homem no computador analisando ideias de negócios baratos

8 ideias de negócios baratos ou gratuitos que você pode lançar no mercado

Um dos grandes desafios na hora de empreender é conseguir o capital inicial. Mas, e se existissem ideias de negócios baratos?

Um dos grandes desafios na hora de empreender é conseguir o capital inicial. Os investimentos necessários podem surpreender um candidato a empresário: locação (ou compra) de imóvel, aquisição de equipamentos, gastos com infraestrutura, funcionários, entre outros podem fazer com que um indivíduo desista de ter sua empresa. Mas, e se existissem ideias de negócios baratos?

Acredite, esses negócios existem. A internet proporcionou a digitalização de muitos processos empresariais, com isso, tarefas que antes precisavam de mão de obra estritamente especializada hoje são desenvolvidas por aplicativos.

Além disso, com a facilidade de se comunicar, as fronteiras geográficas deixaram de ser um desafio para quem quer empreender.

Antes, porém, é importante desfazer um mal-entendido com a palavra “barato”.

Negócios baratos não resultam em produtos ruins!

Enquanto consumidores, desenvolvemos o conceito de que tudo que é caro é por ter uma qualidade maior. Nem sempre. É lógico que empresas que têm como público-alvo clientes com alto poder aquisitivo devem oferecer-lhes produtos que satisfaçam suas expectativas.

Isso cria uma ideia de que existem três mercados: um extremamente popular, um intermediário e um de luxo. Por isso, muitos empresários entendem que ideias de negócios baratos já definem o cliente como alguém com baixo poder de consumo. Isso não é verdade.

Trata-se pura e simplesmente de um modelo de negócio que alcançou eficiência em seus processos e que, por isso, pode gerar receita por meio de economia. Desfeito esse preconceito, chega a hora de vermos alguns exemplos dessas empresas.

1. Consultor empresarial de sistemas fiscais, contábeis e de controle de ponto.

Uma tendência que vem crescendo rapidamente é a migração de processos contábeis para o formato digital. Com isso, empresas de pequeno e médio porte já estão procurando revendedores de softwares.

A oportunidade de negócio, nesse caso, vai além de revender esses programas — o que pode, sim, ser uma boa ideia —, mas criar um negócio especializado em gerir essas informações.

Para o cliente isso é vantajoso, pois, a contratação de um colaborador para desempenhar essa tarefa pode significar um grande gasto. Para quem empreende surge a chance de atender diversos clientes.

O negócio é barato, afinal, grande parte de suas atividades serão digitais, exigindo do empreendedor um computador de boa qualidade, acesso à internet e a licença dos programas que serão usados pelos clientes.

Trata-se, inclusive, de uma oportunidade de home office.

2. Cursos on-line

Já parou para pensar nos seus conhecimentos? Em coisas que você faz bem, mas que outras pessoas possuem dificuldades? Pode ser qualquer coisa, como, por exemplo: manutenção de produtos eletrônicos, automóveis, ensino de idiomas, dicas de informática etc.

As pessoas podem estar dispostas a fazer um curso on-line sobre algo que você tem experiência.

Esse negócio é barato porque exige apenas equipamento de vídeo — smartphones possuem alta qualidade de imagem, faça um teste com seu celular. Ele pode ser suficiente —, áudio e um bom computador para edição. Essa tarefa, aliás, pode ser transferida para um freelancer.

Trata-se de um bom negócio porque o acesso ao curso poderá durar meses, dependendo do tema. Desse modo, o maior investimento é feito apenas uma vez e as chances de retorno não têm validade.

3. Atendimento on-line

Psicólogos, secretárias, contadores, professores, assessores de imprensa, designers entre muitas outras profissões já podem ter seus serviços oferecidos pela internet.

Esse é um excelente exemplo da nossa lista de ideias de negócios baratos. Além de poder atender ao cliente de sua sala de estar, por meio de um aplicativo gratuito como o Skype, o empreendedor ainda se livra dos custos relacionados com locação de imóvel e funcionários, por exemplo.

Outra vantagem é poder atender pessoas de todo o país, o que não é possível com um escritório fixo.

A dica, nesse caso, é focar em qualidade, pois o cliente satisfeito pode indicar novos clientes. Com isso, cria-se uma marca forte, que, com o tempo, falará sozinha por si.

Cuidados com áudio e imagem são importantes, mas os investimentos em um headphone e câmera são relativamente baixos.

4. Desenvolvedor de aplicativos

Milhares de empresas estão em busca de desenvolvedores e, ao contrário do que muitas pessoas acreditam, não é necessário curso superior para se tornar um programador profissional.

Existem vários sites na internet que oferecem cursos on-line para quem deseja aprender a programar. Isso é um reflexo da necessidade que o mercado tem de novos profissionais capacitados nessa área.

Não é necessário muito mais que um bom computador para começar a programar. A dica, nesse caso, é saber exatamente quanto vale a sua hora de trabalho e realizar uma pesquisa de mercado para saber o quanto você deverá cobrar pelos apps.

Desse modo, você evitará cobrar preços muito baixos — ação que prejudica você mesmo e o mercado como um todo.

5. Web Designer

Não precisa ser muito atento para saber que o mínimo que uma empresa deve ter hoje é um site, não é mesmo?

Ao contrário do que muitas pessoas creem, criar um site não é tarefa tão complexa. Ferramentas como o WordPress tornam o trabalho muito mais simples e entregam resultados surpreendentes.

Se ainda assim você não está confiante para criar seu próprio site, talvez deva contratar alguém para fazê-lo. Se você observou uma oportunidade de negócio com essa ideia, mãos à obra.

Assim como o desenvolvimento de apps, criar um site pode ser uma excelente forma de ganhar dinheiro, pois, esse negócio possui baixo custo de implementação e muitos processos já contam com ferramentas para facilitá-los, como a hospedagem e o desenvolvimento de temas.

Outra razão para entrar nesse segmento é o crescimento constante do mercado e-commerce.  Essa tendência indica que muitas empresas, hoje com operações apenas físicas, devem buscar o trabalho de um web designer em breve para criar suas lojas on-line.

6. Consultor de segurança on-line

Falando nisso, será que seu site está seguro?  Se você sofrer um ataque digital como lidará com o problema? Essas são dúvidas que só podem ser respondidas por um profissional capacitado — e muito bem pago.

Essa ideia de negócio é muito interessante porque preenche uma necessidade mercadológica que apresentará crescimentos nos próximos anos. Assim como empresas investem na segurança de seus patrimônios físicos — investindo em seguros, alarmes e seguranças particulares — é comum que comecem a dedicar interesse pela segurança digital.

Trata-se de um nicho de mercado ainda pouco explorado. Dentre os maiores investimentos necessários está a aquisição de conhecimento. Investir em cursos será necessário.

Outro ponto importante é ter site, afinal, será por meio da internet que o consultor em segurança divulgará seu trabalho.

7. Consultor de negócios para pequenas empresas

O índice de mortalidade entre as pequenas empresas é muito alto. Isso ocorre porque muitas delas não fazem os estudos necessários para saber se a ideia de negócio é viável. Em alguns casos, nem mesmo desenvolvem um plano de negócios.

Esse descaso não é fruto de irresponsabilidade, mas sim de desconhecimento. Por isso, tornar-se um consultor de negócios para esse nicho de mercado pode não só ajudar você, mas como também a outros empreendedores.

Ofereça serviços como: plano de negócios personalizados, análise S.W.O.T, pesquisa de concorrência, desenvolvimento de marca, criação de missão e valores, entre outros.

Essas são tarefas simples para aqueles que já empreenderam antes, por isso, o consultor poderá trabalhar com muitos clientes.

A possibilidade de atuar em um espaço coworking pode tornar esse empreendimento ainda mais barato. No entanto, nada o impede de ser realizado como home office.

8. E-commerce

Para vender pela internet não é necessária uma grande infraestrutura, com estoque e serviço de distribuição como a Amazon. Empreendedores podem vender produtos de nicho, sob demanda.

Essa é uma chance para artesãos, por exemplo. Além disso, trabalhar revendendo produtos importados pode ser uma boa oportunidade para quem mora em outro país ou viajará para fora do Brasil.

Desfazer-se de itens que já não são mais úteis também é uma forma de ganhar dinheiro usando o e-commerce. Existe uma grande procura por itens colecionáveis, como vinis, por exemplo.

Outra forma de obter sucesso vendendo pela internet e trabalhando em um programa de afiliados, como o disponível pela rede varejista Magazine Luiza. A empresa fornece a chance de qualquer pessoa ter uma loja on-line de graça. Cabe ao proprietário o papel de divulgá-la. A cada compra realizada ele recebe uma comissão.

Existem muitos programas de afiliados semelhantes, de diversos segmentos, ideais para quem já possui um site ou blog.

Verifique qual das possibilidades se adéqua à sua necessidade. Lembre-se de fazer um fluxo de caixa e atentar às regras de SEO para e-commerce.

Como vimos neste artigo, existem muitas possibilidades de empreender em ideias de negócios baratos. Também ficou claro que “barato” não implica em qualidade e nem define público-alvo ou segmento de atuação.

Dependendo de qual das ideias de negócios baratos você tenha escolhido, é importante se atentar para a necessidade de contratar um colaborador para auxiliá-lo. Você já ouviu colegas afirmando que “está difícil encontrar bons colaboradores”? Em alguns casos o problema não está no candidato, mas na empresa. Pensando nisso, o Saia do Lugar publicou este artigo revelando a razão pela qual bons colaboradores se demitem. Leia agora mesmo!