benchmarking: cidade vista de cima.

O que é Benchmarking e como fazer?

Neste post vamos abordar o conceito de Benchmarking, um dos processos mais completos para o planejamento estratégico empresarial.

Todo mundo que sonha em abrir o próprio negócio ou que já tem uma empresa ativa no mercado possivelmente já deve ter ouvido falar sobre a importância de analisar a concorrência.

De fato, compreender o mercado e estudar as melhores práticas de companhias bem-sucedidas em seu segmento é uma atitude fundamental para quem almeja criar diferenciais competitivos e alcançar o sucesso no universo empreendedor.

Todavia, para que um estudo da concorrência seja realizado de modo eficiente, é necessário que haja uma metodologia estratégica.

Levando isso em conta, no artigo de hoje nós vamos abordar o conceito de Benchmarking, um dos processos mais completos para o planejamento estratégico empresarial e análise comparativa de produtos e serviços.

Você conhecerá as principais etapas de implementação do Benchmarking e como poderá aplicar esta técnica no cotidiano de seu empreendimento. Vamos começar?

Definindo o conceito de Benchmarking

Empreender é uma tarefa desafiadora.

Um negócio não se torna um mar de eficiência da noite para o dia. Por isso mesmo, é natural que empreendedores interessados em implementar um processo de melhoria contínua voltem os olhos para companhias concorrentes mais bem estruturadas, visando entender seus pontos fortes, quais as estratégias que vem sendo utilizadas para seu crescimento e quais são os diferenciais de seus produtos ou serviços.

Para adentrarmos mais profundamente neste assunto, vamos supor que você queira abrir um restaurante.

Na hora de definir seu objetivo central, ou seja, aquilo que você deseja alcançar em sua trajetória empreendedora, o que você prefere ter em mente: um estabelecimento bem movimentado, com um público fiel e um bom posicionamento no mercado ou um restaurante que mal consegue se manter funcionando? Claro que a primeira opção, certo? O Benchmarking é justamente a ferramenta que vai te ajudar a atingir este objetivo.

O conceito de Benchmarking — termo que pode ser traduzido como “ponto de referência” ou “padrão de desempenho” — se refere ao processo de estudo daquilo que de melhor vem sendo feito em um determinado segmento e de que forma a sua empresa se situa diante daquelas práticas.

Em outras palavras, o Benchmarking propõe uma investigação minuciosa de empresas concorrentes, tendo sempre em vista a identificação de seus diferenciais competitivos e as características de seus produtos e serviços.

A partir dessa base inicial de informações, buscaremos absorver para nossa cultura empresarial aquilo que de melhor identificamos em nossos rivais do mercado.

Diante de tais fatores, o objetivo central do Benchmarking pode ser definido a partir de uma simples frase: superação das limitações.

Ou seja, aplicaremos em nossa empresa práticas que potencializem nossa força competitiva e façam com que superemos a concorrência.

A adaptação das melhores práticas

Aqui vai uma informação importante: o Benchmarking não é um processo de imitação, nem significa que você precisará mudar tudo em sua empresa.

O importante é adaptar boas práticas à realidade de seu negócio para alcançar um alto grau de excelência.

Imagine, por exemplo, que na sua pesquisa você identificou algumas estratégias que podem ser mais eficientes para o marketing de sua empresa.

Neste sentido, é mais do que esperado que você altere processos, em vez de manter práticas menos eficazes.

Vale salientar ainda que, para ser de fato relevante dentro de uma organização, o Benchmarking precisa ser encarado como um processo analítico e comparativo contínuo.

Isso quer dizer que sua empresa precisará sempre ficar atenta aos líderes e às melhores práticas de seu segmento.

Afinal, o mercado apresenta fluidez, novos negócios surgem a todo momento e é preciso acompanhar o ritmo para não ser ultrapassado por outras empresas e perder relevância.

Como o Benchmarking surgiu

A metodologia do Benchmarking foi inicialmente implementada na década de 70 pela empresa americana XEROX, que visava aumentar o seu potencial competitivo frente a grandes companhias do mercado asiático.

Desde então, o processo vem sendo utilizado em larga escala e pode até ser considerado uma exigência para empresas que ambicionam o posto de melhores de seu mercado.

As etapas de implementação do Benchmarking

Como todo processo estratégico, o Benchmarking carrega uma lógica de implementação que deve ser levada em conta.

Logo abaixo você pode conferir os passos para a implementação do Benchmarking. Veja!

Análise do ambiente interno

Antes de analisar os pontos fortes da concorrência, você precisará compreender perfeitamente cada detalhe de sua própria empresa.

Por isso, a primeira etapa do Benchmarking consiste em um estudo do ambiente interno de seu empreendimento.

Procure identificar quais são seus diferenciais, o que de melhor sua empresa vem oferecendo ao mercado e quais são os processos que necessitam de melhoria para que o negócio ganhe posições na disputa por novos consumidores.

Investigação das empresas líderes

Em seguida é preciso definir que empresas serão analisadas em seu estudo.

Quais empresas têm tido mais destaque em seu segmento? De que forma elas atingiram esse patamar? Como elas são vistas pelos clientes e por outras organizações do setor?

Para responder a esses pontos é válido analisar indicadores do mercado, realizar pesquisas de campo com consumidores e traçar outros questionamentos que podem lhe trazer informações válidas no momento em que você for implementar alterações na sua empresa.

Definição de estratégias

A terceira etapa do Benchmarking consiste em planejar de que forma as informações sobre os processos e produtos das companhias concorrentes chegarão até você.

Embora alguns desses dados, como dissemos, possam ser obtidos por meio de pesquisas de campo e estudos de indicadores, geralmente faz-se necessária a contratação de especialistas ou a criação de parcerias para obtenção de tais informações.

Estudo do mercado

Definidas as estratégias do Benchmarking é chegada a hora de realizar o estudo da concorrência.

Foque em coletar o máximo de dados possível, pois este fator será crucial para o planejamento e para a efetivação das ações de melhoria contínua da sua empresa.

Identificação de pontos de melhoria e comparação

Por meio do conhecimento que você obteve a partir da análise do ambiente de seu negócio, foque nos pontos que precisam ser melhorados e realize análises comparativas com o intuito de saber o que as empresas líderes de seu segmento têm feito de diferente para obter sucesso com estes processos.

Planejamento das ações

Nesta sexta etapa do Benchmarking você definirá quais ações precisam ser tomadas tendo em vista o alcance da excelência nos pontos críticos de sua empresa.

Estipule prazos, metas e estratégias concretas para a realização de tais objetivos.

Implementação de ações

É chegado o momento de implementar as ações. Aqui é importante considerar as peculiaridades de seu negócio e efetivar um processo de adaptação.

Lembre-se: o Benchmarking não é uma imitação da concorrência, mas uma absorção das melhores práticas do mercado — portanto, não é preciso deixar de lado as características particulares de sua organização.

Continuidade dos processos

Por fim, nunca é demais reforçar: o Benchmarking deve ser algo contínuo na realidade de um empreendimento, algo a ser verdadeiramente integrado na rotina da cultura interna.

Nesse sentido, reavalie-se constantemente, tendo sempre como “ponto de referência” os melhores do mercado.

Os principais tipos de Benchmarking

Agora que você já conhece todas as etapas para uma implementação bem-sucedida do Benchmarking em seu negócio, que tal conhecer alguns dos principais modelos desse processo?

Nós separamos uma lista com cinco deles. Confira.

Benchmarking Interno

Realizado com frequência por empresas em expansão ou que desejam distribuir suas melhores práticas organizacionais para outras unidades, o Benchmarking interno é uma prática que pode também ser considerada como um primeiro passo para um estudo futuro do cenário externo.

Do ponto de vista do acesso à informação, o Benchmarking interno pode ser considerado relativamente menos complexo de ser implementado, uma vez que todo o conteúdo informacional está disponível na própria empresa.

Entretanto, é preciso ser realista e minucioso nesse tipo de análise, para que conceitos “viciados” e falhas organizacionais não sejam disseminadas para outras unidades ou setores da empresa.

Benchmarking genérico

O Benchmarking é um estudo comparativo que utiliza como parâmetro empresas que atuam em uma indústria diferente do seu negócio ou que produzem outros tipos de produto, mas que aplicam processos e práticas semelhantes aos de sua empresa.

Empresas que carregam semelhança nos métodos de venda ou no delivery de produtos, por exemplo.

Para que se possa realizar um Benchmarking genérico de qualidade, é necessário ter acesso a muitos detalhes do processo que está sendo comparado.

Por outro lado, se a pesquisa for bem realizada, a implementação das melhorias tende a ser mais simples, uma vez que você implementará processos que, embora mais bem-sucedidos, carregam semelhança com suas práticas internas.

Benchmarking competitivo

O Benchmarking competitivo é o modelo central de que falamos ao longo deste artigo, o qual costuma ser aplicado por qualquer grande companhia do mercado.

Ele consiste em um estudo comparativo e aprofundado das empresas de maior destaque dentro de um segmento.

Por estarmos falando de empresas concorrentes, que disputam espaço e novos consumidores no mercado, o Benchmarking competitivo é extremamente complexo e exige muito planejamento e estratégia para a obtenção de informações relevantes.

O foco central do Benchmarking competitivo deve ser sempre a medição e a avaliação dos rivais mais próximos, tendo como meta primeira alcançá-los e, em uma segunda etapa, tornar-se o principal ou um dos principais nomes do mercado.

Benchmarking funcional

Do mesmo modo que no Benchmarking genérico, no Benchmarking funcional nós não estamos falando de empresas concorrentes, mas de companhias de outros segmentos, com práticas globais interessantes, as quais podem ser aplicadas no dia a dia de sua empresa.

Graças a esse fator, a obtenção de informações tende a ser menos complexa do que no Benchmarking competitivo, por exemplo.

Ademais, o processo pode fornecer insights valiosos a respeito de mudanças em práticas internas ou mesmo quanto à adoção de novos processos.

Benchmarking colaborativo

Por fim, no Benchmarking colaborativo o que temos é a união de um determinado grupo de empreendimentos em prol do compartilhamento de informações que possam melhorar as práticas de todo o grupo.

Para visualizar melhor este cenário, basta pensar em uma associação de empresas que, para fortalecer um determinado segmento, concordam em distribuir entre si informações sobre ações, estratégias e processos internos de modo geral.

Para que esse tipo de Benchmarking possa funcionar é preciso haver confiabilidade mútua entre as organizações participantes.

Como aplicar o Benchmarking em sua empresa?

Com o conhecimento das etapas do Benchmarking em mãos, o elemento principal para que você possa efetivar este processo em seu negócio diz ao respeito ao comprometimento.

Embora extremamente útil, o Benchmarking exige o cumprimento de uma série de ações sistemáticas que, além de complexas, devem ser contínuas.

Com tudo isso, as empresas que estiverem interessadas em integrar o Benchmarking à realidade de seus negócios precisam estar comprometidas com toda uma nova mentalidade de aprendizagem constante, determinando estratégias sobre como obter novas informações e de que forma elas serão úteis para a organização.

Quais as vantagens do Benchmarking?

É improvável que o Benchmarking estivesse sendo utilizado desde os anos 70, caso ele não oferecesse vantagens reais para as empresas que o implementam.

Dentre os principais ganhos advindos do seu uso, podemos listar:

  • Obtenção considerável de conhecimento sobre o ambiente interno: basta lembrar que para aplicar o Benchmarking o empreendedor precisa desenvolver estudos sólidos sobre a cultura de sua empresa;
  • Aprimoramento constante: com a meta de ser o melhor de seu segmento, o empreendedor acaba efetivando melhorias sempre que necessário, fato que impulsiona uma cultura de excelência;
  • Ganho de conhecimento e novas perspectivas: por meio do estudo das melhores práticas, obtém-se novos conhecimentos e toda uma perspectiva mais ampla do mercado;
  • Maior resistência às variações do mercado: embasado por mais conhecimento e novos processos, o empreendedor pode desenvolver estratégias mais inteligentes para cenários de crise ou de instabilidade;
  • Motivação: com metas claras e cultivando o envolvimento de sua equipe no processo de melhoria contínua, será possível contar com colaboradores mais motivados com o desenvolvimento da empresa.

Concluindo

O potencial do Benchmarking é vasto. Ter os melhores como ponto de referência pode ser o motor para uma verdadeira revolução na cultura de seu empreendimento.

Favoreça esse processo, opte pela aprendizagem e pela implementação da melhoria contínua. Certamente, com esta mentalidade, os voos de sua empresa serão bem maiores.

Para continuar aprendendo sobre esse assunto, leia também o nosso artigo sobre as 7 dicas indispensáveis sobre como investir e ficar rico!