7 verdades que você precisa saber antes de investir em Mídia paga para e-commerce

Já falamos por aqui o quanto a internet mudou a jornada de compra do cliente.

A grande verdade é que ela se tornou um excelente canal para quem quer expandir suas vendas, saindo de uma abrangência local para a nacional e até global.

Ou seja, o e-commerce vem se consolidando como uma das principais ferramentas de aquisição de clientes para negócios que vendem algum tipo de produto, desde os que estavam presente somente no mundo *offline *até os que nasceram com o DNA no mundo online.

Fazendo uma analogia com os mercados locais, a internet funciona basicamente da mesma forma, ou seja, não basta simplesmente colocar os produtos na vitrine e esperar que os clientes venham voluntariamente.

É preciso construir uma reputação para que a loja tenha movimento e realize suas vendas. Isso pode ser feito de diversas maneiras, uma delas é fazer anúncios através da mídia paga.

E é sobre isso que iremos falar nesse post: Como funciona a mídia paga para e-commerce, que é um dos melhores investimentos a serem feitos para esse tipo de negócio.

Mas antes…

Você conhece o Google Adwords?

O Google Adwords nada mais é do que a plataforma de anúncios e publicidade do Google. A sua influência no ambiente web é muito relevante, pois hoje em dia, a primeira ação quando queremos pesquisar algo é procurar no Google.

Os anúncios feitos através dessa ferramenta podem aparecer de duas maneiras: Na Rede de Display ou na Rede de Pesquisa.

A Rede de Pesquisa é um espaço para anúncios que é disponibilizado nas páginas de pesquisa do Google – são os links patrocinados.

A Rede de Display são os anúncios que aparecem em forma de textos, vídeos e imagens nos diversos sites que são visitados.

As campanhas funcionam no sistema de lance – como se fosse um leilão – ou seja, elas são configuradas de acordo com um orçamento diário pré-definido. Caso esse orçamento seja ultrapassado, as campanhas serão pausadas naquele dia.

Adwords para e-commerce

Agora que você entendeu os conceitos básicos sobre o funcionamento do Google Adwords, vamos mostrar como você pode utilizar o seu orçamento de mídia paga para e-commerce, detalhando um pouco mais as Redes de Display e Pesquisa.

Rede de Display

Ela possui a maior rede de sites parceiros do Brasil e do mundo. Através dela é possível segmentar os anúncios de acordo com o contexto desses sites, sendo possível direcioná-los para os que tenham afinidade com seu público-alvo.

Como na Rede de Display há a possibilidade de fazer anúncios em vários formatos (texto, imagens, vídeos, etc) é possível dar um toque de criatividade para eles, deixando-os mais interativos, que é algo bem útil para o mercado de e-commerce.

Uma dica legal é fazer testes A/B com todos os elementos do anúncio.

Ela também oferece um recurso extremamente poderoso, que pode ser muito bem utilizado pelos e-commerces: A possibilidade de segmentar anúncios.

Sendo possível escolher o seu direcionamento baseado em atributos como localização geográfica, idade, gênero, contexto (relacionado a uma palavra-chave) e até por interesse do negócio.

Rede de Pesquisa

Assim como falamos anteriormente, a Rede de Pesquisa engloba os anúncios patrocinados nas pesquisas feitas no Google.

Aqui também é possível direcionar os anúncios conforme uma localização, idade, gênero e palavra-chave.

Além disso, há o recurso da pesquisa dinâmica que também pode ser muito útil para os e-commerces.

Com ela será possível criar anúncios os quais o título é gerado automaticamente com o nome do produto e a URL de destino. Isso faz com que o produto seja ofertado assim que a pesquisa por palavras-chave relacionadas forem feitas, tornando o resultado da sua empresa mais relevante.

As verdades sobre o uso de Adwords em um e-commerce

Para te ajudar a utilizar a mídia paga para e-commerce, vamos listar aqui 7 verdades que você precisa conhecer antes de começar a investir nesse tipo de mídia. Confira:

1 – Escolha de palavras-chave

Você está no controle de todas as suas campanhas, ou seja, poderá definir quantas palavras-chave quiser para ela.

Mas tome cuidado com isso, pois o objetivo nessa etapa é conseguir atingir o seu público-alvo. Caso o número de palavras seja exagerado, a sua campanha será muito abrangente e dificilmente você conseguirá cumprir com esse objetivo.

No geral, um número ideal é de 5 a 10 palavras por campanha.

2 – Qualidade da palavra-chave

Aproveitando que estamos falando das palavras-chave, não deixe de analisar a sua relevância e a sua concorrência.

Verifique se a palavra-chave possui uma quantidade de pesquisas relevante para você investir e também verifique o seu custo (quanto mais concorrida, mais caro ela será).

A saída para palavras que são muito concorridas é usar a alternativa das palavras-chave de cauda longa, que são termos que não são tão genéricos – por exemplo, se você possui uma loja de roupas para idosas, ao invés de investir na palavra “roupas” invista em “roupas femininas para idosas”.

3 – Segmentações

Também já falamos como as campanhas podem ser segmentadas. A utilização desse recurso é um grande diferencial, principalmente para quem trabalha com e-commerce.

Prosseguindo dessa maneira, suas campanhas sairão na frente das demais e dependendo da forma como os anúncios serão direcionados, é possível evitar competições com empresas que têm um alto poder de compra nos leilões ou já são mais experientes.

4 – Leilão

Conforme também já explicado, o funcionamento das campanhas é baseado em forma de leilão, o qual será preciso definir um lance do valor (em R$) mínimo que está disposto a pagar por palavra-chave.

Porém, os lances podem ser feito em 3 modalidades:

  • Custo por Clique (CPC), ou seja, será cobrado quando alguém clica no anúncio;

  • Custo por Aquisição (CPA), que será cobrado somente quando você realizar uma venda;

  • Custo por Mil Impressões (CPM), a qual é cobrado um valor quando 1000 anúncios são visualizados.

Então, tente entender qual dessas modalidades se adequa melhor ao contexto de cada anúncio.

5 – Gasto mínimo

Não há a obrigação de gastar um valor mínimo por dia. Aliás, dependendo do dia e do quão bem aquela campanha estará otimizada o gasto pode ser quase nulo.

Para e-commerces, a sugestão é não começar com valores pequenos demais, então tenha em mente que será preciso elaborar um orçamento mensal para tirar o maior proveito com esses anúncios.

6 – Relatórios

O Adwords irá fornecer os mais diversos detalhes das campanhas em forma de relatório, por isso é importante que a análise deles seja feita periodicamente a fim de otimizá-las sempre.

A partir desse acompanhamento e das otimizações será possível aumentar o tráfego do site e suas conversões. As principais informações que você precisará ficar de olho são o CPC, taxa de cliques, conversões e receita.

É possível também criar filtros com esses indicadores a partir das palavras-chave, localização, dias e horários.

7 – Remarketing

Além de todos esses recursos que foram apresentados acima, você pode optar por fazer ações de** remarketing**, que nada mais é do que continuar mostrando suas ofertas para as pessoas que acessaram-a recentemente, mesmo que elas não estejam mais em sua loja virtual.

Essa é uma ferramenta muito poderosa, mas deve ser utilizada com cuidado. Ela irá funcionar com uma maior eficiência para e-commerces que possuem uma boa variedade de produtos e uma reputação já construída.

Tenha em mente que entender como funciona a mídia paga para e-commerce e aplicar todas as dicas e conceitos é apenas o primeiro passo para o sucesso. Os outros aparecerão com a sua dedicação e aprofundamento, estudando mais sobre o tema.
**Gostou desse post? Então conheça **As 15 ferramentas de marketing mais indicadas para as pequenas empresas

comments powered by Disqus