O que são nanodegrees? Descubra os cursos que sua carreira pede

Carreira de sucesso, retorno financeiro e realização profissional. Quem não deseja esses três itens? Na corrida por um lugar ao sol no mercado de trabalho, todas as pessoas realmente determinadas buscam qualificação constante.

Contudo, o contexto das profissões muda mais rápido do que nunca. Um conhecimento que era obrigatório em uma determinada época pode se tornar obsoleto até o momento em que um profissional termina o curso superior. É nessa realidade que surge o Nanodegree.

Esse tipo de formação pode ter um melhor custo-benefício e viés mais prático do que as pós-graduações e MBAs.

O que é Nanodegree?

Resumidamente, é um “nanocertificado”: uma modalidade de curso mais curto que foca em habilidades específicas para o mercado de trabalho. Tudo isso com avaliações e certificações para provar que o aluno realmente domina o assunto.

Com a internet tão presente na vida das pessoas, os nanodegrees ocorrem no formato de ensino a distância, no qual as aulas são dadas totalmente pela web.

Esse formato também faz parte da proposta de focar na realidade do cotidiano das empresas e profissionais, que muitas vezes não têm tempo para se deslocar até uma instituição de ensino física.

Hoje já existem Nanodegrees em inúmeras áreas diferentes e até mesmo grandes organizações estão adotando esse tipo de curso para treinar seus colaboradores.

A essa altura você provavelmente já não tem dúvidas de que o Nanodegree é uma modalidade de ensino que veio para ficar.

Quer aprender todos os detalhes sobre essa formação? Continue lendo para saber:

  • O que é Nanodegree?
  • Como surgiu o Nanodegree?
  • Contexto atual da educação
  • As vantagens do Nanodegree
  • Melhores práticas para obtenção de um Nanodegree
  • Aceitação no mercado
  • Os Nanodegrees vão extinguir os MBAs e pós-graduações?
  • Cases e exemplos de Nanodegrees
  • Conclusão sobre os Nanodegrees

Como o Nanodegree funciona?

O Nanodegree (nanocertificado) é uma formação direcionada para o mercado de trabalho, por meio da qual o aluno pode desenvolver habilidades específicas relacionadas à sua profissão.

De modo geral, os programas de Nanodegree contam com aulas online que duram em média 6 meses. O objetivo é que o estudante saia com habilidades bastante valorizadas pelas empresas. Ou seja, existe um mix de realização prática com flexibilidade de horários.

Dessa forma o aluno não fica preso à instituição de ensino por muito tempo, pois pode estudar nos horários que preferir e ainda concluir a formação em um período mais curto.

Como surgiu o Nanodegree?

Quem introduziu esse conceito foi a Udacity, uma empresa criada na cidade de Stanford. A ideia foi pegar o objetivo geral de um MBA, que é preparar o aluno para o mercado de trabalho, e transformá-lo em um formato mais dinâmico, ágil e prático.

Em vez de passar dois ou três anos estudando uma série de tópicos — alguns extremamente úteis e outros nem tanto —, a proposta é que o profissional aprenda apenas habilidades que são altamente valorizadas pelo mercado.

Continue lendo. Mais adiante contaremos a história da Udacity e outras instituições que são destaque quando o assunto são os “nanodiplomas”.

Contexto atual da educação: vantagens do Nanodegree

Não há dúvidas de que quando o mundo muda, a educação muda também. Nem sempre essa mudança ocorre em uma grande velocidade, porém mais cedo ou mais tarde ela se torna inevitável.

Nos últimos anos os estudantes vêm buscando uma série de fatores ao escolher um curso, como:

Agilidade e flexibilidade de tempo

Quem nunca desejou que o dia tivesse mais de 24 horas para poder cumprir todas as suas tarefas? Atualmente, formações que permitem ao aluno estudar nos seus próprios horários levam vantagem.

Além disso, o mercado de trabalho é extremamente dinâmico e competitivo. Cada vez menos pessoas estão dispostas a passar anos estudando um assunto para, só então, obter uma certificação. Não é por acaso que os nanodegrees optam por valorizar a agilidade.

Universidade Rock Content.

Presença online

Se você reparar, tudo migrou ou está migrando para internet. Armazenamento de dados, processos empresariais, sistemas financeiros, tarefas de trabalho, reuniões de equipes, compras de produtos e serviços, atividades de lazer e até relacionamentos.

Por que com a educação seria diferente? Atualmente, o número de cursos online só aumenta. Eles vão desde os cursos gratuitos até Nanodegrees pagos com certificações.

Aplicação prática

O mundo de hoje exige que os profissionais adquiram novas habilidades constantemente. E não basta ter sede de conhecimento. É preciso aprender mais rápido do que os concorrentes.

Não é à toa que as formações atuais estão focando na aquisição e aplicação prática do que o mercado pede. Ao terminar um Nanodegree, você pode ter certeza que terá conquistado capacidades totalmente úteis para o cotidiano de trabalho.

Reconhecimento do mercado

Foi-se o tempo em que as empresas só valorizavam instituições antigas e extremamente formais. Os gestores da atualidade reconhecem as formações que realmente preparam seus colaboradores para o dia a dia das profissões.

Há cada vez menos espaço para aquele tipo de conhecimento que fica só nos livros ou projetos acadêmicos. A demanda é por metas e, com isso, o reconhecimento é dado para as formações que entregam resultados. Essa é outra vantagem dos Nanodegrees: os gestores logo se dão conta de que o aluno realmente sabe executar tarefas.

Customização

Há muito tempo as faculdades criaram o conceito de disciplinas eletivas, isto é, aquelas que o aluno não é obrigado a fazer e pode escolher de acordo com seu interesse.

O que está acontecendo hoje é que carreiras inteiras são construídas com base em formações “personalizadas”. Cada profissional está buscando estudar aquilo que lhe é exigido atualmente. Como as pessoas, empresas e trabalhadores são únicos. A customização é uma tendência que se torna alcançável por meio de uma série de cursos de menor duração.

Daqui a alguns anos, dificilmente encontraremos duas pessoas com a mesma formação. Mesmo que possuam uma graduação em comum, elas terão nanocertificações diferentes.

Valores acessíveis

Cá entre nós, sabemos que uma faculdade ou MBA exigem altos investimentos. Além dos valores da educação tradicional não serem acessíveis a todos, muitas vezes o estudante fica com a sensação de que obteve uma baixa relação custo-benefício. É como comprar um supermercado inteiro para usar apenas alguns itens.

Isso normalmente não ocorre com os Nanodegrees, pois essas formações têm preços mais em conta e entregam habilidades práticas. Na analogia do supermercado, seria como se você escolhesse apenas os itens que precisará para o jantar de hoje — e, dependendo do caso, ainda encontrasse tudo na promoção.

Melhores práticas para obtenção de um Nanodegree

Se você está pensando na possibilidade de obter um Nanodegree, é importante saber o que levar em consideração na hora de escolher uma formação. Alguns dos principais pontos a ter em mente são:

Identificação de habilidades

Em geral, Nanodegrees não são cursos que você faz apenas por hobby. Pelo contrário, o objetivo é adquirir as habilidades fundamentais para exercer o cargo ou função que você deseja.

Portanto, antes de escolher uma formação desse tipo, verifique quais são as habilidades mais valorizadas no seu mercado e, a partir daí, procure um curso compatível.

Investigação da reputação

Naturalmente, é crucial conferir se a instituição de ensino é reconhecida no mercado. Isso não significa que você deve buscar Nanodegrees das universidades tradicionais, por exemplo. Mas é importante verificar a reputação.

Veja quais são as qualificações e currículos dos professores, busque depoimentos de alunos e familiarize-se com a plataforma de ensino.

Verificação de certificação

O mais importante em um Nanodegree não é o certificado em si, mas o fato de que o programa prepara os alunos para atuar no mercado de trabalho.

Ainda assim, é válido optar por instituições que ofereçam certificação para incluir no seu currículo, incluindo o perfil do LinkedIn.

Aceitação no mercado

Finalmente chegamos à pergunta que não quer calar: como o mercado enxerga o Nanodegree? Qual é a aceitação das empresas?

Como mencionamos anteriormente, vivemos um momento bastante dinâmico no mercado de trabalho. As mudanças ocorrem em uma velocidade impressionante e, com isso, as empresas têm menos tempo para treinar funcionários.

Sendo assim, as organizações buscam pessoas que já estejam preparadas para executar tarefas no dia a dia. Uma graduação ou pós-graduação diz muito sobre a área de interesse de uma pessoa, porém não garante habilidades específicas.

**Já os Nanodegrees têm justamente esse foco nas competências práticas. **Não é por acaso que as “microcredenciais” obtidas na educação online ganharam destaque com rapidez. Em áreas como tecnologia e marketing, há diversas organizações que só contratam candidatos que tenham certas certificações, como a de Inbound Marketing, da Hubspot, e a de Produção de Conteúdo para Web, da Universidade Rock Content.

Segundo a agência de recrutamento Adecco Staffing USA, nos últimos três anos houve um crescimento inédito nas formações curtas. Isso só ocorre porque os próprios contratantes estão valorizando esse tipo de experiência no currículo. No fim das contas, o tipo de estudo buscado pelos profissionais nada mais é do que um reflexo da demanda do mercado de trabalho.

Badges no currículo

Na linguagem atual da educação e dos recursos humanos, os badges são uma espécie de selo ou distintivo que as pessoas incorporam em seus currículos. Cada emblema garante que o profissional conquistou uma determinada habilidade.

Normalmente o estudante conquista um *badge *após a conclusão de um Nanodegrees ou ao desenvolver uma habilidade em particular. A conquista pode ser compartilhada nas redes sociais ou em portfólios digitais.

Esse uso tem se tornado comum especialmente nas redes sociais profissionais, como o LinkedIn. Quando um potencial contratante clica no símbolo, ele vê informações sobre como e quando o título foi conquistado.

Basicamente, a mensagem que um Nanodegree transmite é de que aquele candidato possui um conjunto de conhecimentos práticos que o tornam apto a desenvolver trabalhos relacionados a eles. A educação deixa de ficar apenas na teoria e passa a se encarregar da aplicação cotidiana.

Do ponto de vista dos empregadores, não há nada melhor do que se deparar com currículos de pessoas que têm exatamente as habilidades necessárias para desempenhar uma função. A necessidade de treinamentos e o tempo de adaptação diminuem, gerando reduções de custos para as empresas.

Ainda segundo a Adecco Staffing, há mais empregadores e recrutadores favoráveis à ideia de Nanodegrees do que contrários a ela. Nem sempre os badges são tão reconhecidos quanto uma graduação, mas certamente são valorizados.

O que as pesquisas dizem

Até hoje não tivemos muitos levantamentos investigando a percepção dos empregadores sobre as nanoformações. No entanto, uma pesquisa com 114 profissionais de recursos humanos de vários segmentos mostrou que apenas 5% não estão interessados nos Nanodegrees.

Além disso, 62% dos entrevistados disseram que têm interesse nesse tipo de certificado, mas também gostariam de aprender mais sobre o assunto.

Portanto, também cabe aos profissionais esclarecerem o que as formações representam. Para o contratante o mais importante não é o certificado em si, e sim o fato de que o candidato possui a habilidade desejada pela empresa.

Os Nanodegrees vão extinguir as graduações, MBAs e pós-graduações?

Com o crescimento dos Nanodegrees, muita gente começou a se perguntar se essas certificações substituirão os formatos de ensino tradicionais.

Há empresas, como a AT&T, que estão extremamente empolgadas com a possibilidade, chegando a desenvolver seus próprios cursos para formar novos funcionários. Em casos como esse, o Nanodegree é suficiente para conquistar um emprego de nível básico dentro da companhia.

Não podemos negar que há uma onda de migração da educação para a internet. Uma tendência crescente de oferecer cursos focados em competências específicas. No entanto, isso não significa que outros tipos de educação serão necessariamente substituídos.

Uma vez que prever o futuro ainda é bastante difícil, tudo depende do ponto de vista. Algumas pessoas declaram que, com a expansão dos Nanodegrees, as universidades globais estão ameaçadas.

*Outras são mais céticas e ainda têm um pé atrás com as formações rápidas. *Para esse grupo, os Nanodegrees não são capazes de fomentar o pensamento crítico da mesma forma que as graduações ou pós-graduações tradicionais.

Uma proposta mista

Já os mais otimistas enxergam essa onda de cursos online como uma democratização da educação superior. Hoje, para ter uma qualificação de alto nível, não é mais pré-requisito estar fisicamente presente dentro de uma universidade.

No fim das contas, Nanodegrees têm como alvo um tipo específico de trabalho, enquanto as formações mais longas costumam oferecer uma gama de habilidades (mais genéricas) que permitem buscar uma variedade maior de ocupações. Isso significa que provavelmente, no curto prazo, as universidades não precisam temer os cursos online.

Ao mesmo tempo, não seria prudente das instituições tradicionais ignorar os Nanodegrees — até porque essas mesmas instituições poderão oferecer formações desse tipo.

É o caso da HarvardX, braço online da Universidade de Harvard em parceria com a plataforma de ensino a distância EDX. Por lá você pode encontrar cursos que vão desde Data Science e Estatística até Contratos ou — quem diria? — Budismo.

Case de Nanodegree: Udacity

A Udacity é provavelmente a maior referência em Nanodegrees no mundo, sendo pioneira na área. Como mencionamos, o surgimento desse tipo de formação aconteceu em Stanford.

Dois professores da universidade de lá — Sebastian Thrun e Peter Norvig — lançaram o primeiro MOOC, sigla para Massive Open Online Course (Curso Online Aberto e Massivo). O tema do curso era “Introdução à Inteligência Artificial”.

Foram mais de 160 mil alunos de 190 países. Logo depois esse primeiro Nanodegree deu origem à Udacity, que expandiu e chegou até a criar uma versão em português.

A instituição, que nasceu com foco na área de tecnologia, segue priorizando esse setor. Ainda assim, aos poucos está englobando segmentos como marketing, engenharia e empreendedorismo.

Entre os cursos oferecidos estão Data Science, Analista de Dados, Desenvolvedor Android, Startup Founder, Marketing Digital, Google AdWords, Introdução à Programação, Engenheiro de Machine Learning e muitos outros.

Com o crescimento da Udacity surgiram parcerias com grandes empresas para criar Nanodegrees na área de TI, como AT&T, Google, Facebook e Salesforce. O objetivo é qualificar profissionais para atuar não somente nessas companhias, como em todo o setor.

A Udacity se orgulha de ser uma universidade online “feita pelo Vale do Silício” e tem como uma das metas gerar aprendizados a um custo muito menor do que em escolas tradicionais.

Case de Nanodegree: Coursera

Para quem acha que os Nanodegrees chegaram para brigar com as universidades, a Coursera é um ótimo exemplo de que as instituições podem colaborar umas com as outras.

A empresa se posiciona como responsável por oferecer cursos online de algumas das melhores universidades do mundo, como Stanford, Princeton, Duke, Illinois, Michigan, entre outras.

Com mais 145 parceiros e 2 mil aulas em seu site, a Coursera ministra cursos para mais de 21 milhões de alunos em todo o mundo.

Tudo começou em 2012 com os professores de ciência da computação Andrew Ng e Daphne Koller, da Universidade de Stanford. Após a parceria inicial com Stanford, no mesmo ano a instituição fechou colaborações com mais 17 universidades e, posteriormente, com mais 29 universidades (16 delas de fora dos EUA).

Uma das novidades mais interessantes foi o fechamento de acordos com a USP e a Unicamp em 2017. Por meio do Coursera, a Universidade de São Paulo disponibiliza formações em áreas como Ciências da Computação, Astronomia e Empreendedorismo.

Já a Universidade Estadual de Campinas oferta diplomas curtos em segmentos como Saúde, Desenvolvimento de Aplicativos e Economia do Trabalho.

Case de Nanodegree: Universidade Rock Content

Já imaginou ter acesso a uma instituição brasileira com foco em formações rápidas, todas em português e de alta qualidade? Felizmente essa opção já existe.

A Universidade Rock Content tem foco na área de Marketing Digital e dá aos profissionais da área a chance de complementar o currículo, desenvolvendo as habilidades mais requisitadas no setor.

A iniciativa surgiu por meio da Rock Content, a maior agência de Marketing de Conteúdo do Brasil. Além de treinar seus colaboradores internos constantemente, a empresa já possuía uma certificação voltada para os freelancers de sua plataforma de marketing.

Acostumada a criar conteúdo de alta qualidade todos os dias, a marca percebeu que o mercado precisava de novas formações no estilo Nanodegree.

Segundo Diego Gomes, CMO da Rock Content, a Universidade Rock Content foi criada para ajudar empresas a capacitar seus times de marketing com escala de eficiência.

Diego comenta que os treinamentos são os mesmos que a própria Rock Content utiliza para capacitar seu time e que recomenda para seus clientes e parceiros.

Atualmente são 7 cursos disponíveis, 4 deles gratuitos e 3 pagos. Os cursos são: Outbound Marketing & Sales, Inbound Marketing, Produção de Conteúdo para Web, Marketing de Conteúdo, Customer Success, SEO (Search Engine Optimization) e Inside Sales.

Se você quiser conhecer a opinião de alguém que fez todos os cursos, há um post da Hubify com o título “O que eu aprendi na Universidade Rock Content“.

E então, Nanodegrees valem a pena?

Se você chegou até aqui, provavelmente já compreendeu que os Nanodegrees têm sido amplamente aceitos e valorizados pelas empresas.

Obviamente, isso não quer dizer que existe uma unanimidade em relação a eles. Enquanto alguns empregadores são verdadeiros entusiastas desse formato, outros admitem que ainda precisam se informar melhor sobre o assunto.

O fato é que, no fim das contas, não interessa até que ponto um contratante conhece o conceito de Nanodegree. O mais importante é que ao fazer um curso desse tipo o estudante sai com o domínio de uma habilidade específica.

Se essa habilidade for justamente aquela que o empregador está procurando, fechou! A tendência é que os dois cheguem em um acordo com muito mais facilidade.

Nesse momento não cabe a nós tentar adivinhar se os Nanodegrees vão substituir os MBAs, pós-graduações ou até mesmo as próprias graduações. Como vimos em exemplos ao longo do texto, até mesmo as universidades estão se unindo com as instituições de educação online para levar conhecimento a mais pessoas.

Pela primeira vez na história, temos uma educação ágil, escalável e acessível. Esses são os grandes trunfos dos Nanodegrees que prometem revolucionar a forma como estudamos!

Se você também deseja obter um Nanodegree e se destacar no mercado, não deixe de conhecer a Universidade Rock Content. Por lá existem vários cursos disponíveis para você se especializar e enriquecer seu currículo.

comments powered by Disqus