Modelo de demonstração de projeto inovador

Modelo de demonstração de projeto inovador

2119
3
SHARE

No início de 2009, fizemos uma pesquisa de quais eram as redes sociais que haviam se destacado no Brasil além do Orkut. Uma das mais legais que achamos foi o ebaH, que é basicamente uma rede social para compartilhar material de estudo.

Recentemente descobri um vídeo que eles usavam para explicar o sistema no início da empresa e tirei algumas lições dele.


(Link para o vídeo no Youtube)

Mostre de forma clara o problema que você resolve
Além do estilo “retrô” do início do vídeo, eles conseguiram mostrar qual problema eles resolvem de forma sensacional. Todo mundo que já sofreu com Xerox na faculdade sabe muito bem que aquilo é a mais pura verdade.

Muitas empresas seguem o caminho inverso, primeiro pensam em uma solução genial, só depois analisam se isso resolve um problema. A questão é: por que catzo alguém iria querer usar um produto que não resolve nenhum problema?

Demonstre como seu produto resolve o problema de forma inovadora
O primeiro passo é mostrar que existe um problema, também conhecido como demanda de mercado. Depois disso, o próximo passo é mostrar como seu produto resolve o problema de forma mais rápida, barata ou divertida que as soluções existentes atualmente.

Através de demonstrações das funcionalidades, eles conseguem mostrar quais as vantagens de usar o ebaH ao invés de simplesmente compartilhar Xerox e caçar na internet material.

Tenha dados reais, de pessoas reais, que estão dispostas a pagar dinheiro real pelo seu produto
Normalmente planos de negócios possuem dados mostrando que o mercado é gigantesco, que 11 em cada 10 especialistas falam que esse setor é o futuro, etc. Porém, esses números não significam absolutamente nada até que você tenha pessoas reais usando seu produto.

Especificamente no caso do ebaH, eles trabalham com um modelo de negócios baseado em publicidade, o que necessita uma grande quantidade de usuários. Mostrar um bom número de usuários nos primeiros meses no ar é muito mais convincente do que toneladas de dados de mercado.

Não enrole para começar a apresentar seu projeto
No caso do vídeo, eles já tinham o sistema no ar e puderam fazer um vídeo muito bacana. Porém, se sua ideia ainda está no começo, não tem problema.

Quando começamos a apresentar a Empreendemia pra referências da internet brasileira, incluindo o Renato Freitas (fundador do ebaH), não tínhamos dados, clientes, imagens do produto, nada. Porém, simplesmente começamos e apresentamos o nada que tínhamos e as pessoas pararam para nos ouvir. Com isso, conseguimos colher feedbacks e melhorar o projeto rapidamente.

Para ter uma ideia de quão tosco um projeto pode estar e mesmo assim ser apresentado, confira a primeira apresentação do projeto da Empreendemia.

Conclusão
Quanto mais dados reais você tiver, melhor. Mas se só tiver um conceito, mostre muito bem o problema que seu projeto resolve e como ele irá resolvê-lo melhor do que as soluções existentes. Com o tempo você irá melhorar sua apresentação do projeto, o importante é começar cedo e evoluir rápido.

Abraços,
Millor Machado (orgulhoso pela existência do ebaH na internet brasileira)

Obs.: Vocês podem ter reparado que os links do ebaH que usei foram para o perfil no Empreendemia. O site deles é o http://www.ebah.com.br/

Para se aprofundar no tema, confira o caso de empreendedorismo da Peta5: Mostre sua ideia ou projeto para receber feedbacks.

  • Roberto Fermino

    Vale completar dizendo que o EbaH ganhou no mesmo ano em que surgiu (2006) o Ser Empreendedor, que é uma competição de Plano de Negócios da POLI. O diferencial desta competição é que há palestras sobre como fazer o PN e um acompanhamento bem legal. As inscrições para o Ser Empreendedor 2010 estão pra sair e é aberta para o público em geral. É muito legal!

    Parabéns Renato. Um viva a nós Politrecos rsrs

  • kkkkkkkk! Essa logo ficou muito ebay…! E tb n achei legal dizer que já ganharam U$89,00. Ficou muito amador isso na minha opinião, mas tá certo, cada um deve ter a sua!

  • Grillomelo

    Quero conversar com alguém que possa realmente enfrentar um processo de inovação não somente na área tradicional, mas especialmente no setor de serviços