práticas para empregarPoucas coisas são tão importantes para um negócio quanto uma equipe de colaboradores eficientes e capazes de colocar em prática ideias inovadoras. Achar o profissional certo e mantê-lo em seu time é um desafio, sobretudo no contexto atual do mercado, com jovens ávidos por novas experiências constantemente.

">

6 melhores práticas para empregar talentos na sua empresa

Poucas coisas são tão importantes para um negócio quanto uma equipe de colaboradores eficientes e capazes de colocar em prática ideias inovadoras. Achar o profissional certo e mantê-lo em seu time é um desafio, sobretudo no contexto atual do mercado, com jovens ávidos por novas experiências constantemente.

Poucas coisas são tão importantes para um negócio quanto uma equipe de colaboradores eficientes e capazes de colocar em prática ideias inovadoras. Achar o profissional certo e mantê-lo em seu time é um desafio, sobretudo no contexto atual do mercado, com jovens ávidos por novas experiências constantemente.

Neste artigo, separei algumas dicas para que você possa empregar talentos em seu negócio e controle a rotatividade dos colaboradores.

A arte do recrutamento

O processo de contratação nas empresas tem passado por profundas mudanças ao longo das últimas décadas. Se antigamente os recrutadores ficavam restritos a testes e análises que pouco variavam de companhia para companhia, atualmente, novas dinâmicas e análises de perfis cada vez mais minuciosos vem sendo implementados.

Além disso, a tecnologia contribuiu, e muito, para quem deseja construir um time de colaboradores de excelência. Redes como o LinkedIn, permitem que analistas e gestores de recursos humanos façam pesquisas de acordo com filtros cada vez mais detalhados.

Tudo isso colabora para que se encontre o funcionário ideal — aquele que vai executar sua função com qualidade, se identifica com a empresa, é preocupado com o futuro da organização e traz ideias que favorecem o sucesso do negócio.

Práticas para empregar talentos e mantê-los na empresa

Apesar das facilidades atuais, empregar talentos continua sendo um desafio imenso no mercado nacional. Para citar um exemplo simples, de acordo com pesquisa recente divulgada pela Conference Board, a produtividade do brasileiro é a mais baixa desde os anos 50.

Considerando esse cenário, quando selecionamos um verdadeiro talento, é realmente crucial fornecer meios e estímulos para que ele continue na organização. Veja agora quais são as práticas que lhe favoreceram neste processo.

1. Definir de forma clara as funções

Saber definir com clareza o que se espera de um funcionário é um passo consistente rumo a um bom recrutamento, pois a dispersão e falta de foco, além de afetarem os processos internos do negócio, podem desestimular aqueles que, de fato, poderiam contribuir com o crescimento da empresa.

Essa primeira dica é especialmente importante, tendo em vista que muitos chefes e gestores confundem o ato de dar espaço para que um colaborador toque novos projetos ou lance novas ideias com a falta de presença do gestor e de feedbacks regulares e construtivos.

Nesse sentido, saiba exatamente o que você procura e transmita tudo com clareza na hora de gerir um novo colaborador.

2. Buscar candidatos em todos os meios disponíveis

Como eu disse há pouco, em virtude da tecnologia, há uma série de opções interessantes para quem está em busca de um novo colaborador. Dos já tradicionais sites de emprego às redes profissionais como o LinkedIn, existem ferramentas que atuam como verdadeiras aliadas na pesquisa por novos funcionários para um empreendimento — muitas vezes de baixo custo ou gratuitas.

Além disso, as redes sociais são meios válidos para pesquisar perfis e hábitos de candidatos, observando quem tem maiores ou menores chances de se adequar a cultura organizacional de seu negócio.

Entretanto, nunca abra mão da visão de especialistas em recrutamento para ter sucesso em uma contratação. Tais profissionais são capazes de identificar nuances de personalidade que poderão afetar positiva ou negativamente a realidade de sua empresa e que não podem ser captados com base somente em uma plataforma de empregos.

3. Transmitir efetivamente a cultura organizacional

Do mesmo modo que um funcionário precisa estar ciente do que se espera dele quanto a processos internos e metas, é fundamental que os valores e a visão sejam transmitidos de modo objetivo.

Dessa forma, contratempos serão evitados e você não correrá o risco de perder alguém que realmente esteja colaborando com o andamento da empresa porque ele não compreendeu a cultura organizacional de seu empreendimento.

Não adianta, por exemplo, você vender uma imagem de companhia despojada, quando, na verdade, internamente os processos são rígidos, há normas de etiqueta, vestimenta e até regras implícitas de comunicação. Aliás, quanto menos implícitas as relações de trabalho, mais fáceis de serem geridas.

4. Estabelecer novos desafios e estímulos

Você já deve ter lido por aí o quanto a geração Y — indivíduos que compõem boa parte da mão de obra disponível no mercado — busca novas experiências constantemente e não está tão preocupada em construir uma carreira longa em uma única empresa.

Dito isso, como é possível manter talentos da geração Y em sua companhia? A resposta para essa pergunta, certamente, passa pela ideia de se criar um ambiente estimulante, em que a rotina do trabalho seja permeada por novos desafios sempre que possível.

E como fazer isso? Você pode desafiar seus funcionários a criar um produto, serviço ou processo e oferecer alguma bonificação para as melhores ideias.

Pode dar liberdade para que seus colaboradores dialoguem abertamente e exponham ideias que poderiam aprimorar a realidade do negócio também é uma medida eficaz. Afinal de contas, se estamos tratando de talentos que você almeja que continuem na empresa, eles merecem ser ouvidos.

5. Estipular uma remuneração justa

Muitas vezes deixamos de citar a questão monetária que envolve a contratação de um colaborador, mas esteja certo: um funcionário capacitado só permanecerá na sua empresa se o salário oferecido a ele faça jus ao que o mercado oferece e ao seu desempenho.

Do contrário, quando surgirem novas oportunidades, você precisará sempre considerar a possibilidade de perder esse colaborador. O dinheiro é a única coisa que conta em uma relação trabalhista? Não. Por outro lado, é ilusório ignorar a importância do fator monetário.

6. Gerar paixão pelo negócio

Sabe aquela história de que os colaboradores precisam vestir a camisa da empresa? Para que isso ocorra, todos os aspectos que listamos até aqui precisam ser observados. Motivação, remuneração justa, cultura empresarial e definição de tarefas claras, desafios constantes e incentivo por parte dos gestores.

Entretanto, além de todos esses aspectos, há algo a importante a ser citado: a paixão por uma empresa só vai existir, de fato, quando você empregar talentos que se identifiquem tanto com a função que eles estão exercendo quanto com aquilo que a empresa oferece para o mercado.

Por isso que eu disse, no início, que recrutar é uma arte. Não adianta, simplesmente, você contratar alguém com boa capacitação ou porque têm determinadas virtudes que podem ser positivas para o seu negócio.

É preciso ser perspicaz o suficiente para empregar talentos que tenham paixão pelo que fazem, que sejam capazes de se engajar ao ambiente organizacional da empresa, e, além disso, acreditam no que a empresa provê aos consumidores. Seguindo estas dicas, é muito mais fácil encontrar boas oportunidades de contratação. E você, quanto talentos já empregou esta semana?

Gostou do artigo de hoje? Compartilhe em suas redes sociais!

Artigo produzido pelo Diego Carmona, CVO e Co-Fundador do leadlovers.