Como começar a empreender sem uma ideia de negócio inédita

Como começar a empreender sem uma ideia de negócio inédita

3 modelos para você empreender mesmo sem aquela ideia de negócio “fenomenal”

Eu não tive aquela ideia de negócio ainda, sabe?

Sei. E sei também que essa é a desculpa que eu mais ouço de pessoas que dizem querer empreender, mas que ainda não botaram a mão na massa.

Se você realmente quer empreender, aqui vão 3 dicas de formato para você pular o momento “Eureka!” e sair do lugar:

1- Consultoria

O trabalho de consultoria varia muito de setor para setor – em alguns é mais estratégico e ligado a planejamentos, em outros puxa bastante o lado prático e aplicações.

Para quem já teve uma experiência relevante (seja por ter trabalhado ou estudado extensivamente), com certeza consultoria é uma ótima opção.

Ao mesmo tempo em que você entrega valor para o cliente, você faz novos contatos e consegue aplicar na prática novos conceitos e ideias. É um trabalho bastante desafiante, já que a cada cliente você encontra um novo cenário, com novas pessoas e novos problemas para resolver.

Para botar em prática, nada melhor do que algumas conversas com pessoas ou empresas chaves desse mercado – não é a melhor pesquisa de mercado do mundo, mas a partir disso você com certeza já pode conseguir seus primeiros clientes de consultoria.

Vantagem: por ser prestação de serviço, o custo fixo pode ser baixíssimo. Desvantagem: criar credibilidade no mercado e as metodologias de análise e aplicação da consultoria do zero.

Pré-requisito: experiência/conhecer bem a área na qual oferecerá consultoria.

2- Representação comercial

Se o mercado pelo qual você se interessa envolve compra e venda de produtos ou insumos, com certeza ser um representante comercial faz bastante sentido.

Esse é um trabalho de vendas e relacionamento muito intenso, já que você depende de ter um bom fornecedor e, claro, criar uma boa carteira de clientes.

Vantagens: estabelecimento de contatos e possibilidade de trabalho sem uma equipe. Desvantagens: dependência de um (ou poucos) fornecedores e remuneração extremamente variável.

Pré-requisito: apesar de não ser necessário ser um expert na área, é preciso um mínimo de conhecimento e um bom tino comercial.

3- Licenciamento de marca

O grande problema das duas primeiras opções é ter que começar literalmente do zero, o que traz um grande risco para o empreendedor.

Para minimizar esse risco, o licenciamento de marca se apresenta como uma ótima opção, já que traz não só uma marca estabelecida, como também os processos e modelos testados – aqui você venderá produtos ou serviços já conhecidos no mercado de uma maneira estruturada.

Além disso, Licenciadoras normalmente oferecem treinamentos profundos sobre o produto/serviço ofertado, fazendo com que você não tenha ser um mega-especialista para poder atuar no ramo.

Se você quiser ver mais informações sobre como funcionam licenciamentos, recomendo bastante o ebook “Licenciamento: alto retorno com baixo risco” – para baixá-lo gratuitamente, é só clicar aqui.

ebook-licenciamento-blog

O ebook foi produzido pela Templum, a maior empresa de consultoria online do Brasil, que hoje conta com um 12 licenciados em todo o país e está procurando novos. Se quiser conhecer como funciona ou entrar em contato, é só clicar aqui.

Conclusão

Para empreendedores de 1ª viagem, esses formatos são não só uma boa alternativa, como ideias: apresentam riscos menores e ótimas oportunidades de aprendizado e até retorno financeiro.

Se você já “ouviu o chamado” e quer de fato empreender, não adianta ficar esperando o momento ideal – se você for esperar todos os sinais ficarem verdes para sair de casa, você nunca sairá.

Abraços,
Luiz Piovesana (revelando aqui que a primeira nota fiscal da Empreendemia foi através de uma consultoria – lá em 2009)

Obs.: Esse artigo foi patrocinado pela Templum. Isso significa que os recomendamos como referência, mas não há influência em nossa linha editorial nem nossa opinião.

Confira como trabalhamos com artigos patrocinados no post Conteúdo útil para empreendedores em primeiro lugar.

p.S.: Créditos da imagem Shutterstock