empreendedorismo feminino

Empreendedorismo feminino: o papel da mulher no mundo dos negócios

Não é surpresa para muita gente que as mulheres têm alcançado lugares de destaque em todo o mundo, na política, economia, tecnologia e em outras áreas que eram comumente dominadas por figuras masculinas. E não seria diferente no empreendedorismo.

Não é surpresa para muita gente que as mulheres têm alcançado lugares de destaque em todo o mundo, na política, economia, tecnologia e em outras áreas que eram comumente dominadas por figuras masculinas. E não seria diferente no empreendedorismo.

Em dezembro de 2016, a Forbes lançou uma matéria listando as mulheres mais poderosas do Brasil no ano. Meses antes, em junho, a mesma revista — dessa vez a versão americana — havia publicado uma matéria sobre quem eram as mulheres mais poderosas do mundo. Em ambos os casos, algumas das figuras eram mulheres associadas ao mundo dos negócios.

Vencendo as barreiras impostas pelo preconceito, pelo mercado, pela economia e tantas outras, várias empreendedoras e mulheres de negócios tem construído verdadeiros impérios ou conquistado posições de destaque em grandes empresas, com cargos de liderança que a alguns anos eram predominantemente ocupados por homens.

Para se ter uma ideia, segundo pesquisa uma pesquisa realizada pelo Sebrae em 2014, 51,2% dos novos empreendimentos criados todos os anos são feitos por mulheres. E, dentre os negócios consolidados, 42,3% são chefiados por elas.

Porém, isso não significa que as coisas estejam em seu plano ideal. Infelizmente, muitas mulheres ainda enfrentam dificuldades específicas ao gênero quando optam por seguir carreiras associadas a negócios e empreendedorismo.

Segundo pesquisa da Câmara Americana de Comércio (Amcham), 76% dos 350 entrevistados ainda considera que existam problemas de desigualdade em relação ao tratamento de homens e mulheres dentro do meio empresarial. A mesma pesquisa mostrou também que para 80% dos entrevistados, mulheres são geralmente ignoradas principalmente na seleção para cargos de gestão.

Por motivos como esse, a conquista da mulher no mundo dos negócios tem demandado maior esforço da parte delas e também tem sido significativamente mais lenta que a masculina. E se você é uma mulher que deseja

Principais desafios para mulheres no empreendedorismo feminino

Dentre as maiores dificuldades da mulher no empreendedorismo, como mostrou a pesquisa do Amcham, um dos principais ainda é a falta de oportunidades.

Primeiro, porque existem, numericamente, mais homens que mulheres “disputando” por cargos de liderança dentro das grandes empresas, por questões históricas e sociais associadas às escolhas profissionais e à tardia — se comparado aos homens — entrada significativa de mulheres ao mundo empresarial.

Para se ter uma ideia, segundo a pesquisa da Mckinsey, 81% dos cargos executivos são ocupados por homens.

Segundo pelo próprio machismo, infelizmente inegável, que ainda existe no mundo dos negócios, principalmente em empresas e mercados mais tradicionais, como comprovou a pesquisa da Amcham.

Uma outra pesquisa, dessa vez do IBGE comprovou esses dois motivos: no Brasil, a diferença no nível educacional da mulher é evidente, assim como a diferença de salários. A renda das mulheres, em geral, representa apenas 76% da renda masculina, embora, segundo a pesquisa, elas trabalhem mais.

Outra dificuldade é a dificuldade de conciliar a vida pessoal e a vida profissional. Geralmente, além dos grandes cargos em empresas ou o próprio negócio, as mulheres ainda possuem grandes responsabilidades associadas à casa e a família, o que torna a rotina feminina mais cansativa e também mais desafiadora.

Muitas mulheres ainda optam por deixar a vida profissional em segundo plano em detrimento ao casamento e aos filhos, e em muitos casos por não acreditar que é possível conciliar as duas coisas de forma bem sucedida.

Porém, as mulheres que aceitam enfrentar todos esses desafios merecem os nossos parabéns! O espaço conquistado por elas é extremamente representativo e foi conquistado em menor espaço de tempo, se comparado aos homens. E o mercado nunca esteve tão favorável para acelerar ainda mais esse processo.

Uma boa maneira de superar as barreiras da diferença

A igualdade de gênero nas empresas nunca foi tão discutida. E ainda bem!

A Organização das Nações Unidas (ONU) possui uma iniciativa voltada para a igualdade de gêneros nas organizações em todo o mundo e chegou a realizar uma premiação no Brasil em 2016 para empresas com projetos nessa área.

E essa é uma ótima maneira de diminuir os problemas de desigualdade de gênero. Se você possui uma empresa — independentemente se homem ou mulher — pode criar iniciativas dentro da sua empresa para garantir que homens e mulheres possuam as mesmas oportunidades.

Crie condições de equilíbrio e identifique situações que tornem esse processo prejudicial. Além disso, não tolerar o preconceito é uma ótima cultura para qualquer empresa, que promoverá o crescimento saudável e também a diversidade, que sempre gera bons frutos para o desenvolvimento de um negócio.

Empreendedorismo Feminino: exemplos para que você se inspire e se empodere

Seja você um empreendedor, empreendedora ou mulher que deseja se inspirar com bons exemplos, conheça agora algumas mulheres que tem feito a diferença no meio empresarial e que mostram o quanto a presença feminina faz a diferença nos negócios e no mercado.

Viviane Senna

O nome já diz muito. Viviane Senna, irmã do ídolo Ayrton Senna, é a responsável por projetos que além de mostrarem o seu dom para o empreendedorismo, também são exemplo de responsabilidade social.

Ela é a presidente do Instituto Ayrton Senna, iniciativa criada em 1994, que promove o acesso a educação de qualidade para milhares de crianças em todo o país, com projetos em escolas públicas e projetos sociais, incentivando a educação integrada.

Além disso, Viviane Senna é membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do governo federal, do Conselho de Desenvolvimento Sustentável de São Paulo, do Conselho de Administração do Banco Santander, do comitê de orientação de investimentos sociais do Banco Itaú e de inúmeras outras iniciativas com e sem fins lucrativos.

Linda Rottenberg

Linda é, ninguém menos, que a co-fundadora da Endeavor, instituição de apoio a pequenos empresários, fundada em 1997 e que hoje está presente em 25 países.

A americana possui graduações em, nada menos que as universidades de Harvard e Yalle, autora do livro Crazy Is a Compliment: The Power of Zigging When Everyone Else Zags, best-seller pelo New York Times e foi considerada um dos melhores líderes da américa pelo U.S. News, dentre várias outras nomeações.

Além disso, ela faz parte do Council on Foreign Relations and Young Presidents Organization (YPO) e faz parte do comitê de direção do Fórum Econômico Mundial.

Mary Kay Ash

Provando que é possível unir o mundo feminino e o empreendedorismo, Mary Kay Ash é a fundadora da marca de produtos de beleza internacional que leva o seu nome, a Mary Kay, fundada em 1963.

A marca, além de referência mundial, é uma forte estimuladora da independência financeira da mulher, a partir do que eles mesmo chamam de “Uma missão para ajudar mulheres a alcançarem crescimento pessoal e sucesso financeiro”.

Com investimento pessoal de 5.000 dólares, Mary Kay começou com um plano de negócio após largar uma carreira de 25 anos, que foi escrito em sua cozinha e hoje possui dezenas de prêmios internacionais associados ao empreendedorismo e suas conquistas.

Ela faleceu em 2001, mas o seu legado ainda gera, além do sucesso da marca, muito material de inspiração como livros, documentários e filmes.

Luiza Helena Trajano

Para fechar a lista com mais uma brasileira que se destacam no empreendedorismo, temos Luiza Helena Trajano, empresária que comanda a rede de lojas Magazine Luiza.

Ela começou trabalhando no negócio da família, que possuía algumas lojas no interior de São Paulo, se formou em direito em 1972 e graças ao seu envolvimento com o negócio, ele cresceu para uma rede de 700 lojas espalhadas por 16 estados do país.

O seu patrimônio atual é avaliado em mais de 1 bilhão de reais, e ela ainda conta com prêmios e nomeações como o top 3 das empreendedoras brasileiras mais poderosas, pela revista Forbes.

Resumindo: é muito possível ser uma mulher de sucesso no mundo dos negócios.

O que realmente demanda é a disposição de enfrentar as diferenças e mesmo a desigualdade do mercado, muito esforço e trabalho duro, afinal o sucesso em qualquer área depende desses dois fatores, e dedicação para superar as dificuldades inerentes a empreender ou conquistar cargos de destaque.

Mulheres geralmente têm a habilidade de resolver conflitos, a sensibilidade de identificar e prever problemas e ainda a garra de ultrapassar as limitações que parecem impossíveis. E a prova de tudo isso é o crescimento e o destaque que elas têm ganhado mesmo em um contexto de crise do mercado, como o atual.

Por isso, contratar mulheres, colocá-las em cargos de influência e liderança e oferecer as mesmas oportunidades para elas em seu negócio representará ganhos reais para você.

E, se você é mulher e deseja empreender, não deixe que os problemas relacionados ao gênero pelo mercado sejam um empecilho para o seu sucesso e realização!

Se você deseja continuar se inspirando, conheça mais exemplos de mulheres que fazem a diferença no empreendedorismo lendo o nosso post.