Indústria 4.0: o que vai mudar na sua vida?

Mas você sabe como a Indústria 4.0 vai mudar o seu cotidiano? Se não, continue lendo este post que detalharemos não somente este conceito, como também falaremos um pouco sobre os mitos que cercam a prática de trabalhar com robôs e o que será preciso para se preparar para esse novo cenário.

O avanço das tecnologias e da inteligência proporcionada pelo armazenamento de dados têm modificado toda a sociedade ao nosso redor. A internet revolucionou a forma como nos comunicamos em sociedade. No setor da produção, esses fatores também impactaram de tal forma que já podemos falar de uma nova revolução industrial.

O que é Indústria 4.0?

O primeiro registro que se tem sobre o uso do termo aconteceu em 2011, em um dos mais importantes eventos da indústria mundial, a Feira de Hannover na Alemanha. Devido a um grande incentivo do governo alemão juntamente com diversas empresas de tecnologia, a proposta foi a de uma revolução na forma como fabricamos as coisas.

De forma geral, a Indústria 4.0 propõe uma mudança no modo de controlar os processos produtivos, tornando-os menos centralizados e também mais inteligentes a partir de dispositivos tecnológicos interconectados.

Na prática, estamos falando de um cenário em que as fábricas teriam a capacidade de agendar manutenções de forma automática, prever possíveis falhas e criar decisões a partir de mudanças inesperadas no caminho da produção.

A afirmação de que a implementação dessas técnicas representaria uma nova revolução industrial é certeira. Há um grande desdobramento não somente nos empregos diretos, como também em toda a cadeia produtiva.

A história das revoluções industriais?

Para contextualizar e esclarecer melhor como chegamos a este ponto, é preciso olhar para trás e entender um pouco sobre o que representaram as outras três revoluções no setor. A primeira foi marcada pela invenção da máquina a vapor, em 1765. Já a segunda aconteceu em 1913, quando Henry Ford criou uma metodologia que previa que o trabalho deveria ser feito a partir de de linhas de produção. Na terceira revolução, atribuímos o fato dos computadores terem chegado às fábricas — já representando um início para a viabilidade de automação.

Atualmente, denominamos de Indústria 4.0 a inclusão das informações e dos dados, a conhecida “Big Data” e “internet das coisas”, no processo de produção. Podemos citar alguns fatores que propiciaram essa nova realidade:

  • **otimização da capacidade de armazenamento dos computadores: **com o passar dos anos, avançamos em tecnologias de memória nas máquinas, criando melhores formas de arquivar informações;
  • centralização de dados digitalizados: o fato de conseguirmos estocar mais dados em um computador, nos dá a possibilidade de guardar digitalmente a inteligência de nosso negócio. Isto proporciona uma melhor gestão de documentos;
  • **análises mais precisas e rápidas: **por fim, os dois itens anteriores fizeram com que fosse possível gerar insights mais precisos a partir desses dados armazenados e organizados.

Quais os principais benefícios da Indústria 4.0?

Agora que entendemos melhor o que é a indústria 4.0 e seu surgimento, é importante ter claro quais os benefícios que pode trazer. Por isso, separamos 9 vantagens de adotar essa estrutura em seu negócio:

  1. Diminuição dos custos de produção

Como o controle de toda a cadeia será feito de forma automatizada e inteligente, os custos de produção cairão automaticamente.

2.Redução dos gastos de energia

Além de usar os dados recolhidos para gerar produtos mais baratos e com mais qualidade, também será fácil identificar processos em que estão tendo gastos exagerados de energia.

Ademais, como tudo estará otimizado, demorará menos tempo para obter resultados iguais ou melhores do que já temos — o que fatalmente também acarretará na diminuição do consumo de energia.

3. Melhor monitoramento da segurança

Com a utilização de um sistema de gestão, a empresa também deterá, de forma centralizada, todo o controle do processo fabril, de uma ponta a outra. Essa realidade facilita o monitoramento em caso de ataques que ameaçam a segurança do negócio.

4. Fábricas mais sustentáveis

Com todo essa vigilância, o uso dos recursos naturais e insumos será mais certeiro, sem os desperdícios muito comuns em fábricas atuais.

5. Amortização de erros

Todo esse processo propiciará com que a empresa não somente identifique os erros com mais rapidez e precisão, como também construa um dossiê digital das falhas cometidas, que também servirá como uma forma de conseguir melhores insights no dia a dia.

6. Liquidação de desperdícios

Com esse tipo de monitoramento, é possível criar processos de reutilização de insumos de forma intuitiva e criativa.

7. Transparência nos negócios

Como falamos, esses dados estarão concentrados em um software. Toda e qualquer informação na cadeia de produção poderá ser analisada em tempo real.

8. Melhoria de vida

Todos esses fatores praticamente anulam o risco de acidentes de trabalho no chão da fábrica, pois a fabricação estará acontecendo de forma organizada e inteligente.

9. Produção e Distribuição de forma personalizada

Com essas ferramentas em mãos, será possível, cada vez mais, produzir e entregar o que o cliente deseja de forma bastante personalizada. Desta maneira, o processo produtivo estará cada vez mais condizente com a real demanda dos consumidores.

O Brasil está avançado nesse processo?

**Essa parece ser uma realidade distante para você que tem ou trabalha em uma indústria no Brasil? **De fato é um pouco. Segundo especialistas, o país ainda se encontra na aplicação dos elementos da Indústria 3.0, como robótica, eletrônica e programação.

Porém, ao contrário do processo natural que ocorreu em indústrias da Alemanha, não é preciso que esperemos a implementação desses pontos para já adotarmos a indústria 4.0 em nossa realidade. Como esse já é uma fato vigente, as indústrias brasileiras devem se esforçar para se incluírem nesse novo cenário se quiserem continuar sendo competitivas no mercado.

Devemos treinar nosso raciocínio para não mais buscar maior competitividade a partir de mão-de-obra barata, mas sim por meio da aplicação dessas novas tecnologias.

Para isso, é preciso que nasçam lideranças capazes de comandar essa transformação no país. Além de, é claro, investidores, gestores e profissionais capacitados a dirigir uma indústria na conjuntura 4.0.

Atualmente, os setores mais avançados nesse sentido são:

  • indústria farmacêutica;
  • indústria de alimentos;
  • energia;
  • agroindústria;
  • indústria da construção civil.

Por que é difícil para o Brasil?

Algumas são as razões para que o nosso país tenha maiores dificuldades de alcançar o patamar da indústria 4.0. Dentre os principais fatores estão a dificuldade da mudança de uma cultura que está muito acostumada com os antigos e tradicionais padrões de empreender.** Estamos fartos de saber como a burocracia no Brasil prejudica nosso crescimento.** As altas taxas de juros que inviabilizam em muito o financiamento para caminharmos nesse sentido e a dificuldade que ainda temos em lançar empresas com estruturas ágeis e com grande potencial inovador.

O que um profissional precisará para se adaptar a essa nova realidade?

Depois de lido isso tudo, você deve estar pensando que a realidade que víamos apenas em filmes já está disponível aqui e agora. Isto é, deixou as telas do cinema e virou realidade.

Na verdade, deixando a versão romantizada de trabalhar com robôs de lado, seremos capazes de perceber que além das diversas vantagens que essa implementação traz, é imprescindível que haja um profissional capacitado para essas novas funções.

Sabemos que independente das dificuldades encontradas em nosso país, é só uma questão de tempo para que esse cenário se torne comum.

Se você quiser saber como se preparar para um futuro próximo se atente às seguintes competências:

Tenha uma formação multidisciplinar

As faculdades, assim como outras instituições centenárias, possuem grandes dificuldades de se atualizar no mesmo passo com que as mudanças vêm acontecendo no mercado. Esse é um dos grandes desafios que encontraremos no futuro das universidades.

Portanto, não se iluda ao pensar que a profissão que você escolheu para se formar lhe dará o que precisa para atuar neste novo cenário.

Tenha o perfil de um explorador, busque aprender mais do que lhe ensinaram e terá maiores chances de conseguir um espaço na indústria do futuro.

Possuir uma formação multidisciplinar é essencial para um profissional que se adapte a essa realidade.

Entenda que as mudanças sempre acontecerão e adapte-se rapidamente

O cérebro humano possui uma tendência a se acomodar diante das situações e buscar segurança. Porém, para acompanhar as transformações e inovações cada vez mais recorrentes e cada vez menos espaçadas, você deve internalizar de uma vez por todas que a única coisa que você poderá se acostumar é com a mudança.

Portanto, esteja apto a se adaptar a diferentes cenários e funções.

Comprometa-se com o trabalho 24h por dia

Essa nova configuração da produção fabril mudará também a maneira como nos relacionaremos com o nosso trabalho. Na prática, significará que não necessariamente você precisará estar presente no chão da fábrica, como preveem os direitos trabalhistas, durante 8h por dia. Porém, certamente precisará intervir de casa, a qualquer hora do dia, a partir de um sistema remoto no celular ou computador, caso uma urgência se estabeleça.

Saiba relacionar-se

Ainda que estejamos caminhando para um mundo bastante tecnológico, as relações interpessoais e a capacidade de comunicação não deixarão de ser grandes vantagens profissionais. Muitos apostam, inclusive, que em um ambiente altamente automatizado como o da indústria 4.0, a colaboração entre os profissionais seja cada vez mais presente.

Gostou de entender um pouco mais sobre esse cenário e como você deve se preparar para ele? Esteja ligado a essas tendências e saia sempre na frente. Uma boa forma de continuar aprendendo é lendo este e-book “Gerindo sua empresa: dicas para maximizar seu sucesso! Boa sorte!

imagem do eBook Gerindo a sua empresa: dicas para maximizar seu sucesso.

comments powered by Disqus