preparando-se para empreender: boat, barcocriação de logotipo, já deu o primeiro passo correto: tem noção da importância desta peça de comunicação em seu negócio e quer saber a melhor maneira de craiá-la

">

Abandonando o barco e preparando-se para empreender

Por: Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Por: Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Esse texto tem endereço certo. É dirigido para aquelas pessoas que permanecem no ambiente corporativo, mas já sabem que ali não está o seu destino.

“Aqui não é o meu lugar”

Sentem que não nasceram para obedecer, tem dificuldades para seguir regras impostas por outras pessoas, e detestam jogos políticos ou fofocas de corredor.

Esse autoconhecimento ajuda muito, mas não resolve o problema.

Antes da transformação ocorrer, além de um projeto viável, você precisará do mínimo de recursos para tirá-lo do papel.

E além disso, contar com algum meio de sobrevivência até que a nova empresa comece a gerar resultados.

Haverá frustações, não tenha pressa

Muitas vezes, o tempo de distância entre a concepção da ideia (ou decisão de ser seu próprio chefe) e sua realização, e claro, pode superar as suas mais pessimistas expectativas.

Desta forma, independentemente da batalha que vai enfrentar para reunir os meios necessários e amadurecer o projeto (prepare-se eventualmente pode levar alguns anos), alguma preparação pode ser colocada em prática imediatamente.

E por favor, evite o empreendedorismo suicida

Vamos lá:

Preparando o futuro

  • Fique atento a todas as oportunidades, informações e contatos que de alguma forma podem contribuir com o seu projeto;
  • Faça uma lista organizada dessas informações e “insights”;
  • Observe na própria empresa onde trabalha, se não existem oportunidades de negócios para ex-funcionários;

Fique de olho no seu networking!

  • Retome contatos antigos que eventualmente poderão oferecer alguma contribuição.
  • Tenha atenção especial com a sua rede de relacionamentos, ali podem estar presentes algumas soluções, oportunidades e até ameaças.
  • Se tiver alguém em vista para ser seu sócio ou parceiro estratégico, observe-o de longe.

Seja prudente enquanto permanecer na canoa corporativa.

  • No ambiente corporativo, evite comentar sobre os seus projetos. Isso pode atrair enorme resistência, ativar desafetos e até abreviar a sua permanência em uma fase na qual não pode prescindir do emprego.
  • Faça tudo para ficar fora do jogo político corporativo. Ele toma tempo e geralmente não traz nenhuma contribuição.
  • Seja disciplinado e organizado com os horários. Com isso poderá contar com mais tempo livre para se dedicar a sua ideia.

Economize, sempre.

  • Aprenda a guardar dinheiro, e comece a montar um colchão de segurança. Se possível viva com menos do que você ganha.

Empreendedorismo suicida

No meio do caminho, caso esteja se sentindo excessivamente confiante, cuidado.

É hora de sentar e respirar fundo, com o senso crítico ativado no nível mais alto.

A derrocada empreendedora pode ser trágica se alguns cuidados não forem tomados, e se alguns perigos não forem temidos e identificados.

Obviamente não se trata de algo para destemidos, mas antes para corajosos – justamente por aprenderem a lidar com o medo ao reconhecerem sobre o quanto são falíveis e frágeis.

Caso contrário, a sua história pode se transformar em mais um case para as estatísticas da mortalidade empresarial no Brasil.

Mas saiba que o empreendedor suicida reúne um caldo de convicções excessivas, apego doentio ao negócio ou projeto e cegueira diante da realidade.

Neste contexto, acaba por seguir práticas absolutamente destrutivas

Vejamos como ficam, caso fossem recomendadas.

Que tal ler em voz alta?

  • Confiança patológica:

Não seja apenas confiante diante dos desafios e eventuais adversidades.

No lugar dessa postura tão tímida, simplesmente acredite ser absolutamente invencível;

Ele rejeita o “capital” e sua lógica de rentabilidade e retorno.

O quanto antes sepulte o conceito de que a empresa e os investimentos servem primordialmente para remunerar o risco dos investidores e empreendedores;

Ama os modismos corporativos:

Mergulhe de cabeça nos modismos corporativos.

Principalmente se os mesmos forem concebidos por “mentes brilhantes” repousadas em cabeças de especialistas que jamais empreenderam na vida;

Trata em segundo plano as questões formais e documentais.

Em um ambiente de negócios pouco burocrático como o brasileiro, isso certamente será a chave para a sustentação empresarial;

Abandona a modéstia.

Maximize a sua avaliação e o julgamento diante dos êxitos potencias do seu empreendimento e minimize os riscos;

Engane-se.

Cultive a ideia de que largar um emprego fixo, e se tornar dono do próprio negócio, certamente lhe trará uma rotina com menos dedicação, menor stress, e menos tempo dedicado ao trabalho;

Renega a importância do dinheiro.

Opere com um planejamento financeiro capenga e gaste mais do que ganha;

Dilapida o seu patrimônio pessoal.

Será excelente não poder contar com nada, caso o seu negócio não se prove viável;

Restringe o próprio universo intelectual.

Limite o seu universo intelectual aos livros da auto-ajuda empresarial.

Por fim é bom não esquecermos que o empreendedorismo não é tarefa para qualquer um. Traz desafios e perigos, mas vale a pena, desde que seja assumido como um estilo de vida.

Até o próximo.

Agora que a decisão de começar a empreender já foi tomada, recomendamos que você leia o nosso artigo com as dicas que todo empreendedor iniciante deve saber.