Os 7 motivos que nos levaram a empreender

Os 7 motivos que nos levaram a empreender

Os 7 motivos mais bacanudos para se tornar um empreendedor — caso real

Este artigo faz parte do nosso livro “Desenvolvimento de Produtos sem Enrolação” que está à venda na Amazon Brasil.

Se você pensa em empreender, o primeiro ponto fundamental é entender o que te motiva e onde você quer chegar. Já dizia o sábio gato de Chesire em Alice no País das Maravilhas: “Se você não sabe onde quer chegar, qualquer caminho serve.”.

No nosso caso, temos muito claro que empreender é o caminho que queremos seguir. Temos essa certeza toda por causa de 7 motivos.

Ovo

Seu projeto é como um ovo: é frágil e precisa das condições certas pra nascer forte e saudável

1. O empreendedor é uma pessoa interessante

Uma coisa que percebemos desde os primeiros dias de Empreendemia é que as pessoas se interessam por empreendedores, principalmente pelos iniciantes.

No caso de um novo produto de uma grande corporação existe aquela sensação de “Legal, mas não é algo do meu universo. Não é possível fazer isso.”. Porém, quando se trata de um empreendedor tirando uma ideia do papel, o pensamento é “Aquele cara é uma pessoa normal, como eu, só que teve uma ideia interessante e coragem para transformá-la em um empreendimento”.

O fato de as pessoas se identificarem com os empreendedores desperta ao mesmo tempo um sentimento de curiosidade “Como que faz para empreender?” e com admiração “Um dia também terei minha empresa!”. Saber que as pessoas têm esse sentimento por você é algo muito legal. Afinal, todo mundo gosta de ter seu ego massageado de vez em quando.

2. Experiências inusitadas

Principalmente no começo, o grau de incerteza é muito alto. Muitas perguntas martelam o dia inteiro na cabeça: “Será que vamos conseguir lançar nosso produto?”, “Quem é o meu cliente?”, “Quanto tempo devo investir no plano de negócios?”, “Como faço para conseguir investimento?”, entre muitas outras.

A verdade é que não importa o quanto você ache que está preparado, se você nunca empreendeu, sempre ficará um pouco perdido no começo. Estar um pouco perdido significa que até “se encontrar”, uma série de situações inusitadas ocorrerá.

No nosso caso, precisamos sair na rua com uma prancheta para entrevistar donos de lojinhas do nosso bairro e nos reunir no outro dia com executivos em uma das avenidas mais nobres de São Paulo. Essa montanha-russa de experiências é algo que acelera muito seu aprendizado.

Empreender é algo que lembra muito uma famosa vinheta na TV: “Confira as aventuras desses empreendedores do barulho que sempre acabam se metendo em muitas confusões!”.

3. Ignorar as regras

Ao empreender, você tem a possibilidade de criar suas próprias regras como: instalar um Video Game na empresa, criar um blog falando sobre sua experiência ou até escrever seus próprios livros.

Pelo fato de não ter necessariamente uma política corporativa rígida, é possível criar a cultura da sua empresa da forma que achar mais interessante. Sem enrolação.

Um detalhe importante é que as leis não são regras que podem ser ignoradas. Além de ser errado, na hora que um investidor pesquisar sobre sua empresa e descobrir irregularidades, dificilmente ele fará o investimento. Chega uma hora em que vai se gastar mais dinheiro para acertar a empresa do que o quanto se ganharia com ela.

Eu sei que é difícil pagar todos os impostos e obedecer todas as leis, mas acredite, vale a pena. É como nosso ídolo da infância, He-Man, já dizia: “A maneira certa é a melhor maneira.”

4. Formar uma rede de contatos de alto nível

Não sei se é pela nossa cara de pau, mas boa parte dos contatos que fizemos parou pra nos ouvir, independente do cargo ou tamanho da empresa.

Através de muita cara de pau, participação em eventos e indicações acabamos conhecendo as principais referências em empreendedorismo e internet do país. Esse contato com as referências é essencial para evoluir o conceito do seu produto, ser apresentado a possíveis parceiros e principalmente para fortalecer a marca da sua empresa.

O ápice da nossa felicidade foi quando tivemos a chance de conhecer o homem, a lenda, o mito, Guy Kawasaki. Pra quem não conhece, Kawasa (como nós o chamamos) é o autor do melhor livro de empreendedorismo de todos os tempos: A Arte do Começo. Esse livro é praticamente nosso guia diário de empreendedorismo. Ter a chance de trocar uma ideia pessoalmente com o cara foi uma experiência e tanto.

Momento de adoração ao mestre Kawasa -- em 2009

Luiz, Kawasa e Millor – Momento de adoração ao mestre Kawasa em 2009

Com o tempo, contatos iniciais já feitos e a caça por clientes cria-se uma inércia e, hoje em dia, já é possível falar que temos um networking muito bom — graças a esse trabalho de formiguinha, um a um.

5. Colocar sua criatividade à prova

Em algum momento as coisas não vão sair como o esperado. O produto não vai ficar pronto no prazo, o investimento vai demorar para acontecer, os clientes não vão sair correndo para comprar seu produto como você imagina etc. Esse tipo de problema que acontece te força a pensar em soluções criativas para superá-los.

Esse estímulo forçado a ser criativo te torna um profissional muito preparado para lidar com a gestão da empresa no dia-a-dia. Principalmente quando se trata de inovação – criatividade é fundamental para o empreendedor.

6. Ganhar resistência física e emocional

Antes de tudo, é importante ter algo em mente: empreender não é nem um pouco fácil.

Criar uma empresa do nada é algo que desgasta muito tanto a parte física quando emocional da pessoa. Em compensação, se ganha resistência para aprender a gerar resultados mesmo com tanta coisa contra você. Sem essa resistência é impossível sobreviver no mercado.

Uma vez ouvimos do empreendedor e investidor Augusto Camargo uma frase que gostamos muito: “É sob pressão e alta temperatura que se formam os bons diamantes”. O mesmo vale para o empreendedor.

7. Ter a possibilidade de criar o futuro

No início de 2009, nossa empresa não era nada além de uma ideia. Hoje, temos um dos maiores portais de conteúdo de empreendedorismo do Brasil, 2 livros lançados, um produto sendo usado por milhares de pessoas e alguns grandes clientes.

Tudo que não foi criado pela natureza, desde um palito de fósforo até um transatlântico, surgiu de uma ideia e foi transformado em algo real por um empreendedor. Transformar uma ideia em algo que outras pessoas possam usar é a essência do progresso humano. Sentir que estamos fazendo nossa parte é uma experiência indescritível.

Motivo bônus

É divertido!

Sério mesmo, é muito legal empreender. Nenhum de nós consegue se enxergar fazendo outra coisa além de empreender. Se a Empreendemia de alguma forma não der mais certo, pode ter certeza que abriremos outra empresa.

Talvez você tenha sentido falta do motivo “Dinheiro”. Não o colocamos justamente por não acreditar que deve se empreender por dinheiro. É lógico que é importante ficar de olho no fluxo de caixa e vender o máximo possível, porém a probabilidade de ficar zilionário empreendendo é muito baixa. Você precisa realmente acreditar no seu projeto para manter a motivação no dia-a-dia, ficar pensando o tempo todo em dinheiro dificilmente será o fator que vai te dar a carga de motivação necessária para sair do lugar.

Se você gostou desse artigo, com certeza gostará muito mais do nosso ebook “Desenvolvimento de Produtos sem Enrolação”. Para adquiri-lo é muito fácil, é só comprá-lo pelos módicos 15 reais na Amazon Brasil clicando aqui.

Millor Machado (ainda muito motivado a empreender, mesmo depois de 3 anos de ter escrito esse artigo)