empreendedora usando marketplace

Marketplace: Tudo que você precisa saber!

Elaboramos um post explicando sobre a forma de comércio do marketplace e porque emprega-lo pode trazer benefícios a qualquer negócio. Confira a seguir!

Se sobreviver no mundo dos negócios já não é uma tarefa tão simples para aqueles que já estão no mercado a mais tempo, imagina para quem está planejando iniciar a sua carreira de empreendedor.

O desafio de criar uma empresa e ter sucesso não engloba apenas ter um belo orçamento para ingressar na atividade, é indispensável ter um bom preparo para saber aliar as melhores condutas com uma equipe que saiba executá-las de maneira eficaz.

Um bom empreendedor é aquele que tem uma visão ampla para enxergar novas oportunidades para se destacar. E neste contexto, o uso das tecnologias tem se mostrado bastante viável para difundir o nome da sua empresa na praça.

Pensando nisso, elaboramos um post explicando sobre a forma de comércio do marketplace, qual o seu funcionamento, e porque emprega-lo pode trazer benefícios a qualquer negócio, independente de qual seja o seu porte. Confira a seguir!

O que é o Marketplace?

O marketplace é um modelo de negócio virtual, em que importantes empresas de ecommerce reúnem em um único ambiente empresas de segmentos diversificados.

Você certamente já deve ter acessado algum site em que era possível comprar desde cosméticos à eletrodomésticos, não é mesmo?

Para melhor entendimento, podemos fazer uma analogia do marketplace com os shopping centers, locais onde os consumidores podem encontrar quase tudo que precisam, seja alimentação, laser, vestuário, móveis, e muito mais.

Hoje, cada vez menos as pessoas têm menos necessidade de se deslocarem para adquirir os produtos ou serviços que desejam, tudo graças às facilidades do comércio eletrônico.

A ideia começou nos Estados Unidos com o site Amazon, e ficou tão popular a ponto de ser importada para muitos outros países, inclusive o Brasil.

A princípio, o marketplace apenas conectava as empresas fornecedoras e seus clientes, a exemplo da B2W, um dos maiores ecommerces do país. Mas tamanho o sucesso desse conceito, que atualmente já percebemos está atividade envolvendo apenas consumidores, tal como ocorre com o OLX.

Mas como exatamente funciona esse comércio eletrônico? O conceito é simples a empresa gestora do canal de vendas na internet disponibiliza seu espaço e renome no mercado, para os lojistas que precisam difundir a sua marca.

Em troca de uma comissão, o marketplace abre as suas portas e se encarrega de realizar as vendas  a definição de preços e responsabilidade na entrega dos produtos é de cada comerciante.

Um exemplo singelo do ambiente físico, que pode ser trazido para essa realidade virtual é o seguinte: você é profissional do ramo fitness, e a sua academia conta com um número de alunos considerável. Ocorre que um amigo começou a produzir roupas e acessórios de ginástica, mas sua loja ainda não tem uma cartela de clientes satisfatória.

Daí lhe passa pela cabeça a seguinte ideia: já que nossos nichos se completam, por que não aumentar minha fonte de renda cedendo um espaço na academia para que meu amigo comercialize suas mercadorias? Ele ganhará a visibilidade que precisa, e você poderá lucrar em cima de cada peça vendida.

Optar por um canal de vendas virtual não significa que o estabelecimento físico deixará de existir, mas é uma forma de mecanismo para fortalecimento de uma marca.

Quais os riscos desse modelo de negócio?

Para quem administra este tipo de plataforma, o maior desafio talvez seja manter um equilíbrio entre um padrão de qualidade satisfatório na prestação dos serviços dos comerciantes e as regras a eles impostas para fazer parte do negócio.

Uma vez que, quando as normas são muito duras, podem acabar retraindo a vontade de alguns lojistas a fazerem parte deste time.

Por outro lado, no que diz respeito aos clientes, é importante ter em mente que a sua experiência é fundamental para consolidar esse modelo no mercado.

Se ele ficar insatisfeito com um dos produtos comprados no marketplace, provavelmente se sentirá desmotivado para continuar comprando, ainda que de outros comerciantes. Ou o que pode ser ainda pior: como diz “o marketing de boca a boca é a alma do negócio”, neste caso, o compartilhamento de uma imagem negativa pode ser determinante para o fracasso do sistema.

Entretanto, os riscos da atividade não recaem apenas sobre os administradores. Mais que entender desta tecnologia, os empreendedores que desejam fazer parte do mercado eletrônico devem se preocupar com o controle financeiro, gerenciamento rigoroso de estoque, dentre outras ações que integram o dia a dia de um empreendimento físico.

O simples fato de estar presente em um marketplace com notoriedade e credibilidade, não quer dizer que o sucesso do empreendimento seja garantido.

Antes de investir no formato, os empresários devem levar em consideração se a plataforma escolhida é confiável, quais serão os custos para manter a sua loja, e dominar as características de funcionamento do modelo. Lembrando que, as estratégias de marketing para dar visibilidade a seu produto dependerão das ações e empenho de cada lojista.

Por que vale a pena entrar para esse nicho?

O markertplace, quando desenvolvido da maneira correta, é uma relação que gera um ciclo harmônico de benefícios para todas as partes envolvidas.

Qual o objetivo do consumidor ao aderir a essa nova forma de compra? Contar com a facilidade de encontrar diversos itens para solução dos seus problemas em um mesmo lugar. Além da facilidade de fazer um único pagamento, mesmo que os fornecedores sejam distintos, na maioria das vezes, o custo de aquisição é menos que nas lojas físicas.

Para o marketplace, cliente satisfeito é sinônimo de fidelização e aumento não somente de comissão em virtude das vendas concretizadas em seu site, como no volume de acessos. E quanto maior a popularidade, mais empreendedores vão se interessar em participar do negócio, o que implica no crescimento da diversificação de produtos e dos lucros, pois a arrecadação com taxas para permanência será maior.

Aos empreendedores, consequentemente, se a quantidade de acessos é grande, a exposição da sua marca também terá maior visibilidade.

Outro benefício é que não haverá despesas com a parte operacional das vendas, que é de responsabilidade da plataforma. E essa característica do marketplace interfere em um ponto delicado para os comerciantes: a inadimplência.

Nestas plataformas, o risco de levar um calote é consideravelmente menor, tendo em vista que o recebimento e a cobrança dos valores são de incumbência do marketplace.

Como chamar a atenção para sua loja dentro do marketplace?

Não restam dúvidas de que o marketplace é uma excelente forma de promover a expansão e a consolidação de uma marca no comércio.

Porém, o desempenho de cada loja em é influenciado pela gestão individual do estabelecimento. A habilidade dos lojistas é que garantirão o alcance de suas metas.

Assim, falaremos brevemente sobre um conjunto de características que auxiliam nesta missão:

Ofereça produtos diferenciados

Comercializar produtos exclusivos, não tem apenas a finalidade de destacar a sua loja da concorrência dentro do ecommerce.

O empreendedor precisa ter a visão de que a plataforma deve ser utilizada como um imã, para atrair o consumidor ao seu espaço físico.

Neste sentido, colocar à disposição o que você tem de melhor para chamar a atenção no marketplace, deixará o seu negócio em evidência, tanto na dimensão virtual quanto na física.

Fidelize os clientes

Focar na experiência do cliente é fundamental para que um negócio seja bem-sucedido. Além de um atendimento cortês e eficiente, para engajar os consumidores com o conceito da marca, é preciso valorizar a opinião que eles têm a respeito dos produtos ou serviços que a sua empresa oferece.

É estabelecendo uma relação próxima que você saberá os pontos que precisam ser melhorados, e conquistará a tão sonhada credibilidade no mercado.

Elabore anúncios chamativos

Mais que um título de destaque, provavelmente a primeira coisa que chamará a atenção do cliente para o seu produto são as imagens contidas no anúncio e, por esse motivo, elas precisam de cuidado especial — uma imagem de qualidade ruim dificilmente despertará grande interesse, por melhor que seja o objeto.

Passada essa primeira etapa de atração, a descrição do item é outro fator que influenciará na conclusão da venda. Se não há explicação detalhada sobre suas especificações, o usuário pode acabar desistindo da compra.

Fique de olho nos preços da concorrência

É natural que a sua empresa encontre pelo caminho concorrentes comercializando produtos semelhantes, e que usem a tática de abaixar os preços para aumentar o volume de vendas.

Lembre-se que este é um tema em que o lojista tem inteira liberdade. O marketplace não interfere em quanto um produto irá custar aos consumidores. Portanto, estar atento ao que a concorrência vem praticando fará com que o comerciante esteja sempre em busca de novas alternativas para se destacar.

O marketplace é um modelo de negócio inovador, e tem mostrado que chegou no mercado para ficar. Entretanto, mais do que os benefícios gerados, o empreendedor deve ter a consciência de que se trata de um canal facilitador de vendas, e uma boa performance depende da sua capacidade individual de gestão.

Gostou de aprender sobre o funcionamento do marketplace? Agora que você já conhece a força que este método pode trazer ao seu empreendimento, aprofunde seus conhecimentos com o nosso artigo 5 motivos pelos quais você deve construir seu próprio site de e-commerce.