calculadora ilustrando saúde financeira da empresamarketing, vendas, produto e liderança, existem algumas outras em que ele também é muito importante quando se fala em ter seu próprio negócio.

">

Aprenda analisar o estado da saúde financeira da empresa de forma eficiênte

No artigo de hoje, listamos 4 problemas comuns que prejudicam a saúde financeira da empresa, com algumas sugestões que podem ajudar você a solucioná-los.

Ser um bom gestor não é tarefa fácil. Um ponto que costuma tirar o sono desses profissionais é a saúde financeira do negócio. Qualquer problema nessa área, por menor que seja, pode trazer consequências graves.

No artigo de hoje, listamos 4 problemas comuns que prejudicam a saúde financeira da empresa, com algumas sugestões que podem ajudar você a solucioná-los. Saiba como analisar o estado da saúde financeira da sua empresa no nosso artigo de hoje!

4 problemas que afetam a saúde financeira da empresa

1. Margem de lucro

Analisar o lucro permite que você conheça melhor as despesas da sua empresa. Afinal, se o faturamento é alto mas o lucro não existe, significa que os gastos provavelmente estão acima do desejado.

De todo o montante faturado, uma parte precisa voltar para a empresa em forma de investimentos. Pode ser em melhorias na estrutura da empresa, aquisição de ferramentas ou na contratação de mais colaboradores, por exemplo.

Outra parte será destinada ao pagamento das despesas de operação, como os salários e as contas de luz, água e internet. O que resta depois é o lucro. Se não restar nada ou o que sobrar for muito baixo em relação ao faturamento, significa que há algum desequilíbrio.

Como otimizar?

Aproveite o momento para destrinchar as contas: é possível que você esteja com despesas desnecessárias ou investimentos que não estão gerando o retorno esperado! Veja alguns pontos importantes:

  • Avalie os estoques de materiais que podem estar muito além do necessário resultando em desperdício por danos, descuido ou desuso;
  • Procure por formas de economizar nas contas de água e energia, que são importantes não apenas para a saúde financeira, mas também para uma vida mais sustentável;
  • Verifique se os investimentos em maquinário e estrutura realmente foram bem-sucedidos;
  • Evite substituir equipamentos sem necessidade e mantenha um registro de quando devem receber manutenção para planejá-las com antecedência.

2. Colaboradores

Um indicador importante da saúde financeira da sua empresa é o índice de turnover. Esse número mostra a rotatividade de colaboradores e, apesar de não parecer a princípio, tem tudo a ver com as finanças!

Mesmo que sua empresa seja pequena, com poucos funcionários, não é um bom sinal ter uma alta rotatividade na equipe. Para começar, são altos os gastos de tempo e dinheiro com demissões e novas contratações, representados pelos encargos trabalhistas e processos seletivos, respectivamente.

Em segundo lugar, cada vez que um novo funcionário começar a trabalhar, ele levará um tempo para se adaptar e compreender os processos, até que comece a trazer resultados de fato. Desperdiçar esse tempo constantemente treinando e ambientando um novo colaborador, é perda de dinheiro.

Como otimizar?

É muito mais vantajoso investir nos colaboradores que você já tem, a não ser que eles não estejam alinhados com a missão e os valores da sua empresa. Um alto índice de turnover pode mostrar que existem problemas entre a equipe. Se for o caso do seu negócio, procure compreender o que pode estar acontecendo:

  • Verifique se os colaboradores têm boa convivência dentro da empresa. Não precisam ser melhores amigos, mas sim tratar uns aos outros com respeito e manter um ambiente de trabalho agradável;
  • Avalie se os salários pagos estão ajustados à média de mercado e às expectativas de cada função. Insatisfação salarial é um grande fator desmotivador;
  • Mostre disposição para ouvir e atender às solicitações da equipe a respeito da estrutura da empresa, como mobília e equipamentos que podem melhorar a produtividade;
  • Invista em reuniões recorrentes para alinhar expectativas e oferecer feedbacks, além de abrir o espaço para críticas e sugestões dos colaboradores.

3. Dívidas

Estar endividado nunca é uma situação confortável. Quando falamos de empresas, não se trata apenas de existirem dívidas ou não, mas muito mais da quantidade de dívidas e do peso que elas têm nas finanças mensais.

Você pode calcular o grau de endividamento de sua empresa dividindo o valor total das dívidas pelo total do ativo, os bens e direitos da instituição. Um grau alto de endividamento significa que uma grande parte do faturamento é dedicada a sanar obrigações, o que indica uma situação financeira pouco saudável.

Como otimizar?

Uma empresa muito endividada é pouco confiável, tanto aos olhos dos clientes quanto na visão de bancos e parceiros. Para saldar suas dívidas, uma boa saída pode ser avaliar o índice de liquidez dos ativos do negócio.

Isso significa verificar a capacidade dos ativos se transformarem em dinheiro, em curto ou médio prazo. Ter esse conhecimento é importante, principalmente para se preparar caso haja uma queda brusca no faturamento e não seja possível destinar parte dele para pagar dívidas. Também é indicado guardar uma parcela do lucro em um fundo de segurança, para dívidas não planejadas.

4. Clientes

Para cada novo cliente que você consegue, existe uma série de gastos envolvidos por trás. Os investimentos em marketing e divulgação, as horas de trabalho que cada colaborador dedicou para atendê-lo, os gastos com materiais (papéis, impressões e cartões de visita), emails, ligações e até reuniões.

Porém, uma vez que o cliente fecha negócio com você, esses gastos serão drasticamente reduzidos, substituídos por um custo de manutenção. A partir dessas informações, fica claro que é inviável trabalhar apenas com o objetivo de atrair novos consumidores.

A saúde financeira da empresa não pode depender de apenas um ou dois clientes. Afinal, se um deles decidir mudar de rumo, a sua operação fica comprometida.

Da mesma forma, depender apenas de novos clientes significa despesas muito altas. Por isso é preciso saber exatamente de onde vêm o faturamento e o quanto custa para a empresa manter essas origens.

Como otimizar?

Nesse sentido, o cenário ideal é equilibrar a carteira de clientes entre novos e antigos. Sempre ter novos clientes é um bom sinal, quer dizer que as iniciativas de publicidade estão dando retorno.

Porém, contar com clientes fidelizados é o verdadeiro sonho de qualquer empresa. Por isso, depois de conquistar o consumidor, trabalhe duro para que ele continue com o seu negócio.

Além de uma fonte segura de faturamento, você conta com o melhor tipo de propaganda que nós conhecemos: a indicação de confiança. Invista em:

  • Ações de aproximação, como mensagens de aniversário e cartões em datas comemorativas, para manter contato mesmo que não estejam trabalhando juntos no momento;
  • Conteúdo personalizado em email marketing, como aprendizado extra sobre as necessidades de cada cliente;
  • Atendimento humanizado, demonstrando preocupação e desejo de solucionar os problemas do cliente.

Com as dicas desse artigo, você consegue analisar a saúde financeira da sua empresa e implementar mudanças simples, que podem significar uma reviravolta nos seus resultados.

Que tal fazer a avaliação desses 4 pontos na sua empresa? Gostou do conteúdo? Confira nossas dicas e entenda como calcular a rescisão de contrato!

Conteúdo produzido pela equipe Mastermaq!