Letícia Abrantes

Analista de Marketing na Rock Content.
Futura publicitária e sagitariana. Acredito que melhores coisas do mundo são: unicórnios, amor e bom humor.



Melhores do ano: Os 16 posts de 2016 que merecem ser relembrados

Melhores do ano: Os 16 posts de 2016 que merecem ser relembrados

2016 foi um ano muito especial para o Saia do Lugar! Um ano cheio de mudanças e pesquisas para entregar o melhor conteúdo para vocês, os nossos leitores.

2016 foi um ano muito especial para o Saia do Lugar! Um ano cheio de mudanças e pesquisas para entregar o melhor conteúdo para vocês, os nossos leitores.

E justamente por ter sido um ano tão especial, decidimos criar uma “retrospectiva” com os nossos melhores posts desse ano que está chegando ao fim.

Antes de começar o nosso “top 16”, gostaríamos de agradecer a cada um de vocês que fizeram o nosso ano ser incrível e de muito aprendizado. Esperamos que no novo ano possamos entregar cada vez mais conteúdos de qualidade para todos vocês.

Acompanhe a seguir a seleção que fizemos para relembrar os melhores do ano:

Melhores do ano: os mais acessados!

A primeira categoria é a dos mais acessados do ano, confira os 10 post que trouxeram o maior tráfego para o nosso blog em 2016.

Composto de Marketing: entenda os 4P’s do marketing

melhores-do-ano-1

Este vem sendo o post com a melhor performance nos últimos tempos! Em 2016 ele passou por mudanças, visando entregar ainda mais valor para nossos leitores.

Ele fala sobre a importância dos 4Ps — produto, preço, praça e promoção — que são elementos fundamentais para começar qualquer estratégia de marketing em sua empresa.

Com ele você não só vai aprender sobre os 4 Ps principais e fundamentais do marketing mas também vai entender sobre a evolução desses Ps que veio somada aos avanços tecnológicos e ao novo comportamento dos consumidores.

Sem dúvidas, é um dos nossos conteúdos preferidos — de certa forma, todos desta lista são — e em breve lançaremos mais uma atualização para ele!

5 Principais diferenças entre Lucro Presumido e Lucro Real

Um dos maiores desafios de ter um empreendimento é lidar com a parte fiscal e tributária do seu negócio.

Sabemos o quanto este post é importante para ajudar os nossos leitores a entender desse aspecto do mundo dos negócios e por isso ele também passou por uma atualização e entrou para a lista dos “melhores do ano”!

O artigo fala sobre as 5 principais diferenças entre os regimes tributários, para te ajudar a entender qual é o relacionamento da sua empresa com o fisco.

As características de um líder e os melhores líderes da história!

melhores-do-ano-3

O maior diferencial da sua empresa está em você mesmo! Ser um bom líder deve ser uma característica trabalhada, para que você incentive as pessoas a sua volta a construírem o seu sonho junto com você.

O post também passou por uma atualização em 2016 para garantir que todos os nossos leitores estejam cientes da importância de se informar sobre o assunto.

Esse artigo vai te contar quais são as características de um bom líder, além de mostrar os maiores exemplos de liderança no mundo empreendedor.

7 dicas básicas para você saber como administrar seu dinheiro de maneira mais inteligente

melhores-do-ano-4

2016 foi um ano de muitos desafios e de crise no Brasil. Nesses momentos, saber administrar bem o seu dinheiro é fundamental para não encarar grandes problemas ou até mesmo a falência.

Este foi um dos posts mais acessados do ano e por isso entrou no nosso “top 16”.E, é claro, também passou por uma atualização para ser cada vez mais útil no dia a dia dos nossos leitores.

Aprenda com este artigo a organizar as suas finanças e se preparar para os momentos de crise.

Contrato Social: modelo e passo a passo

melhores-do-ano-5

O Contrato Social é um documento muito importante para manter o seu negócio dentro da legalidade. E, por se tratar de assunto tão importante, ele entra para a lista dos mais acessados de 2016!

Acompanhe neste post, super atualizado, o passo a passo para elaborar o seu contrato social ou até mesmo para checar se o documento foi elaborado da maneira correta pelo seu contador.

O artigo também apresenta um modelo de contrato social para ilustrar e te ajudar a elaborar o seu!

Como fazer propaganda

melhores-do-ano-6

Já diziam os entendidos: “A propaganda é a alma do negócio!”. Este ano nós abordamos o assunto diversas vezes.

A imagem que o seu negócio passa para o seu público alvo é muito importante, e por isso esse artigo também entrou na lista dos mais acessados de 2016 (e adivinhem? Mais um para a lista dos atualizados!).

Entenda para que serve a propaganda e veja todas as dicas que são dadas no artigo.

As 12 habilidades fundamentais de um vendedor

melhores-do-ano-7

Ser um bom vendedor é uma habilidade básica e fundamental para fechar um negócio! Sabemos que adquirir conhecimento sobre técnicas de vendas nunca é demais, e dos diversos artigos abordados sobre o assunto, esse teve destaque e também entrou para a nossa lista.

Relembre as 12 habilidades que são fundamentais para um vendedor conseguir realizar boas vendas.

Como registrar uma empresa: um guia simples e objetivo

melhores-do-ano-8

Se você deseja empreender no próximo ano, nós indicamos este post como uma leitura obrigatória! Afinal, uma das partes mais importantes de abrir o seu próprio negócio é registrá-lo.

O artigo foi atualizado esse ano para acompanhar as mudanças legais e garantir que fique claro o passo a passo para registrar uma empresa de acordo com a modalidade jurídica desejada.

Sem dúvidas, ele merece entrar para a nossa lista dos mais acessados de 2016 e ser lido!

Os impostos que incidem sobre notas fiscais

melhores-do-ano-9

A parte mais prazerosa de empreender é ver o dinheiro caindo na conta e trazendo a certeza que o seu negócio está indo como o planejado — ou não. Mas, mais importante que isso é saber quais são os impostos que são descontados do valor total do seu produto e que afetam diretamente nos seus lucros.

Esse post entrou não só para a lista dos melhores do ano, como também na lista dos post que passaram por atualizações em 2016.

Relembre quais são os impostos que incidem sobre as notas fiscais e veja também a importância da NF para você e seus clientes.

Plano de Marketing para sua empresa: modelo básico

melhores-do-ano-10

Quer relembrar os principais fatores de um Plano de Marketing eficiente? Este é o post certo.

Para gerar resultados é fundamental escolher as estratégias corretas de marketing para o seu negócio, depois de passar por uma bela atualização, este post entra para a lista dos melhores posts do ano.

Destaque a sua empresa no cenário empreendedor e no online com as melhores estratégias de marketing, encontre todas as dicas neste artigo.

Melhores do ano: os que causaram as maiores interações sociais!

A segunda categoria são dos 6 posts que geraram as maiores interações em nossas redes sociais. Confira!

Gestão de tempo: 20 dicas para gerir melhor o seu tempo

melhores-do-ano-11

Ser empreendedor demanda muito tempo e saber fazer a divisão dele da forma mais proveitosa possível. Por isso este post causou várias interações em nossas redes sociais quando foi lançado.

Relembre as 20 dicas incríveis sobre como fazer a melhor gestão de tempo no dia a dia de um empreendedor e se torne mais produtivo!

Os 5 livros sobre empreendedorismo que TODO empreendedor precisa ler

melhores-do-ano-12

Para ser um empreendedor de sucesso é preciso disposição para aprender cada vez mais e, assim, ir ganhando experiências de negócio.

Este post foi lançado em 2016 e apresentou os 5 melhores livros que todo empreendedor precisa ler para ampliar a sua visão de mercado, sob várias perspectivas: criatividade, vendas, atendimento ao cliente e outros . Relembre agora!

GUIA: Como patentear um produto, marca, nome, logo ou ideia

melhores-do-ano-13

Sempre que tiver aquela ideia brilhantes não se esqueça de patenteá-la. É a única maneira de você provar o seu direito de uso sobre um nome, produto ou marca.

Este guia foi lançado este ano e é bem esclarecedor quanto aos processos na hora de patentear uma ideia.

Entrando na nossa lista de sucesso, nós recomendamos a leitura — ou a releitura — deste guia.

Como funcionam as hashtags? Contamos tudo para você

melhores-do-ano-14

As nossas vidas estão cada vez mais presente nas redes sociais e com isso aparecem constantemente oportunidades de propagar uma ideia.

Relembre com este post, as melhores maneiras de fazer o uso dessa funcionalidade das redes sociais para o seu negócio, incluindo a mensuração dos resultados, proteção da marca e as maneiras de conseguir engajamento com as hashtags.

Como usar o PowerPoint para fazer apresentações impactantes

melhores-do-ano-15

Independente da sua área de atuação, sabemos da importância de criar apresentações impactantes e que prendam a atenção das pessoas.

Que tal relembrar com este artigo as melhores dicas de uso do PowerPoint? Veja a importância de começar com um planejamento e de se preocupar com a parte visual da sua apresentação.

Sem dúvidas, é um post que merece estar entre os melhores do ano. Uma boa apresentação de PowerPoint nunca sai de moda!

Empreendedorismo de palco: Empreender virou uma farsa?

melhores-do-ano-16

Este post é recente aqui no Saia do Lugar e mesmo assim já entrou em nossa lista de sucessos de 2016!

É cada vez mais comum nos depararmos com empreendedores de palco, que nada mais são do que aquelas pessoas que não conseguem acrescentar em nada de conteúdo útil ou prático à suas palestras.

Relembre com o artigo o que é o empreendedorismo de palco e porque esse modelo não é recomendado, apesar de muito sedutor.

Agradecimentos finais!

Esta foi a nossa seleção dos posts que merecem destaque neste ano, não só por gerarem um bom tráfego ou interações sociais para o Saia do Lugar, mas também por se tratar de conteúdos que agregam conhecimento para os nossos leitores.

Esperamos que 2017 seja um ano de muito trabalho e evoluções, para que possamos entregar a cada dia mais conteúdos que façam a diferença em sua vida empreendedora, e que tragam grandes conhecimentos.

Você concorda com a nossa lista? Sentiu falta de algum post? Conta para a gente aqui nos comentários ou lá nas nossas redes sociais ( TwitterFacebook).

métricas de vendas

Quais métricas de vendas sua empresa deve acompanhar?

Como diz um velho ditado, “vender é uma arte”. Mas para falar a verdade, vender também é uma ciência!

Como diz um velho ditado, “vender é uma arte”. Mas para falar a verdade, vender também é uma ciência!

Assim como o marketing digital, acompanhar métricas de vendas dentro da sua empresa é indispensável para entender se o seu time comercial está mandando bem na hora de conquistar novos clientes.

Conhecer as principais métricas é indispensável, assim como definir quais serão os KPI’s – indicadores–chave de performance – que serão acompanhados pela sua empresa.

Para te ajudar nessa tarefa, separamos as métricas de vendas mais importantes que você precisa conhecer.

Assim, vai ficar muito mais fácil mensurar e acompanhar os resultados que os seus vendedores estão obtendo.

Preparado? Vamos lá!

Oportunidades (leads) em aberto no total e por vendedor

Quantas leads cada vendedor está trabalhando no momento? Esse é um número que você precisa acompanhar e por isso ele abre o nosso post!

O número de oportunidades em aberto no total, e por vendedor, é uma métrica que permite acompanhar quantas leads estão sendo contactadas e ativadas pelo seu time comercial.

Esse número vai te dizer duas coisas: 1 – quantas leads estão chegando no seu pipeline de vendas e 2 – qual o total de oportunidades que os seus vendedores precisam trabalhar.

Se ao acompanhar essa métrica, você perceber que o time de vendas não tem leads o suficiente para trabalhar, pode ser a hora de expandir a sua estratégia de geração de leads para crescer de forma rápida e efetiva o seu pipeline de vendas.

Quando os vendedores recebem poucas oportunidades de venda, provavelmente eles não fecharão a maioria desses contatos – de acordo com a taxa de conversão de vendas – o que vai resultar em uma receita baixa para a sua empresa. E ninguém quer isso, não é mesmo?

Ao mesmo tempo, eles terão um “tempo livre” que custa dinheiro para o negócio, já que eles poderiam estar entrando em contato com mais leads e explorando mais oportunidades de negócio.

Da mesma forma, essa é uma métrica que funciona da maneira oposta: você pode analisar se os seus vendedores estão sobrecarregados com leads. Ou seja, se o pipeline deles está tão cheio que não é possível trabalhar essas leads da maneira adequada.

O número ideal de oportunidades que cada vendedor deve trabalhar varia de acordo com diversos pontos do negócio. Tamanho da venda, duração da jornada de compra, qualificação das leads, experiência do profissional.

Saber onde está o equilíbrio nem sempre é fácil, mas acompanhando essa – e outras métricas – é possível descobrir onde está o ponto de conversão, de acordo com a duração de uma venda, taxa de conversão e outros fatores da negociação.

Negociações concretizadas no total e por vendedor

No final das contas, o que faz a diferença para o negócio são as negociações que foram fechadas, não é mesmo?

Negociações concretizadas são todas aquelas que chegaram em um fim, seja uma conversão ou não. É o número total de oportunidades que foram aproveitadas pelo seu vendedor, podendo elas serem divididas em close-won e close-lost.

Ou seja, aquelas que foram concretizadas e resultaram em uma venda, e aquelas que foram concretizadas mas não resultaram em uma venda.

Essa é uma métrica que ajuda a entender como está o rendimento de cada vendedor e também em quais áreas eles estão atuando melhor.

O rendimento é relativo à quantidade de oportunidades que foram trabalhadas. Também é possível observar o rendimento de acordo com a origem de cada lead, seja ela SQL, MQL, prospecção, etc.

Observando o número de negociações concretizadas, é possível analisar se o seu pipeline de vendas está crescendo, se o seu representante de vendas está melhorando e se o pipeline de cada vendedor está sendo trabalhado de forma eficiente para o alcance de metas.

Média de preço das vendas

O que vai manter o negócio rodando é a receita total gerada pelas vendas. Também conhecido como ticket médio, essa é uma métrica que permite acompanhar o quanto as leads estão dispostas a gastar, em média, com a sua empresa.

A média do preço da vendas é obtida com a soma total da receita, dividida pelo número de vendas close-won. Assim, é possível saber quanto os novos clientes gastam, em média, com o seu produto e também qual é a receita média gerada por cada vendedor.

Com o tempo, essa métrica vai ajudar o negócio a mapear oportunidades de venda que estão tanto dentro, quanto fora da faixa média de gastos dos clientes.

Dentro do pipeline de vendas, oportunidades que estão muito acima do ticket médio (geralmente 3 vezes ou mais) são marcadas, já que a as taxas de conversão tendem a ser menores e o ciclo de vendas é mais longo.

Quando você identificar oportunidades fora do padrão, assinale–as e procure o vendedor responsável por aquela lead. Converse com ele sobre essa oportunidade e analise se essa não é uma lead que precisa ser melhor trabalhada ou transferida para outra seção do time de vendas.

Essa também é uma chance de você entender se o vendedor prefere vendas menores, ou até mesmo se ele está dando descontos constantes, o que reduz a receita geral do negócio.

Tempo médio de uma venda

Diferentes produtos e mercados possuem necessidades diferentes na hora de vender. Ainda mais importante é saber quanto tempo os seus vendedores realmente passam vendendo. Afinal, essa é a função mais importante, não é ?

O tempo médio de uma venda te ajuda a identificar qualquer empecilho ou dificuldade no processo de venda. É importante ter em mente a jornada de compra e o ciclo de venda – vamos falar mais sobre isso em um instante – mas um outro ponto que costuma tomar muito tempo dos vendedores é a procura por conteúdo relevante.

A informação é a base de uma boa venda, por tanto, contar com um software de CRM ou fornecer conteúdo regularmente para o seu time de vendas pode ser uma boa solução para agilizar o processo e reduzir o tempo gasto para fechar uma venda.

Taxa de conversão

A taxa de conversão é uma velha conhecida tanto de times de marketing, quanto de vendas. Ela mostra quantas leads realmente se tornaram clientes, ou seja, quantas oportunidades se enquadram no close–on.

Essa métrica ajuda a entender como está o rendimento de cada vendedor, quais oportunidades de negócio se enquadram melhor no tipo de cliente que a empresa busca e como cada representante de vendas converte novos clientes para o negócio.

Ela é medida considerando o número total de leads no pipeline do representante, multiplicado pela quantidade de leads convertidas em clientes, dividido por 100.

Ciclo de venda

Cada empresa possui um ciclo de venda diferente para cada produto, ou serviço que oferece.

O ciclo de venda é o tempo total gasto para concretizar uma transação. Desde o primeiro contato da lead com a empresa, até a assinatura do contrato e o início do fornecimento do serviço.

Conhecer a duração do ciclo é uma métrica que mostra quanto tempo um usuário leva para se tornar um cliente, o que influencia no processo de venda, no tempo médio por reunião, quantidade de reuniões e outros processos inseridos nesse meio tempo.

Se um vendedor está fechando negociações muito rápido para um produto que tem um ciclo de vendas médio ou longo, ele pode ter algum insight interessante sobre o processo.

Se o contrário está acontecendo, é hora de sentar e descobrir qual parte do processo está apresentando dificuldades para o profissional. O ciclo de vendas geralmente é medido em dias!

Tempo médio de resposta das leads

O ritmo dos negócios está cada dia mais rápido. E o tempo médio de resposta das leads é um bom indicador sobre quão ágil deve ser o seu processo de venda!

Novamente, cada negócio terá leads com uma característica. Mas para definir as melhores ações à serem tomadas, é preciso entender em quanto tempo suas leads retornarão os contatos do seu time de vendas.

Essa métrica é essencial para montar processos efetivos. Por exemplo, se as suas leads esperam contatos rápidos do sales rep, mas ficam dias sem receber um retorno, pode ter certeza que as chances de conversão caem drasticamente. E o oposto também é válido!

O tempo médio de resposta das leads costuma ser medido em dias e é muito relacionado ao ciclo de venda e à jornada do cliente.

Taxa de contato dos vendedores

Quantas leads cada vendedor entra em contato por dia? Qual é a média geral? Vendedores com uma taxa maior vendem mais?

A taxa de contato dos vendedores mostra quantas leads do pipeline de vendas foi alcançada, ou seja, teve uma reunião marcada.

Esse é um número que mostra se o tempo dos vendedores está sendo bem gasto (principalmente se cruzado com o tempo médio de uma venda). É importante para ajudar a definir metas, criar um SLA – service level agreement – e medir o rendimento de cada representante.

Taxa de Follow-ups

Uma venda não se fecha sozinha!

Os follow–ups são reuniões consecutivas que cada vendedor faz com suas leads para fechar o negócio. Cada empresa tem uma demanda por follow–ups, mas todas devem fazer essas reuniões!

Essa métrica mostra quantas leads estão progredindo na jornada de compra, e se os seus vendedores estão ativando essas oportunidades e seguindo com o processo de vendas.

Ela pode der insights sobre o ciclo de venda e também ajudar a otimizar os processos, de acordo com o número de reuniões necessárias para fechar uma venda, por exemplo.

Separamos algumas das métricas mais importantes que você deve acompanhar no seu time de vendas! Para encontrar aquelas que você deseja tornar KPI’s, analise as que mais se encaixam no seu tipo de negócio e nos processo de vendas. Depois disso, é hora de começar a mensurar e otimizar as suas ações.

Você quer criar a ponte perfeita entre o marketing e vendas? Então você precisa ler o nosso post sobre Vendarketing!

 

funcionários motivados

7 formas de manter os seus funcionários motivados sem gastar muito

Manter os seus funcionários satisfeitos e motivados pode ser um problema na hora de gerir a sua empresa. Funcionários felizes e relaxados trabalham com maior empenho e isso resulta em boas vendas e uma empresa mais saudável financeiramente.

Manter os seus funcionários satisfeitos e motivados pode ser um problema na hora de gerir a sua empresa. Funcionários felizes e relaxados trabalham com maior empenho e isso resulta em boas vendas e uma empresa mais saudável financeiramente.

Com a crise, sabemos que orçamento fica apertado para investir em certas coisas e, por mais que pareça que a situação de ter funcionários desmotivados não seja tão preocupante assim, acredite: você pode estar perdendo dinheiro com isso.

Nem sempre investir nessa motivação está nos seus planos. Por isso nós separamos 7 formas de contribuir com a qualidade de vida dos seus funcionários, sem mexer muito no seu orçamento.

Quer ver os seus funcionários motivados? 7 formas de conseguir isso

Selecionamos as melhores maneiras de conseguir manter a qualidade de vida dos seus funcionários e conseguir ainda aumentar o lucro da sua empresa!

Ofereça um espaço para que os seus funcionários relaxem

Chega uma hora que trabalhar sob pressão vai causar baixa na produtividade de seus funcionários e por isso ter um espaço que funcione como uma “válvula de escape” é uma boa opção para acalmar os ânimos da sua equipe.

Tenha um cantinho que fuja do padrão do ambiente de trabalho. Além de alimentar a criatividade das pessoas, isso pode ajudar a quebrar a rotina de trabalhar no mesmo lugar todos os dias.

Não precisa gastar muito. A ideia é criar um ambiente divertido e confortável (puffs e um sofá grande confortáveis são bons exemplos) para ser um refúgio de todo caos e stress do escritório.

Tenha a sua própria biblioteca

Funcionários que lêem mais são funcionários mais preparados para o dia a dia dos negócios! E por isso, ter uma própria biblioteca na empresa pode significar uma grande captação da sua equipe.

Já existem empresas que fazer isso, a Rock Content é um exemplo. Lá, os funcionários pedem para o CEO o livro que eles desejam fazer a leitura e, em poucos dias, podem ter em mãos um exemplar.

A ideia é justamente essa: permitir que os seus funcionários façam pedidos de livros que eles gostariam de ler, contribuindo para o crescimento do profissional e também da empresa.

Vale a pena fazer um mutirão para juntar livros que estejam parados em suas casas para começar a biblioteca. Crie uma planilha e compartilhe com todos para que eles tenham conhecimento de qual livro está com qual pessoa até uma determinada data.

Além de relaxar os seus funcionários, a biblioteca vai dar novos “ares” para a empresa e este pode ser o início de uma cultura forte no seu negócio! Uma iniciativa de baixo custo e muito proveitosa.

Promova um aulão de Yoga

A pressão do dia a dia acabará interferindo no rendimento da sua equipe e por isso proporcionar um momento de relaxamento e equilíbrio das emoções pode ser uma maneira de manter os seus funcionários motivados.

A ideia é que pelo menos uma vez na semana os seus funcionários possam se reunir depois do expediente (ou durante) para realizar uma sessão de Yoga ou meditação. E não pense que será preciso contratar um profissional em primeiro momento: já existem aulas que são oferecidas gratuitamente na internet.

É uma ideia que pode começar assim, com uma espécie de improviso, mas que aos poucos vai gerar tantos resultados que valerá a pena investir em um profissional para ir até a empresa ministrar aulas para a sua equipe.

Além de aproximar os seus funcionários e fazer com que diferentes setores entrem em contato, este aulão vai permitir que todo stress seja descarregado naquele momento de concentração e contato interior.

Exercício coletivo depois do expediente

Todos nós sabemos que, além de ser uma fonte de saúde, fazer exercícios físicos alivia o stress diário, e por isso ele entra nesta lista de maneiras para motivar o seu time.

A ideia é juntar pessoas que sejam adeptas a atividades físicas e fazer uma espécie de circuito de exercício dentro da própria empresa — claro, depois ou antes do expediente!

Isso vai aumentar a qualidade de vida dos seus funcionários, vai permitir que eles interajam entre si e vai liberar toda a tensão do dia a dia corporativo.

O ideal é que isso aconteça 3 vezes na semana, e que sejam exercícios que não precisem de nenhum aparelho ou materiais sofisticados. Corda, bolas e alguns cones pequenos já são o suficiente para realizar um treino funcional.

Happy Hour na sexta

Relaxar depois de uma longa semana de muito trabalho e desafios é o que todo mundo espera e por isso, proporcionar estes momentos aos seus funcionários pode trazer um retorno super positivo para a sua empresa.

É um momento de descontração e de confraternização entre a sua equipe, e com isso você faz com que a sua empresa ganhe credibilidade, não só com os seus funcionários mas também com os seus futuros funcionários.

A ideia é que os seus funcionários possam tomar uma cerveja depois do expediente — ou não — dentro da empresa ou até mesmo ir para algum barzinho próximo.

O happy hour é uma ótima oportunidade para unir as pessoas e fazer com que boas ideia nasçam de um bate papo informal. Faça com que a sua empresa se torne a segunda casa dos seus funcionários e assim eles se sentirão a vontade naquele espaço.

Flexibilize os horários de trabalho

Não há nada mais prazeroso do que trabalhar em uma empresa que te deixa à vontade para montar o seu próprio horário de trabalho!

É claro que essa dica não vale para comércios que tem horário de funcionamento padrão (normalmente das 9:00 ás 18:00) mas para todas as empresas que têm essa possibilidade, acredite, isso motivará e muito os seus funcionários.

É também uma forma de aproveitar o horário de produtividade da sua equipe. Por exemplo, existem pessoas que são mais produtivas pela manhã, enquanto outros são mais produtivos a noite.

Por isso, flexibilizar o horário de trabalho pode ser uma ótima estratégia para tirar proveito do que seus funcionários tem de melhor.

Incentive a prática de um idioma diferente

Seguindo a mesma ideia do Yoga e da ginástica coletiva, outra forma de motivar os seus funcionários é incentivar que eles se juntem para praticar uma outra idioma, como inglês ou espanhol, por exemplo.

É uma forma de quebrar a rotina e elevar o conhecimento de toda a equipe!

Proponha que pelo menos uma vez na semana os funcionários interessados em praticar outra língua se juntem para discutir temas — de preferência que não estejam ligados ao dia a dia da empresa — e treinem as suas habilidades com outro idioma.

Conclusão

Viu só como não é nada complicado manter os seus funcionários motivados? O ponto principal é saber valorizar as pessoas que estão caminhando junto com você no seu sonho de empreender.

Mantê-los satisfeitos pode ser o segredo para o sucesso do progresso da sua empresa, e nem sempre é preciso investir muito para que isso aconteça.

Seja um bom líder e ande lado a lado com toda a sua equipe, faça a diferença e se preocupe com a qualidade de vida deles. Funcionários estressados são um gargalo para a geração de resultados e melhorias.

Esperamos que com este post você como empreendedor possa adaptar essas ideias para a sua empresa.

E, se você também deseja saber como formar a melhor equipe para o seu negócio, leia este post e aprenda como não atirar no seu próprio pé quando for contratar alguém novo.

como contratar o melhor vendedorVendas é um tema que aparece de forma recorrente aqui no Saia do Lugar, pois fazemos questão de dar destaque para esse assunto sempre que possível, afinal sabemos a importância e relevância que ele tem para todas as empresas!

">

Como contratar o melhor vendedor? Confira nossas 7 dicas e tenha um time de primeira

Vendas é um tema que aparece de forma recorrente aqui no Saia do Lugar, pois fazemos questão de dar destaque para esse assunto sempre que possível, afinal sabemos a importância e relevância que ele tem para todas as empresas!

Vendas é um tema que aparece de forma recorrente aqui no Saia do Lugar, pois fazemos questão de dar destaque para esse assunto sempre que possível, afinal sabemos a importância e relevância que ele tem para todas as empresas!

A grande verdade é que todo empreendedor quer muito que o seu público-alvo desfrute daquilo que oferece de bom: o seu produto! Porém, muitas vezes o número de vendas não saem como se tinha planejado, devido a falhas que podem ocorrer no próprio processo de vendas.

Por esse motivo, vamos falar um pouco mais sobre esse tema, agora vamos dar uma atenção especial para quem executa esse processo: o vendedor!

Nas próximas linhas, vamos apresentar com mais detalhes sobre o que se deve levar em consideração em relação ao perfil ideal de colaborador para atuar nessa área e também forneceremos dicas de como contratar o melhor vendedor para a sua empresa.

Qual é o perfil de um bom vendedor?

Para falarmos do perfil ideal de um colaborador que atue na área de vendas de uma empresa, vamos citar rapidamente os 4 possíveis perfis comportamentais que uma pessoa pode ter em sua vida profissional: Comunicador, Executor, Planejador e Analista.

Começando pelo comunicador, esse profissional tem uma tendência maior em se relacionar com outras pessoas, por natureza ele é otimista,  possui uma certa facilidade em persuadir os outros e se anima facilmente com coisas novas a serem feitas.

Já o executor, assim como o nome diz, tem o perfil bem mão na massa. Possui como ponto positivo a coragem de “dar a cara a tapa”, além de ser muito competitivo, vai fazer o possível em busca do resultado que ele prometeu entregar.

O perfil do planejador já é mais conservador, ele é calmo e necessita ter um ritmo de trabalho em que as coisas fluam de forma constante, geralmente esse profissional não tem facilidade com improvisos.

Por fim, há o analista, que já um profissional mais metódico e tem mais afinidade com processos que sejam repetitivos e que necessitem executá-lo várias vezes para identificar melhorias. Geralmente o analista possui como característica ser alguém muito detalhista.

Percebe-se que os perfis executor e comunicador podem ser os mais próximos do ideal para o escopo da função de vendas. Por isso, o primeiro passo é ir em busca desses profissionais, mesmo que eles não tenham experiência prévia na área, pois eles possuem mais facilidade em aprender a vender devido ao seu perfil.

Isso não quer dizer também que o analista e o planejador também não possam se dar bem trabalhando com vendas, porém as chances são menores!

Entrevistando um bom vendedor

Independente da maneira que a empresa deseje recrutar vendedores, uma etapa que é indispensável é a entrevista.

Afinal é através dela que é identificado se o candidato tem perfil para trabalhar na empresa e especificamente na área de vendas.

Por isso, para auxiliar na avaliação do perfil pessoal dos candidatos, sugerimos trabalhar com as seguintes questões:

  • Conte-nos sobre um projeto em que você teve sucesso.
  • Cite também um projeto em que você fracassou
  • Como você se vê daqui 5 anos?
  • Qual foi o último livro que você leu?
  • De que maneira você se vê agregando valor para a empresa?
  • Você possui um projeto de vida?
  • Aponte seus três pontos fortes e depois fale três pontos fracos que você precisa desenvolver.
  • Você acha que a empresa poderá te ajudar a desenvolver nessas características? Como?

Essas perguntas são importantes, pois elas também ajudam a entender se o candidato tem mesmo o perfil para a área de vendas, visto que é uma área que exige planejamento, estudo, trabalhar com objetivos, metas e prazos.

É possível também avaliar se o candidato sabe lidar com a pressão do dia a dia, além da abertura para desenvolver novas características que possam melhorar o desempenho na função de vendedor.

Caso o candidato já tenha trabalhado com vendas previamente, sugerimos fazer questionamentos que busquem resgatar essas experiências anteriores. Seguem alguns exemplos:

  • Conte-nos uma venda bem sucedida que você já fez.
  • Como você se planejava em seu dia a dia de vendedor?
  • Conte-nos uma venda em que você fracassou.
  • Quais técnicas e ferramentas de vendas utilizava?
  • Trabalhava com metas? Como elas eram?
  • Gostava de vender? Era apaixonado por isso?

Independente se o candidato tiver experiência prévia ou não, o importante é identificar se ele possui o perfil que a empresa espera para se adequar ao seu processo de vendas.

Afinal, a partir do momento em que ele está vivenciando a rotina desse processo, a sua adequação a ele é questão de tempo e assim entrará no ritmo que a empresa espera.

Dicas para contratar o melhor vendedor

Agora, vamos te passar 7 dicas para auxiliar qualquer empreendedor a conseguir contratar o melhor vendedor:

1 – Entenda o momento da empresa

A empresa está em uma fase de contratar vendedores mais experientes ou formar talentos dentro de casa? Definindo isso é possível dar início a contratação do perfil desejado.

2 – Faça simulações reais

Simular situações reais do vendedor em ação é a melhor maneira de analisar se um candidato se comportará da maneira esperada quando estiver desempenhando a atividade de vendas pela sua empresa.

Essa prática também ajuda a eliminar os candidatos que sabem se portar bem em entrevistas, porém no dia a dia possuem um desempenho aquém do esperado.

3 – Desenhe um processo seletivo completo

Entenda quais as etapas que o candidato precisa passar até se tornar um vendedor. As etapas podem variar desde a análise de currículo, entrevistas com o RH e gestores da empresa, testes práticos, simulações, etc. Dessa maneira a chance de filtrar os melhores é muito maior!

4 – Mostre que a empresa é um bom lugar para se trabalhar

Mostrando que a empresa tem um ambiente legal e uma proposta de trabalho bacana, pode deixar a vaga ainda mais atraente. Afinal, todo mundo quer trabalhar em um lugar bacana, não é mesmo?

É possível fazer isso expondo como a empresa funciona. Nesse sentido, tomamos como exemplo a Netflix, que expôs seu código de cultura de maneira aberta para qualquer pessoa que queira consultá-lo.

5 – Crie um programa de indicações

Estimule para que ocorram indicações de candidatos pelos próprios colaboradores da empresa. Afinal, se o colaborador está feliz onde está ele não vai indicar gente desalinhada, não é mesmo?

6 – Tenha uma boa proposta de remuneração

Todos sabemos que o vendedor gosta de dinheiro, não é mesmo? Então, não corra o risco daquele candidato com o perfil ideal para a sua empresa, desista na proposta final. Procure atrelar a remuneração às metas que ele terá que atingir! Isso irá desafiá-lo!

7 – Tome as precauções necessárias

É sempre bom pedir referências e validar conquistas que foram destacadas pelo candidato durante o processo, como por exemplo, solicitar certificados e diplomas de cursos complementares.

E então, já descobriu como contratar o melhor vendedor? Com o tempo você descobrirá que esse processo é uma arte a ser desenvolvida, assim como o próprio processo de vendas!

O que acha agora de saber mais sobre Como aumentar a Taxa de Conversão das suas vendas?

exemplos de mulheres empreendedorasmodelo de negócio sólido ou uma marca consolidada no mercado se não há gente boa para estar na linha de frente disso tudo e gerenciar toda a sua operação com maestria.

Porém, formar uma equipe já trouxe muitas dores de cabeça para muitos empreendedores. Que atire a primeira pedra, o empreendedor que nunca falhou nesse processo e nunca trouxe colaboradores desalinhados com a cultura e objetivos do negócio!

">

7 grandes exemplos de mulheres empreendedoras do mundo dos negócios

O mundo do empreendedorismo ainda é muito dominado pelos homens, que são, em sua maioria, os donos das maiores corporações e redes ao redor do mundo.

O mundo do empreendedorismo ainda é muito dominado pelos homens, que são, em sua maioria, os donos das maiores corporações e redes ao redor do mundo.

Porém, com a emancipação da mulher, o aumento do seu nível de escolaridade e sua entrada no mercado de trabalho isso vem mudando.

Segundo o SEBRAE, o número de mulheres empreendedoras ou trabalhando por conta própria aumentou 16% nos últimos 10 anos contra 7% em relação aos homens.

Com isso, é cada vez mais importante se focar na representatividade e buscar inspirações de grandes líderes femininas para ter sucesso no mercado.

Grandes exemplos de mulheres empreendedoras:

Por isso, veja a seguir 7 grandes exemplos de mulheres empreendedoras e conheça mais sobre suas histórias.

Luíza Helena Trajano

Quando se fala em empreendedorismo feminino, um dos primeiros nomes nacionais que vem à cabeça é o de Luiza Helena Trajano.

Nascida no interior de São Paulo, ela foi a responsável por transformar uma loja local em um dos maiores varejos do Brasil: Magazine Luiza.

Para tanto, a empreendedora precisou aprender desde cedo as peculiaridades do processo de convencer o cliente a comprar e, quando mais velha, precisou ousar e arriscar.

Mudou o nome do negócio até então bem consolidado, instituiu uma cultura organizacional de sucesso e deu início ao crescimento bem sucedido do negócio de família.

Os resultados aparecem em forma de números mais do que positivos: somente no primeiro trimestre de 2016 o lucro da rede de lojas subiu 243% e atingiu o patamar de mais de R$ 10 milhões.

Lorena de Carvalho

A coxinha de frango é um dos quitutes mais típicos e apreciados pelos brasileiros. Sabendo disso, a empreendedora Lorena de Carvalho deu um passo a frente e começou um negócio de sucesso antes dos 25 anos.

A ideia foi simples: vender copos com 15 minicoxinhas ao preço de R$ 1. A ideia do negócio, chamado de Zé Coxinha, deu tão certo que não demorou até a marca se transformar em uma franqueadora.

Lorena é um exemplo porque seu investimento foi de apenas $ 60 mil, considerado pequeno para boa parte dos novos negócios, mas o grande diferencial foi a personalidade única à marca e o preço justo com grande margem.

Em 2014, o número de lojas já passava de 58 e o faturamento mensal superava o valor de R$ 600 mil.

Patrícia Bonaldi

Uma estilista queridinha de famosas e anônimas e que despontou no mercado nacional é Patrícia Bonaldi. Se hoje ela é responsável por criar vestidos e peças trabalhadas em pedrarias, tudo começou com uma loja voltada para artigos de festa.

Com o fortalecimento e crescimento da marca que leva o seu nome, ela ganhou seu espaço no competitivo cenário da moda brasileira.

Não apenas suas criações já foram parar em tapetes vermelhos e premiações em diversas famosas como também já esteve na São Paulo Fashion Week.

Hoje, suas criações são cobiçadas, reconhecidas e também vendidas em diversas lojas espalhadas pelo país, além de participar de desfiles internacionais. Além disso, a empresária mostra versatilidade ao apostar em novos segmentos, como ao abrir uma escola de costureiras.

Chieko Aoki

Chieko Aoki é a fundadora e também a presidente da Blue Tree Hotels, uma das redes hoteleiras mais importantes e mais presentes em todo o território nacional.

Para conseguir chegar ao sucesso, a empreendedora acumulou experiência no Brasil e também nos Estados Unidos, Ásia e Europa. Inserida no mercado hoteleiro, decidiu largar suas funções em 1997 e criou a rede de hotéis.

Mais do que apenas bem-sucedida em relação ao empreendedorismo, é uma líder de muitos talentos que divide seus conhecimentos com os principais grupos sobre esse assunto.

Em 2014, a Blue Tree Hotels teve um aumento de receita de 9%, com uma margem de lucro de quase 37% e com um faturamento total de R$ 381 milhões.

Zica Assis

Zica Assis, nome pelo qual é conhecida Heloísa Assis, é uma ex-empregada doméstica que fez fortuna ao valorizar a beleza natural de seus cabelos.

Junto de Leila Velez, ex-taxista, a empresária começou a misturar produtos e criar fórmulas que deixassem seu cabelo do jeito que sempre sonhou.

A partir daí, criaram o Beleza Natural, o primeiro instituto voltado exclusivamente para cabelos crespos e cacheados. Com um produto único no mercado, criado por ela própria, começou a conquistar clientes e realizar a expansão.

Hoje, a marca tem mais de 130 mil clientes, quase 2 mil funcionários e um faturamento de R$ 250 milhões em 2015.

Donatella Versace

Donatella Versace é uma das figuras mais icônicas da moda internacional. Sua filha foi considerada a herdeira da grife Versace, que era de seu irmão.

Desde 1957 a empresária italiana é responsável por comandar a marca, que é uma das mais conhecidas em todo o mundo.

Não apenas Donatella teve sucesso em fazer a transição de governança da grife, como também conseguiu garantir que a marca se adaptasse às novas necessidades de consumo, mantendo um ótimo posicionamento no mercado mundial.

Com ajuda do e-commerce e de acordo com a própria marca, o crescimento do negócio em 2015 chegou aos dois dígitos, atingindo o valor de 20%.

Sara Blakely

Sara Blakely é uma empreendedora da Flórida que ficou milionária graças ao mercado de lingerie. Ela fundou a grife Spanx, responsável por oferecer ao mercado peças sem costura e de alta compressão.

Utilizada por famosas em todo o mundo, logo a marca ganhou projeção e se tornou uma verdadeira febre. A empresária precisou falhar e tentar novamente até desenvolver seu próprio modelo de liderança corporativa, o qual inclui ela mesma realizar os testes das peças que cria.

Com um investimento inicial de 5 mil dólares, ela se transformou na mais jovem empreendedora a construir fortuna própria. Hoje, seu patrimônio é avaliado em 1 bilhão de dólares.

O número de mulheres empreendedoras vem aumentando e por isso é sempre positivo se inspirar nas histórias de sucesso de quem prosperou no mercado.

Em diferentes segmentos, cada uma tem suas próprias características e a própria fórmula para conseguir o desempenho tão desejado.

E já que o assunto é o empreendedorismo, veja quais são os livros que todo empreendedor — e empreendedora! — precisa ler!

métricas de e-commerceinvestir em sua empresa.

">

Métricas de e-commerce como o seu termômetro de sucesso!

Ter um negócio online, exige o mesmo esforço que qualquer outro tipo de empreendimento. É preciso ficar atento às tendências de mercado, aos seus concorrentes, entender o seu público-alvo e saber como divulgar o seu negócio na mídia.

Ter um negócio online, exige o mesmo esforço que qualquer outro tipo de empreendimento. É preciso ficar atento às tendências de mercado, aos seus concorrentes, entender o seu público-alvo e saber como divulgar o seu negócio na mídia.

Para acompanhar o crescimento da sua loja online existem as métricas de e-commerce que são uma espécie de um termômetro de sucesso. Elas são os facilitadores para te ajudar a entender o mercado e buscar sempre oferecer o melhor para os consumidores.

A vantagem do e-commerce é poder monitorar cada ação de um usuário em tempo real, mas, para isso, é preciso entender quais são as principais métricas que merecem a sua atenção, o que elas significam e como mensurá-las.

Neste post nós vamos te ajudar a desvendar os mistérios das métricas de e-commerce e tirar todas as suas dúvidas sobre elas.

O que são métricas de E-commerce?

Todo negócio possui uma performance, e as métricas são os resultados das coisas que podem ser mensuradas destas performances.

Elas não precisam ser de fatos números e podem ser de diversos setores de um negócio, como financeiro, vendas, marketing, etc.

Cada parte de um empreendimento possui as suas próprias métricas e  cada uma delas apontam para diferentes tipos de análises.

Por que elas são importantes para uma loja online?

Avaliar as métricas são partes fundamentais do sucesso de um negócio. Entender o desempenho do seu comércio online pode fazer toda a diferença na hora de propor estratégias novas para alavancar alguma coisa que não está indo bem no processo.

Tenha diferentes métricas para cada setor de um e-commerce e entenda o papel delas no contexto como o todo.

As métricas estão ligadas ao desempenho do que aconteceu e a previsibilidade do que está por vir e por isso elas são tão importantes. Saber o que deu errado e conseguir chegar no que causou isso no final das contas é uma das funções das métricas.

Através dos dados gerados por elas, suas decisões poderão ser tomadas com maior segurança e certeza de que aquilo é melhor para aquele momento do seu e-commerce.

Quais são as principais métricas de E-commerce que você deve ficar de olho?

A essa altura do texto, você já sabe porque as métricas de e-commerce são importantes para te ajudar a chegar nos seus objetivos de negócio. Acompanhe agora quais são as 8 métricas que serão o termômetro de sucesso do seu empreendimento:

CAC – Custo de aquisição de Clientes

É o CAC que vai te informar todos os gastos que você teve para adquirir um cliente. Para chegar a essa informação, é só fazer uma conta bem simples:

(soma dos investimentos para adquirir um cliente / número de clientes conquistados)

Para encontrar o seu CAC é importante documentar todos os gastos que você tiver desde o início do seu e-commerce. Nestes investimentos entrarão todos os gastos com publicidade e marketing como: email marketing, facebook ads, google ads, design, etc.

Quanto menor o seu CAC, melhor será para a saúde financeira do seu negócio. Isso significa que o que você gasta para atrair os seus clientes é menor do que o ticket médio deles com a sua loja.

Ticket Médio

Saber a média de quanto o seu cliente gasta na sua loja online pode ser fundamental para elaborar o seu plano de negócio e decidir quais serão os próximos passos que você dará.

Para encontrar o seu ticket médio, basta somar todo o montante das suas vendas e dividir pela quantidade de cliente que você tem:

(Soma do montante (R$)  /  Número de vendas feitas).

Com o acompanhamento do seu ticket médio, você consegue se programar e acompanhar o que falta para atingir as suas metas, seja ela semanal, mensal ou trimestral.

Obs: Nós aconselhamos a acompanhar nestes 3 espaços de tempo as suas metas e entender os fatores que podem afetar o seu negócio, como um feriado no meio da semana por exemplo.

Abandonamento de carrinho

Se o seu e-commerce tem uma alta taxa de visitas, um alto número de engajamentos mas possui uma taxa alta de abandonamento de carrinho significa que você está com problemas.

Identificar de onde vem esse problema, é fundamental para manter o seu desempenho positivo e manter em dia a saúde do seu negócio.

A conta para saber qual é a taxa de abandonamento de carrinho, é a seguinte:

(Nº de pessoas que colocam um produto no carrinho / Nº de pessoas que realizam uma compra) x 100

Identifique de onde vem o problema, se é na forma de pagamento, se é como os produtos ficam expostos no carrinho, etc. Trabalhe para acabar com os problemas e aumente as suas vendas.

Uma dica que faz toda a diferença para o abandonamento de carrinho é a lista de desejo. Se o carrinho de compra é esvaziado toda vez que o usuário fecha a janela do navegador, provavelmente ele pode desistir da compra mais facilmente, e por isso ter uma lista de desejos ou deixar o carrinho de compras gravado pode ser um diferencial do seu e-commerce.

Taxa de rejeição

A taxa de rejeição não está diretamente relacionada com o ato da compra, mas pode significar muito para entender quais aspectos que precisam ser melhorados no seu site.

A taxa de rejeição é o número que vai te informar qual a porcentagem de pessoas que saem do seu site sem cometer nenhuma interação.

Para encontrar a taxa de rejeição do seu e-commerce é só fazer a seguinte conta:

Rejeição = (visitantes que saem do site sem interagir / total de visitantes do site)*100

Vários motivos podem levar um usuário sair da sua página sem ao menos dar uma chance de interação, veja a seguir 3 exemplos que podem elevar a taxa de rejeição:

  • Aspectos visuais do site que levam a falta de confiança;
  • Quando o site abre uma landing page, que de fato não é o usuário estava buscando;
  • Pop up que não aparece sutilmente na tela;

Pense que toda essa taxa de rejeição são possíveis vendas que você deixou de fazer e por isso trabalhe sempre para manter esta taxa a mais baixa possível.

Taxa de conversão

Manter esta taxa alta, talvez seja o principal foco de um empreendedor. A taxa de conversão vai mostrar quantas vendas de fato estão sendo realizadas.

Para encontrar a sua taxa de conversão, é simples basta pegar o número dos visitantes que realizaram uma compra e dividir pelo número total de visitantes. Assim:

(Nº de visitantes que realizam uma ação / Nº de Visitantes) x 100

No final das contas, o importante mesmo é a quantidade de visitantes que vão virar clientes de fato. E por isso, a taxa de conversão é o termômetro do sucesso da sua loja online! Quanto maior for esta taxa, melhor para você e seus negócios.

Opt-In Conversion Rate

O email marketing deve ser uma estratégia explorada pelo seu e-commerce já que ela pode significar muito.

Mais do que ter um cliente, é ótimo para o seu negócio quando você consegue fidelizá-lo. Fazendo uma boa campanha de email marketing, você criará novas oportunidades de compras daquele cliente.

Opt-In Conversion Rate é a taxa que vai te informar quantas pessoas estão fornecendo o seus dados através de um campo de assinatura de newsletter.

Para encontrar a sua taxa de Opt-In Conversion Rate, basta pegar a quantidade de usuários que informaram o email e dividir pela quantidade de visitantes.

OPTIN = ( Opt-In / visitas )

Faça com que seus clientes forneçam a você os dados que são precisos para entender qual é o tipo de público do seu negócio e tenha a chance de fazer com que eles voltem a comprar no seu site.

ROI – Retorno sobre Investimento

Em qualquer tipo de negócio, saber qual é o seu retorno sobre tudo aquilo que você investiu, é peça chave para projetar novos objetivos de negócio. No e-commerce não é diferente!

O ROI pode mostrar se as coisas estão indo bem ou não, se a estratégia usada é a ideal e te ajuda a tomar decisões nos próximos investimentos.

Para encontrar o ROI do seu empreendimento basta usar a seguinte fórmula:

ROI = ((Receita – Custos) / Custos) *100

Lembre-se que o ideal é calcular o seu Retorno sobre Investimentos de acordo com o canal de aquisição de tráfego.

Exemplo: Facebook ads te dá o retorno de X% enquanto a divulgação através da estratégia de marketing de conteúdo traz o retorno de 3X%.

Cuidado, as métricas de vaidade podem enganar você!

Já falamos aqui sobre as métricas de vaidade, elas podem criar uma falsa sensação de sucesso. Por isso, saiba lidar com elas.

Curtidas nas redes sociais não são sinônimos de vendas e nem de visitantes no seu site, por exemplo.

Entender que as métricas de vaidade estão ligadas ao objetivo que você quer chegar. Se o seu objetivo é aumentar o engajamento com a sua marca, neste caso em específico, as curtidas representam e muito para alcançar o seu objetivo.

Este tópico é mais para deixar um aviso que nem toda métrica pode te indicar de fato se o seu negócio está dando certo e gerando lucro para você, se quiser saber mais sobre as métricas de vaidade, leia este post!

As ferramentas que podem te ajudar na análise das métricas

Existem algumas ferramentas que podem ser úteis na hora de juntar informações para analisar as suas métricas. Entre ferramentas pagas e gratuitas, nós vamos indicar neste post as duas principais ferramentas:

Google Analytics

O Google vai te ajudar na hora de monitorar o comportamento dos seus visitantes! Esta ferramenta vai te informar dados fundamentais para entender as suas métricas e conseguir calcular elas.

O Analytics é uma ferramenta gratuita e muito eficiente. Este o sistema de monitoramento do Google é indispensável para qualquer empresa.

KISSmetrics

Muito semelhante ao Analytics, o KISSmetrics é uma ferramenta paga – consequentemente, possui um leque maior de opções – que está ligada às métricas de receita do seu e-commerce.

Nela, é possível emitir relatórios, fazer teste A/B, entre outras diversas opções. O ideal é conseguir alinhar as duas ferramentas e obter o melhor resultado de informações para análise das suas métricas.

Conclusão

Se você quer entender a razão pelo crescimento ou não do seu e-commerce, as métricas farão a total diferença na sua vida.

Um bom empreendedor, vive com os números e busca sempre atingir seus objetivos e consequentemente o sucesso do seu empreendimento. Espero ter ajudado você, a entender a devida atenção que as métricas do seu e-commerce merece e como elas podem dizer muito sobre o seu negócio.

Quer saber mais sobre como aumentar as vendas do seu e-commerce? Leia este artigo.

empreender sem dinheirovendas. Afinal, ela é uma das coisas mais importantes para qualquer empresa. Porém, elas não irão aparecer do dia para a noite.

">

Empreender sem dinheiro: Quais são as reais chances de dar certo?

Todo início de negócio pode ser um período muito complicado. É preciso ter certeza que a sua ideia é promissora, além de ter uma grana para fazer todo investimento inicial.

Todo início de negócio pode ser um período muito complicado. É preciso ter certeza que a sua ideia é promissora, além de ter uma grana para fazer todo investimento inicial.

Se você tem:

  • a mente empreendedora;
  • a vontade de fazer a sua ideia de negócio dar certo;
  • gente que apoia a sua ideia;

E ainda sim não está empreendendo, provavelmente você está perdendo tempo, mesmo não tendo o capital inicial.

Neste artigo, nós vamos ajudar você — que quer começar a empreender sem dinheiro — com dicas para conseguir abrir o seu próprio negócio e saber quais são as reais chances de tudo isso dar certo.

Antes de empreender sem dinheiro, é preciso planejamento!

Começar o seu próprio negócio do zero e sem nenhum planejamento pode complicar ainda mais toda essa nova etapa na vida de um empreendedor.

Quais são os principais pontos que exigem planejamento para começar a empreender sem dinheiro? Acompanhe a seguir.

Tenha um Plano de negócio

Nem só de boas ideias se sustenta um empreendimento de sucesso. Antes de tudo, você precisa elaborar um plano de negócio.

O seu objetivo principal é ganhar dinheiro não é mesmo? E por isso, é preciso estruturar todo o seu “passo-a-passo”. Um bom plano, precisa responder diversas questões, entre elas:

  • Qual será o público alvo?
  • Quais são seus principais concorrentes?
  • Qual é o capital inicial preciso?
  • Qual será o custo de produção por produto?
  • Qual será o preço final do seu produto/serviço?
  • Qual é o seu objetivo com o negócio?

Este momento pode ser decisivo para a decisão de continuar levando a sua ideia adiante ou perceber que ela não trará bons frutos. E por isso é um passo imprescindível antes de correr atrás de alguém que financie o seu sonho de empreender.

Analise a concorrência e faça testes de mercado

Depois do plano de negócio, o próximo passo é saber tudo o que for possível dos seus concorrentes. O Benchmarking pode te ajudar muito!

Tenha o seu concorrente como referência, aplique em seu negócio aquilo que deu certo, tenha a oportunidade de fazer diferente e gerar valor, e ainda aprenda com os erros dele.

Você precisa ser o diferencial do mercado e por isso entender o seu concorrente é tão importante.

Quanto aos testes de mercado, eles servem para que você entenda a dimensão que o seu negócio pode tomar. Neste período é importante trabalhar com o improviso e com o que você tem. Por exemplo: a sua garagem pode virar seu depósito ou sua oficina.

O começo é cheio de descobertas e por isso os testes são necessários. Eles vão te ajudar a descobrir quem é de fato o seu público-alvo, o que eles esperam do seu empreendimento, quanto eles estão dispostos a gastar e com qual frequência.

Não estoque as coisas nessa fase de teste! Se você for vender peças de roupas online por exemplo, compre ou produza a sua mercadoria de acordo com os pedidos. Mas lembre-se que o produto deve manter a fidelidade com aquilo que o seu cliente escolheu na hora da compra.

Com o tempo você descobrirá todas as informações para escalonar o seu negócio, ter previsibilidade e obter o sucesso.

Saiba quantos profissionais você precisará no seu time

A próxima etapa é estruturar o seu time no papel. No início, é preciso deixar bem claro que seus futuros funcionários terão cargos de multitarefa, pois uma equipe enxuta é fundamental neste início de uma empresa.

Encontre pessoas que acreditam na sua ideia e que vistam a camisa do time! Seus futuros funcionários precisam estar dispostos a “remar o barco” junto com você.

Lembre-se que funcionários exigem muitos gastos com a parte de legalização — salários, INSS, benefícios, etc. — e por isso exige um planejamento prévio.

Mantenha o seu emprego atual durante todo o planejamento

Talvez este seja o ponto mais difícil: conciliar o seu tempo entre o emprego atual e os seu novo empreendimento.

Como você deseja empreender sem dinheiro, manter o seu emprego pode ajudar e muito nos custos que você terá para erguer a sua nova empresa.

Montar um plano de negócio e começar a executá-lo demanda tempo. Aproveite este tempo e faça o seu “pé-de-meia”, destinando parte do seu salário para o seu novo negócio.

Tomar a decisão de abandonar o seu emprego cedo demais pode deixar a sua situação financeira ainda mais complicada e desmotivar os seus planos.

O modelo de negócios também é importante!

Depois de viabilizar as coisas com o plano de negócios, chegou a hora de saber como, para quem e por quanto serão vendidos os seus produtos ou serviços.

O modelo de negócio é algo bem mais simples, apesar de ser confundido com o plano de negócios. É preciso entender como a sua empresa cria os produtos, como ela entrega para os clientes e como ela vai fidelizá-los.

O próximo passo é encontrar alguém que acredita na sua ideia

Depois de fazer todo o seu plano de negócio, de testar a sua ideia e fazer a sua projeção de equipe, chegou a hora de encontrar algum investidor que esteja disposto a investir no seu empreendimento. Alguém que não só invista dinheiro, mas alguém que acredite de fato na sua ideia.

Neste primeiro momento procure amigos ou familiares que tenham condições de te ajudar. Combine uma forma de pagamento ou então proponha uma sociedade, algo muito comum nestes casos.

Ter um sócio na sua empresa não significa que ambos entram com o trabalho. Um sócio pode entrar com o capital inicial enquanto outra pessoa entra com a execução.

Procure alguém que tenha um bom relacionamento com você e que esteja disposto a caminhar junto durante todo esse processo de descobertas de um novo negócio.

Dê preferência àquela pessoa que acredita na sua capacidade e confia na sua inteligência como empreendedor.

Outra saída, é encontrar um investidor anjo, quer saber mais sobre ele? Leia o nosso post e descubra tudo o que você precisa saber para encontrar o seu.

Faça um empréstimo oficial

Suponhamos que você tenha conseguido com algum amigo ou parente próximo o investimento que você tanto precisava para dar início a sua ideia de negócio.

Sabemos que esse é só o início e por isso se preparar para fazer um empréstimo com um banco ou empresas especializadas é o próximo passo.

Como você começou a empreender sem dinheiro, tenha consciência de que será preciso um constante investimento no seu negócio para conseguir crescer — como aumentar o número de funcionários, melhorias no espaço físico, adquirir novas tecnologias, entre outras coisas — e será através de mais capital que tudo isso acontecerá.

Existe a possibilidade de encontrar investidores para o seu negócio que, além de ajudar com a estrutura financeira, terão muito o que ensinar como empreendedores.

5 dicas rápidas para se manter na fase inicial do seu novo negócio

Sabemos que o início é cheio de altos e baixos e por isso exige muita calma e perseverança para continuar colocando em prática estratégias que vão levar a ascensão do seu negócio.

Acompanhe agora as 5 dicas que podem fazer a diferença na sua vida de empreendedor:

Divulgue o seu negócio

Para recuperar rapidamente o que foi investido no seu negócio, é preciso fazer com que ele se torne conhecido.

Use as mídias a seu favor! Saiba onde o seu público-alvo se encontra. Use todos os artifícios das redes sociais e estratégias de marketing para se promover.

Cliente em primeiro lugar

O cliente é a razão da existência do seu negócio e por isso certifique-se que você está cumprindo as expectativas dos consumidores em relação a qualidade do seu produto ou serviço, em relação ao preço e até mesmo sobre a forma como eles são atendidos.

Antes de querer recuperar o capital investido, mantenha seu foco sempre no seu cliente e busque inovar para tentar superar suas expectativas.

Tenha cuidado com os contratos, fornecedores e parcerias

De fato, no início do seu negócio você não terá toda técnica e nem vivência para evitar entrar em algumas “roubadas” e por isso deve ter atenção redobrada antes de assinar algum contrato, antes de fechar com algum fornecedor ou antes de firmar uma parceria.

Todo cuidado é pouco. O início de um negócio é muito frágil, e os erros por mais que aconteçam, devem ser evitados.

Procure conversar com empreendedores mais experientes e aos poucos você vai aprendendo as técnicas e ganhando a “maldade” para evitar entrar em situações complicadas.

Crie soluções que exijam baixo capital de giro

Use toda a sua criatividade para propor resoluções de baixo custo para todos os problemas que estão por vir.

Com o planejamento financeiro e um plano de negócio bem estruturado cresce a sua possibilidade de ter um recurso financeiro para propor soluções de maiores proporções.

Caso o contrário, lembre-se de nunca se endividar logo no início do seu negócio. Não dê passos maiores do que a sua perna.

Aprenda a negociar

Técnicas de negociação serão algo que você vai adquirir com o tempo. O mais importante é você estar disposto a aprender desde o início.

Com o passar do tempo você ficará bom nisso, mas até lá, você ainda pode fechar negócios que não são lá grandes coisas.

O importante aqui é conseguir o melhor preço na hora de contratar algum funcionário, na hora de comprar algum equipamento ou fechar com um fornecedor. Assuma os riscos de negociar, afinal, o máximo que pode acontecer é você ouvir um “NÃO”.

Conclusão

Se você é uma pessoa organizada e se planejou antes de ir em frente na hora de empreender sem dinheiro, o seu negócio tem chances reais de dar certo, desde que você encontre alguém que esteja disposto a investir na sua ideia.

Não serão dias fáceis e por isso o mais importante, além da disposição em aprender, é acreditar em sua ideia e manter vivo o seu sonho de empreender.

Esteja disposto a estudar e aprender a teoria de estratégias, métodos e ferramentas que podem ser úteis durante a prática no dia a dia.

Aqui no Saia do Lugar, nós podemos te ajudar nessa etapa. Que tal aprender mais sobre começar o seu sonho de abrir o seu próprio negócio? Baixe agora o nosso ebook: Viva Seu Sonho.

empreendedorismo de palcoempreendedor vai muito além de dar palestras vazias de ideias, motivação e sorte.

">

Empreendedorismo de palco: Empreender virou uma farsa?

Não são só os dons de oratória e presença de palco que fazem bons líderes. Ser um empreendedor vai muito além de dar palestras vazias de ideias, motivação e sorte.

Não são só os dons de oratória e presença de palco que fazem bons líderes. Ser um empreendedor vai muito além de dar palestras vazias de ideias, motivação e sorte.

Empreender virou a grande questão do mundo globalizado e brechas de inovação de mercado nascem a todo momento. A grande questão é: quantas pessoas realmente possuem a veia para fazer a gestão de um negócio?

Neste artigo, nós vamos explicar a você o que é o empreendedorismo de palco e porque este é um modelo metódico e nem um pouco recomendado, apesar de muito sedutor.

O que é de fato empreendedorismo de palco?

Você, como interessado no assunto, já foi em alguma palestra onde o palestrante falou, falou e falou, mas no final das contas não falou nada? Isso é empreendedorismo de palco!

A palestra é visualmente bonita, os infinitos slides são todos em um padrão de design invejável e a oratória é impecável, mas … na hora de fazer o balanço do que foi aprendido, todo aquele momento não acrescentou nada.

É muito comum que termos técnicos e estrangeirismos sejam usados neste tipo de evento que beira o espetáculo em forma de palestra, já que eles dão um ar de sofisticação e “profissionalismo”.

Não podemos negar que o empreendedorismo é um assunto veio para ficar e está em alta no mercado, inclusive literário.

O problema é que os conteúdos que realmente poderiam ser um oráculo para ajudar alguém a alcançar um objetivo com seu negócio, se tornaram conteúdos de auto ajuda — que é o que vende — mas não serão essas palavras de incentivo que ajudarão um empreendedor na prática.

E com todo essa glamourização do empreendedorismo, podemos levantar a seguinte pergunta:

Empreendedorismo virou autoajuda?

Se você é um empreendedor de verdade, você sabe que para alcançar o sucesso é preciso muito mais que sorte. Ser bem sucedido exige um trabalho árduo e um constante aprendizado, que são consequência do conhecimento aliado a prática.

Com a explosão do empreendedorismo na mídia, todo esse sentido acabou se perdendo um pouco. Muitos empreendedores começaram a lançar livros de autoajuda prometendo que aquelas seriam as chaves para o sucesso de um empresário.

Até mesmo os portais de notícias de empreendedorismo acabaram aderindo a conteúdos que vendiam mais, que são as famosas “receitas prontas” para cliques!

Com isso, muita coisa se perdeu. Talvez a essência do empreendedorismo tenha sido tomada pelo empreendedorismo de palco, soluções teóricas que no final das contas não levam empreendedores a lugar nenhum.

É importante frisar que o estímulo faz parte da caminhada de um empreendedor, mas não é o caminho inteiro. Um empreendedor não chega ao sucesso apenas com a técnica se ele não estiver empolgado o suficiente para lutar dia a dia com os desafios de um negócio. Mas a prática é muito importante para ter um empreendimento que tenha resultados de verdade.

Como identificar um empreendedor de palco?

Agora que você já sabe como funciona o espetáculo do empreendedorismo e a forma com que ele afeta a formação de outros empreendedores, acompanhe a seguir as principais características para não perder o seu tempo e identificar essas situações.

Fique em alerta com a abordagem

Se o palestrante começar a abordar assuntos que se baseiam apenas na motivação, esteja ciente que isso tudo pode ser uma cilada!

Um bom palestrante é aquele que vai abordar ferramentas e métodos que são aplicáveis no seu dia a dia como uma pessoa de negócios e, se necessário, também as questões motivacionais.

Uma boa palestra deve ter sempre algo que seja um insight na sua vida, alguma coisa que foi dita ali que pode fazer a diferença de forma prática no seu negócio.

Por isso abordagens coerentes seriam por exemplo: formas de otimizar o tempo de um empreendedor, como lidar com a gestão de equipes, formas de aumentar a produtividade, entre diversos outros conteúdos de utilidade.

Mas a partir do momento que um palestrante que se denomina empreendedor sobe ao palco exclusivamente para dizer “Não desista dos seus sonhos”, ele possivelmente está praticando o empreendedorismo de palco.

Sem dados de performance não dá para levar a sério

Uma das coisas que vão te ajudar a identificar se um palestrante pode ser “classificado” como empreendedor de palco são os dados de performance dele.

O que seriam esses dados? No caso, são os números do desempenho que comprovam o sucesso dele. Como por exemplo: os investidores, o aumento das vendas ou até mesmo o faturamento.

Além disso, mostrar os dados do progresso e a estratégia usada para avançar o negócio são coisas que fazem toda a diferença e que podem realmente ajudar alguém a ter ideias.

Se faz o centro das atenções?

Um empreendedor de palco concentra toda a sua palestra em falar sobre sua vida pessoal, tornando os fatos muito maior do que eles realmente foram.

Se vangloriar pode sim impressionar as pessoas que estão na plateia, mas no fim das contas, não vai ajudar ninguém a alcançar um objetivo de negócio.

Mais importante do que falar de si, é falar do eu-empreendedor. Contar experiências e situações que são ligadas a construção de toda uma carreira de sucesso são relevantes, tanto para o empreendedor que está no palco quanto para a plateia.

Ignora os métodos e as ferramentas

Se existe uma coisa que pode ajudar todo empreendedor iniciante são os métodos e ferramentas que fizeram um empreendedor experiente chegar onde ele chegou.

A questão é que os empreendedores de palco não falam sobre isso. Eles preferem ignorar os métodos e as ferramentas de um modelo de negócio. Mas são elas que ajudam os espectadores no caminho do sucesso.

Fuja do empreendedorismo de palco!

A questão é que a motivação é precisa, mas ela não precisa ser todo o conteúdo a ser passado em uma palestra ou em outros lugares de contato. O conteúdo precisa ser aplicável em um negócio, afinal um negócio precisa de muito mais que boas ideias.

O ideal é que a motivação se una a boas técnicas de gestão para que uma empresa vá para frente. Por isso, fuja do empreendedorismo de palco! Fuja como espectador e fuja de praticá-lo.

É importante fazer com que o empreendedorismo não se perca no meio dessa fase de glamourização que está acontecendo. É interessante que o assunto tenha ganhado mídia e visibilidade, porém, não se trata de uma vitrine pessoal.

Toda essa visibilidade deve ser aproveitada para formar cada vez melhores profissionais no mercado e, porque não, novas oportunidades de negócio. Sendo assim busque técnicas sem abandonar o incentivo.

Para finalizar, sabemos que todo modelo é passível de falhas, e por isso não é porque um empreendedor não conseguiu levar o seu negócio adiante que ele não possa realizar palestras produtivas.

Empreendedorismo de palco não trata de um negócio de sucesso ou não, trata de passar um conteúdo vazio de ideias para as pessoas.

Agora que você já sabe que ideias vazias não formam bons negócios, que tal aprender sobre as métricas de vaidade? Acompanhe este post.

o que é e-commerce

O que é e-commerce: Vale a pena abrir uma loja online?

Você sabe o que é e-commerce? Essa é uma modalidade de comércio que promete  cada vez mais revolucionar a forma como as empresas realizam suas vendas e transações.

Você sabe o que é e-commerce? Essa é uma modalidade de comércio que promete  cada vez mais revolucionar a forma como as empresas realizam suas vendas e transações.

Trata-se de uma inovação no mundo dos negócios, que se adéqua perfeitamente ao mercado globalizado em que vivemos, representando uma grande oportunidade de crescimento para pequenas e médias empresas.

Com um comércio cada dia mais competitivo, se tornar um empreendedor de sucesso exige capacidade para inovar e se adequar às novas necessidades do consumidor. É nesse cenário que as vendas online vêm crescendo e se tornando a chave para o êxito de inúmeras empresas.

Se você é um empresário que entende a importância da criatividade e da inovação, mas ainda não sabe o que é e-commerce, não deixe de ler este conteúdo que preparamos para lhe ajudar a decidir se vale a pena ou não investir em uma loja online.

Continue lendo e saiba agora mesmo!

Afinal, o que é e-commerce?

Antes de mais nada, é necessário conceituar o termo para que possamos, a partir daí, analisar melhor essa nova tendência de mercado.

Em termos mais simples, o e-commerce (electronic commmerce) pode ser traduzido em comércio eletrônico. Ou seja, podemos conceituá-lo como toda transação realizada por meio eletrônico, sendo a internet a ferramenta mais utilizada para isso.

O modelo surgiu, inicialmente, para o comércio de bens mais acessíveis como CDs e livros. Entretanto, as lojas online se tornaram tão populares que já é possível encontrarmos carros, casas e até alimentos à venda na internet.

No Brasil, o e-commerce passa por uma fase de expansão. Mesmo diante da crise, o setor tem apresentado bons índices de crescimento, se tornando uma alternativa para os empreendimentos que buscam se destacar e atingir novos mercados.

A opção de se vender produtos e serviços via internet é uma inovação que corresponde às mudanças de comportamento e perfil dos consumidores, que passaram a exigir mais conforto e eficiência ao realizar suas compras.

Qual o momento certo para abrir uma loja online?

Conforme dito, o segmento do comércio eletrônico vive uma boa fase no mundo. Todo esse sucesso tem atraído os olhares de empresários que buscam uma oportunidade para expandir seus negócios e alcançar novos nichos de clientes.

Em contrapartida, antes de optar em abrir uma loja online, o empresário deve analisar em que fase se encontra o seu negócio físico e planejar muito bem sua estratégia de mercado.

Isso porque, o e-commerce é uma excelente alternativa para inovar em tempos de crise, permitindo que a empresa aumente seu campo de atuação, através de um investimento relativamente baixo. Entretanto, é preciso ter cuidado pois, para render bons frutos, a loja virtual necessita de atenção, tanto quanto a loja física.

De modo geral, quando analisamos o momento em que o consumidor ao receber estímulos de marketing digital decide realizar pesquisas na internet sobre o produto e empresas, percebe-se que empreendimentos que possuem lojas virtuais têm mais chances de finalizar a venda.

Portanto, para saber o momento ideal de se investir em e-commerce, fique atento à mudança de comportamento de seus clientes e da concorrência.

Realize pesquisas e, acima de tudo, estude, aperfeiçoe seus conhecimentos e faça um planejamento, pontuando quesitos importantes como estratégia de marketing e diferenciais de seu negócio.

Assim, você e sua empresa estarão preparados para ingressarem em um novo mercado, totalmente em ascensão.

Vantagens e desvantagens do e-commerce

A essa altura do texto, já sabemos o que é e-commerce e já chegamos à conclusão de que a expansão das vendas online tem relação com o novo modo de agir e pensar dos consumidores, sendo essencial que as empresas se adaptem para assegurarem sua sobrevivência.

Entretanto, o comércio eletrônico, como todo tipo de negócio, apresenta vantagens e desvantagens. Conhecê-las bem é o primeiro passo para se programar e evitar surpresas e resultados insatisfatórios ao se aventurar no mercado digital.

Vantagens de possuir uma loja online

Sem dúvidas, atuar com vendas online pode ser visto como uma decisão vantajosa para empresários que se planejam e visam expandir seus negócios.

A maior vantagem está relacionada ao baixo investimento quando comparado a uma loja física. Montar uma estrutura de loja virtual é mais simples e barata, sendo que, atualmente, já existem empresas especializadas que entregam a plataforma de e-commerce pronta para o empresário iniciar suas vendas.

Além disso, poder disponibilizar sua marca e seu produto em um site de e-commerce 24 horas por dia, transpondo barreiras físicas, pode ser uma grande oportunidade de crescimento, desde que a empresa esteja preparada para suprir a demanda.

Outra vantagem é a redução dos custos operacionais e de manutenção. Com uma loja online, o empreendedor reduz os gastos com funcionários, aumentando sua margem de lucro. Assim, ele poderá investir em promoções e descontos para atrair novos clientes.

Desvantagens do comércio eletrônico

Apesar de todo esse sucesso, alguns aspectos negativos ainda precisam ser superados por essa nova tendência de mercado. Especialmente porque, um grande número de empresas ainda não consegue se firmar no comércio eletrônico.

A maior dificuldade de quem atua nesse segmento é convencer o consumidor de que seu produto é de boa qualidade. Como não há o contato físico com a loja e com produto, transmitir credibilidade e confiança é um dos principais desafios do empreendedor.

Além disso, alguns itens exigem uma logística muito grande para a venda, como alimentos perecíveis ou aqueles em que os custos com o frete são elevados, o que acaba distanciando o cliente.

Outro ponto crítico da venda pela internet é o momento da transação econômica virtual. Diante de tanta insegurança nas compras online, os consumidores ainda se sentem inseguros ao inserirem seus dados bancários em uma plataforma mais suscetível a fraudes.

Por fim, temos um problema relacionado ao comportamento dos consumidores. Grande parte deles ainda não se acostumou em comprar e aguardar a entrega de seus produtos e acabam optando pela loja física, caso a compra online não seja muito mais vantajosa.

Com a leitura do post de hoje foi possível aprender o que é e-commerce e avaliar o momento certo para investir em uma loja virtual.

Não restam dúvidas de que o comércio eletrônico é uma opção interessante e viável para facilitar o processo de expansão de pequenas e médias empresas.

Entretanto, como vimos, é importante planejar e estar preparado para enfrentar de maneira estratégica os desafios comuns às vendas virtuais.

Quer aprender um pouco mais? Conheça a Jornada de Compras do consumidor e entenda como funciona o processo de decisão de seus clientes!

como diminuir abandonamento de carrinho

Como diminuir abandonamento de carrinho? Veja 12 soluções para acabar com este problema

O abandono do carrinho de compras é um dos principais problemas enfrentados por quem tem um negócio online.

O abandono do carrinho de compras é um dos principais problemas enfrentados por quem tem um negócio online.

Não adianta. Algumas pessoas vão, inevitavelmente, abandonar seus carrinhos antes de realizarem o checkout.

No entanto, existem métodos que podem ajudar a reduzir esse índice de abandonamento e fazer com que o seu site aumente a taxa de conversão em vendas.

Ficou interessado?

Conheça agora 12 dicas sobre como diminuir abandonamento de carrinho e ter sucesso no seu negócio online!

O que leva um cliente a abandonar o carrinho de compras

Antes de saber o que fazer, é preciso compreender os principais motivos que levam os clientes a abandonarem seus carrinhos de compra no meio do processo. Confira a lista abaixo:

  • Insegurança na hora de passar os dados pessoais para realizar a transação financeira;
  • Processos longos e complexos (muitas etapas para concluir a compra);
  • Dificuldades para navegar entre as páginas de compra e do site;
  • Ausência de formas de pagamento que desejaria utilizar;
  • Distrações dentro e fora da página de compras;
  • Pouca informação sobre os produtos e serviços;
  • Páginas que demoram muito para abrir;
  • Falta de incentivos, como descontos.

1. Mostre uma barra de progresso para a finalização da compra

Ao mostrar claramente os clientes onde eles estão no processo de compra, você eliminará uma potencial barreira que é a preocupação do cliente em relação ao tempo que levará para concluí-la.

A barra de progresso também ajuda a eliminar dúvidas tornando o processo mais claro e de fácil compreensão por parte do cliente.

Utilize o mínimo de passos possível (não mais do que três etapas) e torne a experiência de compra do cliente mais simples e menos intimidante.

2. Construa e estabeleça confiança nas transações financeiras

A solicitação dos dados pessoais é uma das etapas mais determinantes para a decisão final de compra.

O consumidor é desconfiado, principalmente devido ao alto índice de fraudes na internet. Por isso, para o cliente confiar em você, vai precisar se esforçar um pouco.

Para resolver isso, inclua símbolos que inspiram confiança, tais como posicionar logotipos de segurança em locais de destaque na página de compra.

Outra dica, é ter um contrato de confidencialidade. A ferramenta Guru PME pode te ajudar a criar o seu!

3. Configure um Call-To-Action forte para o cliente prosseguir

Muitos sites não incluem quaisquer chamadas para a ação em suas páginas de pagamento. A lógica por trás disso parece estar enraizada na suposição de que, se um cliente em potencial acrescentou um item ao seu carrinho, então ele já não precisa mais de qualquer incentivo para realmente comprá-lo. Esse pensamento pode ser fatal para o negócio.

Saiba que, a página de pagamento é o lugar perfeito para adicionar um call-to-action forte e reforçar a determinação para o cliente completar o processo de compra.

4. Adicione a imagem dos produtos colocados no carrinho

A maioria das pessoas não vai esquecer o que adicionaram ao carrinho de compras, mas incluir imagens em miniatura dos produtos ajudará o cliente a manter o foco na compra, tornando o processo mais tranquilo para o cliente.

Com essa estratégia, você eliminará a possibilidade de distrações e, consequentemente, melhorará o índice de conversão em vendas.

5. Facilite a navegação entre o carrinho e a loja virtual

Outra dica importante sobre como diminuir abandonamento de carrinho é permitir que o cliente navegue facilmente entre a página de compra e o site.

Muitas lojas online não possibilitam isso para os clientes, impedindo que outros produtos sejam adicionados ao carrinho.

Facilite a navegação sem deixar que o carrinho se perca de vista no site e, além de aumentar a taxa de conversão, poderá aumentar o ticket médio por cliente.

6. Deixe os carrinhos salvos e facilmente acessíveis

Salvar um carrinho de compras deve ser tão fácil quanto clicar em um único botão.

Com tantas distrações potenciais, quase sempre há interrupção no processo de compras. Por isso, permita que os clientes, ao retornarem mais tarde, encontrem seus carrinhos da forma como deixaram.

Assim, poderão finalizar a compra no momento que for mais conveniente para eles.

8. Facilite o processo de compras ao máximo

Muitas lojas online enxergam o carrinho de compras como uma oportunidade para coletar dados sobre os usuários, e realmente é, mas forçá-los a criar uma conta (cadastrar login e senha) é um dos maiores motivos de abandonamento de carrinho.

Ao contrário, oferecer uma opção de checkout sem cadastro, você vai sacrificar boa parte desses dados, mas tornará mais simples e convidativo o processo de compras.

Além disso, proporcionará melhores experiências de compras para os clientes, fazendo com que não só voltem e comprem novamente como também criem contas para tirar proveito dos programas de fidelidade e outros incentivos oferecidos.

9. Seja claro quanto aos custos envolvidos

Uma das coisas que mais frustram os clientes nas compras online é descobrir que o preço dos itens foi acrescido por custos ocultos como taxas, juros de financiamento no cartão de crédito e valores de fretes não informados anteriormente.

Você não precisa somar todos esses custos no valor do produto, mas deve informá-los separadamente para o cliente saber, antecipadamente, quanto realmente pagará por ele.

10. Ofereça diversas formas de pagamento

Hoje, os consumidores estão buscando opções de pagamento que vão além dos tradicionais boletos bancários e cartões de crédito. O PayPal (banco online), por exemplo, tem sido muito utilizado por facilitar as compras internacionais.

Sistemas de pagamento móvel como o Apple Pay e o Google Wallet também estão se tornando cada vez mais populares, especialmente entre os jovens.

Então, ofereça novas opções de pagamento e elimine mais essa razão que um potencial cliente teria para abandonar o carrinho de compra.

11. Otimize a página de pagamentos

Páginas de pagamento que são lentas para carregar deixam os clientes impacientes, aumentando a taxa de abandonamento de carrinho de compras. Mas não se preocupe. Existem algumas técnicas simples para resolver isso.

Otimize as imagens para manter o equilíbrio entre qualidade e velocidade da página, limite o uso de rastreadores de redes de anúncios, conserte etiquetas mal implementadas, adicione somente os botões de redes sociais mais importantes para o negócio e faça o que mais for possível para diminuir o tempo de carregamento dessa página em específico.

12. Use técnicas de remarketing

A melhor dica sobre como diminuir abandonamento de carrinho nós guardamos para o final. Faça remarketing. Isso significa ir atrás deles mais tarde com campanhas promocionais, descontos sobre os itens adicionados no carrinho, melhores condições de pagamento, etc.

A ideia é estimular o retorno dele oferecendo uma oportunidade imperdível para finalizar a compra.

Todas essas dicas sobre como diminuir abandonamento de carrinho podem gerar resultados ainda maiores se forem utilizados conjuntamente. Então, não perca mais vendas. Comece hoje mesmo as mudanças na sua página de pagamentos e tenha um negócio de sucesso na internet.

Gostou das dicas? Veja também 6 dicas para criar propagandas mais criativas!