diagnóstico 360º

Diagnóstico 360º: Como essa prática ajuda o seu negócio?

Entenda porque o diagnóstico 360º pode ser uma boa escolha para te ajudar a tomar as melhores decisões! Continue a leitura.

Sabemos que uma empresa é a soma de diversas tarefas, correto? No entanto, quando o assunto é a tomada de decisões estratégicas, essa função fica reservada apenas a liderança.

Esse modo de análise hierarquizado é muito comum e baseia-se apenas na estrutura de poder da empresa. Porém, o diagnóstico 360º vai contra esse modo ultrapassado de liderar. Mais moderno e seguro, esse diagnóstico pode ajudá-lo a tomar melhores decisões, evitando prejuízos e fortalecendo a liderança. Vamos entender como?

Diagnóstico 360º: análise sem hierarquia

Vamos imaginar uma empresa com 50 funcionários. Cabe ao gestor desse negócio o estudo de seus resultados. Esses resultados poderão ajudar-lhe na hora de pensar qual setor da empresa está apresentando indicadores positivos e qual setor será descontinuado.

No entanto, os números podem dar a esse gestor uma leitura errada da situação. Sim, porque tão importante quanto ter acesso a uma informação é saber interpretá-la de forma correta.

Por melhor que seja o gestor, por mais empenhado que ele esteja com a empresa, muitos fatores passarão despercebidos por ele. Vamos a um exemplo:

Uma empresa percebeu que houve um crescimento no número de reclamações com relação à entrega de seus produtos. Essa é uma informação, e com ela o dono da empresa poderá tomar diversas decisões, tais como: punir os entregadores que atrasam, estudar a logística de entrega adotada atualmente, criar um programa de recompensa para os entregadores que não atrasarem etc.

O dono da empresa já está traçando diversas possibilidades de lidar com esse problema. Todas elas baseadas em apenas uma fonte de informação: o cliente que reclamou do atraso na entrega.

Informações ruins dão prejuízos

É importante frisar uma coisa, muito importante quando o assunto é empreender: tudo na sua empresa é um investimento.

Voltando as alternativas do nosso empreendedor fictício, todas as decisões que ele poderá tomar gerarão algum tipo de gasto para a empresa.

Se ele despedir entregadores terá que arcar com os custos de uma indenização — além de gastar com um novo processo seletivo para substituir esse profissional —, um estudo de logística é sempre bem-vindo, no entanto  ele também significa novos custos.

Como vimos, a responsabilidade em cima do dono da empresa é muito grande e, apenas as informações que ele possui não são seguras para que ele tome uma decisão que, se der errado, prejudicará ainda mais a empresa.

Como resolver isso? Simples: perguntando aos motoristas o motivo dos atrasos. É muito fácil para quem desempenha papel de comando em uma empresa perder-se diante de tantas responsabilidades. O ideal é delegar o máximo de tarefas possíveis. O diagnóstico 360º chama a atenção do empreendedor para o seguinte: seus colaboradores são fonte de informação.

Diagnóstico 360º: ouça sua empresa!

Voltando ao nosso exemplo. Ao aplicar um questionário aos motoristas o empresário percebeu uma série de falhas nos processos de sua empresa. O serviço de entregas atrasava porque a produção tinha dificuldades em cumprir os prazos.

Conversando com os líderes de produção descobriu-se que o motivo dos atrasos era a complexidade dos sistemas utilizados. Os colaboradores não conseguiam utilizá-los, isso gerava erros, que por sua vez obrigavam a equipe de produção a começar tudo de novo, até que o produto final estivesse adequado para ser entregue.

Um ponto importante nessa empresa: os líderes de produção não repassaram as informações, porque tinham medo de serem punidos. Por isso, exigiam mais dos colaboradores inexperientes, que estavam esgotados.

No final das contas, todas as alternativas que o chefe estava estudando para resolver o problema não adiantariam, porque o problema não estava com os motoristas. A empresa poderia, inclusive, terceirizar o serviço de entregas que os atrasos persistiriam.

Havia uma falha grave de liderança nos setores.

Acertando no diagnóstico

A palavra diagnóstico é muito usada entre os profissionais da saúde. Isso explica o porquê dessa metodologia se chamar diagnóstico 360º.

Quando um paciente vai ao hospital o médico avalia sua situação usando sua experiência, assim como um empresário que já sabe o que deve fazer, se aquele problema já foi enfrentado anteriormente. Nem sempre essa experiência é suficiente, nesses casos é necessário realizar exames.

No diagnóstico 360º esses exames são questionários aplicados aos colaboradores, das mais diversas áreas, para que assim os executivos do empreendimento possam entender o que está acontecendo.

Diagnóstico 360º: o poder dos questionários

Questionários fazem parte da rotina de muitas empresas. Normalmente são usados para coletar informações do público-alvo de um produto. Desse modo, é possível entender o que está dando certo e errado, realizando modificações e evitando prejuízos.

O diagnóstico 360º se vale dessa premissa. Seu objetivo é coletar informações internamente, mas, além disso, é fazer com que diversos setores colaborem para que um problema da empresa seja resolvido.

Quando a empresa estabelece essa possibilidade no negócio, ela quebra com os equívocos que uma comunicação hierarquizada possui. Muitas vezes o funcionário já identificou um problema nos processos do empreendimento, mas ele não se sente seguro para repassar a informação devido ao seu papel na organização.

O diagnóstico 360º valoriza todas as opiniões, independentemente se vêm de um diretor ou de um estagiário.  Porém, algumas estratégias são tomadas na hora de coletar esses dados, para garantir que serão uteis às metas do negócio.

Diagnóstico 360º: como perguntar ao colaborador?

Resumidamente existem dois tipos de questionários, os abertos e os fechados. O diagnóstico 360º trabalha com questionários fechados, ou seja, oferece-se ao entrevistado algumas alternativas de respostas.

Em um modelo mais simples pode-se oferecer três respostas, como por exemplo: sempre, às vezes e nunca. Se o empresário deseja obter um panorama sobre como os atrasos dos funcionários impacta a produtividade da empresa ele poderia perguntar para os líderes algo como:

Com que frequência se registram atrasos em sua equipe?

( ) sempre ( ) nunca ( ) às vezes

Por outro lado, existe ainda a possibilidade de incluir mais alternativas, dependendo de cada caso.

Deve-se tomar muito cuidado para que a forma com que as perguntas são feitas não induza as respostas. Isso prejudica qualquer questionário, e não é diferente com um desenvolvido para o diagnóstico 360º.

O que avaliar com o diagnóstico 360º?

Normalmente esse diagnóstico tem como objetivo coletar informações sobre o desempenho de profissionais, equipes e processos.

Vamos voltar ao exemplo do início do texto. Nosso empreendedor está disposto a resolver o problema dos atrasos nas estregas e, por isso, resolveu adotar um diagnóstico 360º.

Ele aplicou o seguinte questionário aos trabalhadores da linha de produção:

1. Com que frequência você observa atrasos na finalização dos produtos?

( ) sempre ( ) nunca ( ) às vezes

2. Quando os atrasos ocorrem você comunica seu líder?

(  ) sempre ( ) nunca ( ) às vezes

3. Ao entrar na empresa você recebeu um treinamento de duas horas. Com que frequência as informações dadas, durante o treinamento, são usadas por você em suas tarefas?

( ) sempre ( ) nunca ( ) às vezes

4. Com que frequência você chega atrasado ao seu posto de trabalho?

( ) sempre ( ) nunca ( ) às vezes

5. Quando você reporta ao seu líder algum problema que enfrenta em seu trabalho, com que frequência ele oferece uma solução para a questão?

( ) sempre ( ) nunca ( ) às vezes

Nesse exemplo podemos perceber que o empresário focou em dois processos da empresa: treinamento de funcionários e produção. Além disso, ele quis identificar se os profissionais que desempenham papéis de liderança são aptos para o cargo.

Esse questionário não é fixo, ou seja, não é um modelo obrigatório para usar a ferramenta de diagnóstico 360º. Serve apenas para ilustrar o conceito. O que é importante é que a empresa demonstre capacidade para se auto avaliar.

Diagnóstico 360º: quando fazer?

Normalmente, os empresários recorrem a essa ferramenta quando suas empresas estão enfrentando algum desafio que eles não conseguem identificar a causa. Mas, o diagnóstico 360º pode ser usado além das situações de dificuldades.

Os setores da empresa apresentam resultados que nem sempre são claros. Essa é uma oportunidade para entendê-los de forma geral, dando um giro de 360º e ouvindo a opinião de todos.

Essa ferramenta também pode ser utilizada para desenvolver treinamentos internos. Não são raros os momentos nos quais a empresa realiza reuniões para tratar alguns assuntos que considera importante, mas que na verdade, não fazem parte das preocupações dos funcionários.

Um negócio é um organismo vivo. Mesmo que as metas de vendas estejam sendo alcançadas, mesmo que o lucro esteja dentro da margem projetada, ainda assim é importante atentar-se a todos os outros fatores que formam o empreendimento.

Um problema, por menor que seja, em um processo poderá contaminar toda a empresa. É muito difícil identificar essas situações olhando apenas para um lado, por isso, faça uso do diagnóstico 360º sempre que achar necessário. Transforme os olhos e ouvidos de todos os times da empresa nos seus.

Agora que você já entendeu como o diagnóstico 360 pode ser um forte aliado da sua empresa seu negócio está pronto para a guerrilha. Calma, estamos falando do Marketing de Guerrilha. Descubra tudo sobre essa estratégia vencedora!