A Missão Empresarial e sua enrolação intrínseca

A Missão Empresarial e sua enrolação intrínseca

1358
4168
SHARE
Cuidado com a enrolação

Obs.: Artigo baseado em texto de Guy Kawasaki

Acho que a maioria de nós conhece ou pelo menos já se deparou com o conceito de Missão Empresarial, certo? Bom, aqui vão alguns exemplos: Nestlé, Eaton e Petrobrás.

São textos bonitos, não são? Mas qual a utilidade deles? Eles realmente fazem tanta diferença? Vale a pena uma empresa investir milhares de reais para que sua diretoria e gerência passem um fim de semana inteiro no meio do mato (ou na praia – varia bastante) pra construi-los? Junte às vezes um moderador que não conhece sua indústria e pronto: a empresa acabou de gastar um monte de dinheiro em algo nada único e que não faz diferença.

Meu ponto aqui não é criticar essas missões diretamente (muito menos as empresas), mas sim mostrar que um empreendedor não deve se preocupar ou, muito menos, gastar dinheiro com o desenvolvimento de uma missão. Uma MPE ou uma startup não precisa disso.

Ok, mas a definição do que a empresa faz é extremamente necessária: ninguém pode trabalhar no escuro ou sem objetividade. Pra isso, sugerimos a criação de um Mantra. Um mantra tem 3 ou 4 palavras que resumem o que sua empresa faz (ao contrário de uma missão, que tem 50 palavras, puxa o saco de todos os possíveis colaboradores e pode até salvar o mundo das cáries e os pandas da extinção… Mas no fim, ninguém consegue lembrar).

Alguns possíveis exemplos de mantras:

  • Nestlé: Good Food, Good Life (boa alimentação, boa vida) – já usado por eles, mas talvez só como slogan.
  • Petrobras: Energia Brasileira (será que eles não querem comprar essa ideia?).
  • Spoleto: Satisfação em servir felicidade (um dos únicos a colocar um mantra como missão). Lindo isso, né?

Incentive o empreendedorismo sem enrolação, faça um mantra para sua empresa.

Abraços,
Luiz Piovesana (pelo fim das declarações inúteis de Missão Empresarial)

P.S.: Créditos da imagem do disfarce Shutterstock

SHARE
Previous articleA arte da gestão financeira
Next articleOs 10 mitos sobre empreendedorismo
é formado em Engenharia de Controle e Automação pela Unicamp, exerceu diversos cargos de liderança no movimento das empresas juniores e tem experiência no Brasil e no exterior na área de Relações Externas e Vendas. Na Empreendemia, trabalha com vendas e comunicação e é editor do Saia do Lugar.
  • http://www.blogger.com/profile/07941749876440628471 Luiz Piovesana

    Gostaria aqui só de colocar mais um ótimo exemplo de Missão (em formato de mantra!):

    Massas De: Alimentar com qualidade (http://massasde.com.br/inst-quemsomos.html) – indústria de massas caseiras de Valinhos.

    Parabéns!

    Abraços,
    Luiz Piovesana

  • http://www.blogger.com/profile/07941749876440628471 Luiz Piovesana

    Gostaria aqui só de colocar mais um ótimo exemplo de Missão (em formato de mantra!):Massas De: Alimentar com qualidade (http://massasde.com.br/inst-quemsomos.html) – indústria de massas caseiras de Valinhos.Parabéns!Abraços,Luiz Piovesana

  • http://www.blogger.com/profile/11637118184042663540 Terapeuta

    Olá Luiz:

    Gostei muito da idéia de missão da empresa em forma de mantra. Os mestres da antiguidade ofereciam um mantra específico ao discípulo e este só deixaria de usá-lo repetidamente quando a lição contida naquelas palavras fosse aprendida. Taí uma ótima analogia a ser empregada. Chega de blá blá blá desnecessário, com certeza os colaboradores agradecerão.
    Vou usar!

    Débora ( por uma consciência quântica nas empresas)

  • http://www.blogger.com/profile/11637118184042663540 Terapeuta

    Olá Luiz: Gostei muito da idéia de missão da empresa em forma de mantra. Os mestres da antiguidade ofereciam um mantra específico ao discípulo e este só deixaria de usá-lo repetidamente quando a lição contida naquelas palavras fosse aprendida. Taí uma ótima analogia a ser empregada. Chega de blá blá blá desnecessário, com certeza os colaboradores agradecerão.Vou usar!Débora ( por uma consciência quântica nas empresas)

  • Pingback: Dica diária ao empreendedor 10: Não perca a “grande essência” de vista | Saia do Lugar()

  • Pingback: As 11 perguntas para responder antes de começar | Saia do Lugar()

  • http://www.dinheirama.com/blog/bruno Bruno Biscaia

    Também já estou cansado de ver aquele texto bem elaborado no site e uma atuação que não condiz com a missão da empresa.
    É claro que o texto tem de ser bom, mas deve existir nexo, isto é, coerência entre atitudes e ideologias.

    Se não me engano a Sodexo, também tem um mantra desse tipo.
    -> Sodexo – Fazer de cada dia um dia melhor!

    Parabéns pelo blog. Tem muita coisa boa por aqui.

  • http://www.dinheirama.com/blog/bruno Bruno Biscaia

    Também já estou cansado de ver aquele texto bem elaborado no site e uma atuação que não condiz com a missão da empresa.
    É claro que o texto tem de ser bom, mas deve existir nexo, isto é, coerência entre atitudes e ideologias.

    Se não me engano a Sodexo, também tem um mantra desse tipo.
    -> Sodexo – Fazer de cada dia um dia melhor!

    Parabéns pelo blog. Tem muita coisa boa por aqui.

  • luiz

    Olá Bruno,

    O incrível disso é que ainda não paramos de achar declarações de missão extremamente genéricas e longas, que acabam dizendo nada.
    Obrigado pelos elogios ao blog!

    Abraços,
    Luiz

  • luiz

    Olá Bruno,

    O incrível disso é que ainda não paramos de achar declarações de missão extremamente genéricas e longas, que acabam dizendo nada.
    Obrigado pelos elogios ao blog!

    Abraços,
    Luiz

  • Pingback: Lições de A Arte do Começo para empresas brasileiras | Saia do Lugar()

  • marcioarajuo

    Muito bom Luiz, se você não tivesse usado as palavras de Guy Kawazaki.
    Você se quer o mencionou como fonte do seu Post.
    Até os trocadilhos que ele faz em sua palestra você utilizou.
    Parabéns por procurar informação no lugar certo, ponto negativo por falta de criatividade e achar que ninguém conhece Guy Kawazaki.
    Um grande abraço.

  • luizpiovesana

    Olá Márcio, tudo bem?

    Como você já disse, as palavras foram sim de Guy Kawasaki. Já o citamos
    várias vezes no blog, inclusive fizemos uma semana excusiva de homenagem a
    ele: http://saiadolugar.com.br/2009/10/19/semana

    A referência está em todos os posts que são baseados em posts dele, menos
    nesse – falha nossa.

    Abraços,
    Luiz

  • Márcio Araújo

    Antes de mais nada:
    Perdão pela forma grosseira e pré fabricada que comentei.
    Em tempo – estava fazendo uma pesquisa e acabei encontrando este site. Sinceramente eu não me dei o trabalho de conhecer melhor o site. O que é profundamente estúpido e amador da minha parte. Para que você tenha uma idéia, “voltei” apenas hoje porque estava fazendo uma outra pesquisa e novamente esta página apareceu.
    Quero mais uma vez me retratar e INFORMAR que virei fã do material aqui contido.

    Um grande abraço e aprenderei bastante com “saiadolugar”.
    Obrigado!
    Yours!

  • luizpiovesana

    Oi Márcio, tudo bom?

    Não tem porquê pedir desculpas – se você chega num lugar, conhece o
    material, mas ele não cita referência, é normal não formar uma opinião tão
    boa sobre ele.

    Fico feliz que tenha voltado e, principalmente, por ter virado fã! Espero
    que nosso blog possa ser bastante útil pra você.

    Abraços,
    Luiz

  • http://clinica-blog.blogspot.com Valter Mello

    Gostei do Marcio Araújo!
    Ter a coragem simples de se retratar da forma como o fez é para se aplaudir.
    Normalmente, e ainda que com argumentos razoáveis, é comum ver pessoas fincando pé numa posição sem se dar ao trabalho de procurar outros pontos de vista ou até mesmo tripudiando sobre as desculpas recebidas pelo outro lado.

  • luizpiovesana

    Também gostei do modo com o Márcio apareceu no Saia do Lugar. Primeiro, fez
    uma argumentação válida, porém parcial, mas depois de andar um pouco mais
    pelo blog percebeu nossa estrutura.

    É sempre muito bom não só ver pessoas como o Márcio, mas também como você,
    Valter, que reconhecem e enxergam a qualidade nesses casos.

    Abraços,
    Luiz

  • Pingback: As 11 perguntas para responder antes de começar sua empresa – Tecnologia()

  • Flavio Hernandez

    Respeito a opinião do autor e dos demais, porém discordo absolutamente.

    Vejo a missão como a síntese escrita dos objetivos e metas, estratégias e demais fatores necessários ou “norteadores” para auxiliar os colaboradores realizar seu trabalho, seja qual for sua função dentro do organograma.

    Somente uma empresa que não tem um objetivo a ser atingido pode abrir mão de uma missão clara e detalhada.

    Agora dizer que a missão é elaborada no meio do mato por um moderador que não conhece a sua indústria, de fato isso é preocupante. Ao meu ver a missão deve ser elaborada junto ao planejamento estratégico da empresa, com participação direta dos seus Heads.

    Abraços.

  • luizpiovesana

    Oi Flávio, tudo bem?

    A mensagem do post é em fazer com que o motivo principal pra existência da
    empresa (a missão) seja algo realmente único e que transmita o porquê da
    empresa existir pra todos os funcionários.

    Já vi algumas declarações de missão muito bem feitas e, em todos os casos,
    elas eram tão curtas e claras que podem ser classificadas como mantras.

    O que não adianta é uma missão genérica como “Nossa missão é trazer valor
    para todos acionistas e colaboradores de uma forma inovadora, focando sempre
    no bem estar de todos os envolvidos” – qual empresa não poderia usar isso
    como missão? E qual o real valor disso?

    Abraços,
    Luiz

  • http://securityofficer.wordpress.com/ Aldo Silva

    Bom artigo Luiz entendi a mensagem , “motivação para todos” criar uma missão que envolva a todos dentro da corporação, sair da escuridão e concentrar no objetivo
    http://securityofficer.wordpress.com/

  • Samantha27555

    Adorei, o post!
    Putz! Sempre achei mto chato esse lance de Visão e Missão pregados na parede! Acabei fazendo, seguindo a recomendação de um consultor que cotratamos, mas vou mudar já isso, seguindo a dica de vcs!
    Depois eu conto os resultados!
    Kisses!

    • Anônimo

      Oi Samantha, tudo bem?

      Espero que o post ajude e, por favor, não deixe de escrever os resultados
      depois – quem sabe você já não escreve pra colcoarmos na nossa sessão de
      casos de leitores? http://saiadolugar.com.br/tag/casos-de-leitores/

      Abraços,
      Luiz

  • http://www.acens.com.br Renan Gurgel

    Parabéns pelo post, estou elaborando o referencial estratégico da
    minha empresa júnior de computação aqui da UECE (www.acens.com.br) e o saiadolugar está me ajudando bastante!
    Espero que vocês continuem com esse mantra “EMPREENDEDORISMO SEM ENROLAÇÃO!”

  • Edson

    Cópia do discurso do Guy Kawasaki… Mas é sempre bom relembrar. http://video.yahoo.com/watch/2873493

    • http://saiadolugar.com.br Millor Machado

      Edson,
      Na primeira linha é falado que foi baseado no artigo de Kawasaki, inclusive com link pro post dele no How to Change the World.

      Abraços!

  • Pingback: Missão empresarial e sua enrolação intrínseca - AtitudeBR - AtitudeBR()

  • http://www.facebook.com/adbosa Alex Bosa

    Eu particularmente gostei das missões que escrevi, é algo inspirador, que me faz lembrar de uma forma geral o porque estou fazendo aquilo, mas como eu disse, particularmente. Entendi por esse artigo, que algo mais simples e direto tem um resultado melhor à outras pessoas a quem a missão importa. O mantra mais longo eu vou guardar no meu bloquinho de anotações pra ler na hora do recreio :p. Parabéns pelo site e todo o trabalho!

  • http://profiles.google.com/anderson.canteiro Anderson Canteiro

    Perfeito o texto.
    Quando iniciei minha empresa tinha um slogan que era “Nosso compromisso é superar a sua expectativa”. Eu mesmo o criei.
    Passados alguns anos comecei a ficar incomodado com ele, pois qualquer empresa que bota a cara no mercado tem que superar as expectativas dos seus clientes.
    A cabeça ficou batendo e não achava nada que me fosse agradável. Decidi então conversar com uma profissional de marketing, uma pessoa que estudou e sabe detalhes que eu não sei.
    Com algumas horas de conversa (mais para ela entender o que realmente a minha empresa faz) chegamos a seguinte frase:

    Prime Consulting – Soluções em Tecnologia e Gestão de Talentos.

    Simples e direto, mostra as duas áreas de negócio em que atuamos, todos acabam entendendo o objetivo da empresa.

  • Leo Pope

    Este é um belo exemplo de que nem tudo que o Guy Kawasaki fala deve ser repetido. No processo de construção de marca, a plataforma da marca é muito importante e a missão faz parte desta etapa do processo. Definir bem a plataforma da marca, ajuda a construir os universos verbais e visuais da marca. Claro que existem excessões para MPEs e startups. Mas para que pensar pequeno se podemos pensar grande? Em países com uma cultura de marca mais desenvolvida, esta prática citada no artigo é utilizada em startups porque a maioria é descartável (absorvida por alguma marca maior). Em um mercado como o nosso, em desenvolvimento, é mais arriscado pois a marca dificilmente será absorvida. Ela sumirá a longo prazo por ser insustentável. Todas as marcas citadas acima, são marcas sustentáveis e fortes. Se fortaleceram com uma boa estratégia de branding, com missão, visão, valores. O que o autor chama de mantra não é nenhuma novidade. É um nome “diferente” e “global” para o slogan, desenvolvido depois do true line. Repito que existem excessões para as MPEs e startups. Acredito que no desenvolvimento do Brasil podemos criar novas maneiras de comunicar a marca. Que tal se os empresários brasileiros liderassem esse movimento?

  • Pingback: As 11 perguntas para responder antes de começar sua empresa | Startup Community()

  • Luis

    Não lembro de nenhuma missão de nenhuma empresa que já trabalhei, e olha que sou um cara que veste a camisa.
    Acho as missões entediantes e como o autor, servem pra ficar elogiando este ou aquele.
    Focar em algo é sempre melhor, ou seja, ser direto é a melhor forma de ser lembrado e de lembrar o que fazer.
    O funcionário ( ou colaborador, particularmente detesto estes termos politicamente corretos, pois na prática a coisa não muda mesmo) pode até carregar a missão no crachá, mas se for direta e simples, ele vai carregar na mente, e se for muito empolgado, até no coração!

  • Pingback: Video: Demographic impact on the campaigns | Wordpress()