Características do empreendedor: Resolver os problemas até o fim

Características do empreendedor: Resolver os problemas até o fim

1762
3416
SHARE

A dica de hoje foi dada por Frederico Villela, engenheiro civil e pai de 2 grandes amigos que sempre estiveram presentes na minha carreira de empreendedor.

A parábola da piscina:
“Em uma casa na cidade de Niterói-RJ morava uma família de ursos em que o chefe da família era conhecido como Vovô Urso e seus filhos eram os ursinhos Andre e Bruno.

Como parte das tarefas da casa, Andre e Bruno precisavam limpar a piscina.
As responsabilidades eram: Andre (irmão mais novo) deveria jogar o cloro na água e Bruno (irmão mais velho) era encarregado por aspirar a piscina.

Como um bom caçula, o ursinho Andre muitas vezes deixava de lado sua tarefa e não jogava o cloro. Como consequência, quando Bruno aspirava a mesma, a sujeira não saía, já que a água não estava devidamente tratada.

Em um ensolarado domingo de verão, ocorreu o seguinte diálogo que já serviu de lição para uma inteira geração de empresários juniores brasileiros:
– Bruno, você não fez o que eu te pedi. Disse o sábio Vovô Urso.

– Mas é lógico que fiz! Eu aspirei a piscina assim como o senhor pediu. Não é culpa minha se Andre não jogou o cloro! Respondeu Bruno, irritado com a situação.

– Bruno, eu não te pedi simplesmente para aspirar a piscina. Eu te pedi para deixar a piscina limpa. Agora eu quero tomar banho nela e não posso, é isso que importa.

Moral da história: Não interessa se você fez sua parte, dê um jeito e resolva o problema até o fim!

  • Pingback: Cultura de Excelência por: The Beatles | Saia do Lugar()

  • Pingback: Organização pessoal e gestão de tempo (Slides do treinamento) | Saia do Lugar()

  • Dri

    achei tosco

    • http://www.facebook.com/BlackFelipe Luiz Felipe Rodrigues Rosa

      Porque? Criticas construtivas tem que ter um porque. Ou não é?

  • Dri

    achei tosco

  • http://www.omelhordomarketing.com.br/ André Damasceno

    Moral da história 01: Não interessa se você fez sua parte, dê um jeito e resolva o problema até o fim!

    Moral da história 02: Escolha muito bem a sua equipe!

  • http://www.omelhordomarketing.com.br André Damasceno

    Moral da história 01: Não interessa se você fez sua parte, dê um jeito e resolva o problema até o fim!

    Moral da história 02: Escolha muito bem a sua equipe!

  • Douglas

    Mal escrito, mal pontuado.
    A mensagem é certa, em cada um fazer sua parte…. ok! Mas e o líder? Tava onde?

    1) Não se vê nem se aplica a moral da história com quem deixou de fazer a sua parte no processo (mais novo).

    2) Apenas se sente o claro exemplo de escravagismo partindo daquele que é considerado líder, em querer pronto algo que não soube determinar.

    Exemplo negativo… não arrumara emprego palestrando nada, creio.

    Ainda bem.

    • Janlucas

      Mas que folgado!

  • Douglas

    Mal escrito, mal pontuado.
    A mensagem é certa, em cada um fazer sua parte…. ok! Mas e o líder? Tava onde?

    1) Não se vê nem se aplica a moral da história com quem deixou de fazer a sua parte no processo (mais novo).

    2) Apenas se sente o claro exemplo de escravagismo partindo daquele que é considerado líder, em querer pronto algo que não soube determinar.

    Exemplo negativo… não arrumara emprego palestrando nada, creio.

    Ainda bem.

  • Flavio Souza

    O Cliente cobra o serviço prestado a última cadeia do elo. No caso o Bruno. Que deveria saber que o fato de ter aspirado uma piscina sem cloro e nada é a mesma coisa. Bruno, como é a interface com o cliente deveria cobrar satisfações junto ao seu relapso irmão André e solicitar junto ao chefe (e cliente) Vovô-urso uma medida para coibir o comportamento relaxado de seu irmão.

    Ou seja, esta parábola é ótima. O fato do Bruno fazer seu serviço bem não o exime de sua responsabilidade de atendimento ao cliente, pois ele é o elo do serviço junto ao cliente. É incrível que alguns aqui não tenham entendido a moral desta história confundindo até mesmo como “escravagismo” a repartição de tarefas em família…meu deus…

    • http://twitter.com/sante_mutuelles mutuelle novia santé

      Você é o Flávio certo – mas vidas a evolução positiva

  • Flavio Souza

    O Cliente cobra o serviço prestado a última cadeia do elo. No caso o Bruno. Que deveria saber que o fato de ter aspirado uma piscina sem cloro e nada é a mesma coisa. Bruno, como é a interface com o cliente deveria cobrar satisfações junto ao seu relapso irmão André e solicitar junto ao chefe (e cliente) Vovô-urso uma medida para coibir o comportamento relaxado de seu irmão.

    Ou seja, esta parábola é ótima. O fato do Bruno fazer seu serviço bem não o exime de sua responsabilidade de atendimento ao cliente, pois ele é o elo do serviço junto ao cliente. É incrível que alguns aqui não tenham entendido a moral desta história confundindo até mesmo como “escravagismo” a repartição de tarefas em família…meu deus…

  • francinetavares

    Esperava mais! Adorei o título do post – e entendi, mas ficou um vazio!

  • http://www.saiadolugar.com.br Millor Machado

    Oi Francine,

    Tem algo mais específico que você acha que valha a pena aprofundar? A ideia
    foi justamente dizer que o empreendedor precisa assumir a responsabilidade,
    não apenas “tirar o seu da reta”. Infelizmente coisa muito rara nas
    empresas.

    Sugestões são sempre muito bem-vindas!

    Abraços

  • http://www.saiadolugar.com.br Millor Machado

    Oi Francine,

    Tem algo mais específico que você acha que valha a pena aprofundar? A ideia
    foi justamente dizer que o empreendedor precisa assumir a responsabilidade,
    não apenas “tirar o seu da reta”. Infelizmente coisa muito rara nas
    empresas.

    Sugestões são sempre muito bem-vindas!

    Abraços

  • Pingback: Bom atendimento: Seu cliente merece recomendações, não apenas opções | Saia do Lugar()

  • Andre Villela

    É bom deixar claro que não era atoa que a responsabilidade do “ursinho” mais velho era maior. Além disso, podem ter certeza de que o mais novo também tomou sua bronca.. (porém, a bronca do irmão mais velho é muito mais didática!)
    A idéia é que não adianta você “executar as tarefas que te delegaram”, mas sim entender o objetivo do seu trabalho e alcançá-lo.

    A propósito.. a vida de Papai Urso teria sido muito mais simples se ele conhecesse esse tal 'hth Advanced' da propaganda lá do alto! =)

  • Pingback: Como dar nome a uma empresa: O caso da Empreendemia | Saia do Lugar()

  • Flávio Ricardo

    “A idéia é que não adianta você “executar as tarefas que te delegaram”, mas sim entender o objetivo do seu trabalho e alcançá-lo.”

    A frase comentada pelo André Villela ilustra melhor o conteúdo do post do que o próprio. Sinceramente fica um vago sim nesta história, principalmente pelo Vovô urso se mostrar insatisfeito com um tom arrogante para Bruno e não deixando aquilo como uma lição.

    Essa histório de “tirar o seu da reta” realmente não é a atitude mais correta a se tomar, mas tomar pra si a responsabilidade de outros uma, duas e até três vezes ainda vai, mas sempre se torna massante e ninguém gosta disso.

  • Rodrigo

    Excelente analogia para explicar a mensagem do compromentimento que um empreendedor tem que ter com o negócio.

  • http://www.saiadolugar.com.br Millor Machado

    Valeu Rodrigo!

    Não sei se você chegou a ver, mas nos comentários tem uns debates
    interessantes sobre essa analogia.

    Abraços!

  • Daniel Alencar

    Não é incrível que alguns não tenham entendido, é que a história para alguns acaba sendo vaga mesmo e estão aqui para aprender mais sobre ela.

  • Pingback: O segredo para ser um intraempreendedor | Saia do Lugar()

  • Cristianne

    Achei muito interessante ,pois mostra que podemos fazer muito mais do que somos capazes.

    • http://saiadolugarr.wpengine.com Millor Machado

      Oi Cristianne,

      O objetivo é justamente esse! Mostrar que quando assumimos a
      responsabilidade conseguimos ir muito mais longe.

      Abraços!

    • http://saiadolugarr.wpengine.com Millor Machado

      Oi Cristianne,

      O objetivo é justamente esse! Mostrar que quando assumimos a
      responsabilidade conseguimos ir muito mais longe.

      Abraços!

  • Pingback: Iniciativa Vs Acabativa | Saia do Lugar()

  • http://www.twitter.com/tem_masacabou Rafaelkubitschek

    Essa parábola é muito ruim (para não dizer ridícula).
    Primeiro porque se a mensagem não foi entregue, a culpa é do EMISSOR.
    Segundo cada um tinha sua responsabilidade. a de um era jogar cloro, a do outro era aspirar e GESTOR (vovô urso) deveria SUPERVISIONAR.
    Imagina se o marketeiro de uma empresa não fizer o serviço, será que o gerente de vendas vai fazer? No papel isso é muito bonitinho mas na prática é inaceitável. O papel do zagueiro é DEFENDER, do atacante é FAZER GOLS. Cada um com sua tarefa.
    e por último, o CLORO não limpa a piscina, ele só mata os germes, o que limpa é o FLOCOLANTE.

  • http://twitter.com/danielmuniz daniel

    infelizmente é o tipo de coisa que, se feita constantemente, torna o preguiçoso mais inconsequente e torna o responsável sobrecarregado, cansado e desmotivado.

  • Pingback: Quantos dragões você precisa matar? | Saia do Lugar()

  • José

    As responsabilidades nesses casos deveriam ser encadeadas, com relação de interdependência e prevista a repreenção a quem interrompeu a cadeia lógica. Assim não sobrecarrega ninguém e responsabiliza as pessoas certas pelas falhas. Mesmo assim, sobrecarregar-se pode ser um jeito de se destacar, desde que a empresa disponibilize meios efetivos, ou ao menos vontade de fiscalizar/evidenciar essas situações.

  • Pingback: Como entregar a solução completa para o seu cliente()

  • Pingback: Global Comunic – Comunicação Integrada » Como entregar a solução completa para o seu cliente()

  • Henriuk

     Comprei uma placa mãe VSCOM nessa empresa e eles enviaram uma placa mãe já usado dentro de uma caixa velha de outra placa mãe (Gigabyte) virada ao contrário e colada. Como a caixa era grande a placa veio batendo dentro da caixa!
    Além disso, nem tiveram o cuidade de retirar a folha do RMA que foi feita na placa, ou seja, além de usada, a placa já foi reparada.
    Agora, no anúnico não havia nada descrevendo isso. Eles são uns..[email protected]

  • Pingback: Balão da informática: exemplo de bom atendimento às avessas()

  • Pingback: Para uma melhor reunião, não enrole as pessoas « imobiliariasemgoiania – Imoveis em Goiania,Apartamentos em Goiania()

  • http://www.bon-reductions.fr/ Reduc et bons plans

     isso é totalmente verdade

  • Marcos

    De Marcos.
    Balela de ursinhos! Se o negócio é seu ou se tem algum benefício pessoal envolvido, ainda que o benefício seja agradar outrem, então, faça toda a tarefa.
    Já numa grande empresa em que ha divisão de tarefas, deixe que a bomba exploda, pois, enquanto existir cavalo, São Jorge não anda pé.
    São dois contextos diferentes, portanto, não é possível generalizar.
    Os fundadores da CISCO deram as tripas e o coração no início e no final ficaram bilionários, o que é louvável.
    Há também o caso de funcionário que dá as tripas e o coração e não tem retorno e há caso que acontece coisa pior.
    Enfim, seja disciplinado e trabalhe com sabedoria.
    O Pai urso é que tem de tomar vergonha na cara e disciplinar seu filhos ursos. O controle é um dos princípios da administração.
    Contato: [email protected]