pcp, calculadora

PCP: o que é e qual sua importância?

Os setores de produção e logística são fundamentais em uma empresa.

Os setores de produção e logística são fundamentais em uma empresa.

É por meio desses departamentos que a empresa pode conseguir mais qualidade, agilidade e economia em seus processos, obtendo vantagem competitiva.

Mas como isso pode ser feito? A melhor ferramenta é o PCP.

O que é PCP?

A sigla é referente a Planejamento e Controle da Produção, sendo originária do inglês Production, Planning and Control.

Em outras palavras, esse é um sistema que faz a gerência dos recursos operacionais da empresa, envolvendo todas as operações e a consolidação das informações.

Ou seja, bons resultados serão conquistados por meio do planejamento, controle e programação dos processos produtivos.

Assim, a empresa consegue garantir mais qualidade e produtividade.

Além disso, é possível reduzir os custos operacionais.

Quais são os objetivos do PCP?

pcp

Essa ferramenta, por suas características principais, impacta toda a empresa.

As funções desse tipo de planejamento focam em três pilares:

  • Planejamento – determina quais produtos serão produzidos e quando.
  • Programação – define os recursos que serão utilizados desde o início até o término do fluxo de produção.
  • Controle – realização de um monitoramento para corrigir possíveis desvios e falhas identificados.

No entanto, além desses pilares, outras questões devem ser verificadas, como:

  • A quantidade de produtos a ser produzida.
  • O layout da planta da fábrica para ter um melhor aproveitamento do fluxo dos insumos.
  • As etapas que compõem o processo de manufatura.
  • A definição da mão de obra, tanto mecânica quanto humana.

Com essas delimitações, a empresa pode planejar, programar e controlar melhor o processo de produção, revisando sempre os objetivos estabelecidos e evitando que ocorram desvios.

No caso de mudanças serem necessárias devido a erros ou falhas, o conhecimento a respeito desses fatores permite tomar melhores decisões.

Por isso, essa ferramenta de planejamento também oferece suporte à gerência, apresentando os principais problemas do setor de produção.

Quais são as vantagens?

Suporte à tomada de decisões

Como afirmado, essa ferramenta permite controlar todo o fluxo do processo produtivo da empresa.

Isso significa que os dados estarão sempre à mão e poderão ser consultados sempre que necessário.

Além disso, há uma melhor identificação de problemas e falhas.

A partir dessa constatação, a gerência e a direção podem tomar decisões com base em dados reais, definindo o que deve ser realizado para resolver o problema.

Resultados finais mais atrativos

A empresa que adota a ferramenta de planejamento e controle da produção apresenta resultados finais mais atrativos.

Por quê? Basicamente, porque consegue identificar melhor os pontos fortes e fracos da produção e da logística, atacando os problemas conforme sua ordem de prioridade.

Mais compatibilização entre os setores de produção e vendas

O departamento da produção precisa estar interligado a toda a empresa, especialmente com o setor de vendas.

Afinal de contas, de nada adianta o vendedor fechar uma venda se o produto não estiver disponível.

Adotando o processo de planejamento e controle, sabe-se exatamente quantos produtos estão em estoque, quais é necessário produzir e quais estão em falta (possivelmente exigindo atenção e produção urgente).

Sistematização do processo produtivo

Se a ideia ao usar a ferramenta de planejamento é ter controle sobre o processo produtivo, é claro que isso ocasiona a sistematização de produção.

Isso traz mais agilidade, facilidade, segurança, qualidade, correção, rapidez e menor custo.

Redução de custos

Essa conta é bastante simples: mais controle é igual a menos perdas, menos retrabalho, menos desperdícios e, consequentemente, maior redução de custos.

Quais são as etapas?

Previsão da demanda

Fazer uma previsão de demanda é uma ação importante para que a empresa saiba quando precisa de cada produto, seja para o setor de vendas, seja para os departamentos de estoque, produção e logística.

Essa técnica é subjetiva, mas utiliza dados históricos e estatísticos para identificar os produtos mais vendidos, a matéria-prima mais utilizada, o estoque mínimo de cada produto e possíveis sazonalidades nas vendas.

Com esses dados, os gerentes conseguem dimensionar a produção e verificar os recursos materiais e humanos necessários para o processo.

Planejamento e capacidade da produção

Essa etapa utiliza os dados da previsão de demanda definidos para médio e longo prazos.

A partir disso, deve-se analisar a capacidade de produção da empresa para verificar se é necessário fazer algum tipo de adequação de adequação no setor.

Assim, a capacidade de produção pode aumentar ou reduzir conforme a necessidade de demanda.

Planejamento Agregado da Produção (PAP)

Nesse momento, o objetivo é definir a melhor estratégia de produção para a empresa.

Assim, consideram-se a decisões relativas a volume de produção, estoque, demissão e contratação de pessoas, subcontratação, necessidade de horas extras e contratos de serviços logísticos e de fornecimento.

O PAP geralmente é considerado anualmente, mas há uma revisão mensal, que leva em conta a demanda dos consumidores e a capacidade de produção.

O objetivo é tomar uma decisão conforme a necessidade da empresa.

Programação Mestra da Produção (PMP)

Esta etapa considera a execução em curto prazo dos planos de produção.

O PMP, então, permite analisar e direcionar recursos para que a produção de determinado período seja executada e supra a demanda exigida.

Essa programação, portanto, é mais detalhada, abrangendo não apenas a previsão da demanda, mas também ordens abertas de compras e de produção e pedidos realizados.

Programação Detalhada da Produção (PDP)

O PDP tem por objetivo principal apresentar como a empresa realizará suas operações diariamente.

Ou seja, aborda a operacionalização em si. As atividades envolvidas nesse processo são:

  • Sequenciamento de ordens de produção – define a sequência de operacionalização das máquinas, a fim de reduzir ociosidades, atrasos e estoques.
  • Administração de materiais – tem por objetivo controlar os estoques, delimitar o tamanho dos lotes, definir o estoque de segurança e como a matéria-prima deve ser reposta.
  • Emissão de ordens de produção – é a implantação do programa de produção por meio da emissão dos documentos necessários para que as operações sejam iniciadas. Também é feita a liberação da produção na disponibilização dos recursos.

Nas empresas que trabalham com a produção repetitiva (ou seja, possuem grande volume de produção e pouca variedade de produtos), o PDP deve ser orientado por sistemas de produção.

Alguns exemplos são Kanban, Seis Sigma, Poka-yoke e Kaizen.

Já empresas que têm produção intermitente (ou seja, pouco volume de produção e grande variedade de produtos) têm mais dificuldade para a realização do PDP.

Por isso, o uso de softwares específicos é mais indicado.

Controle da produção

O processo produtivo deve ser acompanhado para garantir que o processo está caminhando conforme o esperado.

Essa etapa também prevê anotações sobre o tempo e os rendimentos do processo, fazendo com que dados atualizados sejam armazenados para serem utilizados em decisões posteriores.

Quais ferramentas podem ser utilizadas?

Kanban

O sistema Kanban é baseado no uso de cartões (post-its) para identificar e visualizar o fluxo de produção.

De maneira geral, são utilizados dois eixos colocados em um quadro.

Um eixo apresenta as tarefas que precisam ser realizadas e o outro traz as etapas de execução dos processos.

Essas etapas devem ser adequadas conforme a necessidade da empresa, mas, em geral, utiliza-se “para executar”, “em andamento” e “finalizado”.

Conforme as tarefas evoluem, o cartão é inserido na coluna correspondente.

Assim, fica mais fácil visualizar se algum processo está atrasado e identificar possíveis problemas.

Além disso, garante-se que os prazos serão cumpridos.

Seis Sigma

Essa ferramenta é reconhecida em nível internacional porque traz mais eficiência, economia e qualidade nos processos produtivos da empresa.

Isso é conseguido por meio da identificação de problemas e implantação de melhorias.

Dessa forma, consegue-se obter custos de operação mais baixos, o que aumenta os lucros como consequência.

O Seis Sigma também é relativo à frequência com que determinada operação utiliza além dos recursos mínimos a fim de satisfazer os clientes.

Isso representa a taxa de desperdício por operação, o que permite ter um diagnóstico a respeito do nível de desempenho dos processos.

Kaizen

Essa metodologia prevê o trabalho coletivo como sendo o principal.

Portanto, os recursos humanos são bastante valorizados, devendo ser motivados para que aliem seus interesses pessoais às metas da organização.

O método Kaizen possui alguns pressupostos. São eles:

  • Eliminação dos desperdícios.
  • Envolvimento de todos os colaboradores, independentemente de hierarquia.
  • Aumento da produtividade com baixos investimentos.
  • Princípio da gestão visual, que prevê a transparência dos procedimentos, valores e processos.
  • Atenção ao ambiente de trabalho ou ao chão de fábrica, ou seja, o local da empresa que cria valor.
  • Processos orientados.
  • Aprendizado por meio da prática.

Poka-yoke

Essa ferramenta é aplicável em qualquer situação que envolva riscos de defeitos ou falhas.

Ou seja, esse é um método de gestão da qualidade que tem por objetivo reduzir os custos pela eliminação de falhas em processos ou problemas (não-conformidades) com os produtos.

Conclusão

Assim, percebe-se que o planejamento e controle da produção é uma ferramenta ideal para ter mais produtividade, eliminar erros e falhas e reduzir os custos, aumentando o lucro como consequência.

O uso de ferramentas variadas e a execução das etapas do PCP vão garantir que o processo seja realizado da melhor maneira possível e que a empresa obtenha o máximo de benefícios. Se você quer saber mais sobre como sair do planejamento e partir para a operacionalização, leia o post Do planejamento à execução: a diferença em 8 passos.