Rotatividade de pessoal: homem triste por ser demitidoPara que uma estratégia de Inbound Marketing seja eficaz, é fundamental usar campanhas de e-mail marketing. É através desse canal que você vai se aproximar ainda mais do seu cliente e alimentá-lo com informações relevantes sobre sua empresa. E para garantir a eficácia da sua campanha, saber mensurá-la é indispensável!

">

Como diminuir a rotatividade de pessoal nas empresas e reter talentos da inovadora Geração Y

Dicas sobre como reduzir a rotatividade na sua empresa e motivar as pessoas da sua equipe

Empresas de todo mundo estão lidando com a taxa cada vez mais alta de Turnover, ou seja, o índice de rotatividade de profissionais na empresa.

A maioria das empresas, desde as mais engessadas e tradicionais, até mesmo organizações com modelos de negócio mais atuais, estão passando por um processo de mudanças, se flexibilizando e tomando medidas cada vez mais criativas e inovadoras para a retenção de talentos.

Acostumadas com a geração dos baby boomers, aqueles profissionais que, muitas vezes permanecem na empresa, do início da carreira até sua aposentadoria, as organizações têm sido pressionadas a mudar o paradigma tradicional que mantinham. Toda essa mudança rápida e desruptiva tem como principais responsáveis os, cada vez mais exigentes, Millennials ou Geração Y

Quem é a Geração Y

Nascidos entre 1977 e 1997, a Geração Y é conhecida pela revolução silenciosa, diferente da revolução dos anos 60 e 70, mas com poder suficiente para mudar drasticamente todo o status quo de um sistema que já sabem estar defasado.

“Tudo é possível para esses jovens” e, de acordo com o professor de comportamento humano da Fundação Dom Cabral, Anderson Sant’Anna, “eles querem dar sentido a vida, e rápido, enquanto fazem outras dez coisas ao mesmo tempo”.

Outro fator importante é a autorrealização. O que era apenas um conceito, esta se tornando realidade com esses jovens. Se questionam o que é a realização pessoal e profissional levando, não só as empresas, mas toda uma sociedade a um novo estágio, diferente do que todos estão acostumados.

Eles são movidos por estímulos e atividades cada vez mais desafiadores. São ambiciosos e querem crescer rápido. Precisam de feedback honesto constante e, por serem aversos a hierarquias, evitam patrões. Buscam um líder, um mentor, que direciona para o caminho mais rápido de crescimento e desenvolvimento, tanto profissional quanto pessoal, aliado a uma certa autonomia e flexibilidade na execução de suas tarefas.

Turnover e a Geração Y

Apesar de todo o empenho em reterem o profissional na empresa, o Turnover continua um desafio para as organizações. Isso se deve pelos altos custos gerados pela rotatividade, como por exemplo, custo para contratar novos funcionários, custo de treinamento, custo de desligamento da empresa e etc.

Todos esses fatores se tornam exponenciais se a ocorrência dessa rotatividade for constante, podendo impactar a médio e longo prazo a sustentabilidade da organização.

Por isso existe uma preocupação por parte dos gestores e departamento de RH, que justificam a desconfiança na contratação dos profissionais da Geração Y. Acreditam que um dos fatores principais do alto índice de Turnover são esses jovens Y, julgam serem:

  • Superficiais;
  • Ansiosos por crescimento rápido; 
  • Desconsideram a hierarquia; 
  • Sem comprometimento e lealdade com a empresa; entre outras criticas nada favoráveis e compatíveis com a configuração da corporação.

Na verdade, a empresa desconsidera que o maior erro é, muitas vezes, a morosidade na atualização das diretrizes e processos internos, para se adaptar a este novo panorama.

Precisam entender que é uma mudança que veio para ficar.     

Geração Y: se adapte a Ela

Nos Estados Unidos mais de 75 milhões de americanos representam a Geração Y e, de acordo com a Harvard Business Review em 4 anos irão representar quase metade da força de trabalho mundial. Em algumas empresas, essa geração já é a maioria.

No entanto, todo esse panorama não é tão assustador quanto parece. Existe um padrão de comportamento desses novos profissionais que mostram que as suas expectativas não são tão exageradas como julgam.

É fundamental para as empresas conhecerem esses padrões para que possam avaliar as ações a serem tomadas a fim de lidarem com esses profissionais e consequentemente reter-los, criando engajamento com a empresa.  

Por que as empresas não precisam temer a Geração Y?

Os Millennials, como também é chamada a Geração Y são, constantemente, alvos de julgamentos equivocados. E, muitos desses julgamentos perderam a veracidade, como por exemplo a critica sobre ser infiel à empresa.

É preciso olhar sob uma outra perspectiva, porque o paradigma mudou. Nas gerações anteriores como os baby boomers, os profissionais eram extremamente leais as empresas, os Mellennials esperam que as empresas sejam leais a eles e trabalhem de acordo com suas expectativas.

Veja a seguir algumas vantagens que essa geração oferece e como pode ser interessante para inclusive, agregar valor a equipe:

  1. Desafiam constantemente o Status Quo: o que é essencial  para a inovação dentro das empresas. Estão sempre questionando e buscando por mudanças, o que é de extrema importância em um ambiente de negócios cada vez mais competitivo e dinâmico. 
  2. Não buscam apenas por remuneração: entender esse principio que é um dos maiores motivadores dessa geração é imperativo. Millennials buscam qualidade de vida, querem flexibilidade e não se importam em ganhar menos para ganharem tempo na vida pessoal. 
  3. Eles querem sempre fazer a diferença: se envolvem com o trabalho rapidamente, identificam seus desafios e querem mostrar resultados o quanto antes para fazer a diferença. 
  4. São extremamente bem informados: filhos da Era da Informação, estão desde sempre conectados com na internet, com pessoas, ideias, informações variadas sobre todos os assuntos. É importante saber lidar com toda essa informação, para se ter acesso a todo esse conhecimento. Por isso a importância de uma mentoria. 
  5. São adeptos ao trabalho colaborativo: não gostam de hierarquia, preferem um modelo que todos participem e trabalhem em conjunto para atingir o resultado final. Esse modelo é muito importante para as empresas, considerando que a tendência será trabalhar como uma rede. 
  6. Tem o trabalho como parte de suas identidades pessoais: não trabalham para se sustentarem, o trabalho dá significado em suas vidas, por isso precisam estar alinhados com seus objetivos e crenças pessoais.  

Como evitar a rotatividade de Profissionais Y

É importante estar atento aos principais fatores que geram esse alto índice de Turnover da Geração Y. E principalmente, estar aberto e ser rápido nas mudanças necessárias, que como já foi comentado é imprescindível para manter esse profissional.

Segue abaixo alguns fatores a serem levados em consideração pelas empresas, a fim de conseguirem engajar esses jovens talentos e evitar os altos custos do Turnover:

  • É preciso estimular a proatividade, para aproveitar ao máximo a capacidade desses profissionais. Eles precisam sentir que sua opinião é importante para a empresa.
  • É importante ter em mente que a Geração Y tem a qualidade de vida como objetivo principal, sendo assim a remuneração não é o fator mais importante a ser considerado pelas empresas. Por isso, pensar planos de  remuneração variados, flexibilidade de horários, pensar sempre em melhorar a qualidade de vida desse jovem profissional. Lembre-se que que para eles a vida profissional e pessoal se misturam.
  • Oferecer oportunidades que criem impacto. Lembre-se que esse profissional tem “sede” por experiências que ofereçam aprendizado e crescimento profissional. Eles demandam  desafios constantes.
  • Estabeleça objetivos de curto prazo. Tenha em mente que esse profissional precisa ver que está tendo progresso na empresa. Por isso, feedback honesto e constante é essencial para mantê-lo inspirado.
  • Quanto mais desafios para os Millennials mais engajado ele será na empresa. É importante frisar que ele entende que esses desafios podem gerar impacto na organização, ele entende isso como desenvolvimento pessoal, precisam se superar e provar que são capazes. E não há motivação melhor.
  • Outro fator chave é criar uma estrutura que permita a conectividade entre os profissionais dentro da empresa. Existem várias opções de ferramentas digitais que viabilizam essa conexão. Para eles o trabalho é colaborativo e seu desenvolvimento orgânico, todos participam do processo até o final. Eles esperam que a comunicação seja aberta, precisam de liberdade para opinar e expor suas ideias, visando sempre o desenvolvimento e crescimento profissional.
  • Um outro fator de extrema importância e que já foi citado é: sabendo que eles não lidam muito bem com hierarquia, tenham sempre em mente que o que eles querem são líderes em  quem  possam confiar e se inspirar. Eles querem mentoria, ou seja, que esses líderes em quem tanto confiam sejam coachings que irão orientá-los para o caminho do desenvolvimento e realização, profissional e pessoal.
  • Esses profissionais criaram uma consciência coletiva, sendo assim, buscam maneiras de fazer parte e se engajar em causas sociais.
    É importante que a empresa tenha essa consciência e responsabilidade social, e que esses profissionais tenham oportunidades de fazer trabalhos voluntários, doações, participar de causas. Essa consciência social irá engajá-los com a empresa por estar de acordo com suas expectativas e por ter um forte significado para seus valores.

Toda essa explosão de avanços tecnológicos se iniciaram à relativamente poucas décadas atrás, o crescimento dessa expansão é exponencial e em contínua evolução. Ela tem o poder de mudar muito a vida das pessoas, influenciando novos comportamentos, criando novas tendências e claro, impactando profundamente o ambiente de negócios.  

É preciso levar em consideração que esses jovens ousados e considerados individualistas da Geração Y, da Internet ou Millennials, não estão causando um problema de rotatividade para as empresas, estão conduzindo as organizações para o caminho do futuro. Estão orientando as ações das organizações para não se tornarem obsoletas frente as rápidas mudanças que os tempos modernos e inovadores trazem.

Esses jovens de hoje, serão os líderes da sua empresa amanhã, e irão lidar com outras mudanças de paradigmas. Talvez por não se permitirem engessar e por buscarem constantemente desenvolvimento, crescimento e superação, eles sejam os líderes mais bem preparados e que melhor irão se adaptar as rápidas mudanças.

Por isso a importância de se repensar as diretrizes da empresa e, entender que, se adaptar a este novo contexto desses jovens profissionais não é mais uma opção, é indispensável.

Com o avanço da tecnologia e na revolução das gerações também vem acontecendo as crises nas organizações que não se dispõem a mudar e se adaptar, e nós te contamos tudo neste post aqui, não deixe de conferir!