planejamento estratégicoplanejamento estratégico, mas antes, eu gostaria de convidá-lo a uma viagem imaginária com dois personagens que queriam muito assistir as Olimpíadas no Rio de Janeiro.

">

Planejamento estratégico: o que é e como fazer um para sua empresa

Vamos falar neste texto sobre planejamento estratégico, mas antes, eu gostaria de convidá-lo a uma viagem imaginária com dois personagens que queriam muito assistir as Olimpíadas no Rio de Janeiro.

Vamos falar neste texto sobre planejamento estratégico, mas antes, eu gostaria de convidá-lo a uma viagem imaginária com dois personagens que queriam muito assistir as Olimpíadas no Rio de Janeiro.

Ambos moram em São Paulo e eles não se conhecem.

O primeiro, assim que soube das datas dos jogos procurou os hotéis com melhor custo/benefício, comprou as passagens para toda a família, planejou um roteiro nos principais pontos turísticos e comprou os ingressos para os melhores jogos assim que foram disponibilizados.

Já nosso segundo personagem, deixou para ir aos jogos em cima da hora.

As passagens estavam mais caras, os hotéis com melhor custo benefício estavam lotados e não havia mais ingresso para os principais jogos.

Mas o que isto tem a ver com o tema do nosso artigo?

Exatamente o que faltou para o nosso segundo personagem, planejamento!

E é assim que nascem muitas empresas, sem nenhum planejamento, elas simplesmente são criadas para alimentar o sonho dos seus empreendedores ou para suprir uma necessidade, mas são negócios que não tem uma direção definida ou objetivos concretos.

Mas afinal, o que um planejamento estratégico?

O planejamento estratégico é um direcionador para as empresas, assim como nosso primeiro personagem que sabia exatamente o que queria, ele colocou tudo no papel e se preveniu em relação ao tempo e as suas despesas.

Empresas que nascem sem planejamento são iguais o nosso segundo personagem, gastam dinheiro de forma desnecessária e tem muito mais dificuldade em atingir suas metas, já que não estudam suas ações nem traçam objetivos com antecedência.

O planejamento estratégico é um documento que deve ser elaborado pelas principais lideranças de uma empresa, e deve ser um guia para o dia a dia do negócio, respondendo perguntas como: Onde estamos? Onde pretendemos ir? Como vamos chegar lá?

A elaboração deste planejamento requer uma série de análises da situação atual da empresa, da concorrência e do ambiente macroeconômico em que ela está inserida.

Este guia irá ajudar os gestores a definir quais os reais objetivos do negócio e quais serão as ações estratégicas para alcançar suas metas, indicando responsáveis e prazos para cada ação.

Como fazer um planejamento estratégico

A primeira sugestão antes de se começar a fazer o planejamento estratégico do seu negócio, é que os principais líderes da empresa se reúnam em um local fora do ambiente de trabalho, e durante este período procurem se desligar o máximo possível da operação.

Isto é importante para que eles consigam focar o pensamento na elaboração deste documento, sem se preocupar com os problemas do dia a dia da empresa.

Também é importante salientar que não existe uma receita de bolo para a elaboração do planejamento estratégico.

Existem modelos mais simples, com menos informações, até documentos gigantes que analisam diversos cenários e perspectivas.

Vamos analisar neste artigo as principais informações que devem fazer parte do planejamento estratégico de um negócio, sendo que os gestores podem complementar o documento com qualquer outra informação que julgarem importante.

Missão

Missão é o propósito inspirador para o qual uma empresa existe, nela deve-se deixar bem claro “O que fazemos” e “Porque existimos”.

Definir a missão faz os gestores refletirem sobre o real valor do seu negócio para os clientes e para a sociedade.

Veja o exemplo de missão do Google: “Organizar as informações do mundo todo e torná-las acessíveis e úteis em caráter universal”.

A missão deve ser um guia para qualquer tomada de decisão importante, por exemplo, se a empresa pensa em oferecer um novo produto em seu portfólio, deve sempre analisar se aquele produto condiz com a missão da empresa.

Veja a missão da Nestlé;

“Oferecer ao consumidor brasileiro produtos reconhecidamente líderes em qualidade e valor nutricional, que contribuam para uma alimentação equilibrada, gerando sempre oportunidades de negócios para a empresa e valor compartilhado com a sociedade brasileira.”

Com esta missão, a Nestlé jamais poderá incluir em seu portfólio alimentos que se contradizem com o que está descrito, como bebidas alcoólicas por exemplo.

Visão

A visão responde aquela que talvez seja a pergunta mais importante ao se elaborar o planejamento estratégico: Onde queremos ir?

A visão será o maior objetivo a ser alcançado, ela pode estar relacionada a resultados financeiros, participação no mercado ou objetivos específicos como a internacionalização do negócio.

O mais importante na definição da visão é que ela precisa ser alcançável e ter um prazo definido.

Uma empresa pode definir visões de curto, médio e longo prazo.

Pode-se por exemplo, descrever a visão para 1, 3, 5 e 10 anos.

Grandes companhias multinacionais chegam a escrever visões para até 50 anos.

Vamos ver alguns exemplos de visão:

  1. Estar entre os 10 maiores grupos econômicos do país até 2020.
  2. Atingir faturamento bruto de R$ 10 milhões até 2018.
  3. Ser líder em marketshare no segmento de software empresarial no Brasil até 2019.

Valores

Os valores correspondem as crenças e ao modo de conduta do negócio.

Assim como a missão, os valores também são um guia na gestão empresarial, mas estão mais relacionados a comportamentos e a forma como a empresa atua perante a sociedade e aos seus clientes.

Os valores podem ser definidos como os princípios que movem o dia a dia da empresa.

Eles precisam estar explícitos para todos os colaboradores e serem seguidos com firmeza pelos seus líderes.

Vamos ver como a Gerdau definiu os valores da sua organização.

Lembrando que após esta definição, estes valores devem ser compartilhados e seguidos como mandamentos por todos os gestores e funcionários:

  1. Ter a preferência do CLIENTE
  2. SEGURANÇA das pessoas acima de tudo
  3. PESSOAS respeitadas, comprometidas e realizadas
  4. EXCELÊNCIA com SIMPLICIDADE
  5. Foco em RESULTADOS
  6. INTEGRIDADE com todos os públicos
  7. SUSTENTABILIDADE econômica, social e ambiental

Matriz Swot

A matriz Swot é uma importante ferramenta de apoio para a elaboração do planejamento estratégico.

Este modelo analisa 4 aspectos importantes do ambiente macroeconômico em que a empresa está inserida: Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats).

A análise da matriz Swot divide estes parâmetros em 4 quadrantes, e os gestores devem preencher cada espaço de acordo com a situação correspondente, como no exemplo abaixo:

Forças

Equipe técnica altamente capacitada

Marca consolidada

Fraquezas

Investimentos em marketing limitado

Equipe comercial limitada

Oportunidades

Mercado em expansão

Dólar em baixa

Ameaças

Fácil entrada de novos concorrentes

Marcas internacionais entrando no mercado

A análise da matriz será um insumo importante nas próximas definições do planejamento estratégico.

Baseado nessas informações, os gestores irão definir quais ações deverão ser priorizadas para que a empresa possa aproveitar as oportunidades e se proteger das ameaças do mercado, assim como não permitir que suas fraquezas afetem o negócio.

Definição de objetivos e estratégias

Nesta etapa do planejamento começa-se a transformar todo o planejamento estratégico em operacional, ou seja, é quando começa-se a definir quais são os passos necessários para que a empresa consiga atingir sua visão.

Assim como a matriz Swot, nesta etapa pode-se utilizar um modelo específico como o Balanced Scorecard (BSC).

O BSC é um modelo que divide o planejamento em 4 perspectivas de negócio e para cada perspectiva são definidos objetivos que devem ser interligados, para que quando alcançados atinjam a visão macro do negócio.

As perspectivas do BSC são Pessoas, Processos, Mercado e Finanças.

Para cada uma delas, são traçadas estratégias com objetivos específicos, que vão desde a definição de um plano de capacitação para colaboradores, melhoria dos processos produtivos, estratégias de marketing até o atingimento das metas de vendas.

Cada objetivo deve ser mensurável, possuir metas específicas e ter claro quais ações serão executadas para a sua realização.

Análise financeira

Com a estratégia definida chegou na hora de fazer contas.

A análise financeira é importante para saber quais investimentos são necessários para que a empresa atinja suas metas.

Ela deve ser realista e condizente com os objetivos traçados.

Muitas vezes, ao fazer a análise financeira, os gestores acabam identificando que precisam realizar mudanças importantes na estratégia, como mudar a precificação ou reduzir custos na operação.

A análise financeira deve começar com a previsão de receitas, criando uma projeção coerente de crescimento e depois sendo acompanhada com a previsão de custos.

Neste momento é importante analisar todos os pontos que compõe o custo da empresa para a geração de receitas.

Aqui os gestores precisam prever a necessidade de contratação de mão de obra, o investimento em novos equipamentos ou a expansão da planta produtiva, por exemplo.

Ao fazer o planejamento estratégico, algumas empresas criam mais cenários de análise financeira, prevendo que nem sempre suas projeções serão realizadas conforme previsto.

Algumas criam cenários pessimistas, prevendo que apenas 70% das vendas previstas sejam realizadas por exemplo, ou cenários otimistas, imaginando uma situação mais favorável do mercado.

Plano de ação

A última etapa do planejamento estratégico é a hora de colocar a mão na massa.

Aqui a melhor sugestão é a utilização do modelo de plano de ação 5W2H.

Nele, os gestores vão detalhar cara tarefa necessária para que o seu planejamento seja colocado em prática.

O modelo 5W2H utiliza uma linha para cada tarefa definida, preenchendo informações como quem é o responsável pela tarefa e em qual prazo ela será realizada.

Conclusão

O planejamento estratégico quando bem elaborado faz os gestores avaliarem seu negócio com uma visão muito mais ampla, dando um rumo concreto para a empresa e objetivos claros a serem alcançados.

Porém, tão importante quanto a sua criação, é o seu acompanhamento.

Estatísticas mostram que 90% das empresas falham na aplicação do seu planejamento estratégico.

Por isso, os gestores precisam ter muita disciplina no acompanhamento e na cobrança das ações, revisando o plano periodicamente para que ele realmente seja um guia na gestão do negócio, e não apenas mais um documento guardado em uma gaveta.

Gostou desse artigo? Leia também este material exclusivo sobre Planejamento financeiro: Os ciclos do seu negócio