Investimento inicial: o quanto você deve guardar para abrir seu negócio?

Os desafios inerentes a abertura de uma empresa podem acabar com o sonho de muitas pessoas de conquistar independência financeira montando o próprio negócio. Contudo, algumas frustrações e dores de cabeça podem ser evitadas quando o investimento inicial é calculado corretamente.

Estipular com exatidão o número de recursos que é preciso para tirar uma ideia do papel também não configura uma tarefa simples. Mas com dedicação e estudo de mercado, fica mais fácil criar um bom planejamento financeiro e, consequentemente, aumentar as suas chances de sucesso.

Quer aprender a estimar todos os custos do começo do seu empreendimento? Siga a leitura e confira!

Considere a análise de break even para determinar o seu investimento inicial

**O break even consiste numa importante metodologia para a saúde financeira de qualquer negócio. **Uma vez que, revela a partir de qual momento sua empresa terá lucro. Para chegar a tal conclusão, é preciso analisar alguns elementos como:

  • **Custo Fixo – CF: **são os tipos de despesas que dizem respeito a fatores de produção fixos, aqueles que não se alteram com a quantidade de produção ou vendas. Tais como os custos com a infraestrutura: aluguel do espaço físico, equipamentos, dentre outros;
  • **Custo Variável – CV: **são os custos que sofrem interferência de diversos fatores e, em virtude deles, se alteram. *Por exemplo: *com a quantidade de produção ou de trabalho, gasto com pessoal, matéria prima etc;
  • Custo Total – CT: corresponde a soma dos custos fixos e variáveis;
  • Vendas: montante auferido pela comercialização dos seus serviços ou produtos;
  • **Receita Total – RT: **consiste no valor obtido ao se multiplicar o preço unitário do seu produto pelo número de vendas realizadas;
  • **Lucro Total – LT: **é calculado subtraindo receitas totais dos custos totais.

O ponto de equilíbrio do break even é simbolizado por “RT = CT”.

Então vamos a um exemplo prático:

Preço produto (P): R$ 50,00;

Quantidade vendida (Q): 5.000 unidades;

Custos fixos (CF): R$ 100.000,00;

Custos variáveis (CV): R$ 150.000,00;

Resultado: (CT = CV + CF) => CT = R$ 250.000,00

(RT = P x Q): RT = R$ 50,00 x 5.000 => RT = R$ 250.000,00

(LT = RT – CT): LT = R$ 250.000,00 – R$ 250.000,00 => LT = ZERO

**No exemplo acima, o ponto de equilíbrio do negócio é atingido ao efetuar 5.000 vendas. **Logo, é importante saber que o lucro somente é auferido após superar essa quantidade.

Calcule os gastos com a infraestrutura

**Independente do fato de a sua atividade demandar um espaço físico ou operar apenas no cenário digital, tenha em mente que será necessário reservar boa parte do orçamento para empregar na infraestrutura. **Adquirir todos os equipamentos e ferramentas a fim de deixá-lo em pleno funcionamento.

Dessa forma, além de idealizar o aluguel ou compra de um local para instalação do estabelecimento, alguns pontos estratégicos não poderão ficar de fora do seu planejamento financeiro, tais como:

  • móveis;
  • maquinário;
  • estoque;
  • transporte dos produtos;
  • materiais e equipamentos para as funções administrativas;
  • segurança.

Vale lembrar que, o custo de um imóvel varia de acordo com a região escolhida, bem como suas características. Então este aspecto deve ser bem avaliado para se chegar a conclusão da alternativa mais vantajosa.

Para as atividades essencialmente virtuais, embora os gastos sejam inferiores, não podemos ignorar a categoria de infraestrutura do orçamento.

Negócios no modelo home office certamente precisaram de um bom serviço de telefonia e internet, equipamentos de informática como impressora, computadores, e, muito provavelmente, o investimento em armazenamento em nuvem.

Informe-se sobre os custos com legalização da empresa

O início de qualquer atividade empresarial exige o cumprimento de algumas normas legais. Burocracias são sinônimo de despesas e, portanto, exigem uma reserva de capital.

Nesse sentido, o primeiro gasto para legalizar a sua empresa será com o registro do contrato social e CNPJ — os documentos responsáveis pela certificação da existência da sua empresa, assim como o ramo de atuação e o objetivo a que ela se destina.

Ademais, este é momento que são definidos o capital social é outros detalhes específicos sobre as questões societárias.

Apenas com o registro desses dois documentos na Junta Comercial, o empreendedor deve desembolsar uma média de R$300. Mas antes desta etapa, se faz necessário a contratação de um advogado, que participará do processo de elaboração do contrato social e assinará o mesmo.

Entretanto, abertura de uma empresa não está condicionada apenas a estas formalidades. Antes de abrir as portas, também é fundamental obter uma série de alvarás que autorizam o início das atividades. É necessário conseguir, por exemplo:

  • **alvará sanitário: **responsável por certificar que aquele imóvel possui condições de higiene sanitária satisfatória para a empresa atuar. O seu custo médio é de R$100, mas caso não esteja tudo em ordem, ainda pode haver dispêndio de mais capital para adaptação às normas;

  • alvará do corpo de bombeiros: atesta que o imóvel apresenta equipamentos de proteção para combate a incêndio, também no valor R$100;

  • alvarás específicas, conforme a atividade exercida.

Verifique quanto seus produtos ou serviços custam para serem produzidos

Superadas as etapas de delimitação de orçamento para infraestrutura e formalização da empresa, outro aspecto indispensável, e que muitas vezes é negligenciado pelos empreendedores, diz respeito ao capital necessário para que toda a “mágica” aconteça — para que seus produtos e serviços estejam no ponto de comercialização.

**Preocupar com os recursos necessários à produção e vendas dos itens idealizados pela marca é importante. **Mas colocar no papel o valor dos custos administrativos também é uma condição para que o seu plano de investimento inicial dê certo.

O mais indicado nesse momento é deixar uma reserva de 5% do valor estipulado como seu capital de giro, pois situações inesperadas podem ocorrer, e se não houver uma quantia razoável em caixa para manter as operações indispensáveis da atividade por determinado período, o negócio corre de sérios riscos de fracassar.

Assim, se o capital de giro mensal equivale a R$30.000, logo, para assegurar o funcionamento da empresa por um período de 3 meses seria necessário acrescentar nos seus cálculos de investimento inicial a margem de segurança, perfazendo um total de R$94.500.

Nesse contexto, uma boa dica para ter noção de seus custos operacionais é realizar uma pesquisa mercadológica, utilizar a metodologia benchmarking com o propósito de:

  • analisar as ações e sistema operacional dos maiores players do mercado que você atua;
  • verificar as estratégias que esses concorrentes usam de forma bem-sucedida;
  • checar quem são os seus parceiros e fornecedores etc.

Tudo isso pode te ajudar a ter uma ideia do tempo estimado para o retorno financeiro da sua empresa, bem como do capital de giro necessário.

Tenha noção do seu fluxo de caixa

O fluxo de caixa é um instrumento essencial para o planejamento financeiro da sua empresa. É o responsável por apurar a presente situação de saldo e projetar suas operações para que sempre haja recursos disponíveis nas finanças da empresa.

Elaborar esse tipo de controle antes da abertura do negócio não é uma tarefa tão simples, principalmente por ainda não existir uma entrada concreta de capital. A base de clientes ainda não está formada, e a empresa não conquistou seu espaço no mercado.

Apesar disso, trabalhar com fluxo de caixa desde o início permitirá que você trace estratégias de crescimento, e reserve uma parte dos recursos para aproveitar de oportunidades inesperadas que surjam no seu caminho.

De maneira bem simplificada, o fluxo de caixa de sua empresa pode ser composto pelos seguintes tópicos:

  • lançamento dos compromissos já assumidos e valores de crédito conhecidos, ou estimáveis com certa margem de segurança;
  • cômputo de despesas variáveis, como os gastos com energia elétrica, água, folha de pagamento;
  • estimativa de vendas diárias.

Calcule a sobrevivência do negócio enquanto uma base de clientes não for criada

Mesmo com o estudo pré-operacional do mercado, o engajamento com público-alvo pode ser um processo lento. E nesse período, a empresa deve ter recursos suficientes para sobreviver.

Se não há outra fonte de renda além daquela advinda pela comercialização dos seus produtos e serviços, torna-se fundamental projetar todos projetar um orçamento que cubra todos os gastos por um período mínimo de seis meses.

É indicado estabelecer uma reserva de 5% a 10% sobre o seu orçamento total; para resguardar de possíveis eventualidades.

Reserve uma parcela do orçamento para o setor de marketing

Não podemos esquecer que toda empresa iniciante necessita, mais do que qualquer outra, exercitar a sua imagem no mercado. Isto é, ganhar visibilidade e levar a sua mensagem ao público-alvo. Fator este que demanda investimento em campanhas de marketing.

A boa notícia é que, apesar de ser um item obrigatório no seu planejamento financeiro, hoje, graças ao marketing digital, o acesso às estratégias de marketing foi democratizado. É possível estruturar ações que caibam desde os orçamentos mais modestos até os mais dispendiosos, tudo isso cumprindo seu objetivo com a mesma eficiência.

A definição de um investimento inicial é a peça-chave para determinar o quanto de dinheiro você precisará para garantir o sustento do seu empreendimento nessa fase tão delicada. Ao programar e estruturar todos os pontos em que os recursos serão alocados, tem-se uma ideia clara não somente das primeiras despesas, mas do mínimo necessário ao funcionamento da empresa.

Gostou deste post? Viu como mensurar todos os gastos com a abertura e funcionamento do seu negócio pode ser decisivo para que o seu empreendimento seja bem-sucedido? Então para dominar esse assunto de uma vez por todas, baixe o nosso e-book sobre capital de giro.

comments powered by Disqus