como escrever bem

Como escrever bem? Veja as nossas 11 dicas para uma poderosa produção de conteúdo

Veja nesse post, 11 dicas para não ter mais dúvida sobre como escrever bem e ir em busca de transformar o seu negócio em referencia de produção de conteúdo.

Produzir conteúdo vem sendo uma das grandes pautas do presente e, muito provavelmente, continuará sendo do futuro!

A explicação para isso é a atuação do consumidor em sua jornada de compra, que hoje tem condições de pesquisar e se informar de forma cada vez mais precisa sobre qualquer problema ou solução, através da internet, antes de comprar qualquer produto ou serviço.

Por esse motivo, a maioria dos negócios estão utilizando o Marketing Digital e o Marketing de Conteúdo para mostrar que são referência e autoridade em seus respectivos mercados de atuação, atraindo cada vez mais o seu público-alvo, acelerando o seu processo de compra e até, em alguns casos, formando defensores de sua marca com mais facilidade.

Independente se você já está empreendendo ou começando a empreender, o primeiro passo para se dar bem nesse universo é saber como escrever bem.

Podemos garantir que não é nenhum bicho de 7 cabeças, porém exige-se uma dedicação mínima aliada a prática para realizar esse trabalho com excelência e ganhar autoridade.

Nesse post, vamos apresentar 11 dicas para não ter dúvidas sobre como escrever bem em busca de transformar você e o seu negócio como possíveis referências, através da produção de conteúdo. Confira:

1 – Faça da leitura uma prática

Para muitos essa dica parece óbvia, mas nem todos possuem o conhecimento de que ler é uma das coisas essenciais para se escrever bem.

Quem faz da leitura uma prática constante desenvolve a possibilidade de adquirir um vocabulário diversificado, além de um conhecimento cada vez mais profundo das normas gramaticais.

Sendo assim, os adeptos dessa prática terão mais segurança e facilidade para escrever sobre diversos temas e em diferentes estilos de escrita.

2 – Faça uma pesquisa

Pesquisar é começar a produção do seu texto com o pé direito! Afinal, para que o conteúdo seja escrito de forma consistente é preciso ter o mínimo de referências sobre o tema ou assunto.

Caso o tema do texto seja algo que você domine, ainda vale a pena adotar a pesquisa para verificar o que vem sendo escrito sobre ele: o famoso benchmaking.

Dessa forma, é possível entender em quais aspectos você tem a oportunidade de ser melhor para superar os conteúdos já existentes.

Porém, a pesquisa não fica somente nisso, o público-alvo também deve ser pesquisado. A justificativa é simples: Para que você consiga atingir seu objetivo, precisará entender muito bem para quem está escrevendo!

Por isso, fazer um estudo inicial sobre a persona que representa esse público, que vai consumir o conteúdo, é essencial. Tente entender, principalmente, seus objetivos e desafios!

3 – Faça um bom planejamento

Um bom planejamento começa com o estudo do objetivo que aquele conteúdo deverá cumprir.

Dessa maneira, é essencial conhecer a persona, conforme já mencionado na dica anterior, além do bom entendimento da pauta e o estágio do funil de vendas que o texto representa.

Feito isso, é hora de começar a pensar na estrutura do conteúdo.

A dica é não se limitar ao básico (introdução, desenvolvimento e conclusão) e ir além: definir os intertítulos do texto para que você tenha uma noção mais específica do que escrever e que também servirá como guia para a confecção da introdução e conclusão.

Não se esqueça também de planejar o número de palavras que cada bloco e intertítulo do texto deverá ter, pois isso vai ajudar na organização no momento da escrita.

4 – Utilize a técnica do Outline

A técnica do Outline é a grande salvadora da pátria para quem tem o famoso problema de não saber como começar a escrever um texto.

No geral, ela funciona através da criação de um rascunho de como o texto deverá ser através de tópicos previamente definidos.

Complemente isso tirando todas as ideias da sua cabeça referente a cada tópico, é importante evitar o julgamento quanto à estética do conteúdo, lembre-se que é só um rascunho!

Com essa técnica, há um ganho considerável em produtividade, pois ela orienta o foco na produção somente dos tópicos previamente definidos, além do auxílio para que o autor não repita ideias que ele já mencionou em alguma parte anterior do texto.

5 – Fique atento à gramática e ortografia

Já comentamos aqui que grande parte dos objetivos do Marketing de Conteúdo estão conectados em fortalecer a sua autoridade no assunto e te transformar em referência.

Pois bem, você não vai querer desperdiçar todo esse potencial por questões de erros de escrita, não é mesmo?

Portanto, tome muito cuidado com os erros de português que você pode cometer. No início, é bom se prevenir e conferir seu texto cuidadosamente sempre que possível, até porque existem muitas regras na língua portuguesa.

Fique tranquilo, pois com a prática a possibilidade desses erros diminuirão, afinal você estará mais familiarizado com a escrita.

No que diz respeito à gramática, fique atento à concordância, coerência e coesão, que são pontos que irão garantir que as pessoas entendam o seu texto e as ideias que você deseja passar.

É importante também se atentar na escolha das palavras que vai utilizar nas transições entre trechos e parágrafos, nesse caso, busque palavras que suavizem essa transição e não quebrem o sentido do texto.

6 – Utilize Storytelling sempre que possível

A produção de conteúdo vai muito além de simplesmente escrever um texto.

Tenha em mente que seu papel é deixar a leitura o mais agradável possível para o seu público e isso pode ser feito contando uma história através da técnica de storytelling!

Por isso, utilizar essa técnica, quando for adequado, é uma boa estratégia. Uma de suas vantagens é a possibilidade de se conectar pessoalmente com o leitor, estimulando ele a explorar mudanças e descobertas que você está propondo no seu texto.

Além disso tudo, há grandes chances do seu público se identificar com a história, percebendo que há uma empatia por parte de quem escreveu, resultando em uma conquista mais fácil desse leitor que começará a te associar como referência no assunto.

7 – O texto deverá ser fácil de compreender

Escrever bem também é transmitir o objetivo daquele texto da maneira mais simples possível. Isso envolve o quanto o leitor consegue compreender a mensagem que está sendo passada.

Além disso, deve ser levado em conta o fator externo das distrações, que podem ocorrer a qualquer momento, devido à toda dinâmica da própria internet.

Para facilitar, elaboramos uma lista de pontos, relacionados à compreensão do texto, que você deve se atentar:

  • Os intertítulos devem ser claros;
  • Escreva parágrafos e sentenças curtas;
  • Utilizar listas e bullet points ajudam na compreensão;
  • Destaque partes importantes do texto através do negrito;
  • Evite a repetição de palavras em excesso;
  • Vá direto ao ponto e elimine o gerúndio, como por exemplo: “estaremos procurando como resolver seu problema…”;
  • Não seja redundante e prolixo: transmita a sua ideia uma única vez de forma clara e objetiva, sem precisar repeti-la várias vezes;
  • Evite a utilização de palavras complicadas;
  • Cuidado com as siglas e abreviações, pois uma parte dos leitores podem não conhecê-las, então não se esqueça de explicá-las quando for necessário.

8 – Prenda a atenção do leitor e ganhe sua confiança

Na dica anterior, já comentamos sobre a possibilidade do leitor deixar o seu texto devido às distrações que podem aparecer. Por isso, é essencial buscar ganhar a sua atenção do início ao fim.

Isso pode ser feito desde o momento da introdução, mostrando todo o valor do texto e capturando-o já na primeira oportunidade.

Um bom exemplo é já falar do problema que você se propõe a ajudá-lo a resolver. Dessa maneira, seu próximo desafio será mantê-lo interessado no texto, com o objetivo de ganhar sua confiança pouco a pouco.

Matar possíveis objeções com argumentos sólidos é uma prática que também pode te ajudar. Junte isso ao uso de palavras persuasivas, que podem mexer com o leitor, deixando-o cada vez mais interessado. Exemplos dessas palavras podem ser: “você”, “porque” e “aqui”.

Por fim, quando quiser reforçar um ponto de vista, faça um bom uso da repetição de sentenças, mas cuidado para não ser redundante.

Quer aprender a atenção do seu leitor? Recomendamos este post!

9 – Utilize o recurso das figuras de linguagem

Utilizar metáforas, comparações e analogias podem te dar um alto poder de transmissão de ideias e facilitar a compreensão do seu texto. Essas figuras de linguagem ajudam a deixar qualquer ideia mais fácil de compreender, ilustrando bem a situação.

Em suma, o recurso da figura de linguagem existe para que você consiga deixar mais claro um certo ponto de vista. Mas tome cuidado, pois a sua má utilização pode gerar confusão em seu leitor.

É indicado que você utilize isso sempre que perceber que o texto está ficando complicado de entender, ou também quando o fluxo de apresentação de ideias não está ocorrendo de forma natural.

10 – Utilize bem o recurso da call-to-action

A call-to-action nada mais é do que uma chamada para ação que deve vir, preferencialmente, no final do texto. Basicamente, ela representa o que você deseja que o leitor faça após ler o seu texto.

Portanto, para que o leitor cumpra esse seu desejo, ou o seu objetivo, com essa chamada, ela precisará estar bem clara, evitando que seja passada despercebida.

Uma prática comum é aproveitar esse momento para levar o leitor para a próxima etapa da jornada de compra.

Na prática, isso pode ser feito convidando-o para ler outro post, baixar algum material rico que você produziu, se inscrever em sua newsletter ou até mesmo deixando um comentário no post, então avalie bem qual seria esse próximo passo ao fim do texto e transmita com clareza!

11 – Revisão: desapegue e depois volte!

A revisão é sem dúvida a etapa mais importante na finalização do seu texto, e por mais que você tenha escrito com o maior cuidado e atenção, na maioria dos casos, alguma inconsistência pode aparecer em seu texto, seja ela gramatical, ortográfica ou até mesmo em relação ao conteúdo.

Porém, o grande segredo aqui é não revisar logo em seguida que você acabou o texto. Nesse caso, a regra do desapego faz muito sentido.

Como você passou um bom tempo concentrado na produção do texto, é preciso que seja dado um tempo para que o seu cérebro se desvincule dele para que a revisão seja feita da forma mais adequada e completa.

Caso você faça a revisão logo em seguida da produção do texto, dificilmente encontrará algo a ser melhorado, diminuindo a possibilidade de correções focadas na qualidade do conteúdo. O ideal é revisar após algumas horas ou até dias.

O importante é você começar por essas dicas e entender que saber como escrever bem vai além delas.

Escrever bem está associado também à sua prática aplicada no dia a dia, que contribuirá para que o seu conteúdo seja melhor a cada novo texto.

Gostou desse post? Então deixe o seu cometário e leia também sobre Identidade visual para empresa: o RG do seu negócio!