ciclo de vida de um produto

Saiba qual a hora certa de inovar seu ciclo de vida de um produto (CVP)

Um bom empreendedor deve estar atendo às novidades! Vamos falar sobre o ciclo de vida de um produto para te ajudar a entender a hora certa de inovar.

Se fosse recebesse o convite para ser sócio em um empreendimento de moda o que você faria? Difícil tomar uma decisão dessas sem muitas informações, não é mesmo? E se o principal produto dessa empresa de moda fosse a confecção de pochetes? Parece ser um bom negócio?

ciclo de vida de um produto

Se você respondeu não, isso significa que você já tem uma ideia sobre o tema deste artigo: ciclo de vida de um produto.

O que é ciclo de vida de um produto?

Bem, os produtos também têm um ciclo de vida, o que significa que, dependendo do produto, sua produção deixa de ser vantajosa – como se o interesse do consumidor para com ele morresse.

Esse tipo de situação costuma ser bastante prejudicial para empresas que oferecem apenas um tipo de produto – ou serviço – por isso é muito importante que empreendedor esteja atendo não só aos números relacionados à sua empresa, mas, também, ao mercado como um todo.

O avanço tecnológico traz ao consumidor novas formas de se expressar e lidar com suas necessidades de consumo, algumas, inclusive, nem eram conhecidas.

Por isso o empreendedor deve estar atendo às novidades, mesmo que não deseje incorporá-las imediatamente, pois elas podem indicar o futuro do seu mercado de atuação.

Vamos pegar como exemplo o segmento fonográfico, afinal, ele passou por imensas transformações nos últimos anos.

As fábricas de discos de vinil tinham contratos com as gravadoras, pois essa tecnologia era a mais popular para o consumo de músicas. No entanto, esse mercado foi rapidamente engolido pelo consumo de músicas por CD’s – que o dominou por boa parte dos anos 90 e começo dos anos 2000 – que, por sua vez, perdeu relevância para as plataformas de consumo on-line, como o Itunes e o Spotify.

Olhando para o passado podemos ficar surpresos ao perceber que muitos empresários não previram essas mudanças no comportamento do consumidor. Imagine se a mesma empresa tivesse investido nas novidades de mercado?

A questão é que, muitas vezes, o empresário não consegue entender o ciclo de vida do seu produto.

As diferentes fases da vida do produto

Introdução

É chamada de introdução a primeira fase do ciclo de vida do produto. Nessa fase o produto é uma novidade, por isso, apesar de grandes investimentos realizados para torná-lo conhecido pelo cliente, não existe uma pressão para que traga retorno imediato.

O objetivo é fazer com que o público-alvo tome conhecimento de sua existência.

Crescimento

São identificados produtos semelhantes, de empresas concorrentes. Agora existe uma disputa por mercado, por isso, o investimento em publicidade pode crescer, assim como empresas concorrentes se fundirem ou comprarem umas às outras.

O objetivo é garantir uma fatia do mercado.

Maturidade

O consumidor já conhece as principais marcas que atuam nesse segmento, possivelmente já tem uma predileta, o que faz com que produtos com baixa margem de venda deixem as prateleiras.

O mercado encontra-se saturado, não havendo espaço para que novas empresas arrisquem-se lançando produtos nesse segmento.

Pode existir uma competição pautada por preços mais competitivos, a fim de conquistar uma fatia ainda maior de vendas, mas isso, apenas, entre as marcas que já estão consolidadas no segmento.

Declínio

Algo mudou no mercado. O produto pode ter ficado obsoleto devido a avanços tecnológicos, ou uma empresa concorrente pode ter crescido de forma exponencial, tornando-se líder absoluta de vendas – o que fez que com que a margem de venda dos produtos concorrentes, ainda que com mais tempo de mercado, caísse muito.

Nesse caso a empresa tomará medidas para reverter essa situação, por exemplo descontinuar o produto e investir em algo novo, ou tentar renovar o produto antigo.

O ciclo de vida de um produto é um aliado

Os empresários não devem ver o ciclo de vida do produto como um inimigo que conta no relógio por quanto tempo sua empresa será relevante, mas como um alerta de que as coisas estão mudando, e que novas oportunidades estão surgindo.

Vamos pegar o exemplo das lojas de varejo, que tinham nas vendas físicas a maior parte de suas receitas. Grande parte das empresas que atuam nesse segmento percebeu que o e-commerce era uma realidade, e que ignorá-lo significaria perder vendas, o que poderia desvalorizar suas marcas.

Hoje as grandes redes investem pesado no comércio online, possuindo aplicativos para smartphone, além de canais de comunicação adaptados para o ambiente digital.

Um outro exemplo foi o setor de Táxis que enfrenta o maior desafio de sua história: o Uber.

O Uber demonstrou que o consumidor queria usar um serviço de transporte alternativo ao transporte coletivo, mas que o preço praticado pelos taxistas era muito alto.

Além disso, uma parcela do público-alvo do Uber não tinha o hábito de telefonar para centrais de rádio táxi, pois faz parte de uma geração que interage pelo ambiente digital, e telefonar é um comportamento mais analógico.

Quanta informação as empresas de táxi conseguiram graças à inovação trazida pelo Uber. Algumas já possuem aplicativos para celular e já estão cientes que alguns hábitos de consumo mudaram – como a preferência do cliente em pagar as corridas com cartões de crédito/débito.

Em resumo

O ciclo de vida de um produto é um fenômeno natural, que ocorrerá com qualquer produto, independentemente do segmento, conforme os avanços tecnológicos aperfeiçoam os produtos existentes e alteram o comportamento de compra do consumidor.

Em alguns segmentos ele pode ocorrer com maior – ou menor – velocidade, no entanto, todo empreendedor deve acompanhar as mudanças mercadológicas para saber em que estágio do ciclo seu produto está.

Ter acesso a essa informação ajudará a empresa a tomar melhores decisões de marketing, por exemplo.

Indicadores de venda não devem ser usados como únicos parâmetros para determinar o ciclo de vida de um produto, afinal, retrações em determinados mercados podem ocorrer por diversos motivos, como a sazonalidade, por exemplo – é natural que uma fábrica de picolés experimente queda em suas vendas no inverno, não é mesmo? Isso significa que as pessoas acham o picolé um alimento ultrapassado?

Outra dica valiosa é conhecer a Matriz BCG, uma avaliação que pode ajudar o empresário a tomar decisões estratégicas com relação a um produto.