Será que ainda vale a pena participar do Black Friday?O consumo se torna cada vez mais complexo com o passar do tempo. Você, como empreendedor, deve acompanhar cada mudança e ajudar a fazer a experiência do seu público-alvo a melhor possível.

">

Será que ainda vale a pena participar do Black Friday?

PROMOÇÃO! DESCONTO! OFERTA! %OFF! Essas expressões chamam a atenção de muita gente, e por isso são muito utilizadas para atrair consumidores pelas empresas, mesmo quando esses descontos não são lá tão significativos.

PROMOÇÃO! DESCONTO! OFERTA! %OFF! Essas expressões chamam a atenção de muita gente, e por isso são muito utilizadas para atrair consumidores pelas empresas, mesmo quando esses descontos não são lá tão significativos.

Mas quem não gosta de uma promoção? A ideia de realizar uma compra pagando menos do que o esperado é maravilhosa. E muitos consumidores condicionam as suas compras a períodos de promoção: após o natal, troca de estação ou coleção e, é claro, o Black Friday!

Saiba mais sobre esse evento mundial e entenda como participar dele, seja comprando ou ofertando seus produtos.

O que é o Black Friday

O Black Friday é um dia global de descontos! Inúmeras lojas de todos os setores e de vários países participam colocando produtos em oferta, em tese, com descontos inacreditáveis.

Isso faz com que muitos consumidores se programem, planejem, esperarem e até separarem uma quantia em dinheiro específica só para a data. É a hora de comprar aquele bem de consumo dos sonhos, que não necessariamente é uma necessidade, mas sim um desejo.

Por tudo isso, nesse dia, a internet vai ao delírio: embora também seja aderido por lojas físicas, o maior volume de compra acaba sendo pela internet, principalmente pela facilidade.

Afinal, nem todo mundo está disponível em plena sexta-feira para ir até uma loja pesquisar descontos em produtos. Com isso, muitos sites chegam a cair ou ficar fora do ar por horas devido ao número de acessos simultâneos.

Como Surgiu

Existem várias teorias a respeito do primeiro Black Friday. Embora não exista um consenso nem uma data exata em que ele tenha acontecido, a maioria das versões gira em torno desse fato: no dia após o dia de Ação de Graças nos Estados Unidos, que acontece na 4ª quinta-feira de novembro, muitas pessoas iam às compras.

E o grande volume de carros e pessoas nas ruas fazia com que os policiais americanos chamassem a data de “Sexta-Feira Negra”, o que teria dado origem ao nome para o evento, “Black Friday”.

É que, para os lojistas e americanos, essa era a data em que as pessoas começavam a realizar as compras de Natal, aproveitando o feriado de Ação de Graças, e por isso o volume no comércio era tão grande.

Se aproveitando disso, muitas lojas, para dar um passo à frente da concorrência, acabavam realizando grandes promoções. E, embora o costume seja muito antigo, só em 2001 o nome oficialmente se tornou o maior dia de compras do ano para os americanos, e começou a ser exportado para outros países, que não necessariamente realizavam-no na mesma data.

Nos Estados Unidos…

Nos Estados Unidos, onde essa mania começou e se tornou oficial, o Black Friday realmente leva as pessoas à loucura. Milhares de americanos saem às ruas, lotam as portas das lojas mesmo horas antes de elas serem abertas, exclusivamente para aproveitar os descontos da data.

Por todos esses motivos, e como você pôde ver, o Black Friday americano realmente faz jus ao nome: milhares de pessoas atrás de produtos com descontos que podem chegar a 90%!

Existem até estudos que tentam entender o que acontece com a mente dos americanos que faz com que eles se desesperem e comprem tanto na data! Segundo uma pesquisa de dois professores da Universidade da Carolina do Sul, metade dos americanos realizam compras no Black Friday. E isso não é pouca gente!

Eles ainda comprovam que existem fatores além dos delírios de consumo que motivam esse grande número de pessoas a fazer loucuras para participar do evento e conseguir os seus produtos dos sonhos, muitos desses motivos relacionados à ativação dos gatilhos mentais, pela tradição em si e por gostarem muito da competitividade inerente ao evento.

Já no Brasil…

Por aqui, o Black Friday é bem diferente, e por vários motivos: primeiro, pela própria falta de tradição dos brasileiros em aderir a data, apesar que a cada ano ele ganha mais força e mais atenção, inclusive da mídia.

Mas o segundo motivo é o mais preocupante, e merece nossa atenção: no Brasil, o Black Friday é encarado como uma farsa. E esse sentimento não é exclusivamente dos compradores.

A revista Forbes (isso, mesmo, a Forbes!) lançou uma matéria em 2013 que chama o Black Friday brasileiro de uma farsa.

black friday

“Nos Estados Unidos, o Black Friday é sobre ofertas. No Brasil, Black Friday é sobre fraude”

Assustador, não é? E por isso a data virou para muitos brasileiros motivo de brincadeiras e ironizações, que são compartilhadas com os amigos em redes sociais.

black friday

black friday

E isso é um problema muito grave! Infelizmente, no lugar de se tornar uma excelente alternativa de aumentar as vendas e gerar o hábito do mercado em relação a data, a adoção brasileira do fenômeno acabou não agradando justamente por um comportamento das marcas.

Os principais motivos para isso são:

  • Enquanto nos Estados Unidos todos os tipos de produtos e marcas participam das ofertas, no Brasil geralmente entram os produtos que não são tão desejados pelos compradores.
  • As lojas no Brasil prometem descontos de até 90% e, de fato, eles costumam ser em sua maioria muito inferiores a esse percentual.
  • Muitos descontos não são exclusivos da data, e sim são vistos inúmeras vezes no ano e apenas “reunidos” no dia do evento para passar a sensação de grande promoção. Por isso, acaba sendo mais um dia qualquer.

Pela percepção da mídia e dos próprios consumidores a respeito desses problemas, as empresas do país tem mudado sua relação com o evento e a cada ano se mostram mais dispostas a realmente oferecer descontos significativos.

Isso tem gerado uma maturidade maior dos brasileiros com relação ao evento e, aos poucos, as pessoas têm estado mais dispostas a, no mínimo, pesquisar sobre seus produtos de interesse na data e compartilhar as percepções positivas com os amigos.

Então por que eu devo participar do Black Friday?

Simples: por que você pode fazer diferente e, além de mudar a concepção das pessoas sobre a data e passar uma boa impressão sobre sua empresa, diferente do que possivelmente seus concorrentes estão fazendo, você ainda terá ótimas oportunidades de gerar boas vendas!

Pense que, como no Brasil o Black Friday acontece simultaneamente ao americano, é realmente um excelente momento para vendas: 13º salários chegando no bolso dos consumidores e véspera de Natal.

Você estará, com isso, motivando seus clientes e possíveis clientes a realizar compras com você em um momento oportuno para eles, e ao mesmo tempo os ajudando a realizar boas compras, com preços que não são só atrativos, mas também honestos.

Isso porque, é claro, você não deve passar dos seus limites e terminar a sexta-feira no prejuízo. Mas planejar, estruturar e calcular os valores do seu produto entendendo que mais que o lucro sobre eles, você estará ganhando no volume de compras.

E, se você deseja comprar no Black Friday, com o passar dos anos, as marcas estão dando mais atenção a proposta do evento e algumas estão realmente se destacando.

Por isso, vale a pena dar uma pesquisada e ficar atento ao movimento nas redes sociais, onde as pessoas costumam compartilhar suas experiências de compra na data, e quem sabe você não consiga encontrar produtos com descontos significativos de verdade?

Como participar

O Black Friday, no Brasil, acontece sempre na última sexta-feira de novembro, assim como o americano, logo após o feriado de Ação de Graças.

E para aderir, basicamente você só precisa se planejar, organizar uma campanha para que as pessoas saibam da sua participação, e se programar, tanto em relação aos descontos quanto ao atendimento.

Divulgue nas redes sociais, enive emails para a sua base de contatos, mude a cara do seu e-commerce e faça tudo o que estiver ao seu alcance para que as pessoas criem uma expectativa a respeito da sua participação!

Muitas pessoas reclamam que os sites não suportam o volume de acessos da data. Por isso é bom estar preparado para evitar que isso aconteça e que seus clientes tenham uma experiência ruim.

Fora isso, existe um portal de descontos, o Busca de Descontos que são portadores do site www.blackfriday.com.br e ajudam a promover o Black Friday no Brasil. Por isso é interessante entrar em contato e informar que o seu e-commerce aderiu ao evento, para aumentar a sua visibilidade.

Para este ano, eles chegaram a lançar um “robô” na página do Black Friday Brasil no Facebook que vai avisar aos consumidores sobre as ofertas que legitimamente fazem jus ao evento, o que mostra uma preocupação e ao mesmo tempo uma mudança na mentalidade das empresas a respeito da data.

Conclusão

O Black Friday está se tornando ótima oportunidade tanto para as marcas aumentarem as vendas e ganharem credibilidade, quanto para os consumidores, que estão adquirindo o hábito de aderir ao evento e também têm a oportunidade de realizar boas compras.

Por isso, fique atento quanto a data nacional e participe de maneira a realmente impactar os seus clientes, tanto em relação aos preços quanto a honestidade em relação aos descontos.

E para quem quer comprar, pesquise e não se sinta inibido de compartilhar com os amigos boas experiências de compra, para incentivar as empresas a não só aderir ao Black Friday, mas também a apresentarem descontos realmente significativos e interessantes.

Então, resolveu participar do Black Friday e quer que seus potenciais clientes saibam disso? Aprenda a criar Campanhas Criativas para atrair ainda mais a atenção do seu público lendo este post!

  • Donovan Drake

    Para seu conhecimento, a Black Friday começou com a venda de escravos na América por poucas moedas, para se livrarem do excesso de contigente em suas fazendas. Saiba mais procurando Naruhodo, podcast da família B9. Abraços

    • Laís Bolina

      Olá Donovan.
      Tudo bem?
      Como eu havia dito, existem várias teorias a respeito disso.
      Mas muito obrigada pelo comentário!
      Vou fazer uma pesquisa com essa sua referência.

      Um abraço!
      🙂