espaço no mercado de trabalho

Como as mulheres têm ganhado espaço no mercado de trabalho?

Lugar de mulher também é no mercado de trabalho! Trouxemos este assunto para debater e quebrar tabus que infelizmente ainda existem na nossa sociedade.

Já parou pra pensar o quanto o nosso mercado de trabalho evoluiu de um tempo para cá? É muito gratificante saber que é cada vez menor a desigualdade que enfrentamos em relação ao gênero no cenário profissional. Porém, ainda há um grande caminho a percorrer.

Por isso, como hoje é o Dia Internacional da Mulher, resolvemos trazer esse assunto para debater a importância delas conquistarem um espaço no mercado de trabalho e quebrar tabus que infelizmente ainda existem.

Então eu te pergunto: Como as mulheres têm ganhado espaço no mercado? Na sua empresa alguma delas ocupam um cargo de liderança?

Vale lembrar que esse é um tema tão importante para evolução, não só do mercado de trabalho, mas também do cenário econômico, político e social como um todo. Vamos lá?

A evolução da história

Até a década de 70 o principal papel da mulher era administrar o seu lar. A casa era geralmente sustentada exclusivamente pelos maridos — vale ressaltar que algumas mudanças tiveram início bem antes disso, aproximadamente na década de 40, ganhando força em 1970

Porém sempre existiram aquelas mulheres que sustentavam os seus próprios lares, isso porque elas se tornaram viúvas ou nunca se casaram. Mas, é claro, esse tipo de atividade — que na maioria dos casos se resumiam em tarefas relacionadas ao artesanato ou a culinária — era mal vista pela sociedade.

As coisas começaram a mudar na Revolução Industrial que aconteceu aqui no Brasil por volta de 1940. A partir daí, passou a ser um pouco mais comum ver algumas mulheres participando de atividades de trabalho nessas indústrias.

Mas foi a partir da década de 70 que as conquistas começaram a se tornar realmente relevantes e, aos poucos, as mulheres foram conquistando o seu devido espaço fora de seus lares.

Agora elas podiam se tornar professoras, costureiras ou até mesmo trabalhar em algum comércio. Porém, fato é que a participação da mulher nesse cenário começou muito tardiamente e isso gera um reflexo muito grande na nossa sociedade atual.

Embora a constituição tente garantir direitos iguais a todos, independentemente do gênero, sabemos que na prática a nossa sociedade ainda possui tabus a serem quebrados. Chegou o momento de perceber a importância da inserção da mulher e do prestígio social nos dias atuais.

Já que o assunto agora é o “social”, que tal falarmos sobre alguns aspectos culturais que envolvem a formação profissional de todo este gênero? Acompanhe!

A participação feminina no aspecto social

Muitas coisas têm mudado com o passar do tempo. É cada vez mais comum ver mulheres dentro de empresas e conquistando o seu devido respeito e espaço no mercado de trabalho.

Mas ainda assim, é importante debater sobre as diversas posições profissionais que as mulheres ocupam. Culturalmente falando, ainda hoje, existem posições convencionalmente ocupadas por elas.

Existe a mulher de baixa renda, que trabalha excessivamente para sustentar a casa, que assume seus afazeres domésticos sozinha e carrega toda a responsabilidade da família em suas costas.

Existe também a mulher classe média, aquela que trabalha para complementar a renda da família, a mulher que ainda está nas salas de aulas como professoras, nos escritórios como secretárias e, por mais que ainda sofra desigualdade por ser do “sexo frágil”, ela não troca essa liberdade de se sentir “dona do próprio nariz” para se dedicar exclusivamente para o seu lar, como costumava a ser.

Ainda existem, em minoria, aquelas mulheres bem sucedidas e que ocupam altos cargos dentro das empresas. Mulheres que passaram por muitas coisas para estarem onde estão e ainda enfrentam muito preconceito.

Por mais que a gente esteja vivendo o futuro, ainda temos muito o que evoluir para haver a igualdade entre os gêneros e por isso o nosso próximo tópico é sobre a desigualdade salarial.

Desigualdade salarial

De acordo com uma pesquisa feita pela Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (CEPAL), apesar de estar diminuindo, a diferença salarial entre um homem e uma mulher — levando em consideração os mesmos aspectos de trabalho, como horas trabalhadas, cargo e função — beira a margem de mais de 25%.

Ou seja: um homem ganha mais por exercer a mesma função do que o seu gênero oposto. Mais uma vez, isso são os resquícios dos aspectos culturais vividos pela a nossa sociedade por várias décadas.

É de direito da mulher receber o mesmo salário do que os dos homens. Claro que isso envolve toda uma questão cultural de igualdade — inclusive, dos direitos que os homens têm, como a licença paternidade, por exemplo — mas que deve ser tratado naturalmente no nosso cenário de mercado de trabalho.

Nem os modelos de negócios mais recentes escapam desse tipo de tabu. Um outro estudo feito pela Female Founders Fund — uma organização que incentiva as mulheres a empreender— mostrou que apenas 8% de todas as startups que são “apadrinhadas” e recebem um investimento lá no Vale do Silício são comandadas por mulheres.

A boa notícia disso tudo é que a nossa sociedade nunca esteve tão sensível e ativa em relação a igualdade de gênero em todos os cenários.

Quebrando tabus e ganhando espaço no mercado

Apesar de muita luta pelo reconhecimento e há tanto tempo, diariamente vemos pequenas conquistas que enchem o nosso mercado de esperança.

É cada vez mais comum mulheres trabalhando em cargos que jamais seriam ocupados por elas quando a nossa sociedade ainda carregava um forte atraso cultural.

A mulher assume o volante dos ônibus, elas mostram que design não é “papo” de homem, fazem a segurança da nossa população e de ambientes privados, projetam e até mesmo constroem casas, também trabalham com serviços de mudança, reparam objetos, fazem a gestão de empresas, empreendem e se tornam cada vez mais reconhecidas.

A mulherada já provou ser muito mais forte do que julgavam que elas fossem e portanto mostrar que esse tabu é cada vez mais desconstruído é importante, e por isso estamos falando sobre esse assunto aqui no Saia do Lugar.

O nosso blog quer contribuir para um mercado cada vez mais capaz de colher bons frutos e cada vez mais igualitário. Acreditamos que as oportunidades são para todos.

Não é por acaso que a voz do Saia do Lugar é feminina! Me sinto honrada e muito feliz por ocupar um papel tão relevante no cenário do empreendedorismo e também por administrar um canal que é um porta-voz para incentivar a igualdade de gênero!

Por que mulheres desempenham um bom papel na liderança?

Para mostrar que mulheres são excelentes líderes, a Catalyst fez um pesquisa e revelou que empresas que têm uma mulher como fundadora e que exerça uma liderança tem 50% de chances a mais de se tornar um negócio bem sucedido.

Isso se deve a capacidade e sensibilidade que só a mulher carrega dentro de si, levantando pontos de vistas diferentes e simultâneos. É fundamental conseguir equilibrar todas as emoções e saber a forma como colocar o seu ponto de vista em questão, isso vai interferir no sucesso dos negócios.

Elas também possuem uma forma diferente de saber dividir o emocional e o racional ao lidar com os seus funcionários — não que os homens não tenham essa capacidade, mas com elas isso funciona de uma forma diferente.

De acordo com a Universidade Duke dos EUA, uma mulher consegue exercer uma melhor liderança por conseguir lidar com o fato de tomar decisões de maneira mais sensível e optar pelo melhor para a empresa em determinado momento.

É legal colocar em questão também o fato da mulher precisar trabalhar muito mais para ganhar a metade do reconhecimento de que um homem teria ocupando a mesma posição do que ela dentro de uma empresa. As vantagens são o acúmulo de experiências e conhecimento, mesmo sabendo que o caminho não é tão simples.

Dia após dia, as coisas têm evoluído e se torna cada vez mais próximo a ascensão da mulher no mercado de trabalho, embora pesquisas apontem que o ápice da igualdade salarial entre os gêneros só acontecerá em 2095. O que significa que ainda temos muito o que aprender até lá.

source

Eu não poderia terminar esse artigo sem parabenizar todas as nossas leitoras que estão aqui em busca de reconhecimento e sucesso no mercado profissional. Um feliz dia das mulheres para todas vocês, mulheres fortes, decididas e empreendedoras!
E para tornar esse papo ainda mais inspirador que tal acompanhar o post sobre empreendedorismo feminino? Entenda os principais desafios e veja exemplos de mulheres que mudaram o cenário empreendedor.