acima da média.

Eventualmente, brigas e conflitos vão ocorrer. Algumas pessoas vão levantar a voz, outras vão chorar. E você terá a desafiadora função de ser o mediador, zelando pelo bem-estar de todos os envolvidos. Ah, outro ponto importante é que o gestor precisa fazer tudo isso sem se tornar uma esponja, isto é, sem absorver para si as angústias dos outros.

7. Você tem a missão de ser um ótimo comunicador

Ser um ótimo comunicador não significa simplesmente falar e se expressar de maneira fluida e elegante. É mais do que isso. Como gestor, você precisa refletir constantemente sobre o que deve ser dito e como deve ser dito.

Você realmente precisa ser muito mais cuidadoso ao expressar seus sentimentos como gestor do que como colaborador. Quer um exemplo? Imagine que você entra em uma reunião falando mal da diretoria e reclamando que o orçamento será reduzido. Essa frustração será automaticamente repassada à equipe.

Agora imagine um segundo cenário. Você entra na reunião com calma e seriedade, e comunica o seguinte: “Oi pessoal, obrigado por virem. Infelizmente, tenho uma má notícia. Acabei de ouvir da diretoria que precisamos reduzir nosso orçamento em 10%. Sendo sincero, estou frustrado por isso, mas é a realidade. Acredito que existem alguns cortes que podemos fazer que não afetarão negativamente o nosso trabalho. Vou compartilhar minhas idéias por email e também gostaria de ouvir as sugestões de vocês”.

A mensagem é essencialmente a mesma, mas a reação da equipe tende a ser bem diferente em cada um dos casos. Portanto, uma boa comunicação é aquela que transmite a realidade sem causar preocupações desnecessárias.

E então, deu para entender quais são os obstáculos ao ser um gestor? Nossa ideia aqui não é desestimular você. Pelo contrário: **é ajudá-lo a ser um líder ainda melhor, capaz de prever o que vem pela frente e se preparar para os desafios intrínsecos dessa jornada. **Para isso, leia também este artigo sobre os 13 erros mais comuns de gerentes que afastam colaboradores brilhantes.

comments powered by Disqus