fusão de empresas

Entenda como funciona o processo de fusão de empresas!

O processo de fusão de empresas pode ser um momento delicado. Veja neste post como funciona este processo e conheça formas de vencer os desafios da mudança!

Empresas concorrentes nem sempre são rivais durante toda a sua existência.

Em busca de vantagens para ambas, pode acontecer um processo de fusão, que sobrevém mediante um acordo firmado entre as partes.

Embora seja simples na teoria, a fusão pode ser bastante complexa na prática, dependendo do tipo das empresas envolvidas no processo — e de seu tamanho. Ainda assim, as fusões continuam a ocorrer no mercado brasileiro e internacional, devido às suas vantagens.

Para entender mais sobre esse assunto, veja a seguir como funciona o processo e conheça formas de vencer seus desafios.

O que significa a fusão de empresas?

De modo simplificado, a fusão de empresas significa uma completa transformação para todas as envolvidas no processo.

Geralmente realizado entre duas organizações/sociedades distintas, esse processo faz com que as participantes de uma fusão se juntem e formem uma única empresa.

Isso significa que se a empresa A e a empresa B passam por um processo de fusão, elas vão resultar na empresa C, que é uma terceira componente diferente das outras duas. É exatamente isso que diferencia esse processo de uma incorporação.

Na incorporação, uma empresa deixa de existir, mas a outra se mantém — só que agora de forma expandida.

Assim, a fusão significa um processo de mudança para todas as partes envolvidas, gerando uma empresa que mantém as obrigações e responsabilidades de suas originárias, mas que não segue, necessariamente, os mesmos processos de uma ou de outra.

Quais são as vantagens?

Embora seja um processo complexo e que muitas vezes leva um tempo maior para ser executado, a fusão pode ser benéfica para as participantes dessa etapa. Dentre os benefícios, estão:

Possibilidade de diversificação de mercado

Por mais versátil que um negócio deseje ser, é invariável que ele acabe se focando em um determinado nicho para atender melhor as pessoas que compõem o seu público-alvo.

Embora isso gere uma atuação assertiva, também limita como a empresa se posiciona no mercado, já que há menos possibilidades.

Quando ocorre a fusão, por outro lado, o horizonte de ambos os negócios se expande e há a possibilidade de realizar uma diversificação maior de mercado.

Aumento da abrangência de marca

Como há a união de dois públicos-alvo, a empresa criada pela fusão normalmente tem um aumento da abrangência de marca.

Como é improvável que as duas empresas compartilhem exatamente o mesmo público, há um ganho importante e completamente orgânico no alcance de público.

Por si só, isso ajuda na robustez do negócio, que tem um número maior de pessoas a serem atingidas. Isso também aumenta as oportunidades de conversão em vendas.

Aumento das receitas

fusão de empresas

Com mais capacidade de mercado e exposta a um público maior, a nova empresa tem mais oportunidades de negócio.

Daí, não é de se estranhar que a sua taxa de conversão também seja maior do que das outras duas empresas, separadamente.

Com mais vendas e mais contratações há um aumento benéfico das receitas, gerando mais recursos para que o negócio continue se desenvolvendo.

Esse processo, inclusive, colabora para resolver o rotineiro problema de saturação do mercado por parte das empresas, individualmente falando.

Redução de custos

A fusão é sinônimo de sinergia em busca de objetivos comuns.

Como é necessário que haja uma completa reestruturação para que surja a nova empresa, os processos tendem a ser otimizados, os desperdícios são eliminados e os gargalos, corrigidos.

Como resultado, a nova empresa começa com uma estrutura mais enxuta, eficiente e com uma benéfica redução de custos.

Além de aumentar a margem de lucro isso também permite o aumento de investimentos e o ganho de vantagem competitiva.

Diminuição dos riscos de mercado

Com o mercado altamente competitivo, qualquer ganho de vantagem competitiva faz a diferença.

Levando em conta que a fusão permite uma união de esforços, a nova empresa se torna muito mais robusta às diversas modificações do mercado e passa a ser mais forte do que as duas, separadamente e antes da fusão.

O resultado disso é que a nova empresa corre menos riscos de mercado já que consegue ter uma tomada de decisão mais estratégica, pois usa o know-how das duas empresas que existiam antes do processo.

Melhores condições de atuação

Quando duas empresas se fundem, a terceira que se forma normalmente é maior do que as duas outras.

Com melhores perspectivas de mercado e com os riscos reduzidos, a sua atuação também fica mais facilitada.

Obter financiamentos, por exemplo, é mais fácil, já que há um volume maior de vendas e mais robustez por parte da empresa, que também é maior.

Com isso, as duas empresas conseguem se livrar de possíveis dificuldades que estivessem limitando o seu crescimento de maneira geral.

Quais são as dificuldades?

Porém, como é de se esperar o processo não é simples e traz alguns obstáculos que precisam ser contornados. Por mais que ofereça todas essas vantagens, a fusão não oferece, por si só, nenhuma garantia para a nova empresa que vai surgir.

Basta um descuido para que todos os esforços sejam em vão e a decisão se transforme em um grande problema organizacional. A fim de garantir o sucesso do processo, conheça os seguintes desafios:

Unir processos e tecnologias

Por mais que haja boas práticas de gestão, formais ou não, cada empresa toca o seu cotidiano de uma forma.

Enquanto uma empresa busca a automação de tarefas para o máximo de produtividade outra pode ainda não ter adotado esse tipo de investimento.

Na fusão, essas formas diferentes de fazer teoricamente a mesma coisa se encontram e precisam ser conjugadas corretamente.

Isso porque não é relevante eliminar todos os processos de uma empresa em detrimento da outra — porque, afinal, não se trata de uma aquisição.

Isso obriga gestores e colaboradores a encontrarem uma nova forma de fazer, juntos, o que una o melhor do que cada antiga organização tem a oferecer.

Dificuldades na transformação de cultura

Para que um negócio seja bem sucedido ele precisa ter valores e uma cultura que os coloque em prática.

Como cada negócio possui sua própria visão de mercado e seus próprios objetivos, é comum que culturas sejam muito distintas entre empresas diferentes.

Enquanto uma empresa oferece mais flexibilidade, por exemplo, a outra pode ser mais focada em uma gestão vertical.

Quando há a fusão, essas duas culturas também devem se fundir e gerar uma nova visão que vá orientar todos dentro da nova empresa.

Como é de se esperar, isso gera um verdadeiro choque cultural para ambos os lados, exigindo um tempo maior de adaptação para transformar as culturas que, até então, eram utilizadas e agora não são mais.

Garantir a produtividade

O processo de fusão pode ser demorado, mas ele simplesmente não pode interromper o funcionamento do negócio.

Ao mesmo tempo em que a fusão acontece e é anunciada, a empresa precisa continuar produzindo e vendendo do melhor jeito possível.

O grande obstáculo é que justamente estão acontecendo mudanças intensas e estruturais sobre todo o funcionamento da empresa.

Com isso, há uma dificuldade inicial em manter o ritmo de produtividade, cumprindo acordos e aproveitando oportunidades, pois além de tudo isso ainda é necessário se adaptar à nova realidade.

Esse desafio precisa ser vencido rapidamente, porque se a empresa fica parada esperando o processo de mudança se completar ela acaba perdendo a nova relevância de mercado que possui.

Acompanhar os resultados

No meio de tantas modificações ainda é preciso fazer uma gestão de qualidade que seja precisa e assertiva ao mesmo tempo. Não é possível fundir as empresas e deixar que as coisas encontrem, por si só, o seu lugar.

Em vez disso, é preciso estabelecer indicadores de desempenho, interno e externo, que indiquem quão bem-sucedido o processo está sendo.

Mais do que isso, é necessário acompanhar de perto esses resultados, realizando as modificações necessárias para que seja possível chegar ao sucesso.

Dicas para realizar essa fusão da melhor forma possível

Depois de pesar os desafios e as vantagens e concluir que a fusão é a melhor escolha, o ideal é fazê-la da melhor forma possível, gerando resultados consistentes. Dentre as melhores práticas, estão:

Faça acordos claros

É muito importante que tudo seja definido antes mesmo de a fusão acontecer, de fato.

Quanto mais claro for o acordo entre as empresas, mais simples o processo se torna já que é menor a necessidade de lidar com imprevistos e objeções.

Ainda durante a negociação é importante definir claramente a contribuição de cada empresa, como cada processo vai ser executado, em quanto tempo e quais são os resultados esperados.

Quanto mais proteção há nesse sentido, melhores são os resultados.

Tenha uma comunicação clara

O processo de fusão pode ser estressante não apenas pela proporção que toma, mas também pela quantidade de transformações que traz para o cotidiano de todos os envolvidos.

Dependendo do caso, isso gera insegurança e receio sobre o futuro do negócio.

Para evitar essa situação, o ideal é ter uma comunicação clara e aberta com todos os colaboradores e mesmo com os fornecedores, que sofrerão impactos dessa mudança.

Ventilar informações sobre o processo de maneira consistente oferece segurança e respaldo, além de aumentar o engajamento dos envolvidos.

Defina responsabilidades

O processo de mudança — qualquer que seja ela — precisa de um líder. No caso da fusão, não é diferente.

Por isso, quando todos estiverem devidamente informados sobre o processo é muito importante definir responsabilidades claras para as pessoas certas.

Em vez de querer promover mudanças em grupos maiores vale dividir a empresa em equipes menores que tenham líderes completamente alinhados à nova cultura.

Isso permite um gerenciamento mais adequado, maior ganho de produtividade e um processo que demora menos tempo.

Comece integrando pessoas

Antes de pensar em começar a colocar os novos processos em prática é recomendado começar com a integração entre pessoas.

Explicar a nova cultura, mostrar os benefícios da mudança e estimular o trabalho colaborativo são formas de gerar maior aderência por parte dos envolvidos.

Depois desse processo inicial comece a integrar os processos. Com a ajuda das pessoas alinhadas à nova cultura, fica mais fácil conseguir processos otimizados.

Esteja disposto a ouvir

Um processo de fusão representa, na prática, o trabalho em equipe elevado à máxima potência.

Não é possível completá-lo de maneira isolada e, sendo assim, é muito importante estar aberto a novas opiniões, sugestões e assim por diante.

Quanto mais disposto você estiver a ouvir tanto as pessoas da outra empresa como seus próprios colaboradores, melhores são as chances de o processo realmente dar certo dentro do esperado.

Não apresse a mudança

Embora seja relevante determinar um tempo para que a fusão se conclua, até mesmo para fins de gerenciamento, apressar a mudança não traz resultados benéficos.

Algumas vezes, é melhor estender o tempo necessário e conseguir um resultado melhor do que fazer tudo às pressas e comprometer a nova empresa.

Por isso, é importante considerar que uma mudança desse porte leva tempo e exige passos bem estruturados. Dessa forma, é possível agir de maneira contínua e consistente em busca dos resultados.

Exemplos de empresas nacionais que passaram pelo processo de fusão

Desde as de maior porte até as menores, muitas empresas brasileiras já passaram por fusão.

O principal objetivo, é claro, é aproveitar todas as vantagens oferecidas, gerando mais penetração e participação de mercado e melhor disputa com a concorrência.

Em 2014, por exemplo, as empresas aéreas Azul e Trip decidiram se fundir, originando a Azul Trip. A união de forças criou a terceira maior empresa aérea brasileira, com 15% de participação de mercado à época.

Alguns anos antes, em 2011, a Vtex e a WX7 se uniram. As empresas do ramo de TI empresarial eram concorrentes diretas, mas tinham soluções complementares.

Com a fusão, a Vtex — o nome foi mantido, mas o processo foi de fusão — faturou quase três vezes mais do que as empresas conseguiam separadamente.

Uma das maiores fusões no mercado brasileiro, entretanto, foi entre a Sadia e Perdigão. Concorrentes históricas, elas se uniram e formaram a Brasil Foods (BRF), que já nasceu sendo como uma das maiores do mundo no ramo alimentício.

No ramo de varejo, uma fusão que chamou a atenção em 2009 foi entre o Pão de Açúcar e as Casas Bahia. Por meio da Globex, as duas empresas se transformaram em uma só, mas as marcas foram mantidas.

Conclusão

A fusão de empresas é uma forma de dois ou mais negócios juntarem esforços em busca demais competitividade e resultados melhores em geral.

Nesse caso, as duas empresas foram uma terceira, que integra processos e pessoas das outras duas.

Apesar de vantajoso, o processo pode ser desafiador e por isso é preciso colocar em prática dicas que tornem o processo otimizado.

Um espaço de operações mais harmonioso também é algo indispensável para o sucesso do processo de fusão, bem como para a sustentabilidade da empresa nascente.

Por isso, fique por dentro de 25 dicas incríveis de como conquistar um bom ambiente de trabalho.