Letícia Abrantes

Analista de Marketing na Rock Content.
Futura publicitária e sagitariana. Acredito que melhores coisas do mundo são: unicórnios, amor e bom humor.



marketing de guerrilha

Marketing de Guerrilha: Vá direto ao assunto com o seu público!

O sonho de todo empreendedor é ver sua empresa se destacando no mercado, sendo comentada pelos consumidores. Uma alternativa para alcançar esse objetivo é investir em marketing.

O sonho de todo empreendedor é ver sua empresa se destacando no mercado, sendo comentada pelos consumidores. Uma alternativa para alcançar esse objetivo é investir em marketing.

No entanto, nem sempre o empresário tem dinheiro suficiente para criar uma grande campanha, como as vinculadas às grandes empresas, que têm a maior fatia do mercado. Cabe ao empreendedor desistir do seu objetivo, aceitando que não tem como vencer, certo? ERRADO. A resposta está no Marketing de Guerrilha.

O que é Marketing de Guerrilha?

Uma guerrilha é uma força de guerra que não possui o mesmo poderio militar de seu inimigo. Pensando assim, podemos achar que estão destinados à derrota, mas acredite, não estão.

O que torna a guerrilha capaz de vencer muitas batalhas é o conhecimento que possui. Você já deve ter ouvido falar da Guerra do Vietnã, não é mesmo?

Os guerrilheiros vietnamitas conheciam o terreno, os esconderijos, os hábitos locais, e isso foi fundamental para que eles vencessem um gigante militar do porte dos EUA.

Adaptando esse conceito para o mundo dos negócios, podemos definir que o Marketing de Guerrilha é aquele que usa todo conhecimento disponível, sobre o mercado, para traçar a melhor estratégia possível com os recursos disponíveis.

Por que o Marketing de Guerrilha funciona?

Estamos recebendo informação de forma constante, e quase sempre ininterrupta. Isso faz com que a mensagem da sua empresa corra o risco de passar despercebida.

Imagine uma estratégia de marketing para o lançamento de um novo produto, que será divulgado em uma peça publicitária na TV?

É um grande investimento, que pode ser ignorado pelo consumidor, pelo simples fato de concorrer pela atenção dele com outras informações. Arriscado, né?

Essa é a guerra que o Marketing de Guerrilha quer vencer: a luta pela atenção do cliente.

No entanto, para lograr tal vitória, temos que lembrar daquilo que já foi mencionado neste texto: conhecimento.

A equipe responsável pelo Marketing deve saber dos hábitos de consumo do público-alvo. Isso possibilitará uma inserção correta.

Vamos imaginar uma ação de marketing para uma marca de picolé. O objetivo é oferecer um novo doce para o público feminino. Por isso, a empresa fez uma parceria com uma rede de academias, e resolveu distribuir os picolés ao final do treino das alunas.

Afinal, depois de tanto exercício, um picolé para refrescar vai chamar a atenção de todas as frequentadoras do local, causando uma grande repercussão.

Pode ser uma boa ideia, mas na hora da execução, os promotores de venda não conseguiram distribuir muitos picolés. As alunas da academia evitam consumir doces.

A academia escolhida tem uma grande concentração de mulheres – que é o público-alvo da marca – mas elas não consomem picolés. Esse comportamento de consumo prejudicou o lançamento do produto.

Um relatório sobre o hábito de consumo do público-alvo poderia ter evitado o prejuízo.

Dicas para usar Marketing de Guerrilha

Não assuste seu cliente

Sua marca tem uma relação com o cliente, por isso tenha cuidado com atitudes que possam danificar essa relação. Se sua empresa possui um posicionamento mais formal, uma ação de marketing de guerrilha que aposte no humor pode não ser uma boa ideia.

Busque conhecer mais o seu público-alvo, para saber como ele enxerga sua empresa. Assim você evitará uma ação que possa prejudicar sua imagem.

Não imite outras empresas

Se a empresa X teve um grande sucesso parando o trânsito de uma rua, ir pelo mesmo caminho pode incorrer em um erro. Primeiro porque uma ação de marketing de guerrilha tem que ser surpreendente, imitar uma ação de outra empresa não tende a surpreender o cliente.

Segundo porque pode chateá-lo, já que ele pode estar saturado dessa ação. E, finalmente, porque dá a impressão que sua empresa não tem criatividade.

Sabe quando um meme explode nas redes sociais? Então, eles costumam ter vida curta porque os internautas o utilizam à exaustão. Quando uma empresa resolve fazer uso da linguagem, normalmente, ela já perdeu a graça.

Faça parcerias

No nosso exemplo sobre a marca de picolé, a parceria fracassou. Mas isso não significa que esse tipo de estratégia não possa dar certo. Imagine que, ao invés da academia, a marca tenha escolhido trabalhar com motoristas mulheres do Uber?

A cliente poderia ficar feliz se, ao invés de balinhas, ganhasse um picolé, não é mesmo?

Gostou da ideia? Primeiro tenha certeza que seu cliente usa esse tipo de serviço de transporte, ok?

Saiba executar uma ação

Como já mencionado, na teoria tudo pode parecer estar ok, por isso não tenha medo de questionar a estratégia. Planejar uma batalha é importante, mas o que garante o sucesso da guerrilha é seu papel no campo de batalha.

Uma execução ineficiente pode transformar sua estratégia de marketing em um grande prejuízo de imagem.

Não ofenda o cliente

Por ser uma estratégia que deseja surpreender o público, é necessário que o Marketing de Guerrilha não provoque emoções desnecessárias no consumidor, como assustá-lo, por exemplo.

Seu cliente pode perceber sua ação de marketing como uma ofensa. Por isso, evite polêmicas.

Identifique os valores que o consumidor possui para não ofendê-lo.

Acompanhe os resultados

O marketing de Guerrilha oferece uma infinidade de resultados à empresa. Em um dia de notícias fracas, veículos de comunicação podem se interessar pelo resultado que sua ação causou na cidade.

Os usuários das redes sociais também podem demonstrar empolgação com sua estratégia, tornando-a um viral.

Por isso, tenha uma equipe preparada para monitorar os diversos meios de comunicação existentes. Desse modo você conseguirá informações suficientes para saber se sua estratégia de Marketing de Guerrilha deu certo, ou não.

Cases de sucesso

Coca-Cola

A empresa é referência quando o assunto é Marketing. Recentemente a fabricante de bebidas resolveu engajar seu público, e assim aproveitar o dia dos namorados para estreitar os laços do cliente com a marca.

Uma máquina de refrigerantes foi instalada, e a bebida era distribuída de graça quando casais se beijavam.

Burger King e Mcdonald’s

Em 2015 a rede de lanchonetes enviou uma carta ao principal concorrente: Mcdonald’s. A mensagem foi publicada no jornal The New York Times e fez muito sucesso entre os clientes.

As redes de lanchonete comunicaram que uma trégua seria feita, e que, naquele dia, um novo lanche, criado em conjunto seria vendido.

SBT

A rede de Silvio Santos vive engajando seus seguidores nas redes sociais. Uma ação de Marketing de Guerrilha que deu muito certo foi parabenizar uma de suas concorrentes, a Rede Globo, pelo seu aniversário de 50 anos.

Bastou 140 caracteres no Twitter para que o SBT engajasse seu público, em uma data especial para outra emissora.

A Globo não ficou atrás e, recentemente, mencionou o Teleton – campanha beneficente realizada pelo SBT – em seus programas.

Por sua vez, a RecordTV teve que ler mensagens, nas redes sociais, ironizando seu distanciamento das duas concorrentes. Internautas escreveram mensagens do tipo: “A Record deve sentir inveja do amor de vocês”.

Cases que não deram muito certo

Em 2015 a marca de absorventes Always divulgou um vídeo falso, simulando um vazamento da intimidade da apresentadora Sabrina Sato.

O objetivo era conscientizar o público sobre esse tipo de violação de intimidade, ao mesmo tempo em que uma alusão à palavra “vazamento” era feita.

A campanha mobilizou os internautas, no entanto dividiu opiniões.

Marketing de Guerrilha na web

A possibilidade de se comunicar com o público-alvo pelas redes sociais é fantástica, e pode ajudar muito as estratégias de Marketing de Guerrilha.

Além de o custo ser muito mais baixo do que inserções em veículos de comunicação, a interação que as redes trazem servem como um termômetro imediato, para saber se a estratégia funcionou.

Mesmo que o internauta não conheça sua marca, uma campanha bem-feita pode garantir que ele se engaje, afinal, todos gostam de compartilhar links interessantes com seus amigos.

Outro ponto positivo é a possibilidade de falar diretamente com seu público. Se o seu consumidor não gosta do Twitter, mas prefere o Instagram, você já sabe que sua estratégia tem como foco essa rede social.

O Marketing de Guerrilha é oportunidade que sua empresa estava esperando para se destacar. Ela é viável para qualquer tipo de negócio, independentemente do tamanho.

Além de oferecer bons resultados, sua divulgação é muito mais barata que outras estratégias.

Veja por exemplo um dos primeiros virais de 2017: o rapaz que se jogou pela janela, para atestar a qualidade da rede de segurança que acabara de instalar.

Esse vídeo foi assistido por milhões de pessoas. Talvez o rapaz não soubesse, mas tinha acabado de dar a empresa que trabalha uma visibilidade nunca antes imaginada.

No entanto, como vimos neste artigo, essa ação deve ser bem pensada. Imagine a situação da empresa se a rede não fosse tão boa?

Por sorte tudo acabou bem, mas evite impulsos na sua estratégia de Marketing de Guerrilha.

Agora, que tal deitar em uma rede (bem presa) e continuar lendo sobre empreendedorismo?

Os blogs são uma realidade para muitas empresas, afinal são um canal de comunicação direto com o cliente. Mas será possível ganhar dinheiro com esses sites?

A resposta é sim. Descubra como neste artigo!

saia do lugar de cara nova

O Saia do Lugar está de cara nova!

Provavelmente, a essa altura do campeonato, você já reparou que o Saia do Lugar está de visual novo, não é mesmo?

Provavelmente, a essa altura do campeonato, você já reparou que o Saia do Lugar está de visual novo, não é mesmo?

Estamos muito animados com as mudanças. Mas de uma coisa nós não abrimos mão: continuar entregando o melhor conteúdo e experiência para os nossos leitores.

Chegou a hora de viver a nova fase do nosso blog e por isso o novo logotipo é a representação de que você também pode voar longe! Não importa se você é um empreendedor de pequeno ou de grande porte.

O time de design responsável por toda mudança captou muito bem a mensagem do nosso blog! Hoje, o nosso logo passa a sensação de leveza, descontração e simplicidade, sem perder a essência das cores que sempre representaram o nosso blog visualmente.

Não precisa se preocupar! As mudanças acontecem para trazer melhorias! Estaremos sempre nos capacitando para ter conteúdos que possam te ajudar a Sair do Lugar com o seu negócio.

saia do lugar de cara nova

O que podemos dizer é que mais algumas mudanças vão acontecer e que vamos produzir conteúdos diferenciados, especialmente para os nossos empreendedores de plantão.

Queremos saber a opinião de vocês, o que acharam do nosso visual novo?

Vocês fazem parte da história e do sucesso do Saia do Lugar. Por isso, a opinião de vocês é a mais importante!

Um abraço!

marketing sinestésico

Marketing sinestésico: Use os 5 sentidos a favor do seu negócio!

Sem dúvida alguma, o marketing é área do empreendedorismo que mais se reinventou nos últimos anos!

Sem dúvida alguma, o marketing é área do empreendedorismo que mais se reinventou nos últimos anos!

Nesse cenário, é possível identificar mudanças significativas em sua atuação a nível de negócio, pois já é fato que ele deixou de ser apenas uma área de suporte à empresa para se tornar uma das principais no que diz respeito à estratégia de aquisição de clientes. Por isso, ele está cada vez mais atuante na jornada do cliente!

Obviamente que isso não ocorreu do dia para noite, foi construído dia após dia pelas empresas e profissionais dessa área. Porém, em todas essa mudanças notamos um crescimento forte do conceito de marketing digital e também do marketing de conteúdo. A novidade é que outra vertente também está chegando para ficar: O marketing sinestésico, conhecido também como marketing sensorial.

Ele pode ser considerado como uma nova onda que está agitando esse meio, a qual tem um foco no aumento do número de consumo de uma loja em um curto espaço de tempo, ou seja, tem atuação no custo-benefício do negócio!

Já ouviu falar desse conceito? Não!? Então, para você não ficar para trás nesse sentido, preparamos esse post que explica como o marketing sinestésico funciona e como ele pode ser aplicado nos negócios. Confira!

O que é o marketing sinestésico?

O marketing sinestésico nada mais é do que ações que exploram os sentidos humanos para vender: tato, olfato, visão, audição e paladar.

O seu conceito está em adotar essa estratégia como uma maneira da empresa diferenciar-se e posicionar-se em relação ao seu consumidor, despertando um forte estímulo mental que comunicará de forma mais clara a mensagem que ela quer passar.

Até porque, em nosso dia a dia, somos constantemente afetados de forma positiva por vários elementos que estão ligados a esses 5 sentidos. Então, explorar todo o potencial de comunicação da marca através deles é um excelente diferencial competitivo.

Seja qual for o segmento da empresa, é possível formular estratégias de marketing que combinam deles para reforçar a sua imagem na mente dos clientes de forma positiva.

Para que serve o marketing sinestésico?

O marketing sinestésico tem como missão atingir o subconsciente dos consumidores de maneira que seja possível influenciar o seu comportamento de compra. Ele faz isso através de ações que vão além das imagens e até mesmo das palavras.

Essa é uma excelente maneira de se adaptar ao fato de que o comportamento do cliente está cada vez mais ligado às interações momentâneas e à sua tendência a ter uma ligação com as marcas e as empresas.

Afinal, o processo de decisão de compra não responde mais às propagandas tradicionais com a mesma eficiência de antigamente, ele está mais associado aos estímulos instantâneos e a convivência. Ou seja, o marketing sinestésico está alinhado com uma tendência atual, que diz muito sobre a valorização de pequenos momentos.

Um fato curioso é que uma estratégia que mexa com grande parte dos sentidos tem um impacto extremamente positivo no humor do cliente e isso poderá impulsionar as vendas do negócio! Portanto, é necessário utilizar da criatividade para chamar a atenção do seu consumidor e fazer a sua marca estar sempre presente em sua mente.

Como trabalhar a estratégia do marketing sinestésico no negócio?

Implementar estratégias de marketing sinestésico, principalmente em negócios que contam com ponto de venda, pode ser algo altamente lucrativo. A realidade é que o consumidor está acostumado a ser estimulado apenas de forma visual, então, isso dá a margem para que ele seja surpreendido positivamente quando receber estímulos referente aos outros sentidos.

Nesse cenário, as possibilidades de aplicar essa estratégia são inúmeras e a boa notícia é que, com um bom toque de criatividade, muitas ações possuem um custo baixo para serem implementadas e mantidas. Sendo que elas podem ser o que você precisava para vender mais.

Muitas vezes uma boa música, um perfume agradável ou até mesmo a mudança do visual dos móveis da loja podem levar com que o consumidor automaticamente alimente de forma positiva a sua percepção em relação ao negócio, além da qualidade do serviço que é oferecido.

Trabalhar continuamente com essa abordagem poderá ser de fato, o que vai diferenciar a empresa em relação a concorrência, colocando-a em um patamar acima de todas as outras.

Obviamente que empresas que trabalham de forma digital acabam sendo penalizados de alguma forma, visto que o contato com o negócio é somente de forma online, porém mesmo assim é possível surpreender com ações que estimulem o sentido da visão e da audição. O segredo é sair da mesmice e trazer coisas novas para serem implementadas.

O caminho é utilizar o produto ou serviço que é vendido para direcionar essas ações, ou seja, se a empresa atue com alimentos, o olfato combinado com um visual bonito poderá ser a chave para o sucesso, ou então se trabalha com vestuário, poderá investir em um som que destaque as características das roupas e assim por diante.

Para facilitar esse entendimento, vamos detalhar melhor as ações possíveis nos 5 sentidos:

Tato

Um dos grandes diferenciais de qualquer compra que pode ser feita offline é a possibilidade do cliente tocar naquilo que deseja. Porém, as empresas investem muito pouco em ações que proporcionem essa experiência.

A grande jogada é ir além da possibilidade dos clientes poderem tocar nos produtos ou experimentá-los. Então, é preciso pensar por exemplo, que tipo de tecido para as almofadas, provadores, sofás poderá trazer uma melhor impressão e também que outros itens podem influenciá-lo para que tenha uma boa percepção positiva do ambiente como um todo.

Essa questão do tato e de sentir o ambiente muitas vezes colocam as lojas físicas a frente das lojas virtuais!

Olfato

A verdade é que o cheiro pode provocar diversas emoções para o ser humano, muito pela questão de que o olfato está ligado com o sistema límbico do cérebro, que é a área que está associada às emoções e também a memória.

Saiba que por muitas vezes o cheiro pode ter um impacto mais positivo no nosso humor do que o som, o que demonstra que ele pode ser uma excelente ferramenta para impulsionar as vendas de um produto.

Nesse sentido, a sugestão é utilizar de perfumes para criar uma experiência que associe-o com a marca ou a imagem do negócio. Portanto, é bom escolher aromas que enfatizem a percepção que a loja quer passar para o consumidor (por exemplo, se é uma abordagem mais jovem, elegante, caseira, dentre outras).

Dessa forma, será possível criar o ambiente ideal para deixar os consumidores com o bom humor necessário para fazer suas compras. Mas lembre-se que um perfume também pode desencadear uma experiência desagradável, que pode ser algo mais pessoal ou geral, portanto, tome cuidado nessa escolha.

Como sugestão, indicamos que você consulte os acessórios e aromas da loja Olyra!

Visão

Geralmente grande parte do orçamento da área de marketing das empresas é destinado para os recursos visuais. Porém, ele não pode se limitar a ações que envolvam somente logotipos e imagens.

O próprio espaço da loja, a sua iluminação e as cores proporcionam um estímulo visual super vantajoso para criar um ambiente agradável, fazendo com que o consumidor se sinta em casa e mais à vontade para realizar a compra.

Saiba que as cores podem ajudar principalmente no que diz respeito ao reconhecimento da loja ou da marca. Por exemplo, o azul é uma cor que induz tranquilidade e o vermelho é o seu oposto, pois está ligado ao fogo, que evoca sentimentos mais agitados, tal como paixão, raiva e o medo.

Por isso, é importante estudar o efeito dessas cores para que as suas ações estimulem os sentimentos que deseja despertar. Sugerimos fortemente a utilização de cores quentes, tal como o laranja e o marrom, pois elas estimulam o cliente a gastar mais!

Paladar

Quando falamos do sentido do paladar, muito se pensa que ele só é aplicável para negócios ligados à gastronomia. Ledo engano!

Pesquisas revelam que, pessoas com fome querem ir embora de um lugar o quanto antes. Aplicando essa realidade a uma loja, os consumidores quando estão famintos não estarão dispostos a ficar e comprar alguma coisa, pois só estão pensando em saciar sua fome.

Portanto, independente do ramo, é sempre bom ter um lanchinho, um chá ou um café para recebê-los. Se for algum alimento que caracterize a cultura da região, melhor ainda!

Exceto nos supermercados, clientes com fome não conseguem se concentrar no produto que quer comprar e não responderão aos outros estímulos, tal como o olfato e a audição de forma efetiva. Já deu pra perceber o quão importante é o sentido do paladar, não é mesmo?

Audição

Por fim, o último sentido para se trabalhar no marketing sinestésico é a audição. Semelhante ao aroma, o som também poderá melhorar o estado de humor do ser humano. Por isso, uma boa música é uma ótima ferramenta para esse objetivo.

A dica é aproveitá-la para evocar estados de espírito que sejam positivos, tal como a felicidade ou o relaxamento. Ela também poderá ajudar a atingir um segmento de consumidores específicos: por exemplo, pessoas que curtem música clássica ou então rock!

Dessa maneira, suas ações de marketing poderão se tornar mais assertivas, pois irão atrair o público certo com um melhor aproveitamento.

O fato é que com o marketing sinestésico será possível melhorar a experiência do cliente em todos os sentidos… literalmente! Afinal, ele está ligado diretamente com as emoções e sendo bem trabalhado poderá causar um impacto maior na percepção do negócio como um todo.

Portanto, é uma excelente estratégia para aumentar as vendas, principalmente a longo prazo!

Agora que você já conhece o marketing sinestésico, que tal ver nossas dicas para evitar o stress empresarial do dia-a-dia.

empregar talentos

Empregar talentos: Escolha os melhores profissionais para o seu time

Por trás do sucesso de todo empreendedor há sempre uma equipe. Afinal, nenhum deles conseguiu construir um caminho que seja próspero sozinho!

Por trás do sucesso de todo empreendedor há sempre uma equipe. Afinal, nenhum deles conseguiu construir um caminho que seja próspero sozinho!

Bom, então será que essa receita para o sucesso é simples? Basta contratar colaboradores e tudo vai dar certo? Não é bem assim…

Obviamente que é preciso contratar os profissionais certos para ajudar a empresa a deslanchar! Até porque, é fundamental formar um time que compartilhe dos mesmos valores para conseguir formar uma sinergia que leve o negócio ao sucesso.

Mais do que isso, é preciso ter confiança nas pessoas que trabalham com você para que tenha segurança em delegar tarefas que sejam importantes.

Isso proporcionará um auxílio relevante para a sua rotina empreendedora, pois dessa forma terá tranquilidade para elaborar novos projetos que ajudem a desenvolver o negócio.

Por outro lado, o mercado de trabalho vive uma realidade em que os talentos já possuem plenas condições de escolher onde vão trabalhar.

Isso está acontecendo principalmente pela grande disputa de várias empresas por colaboradores que demonstram ser fora da curva.

Pois bem, já deu para perceber que montar um time não é das tarefas mais fáceis, não é mesmo? Por isso, vamos fornecer 7 dicas para que você possa empregar talentos e contar com os melhores profissionais na sua empresa. Confira!

1 – Tenha uma cultura forte

Ter uma cultura forte é um dos principais pilares para poder atrair talentos para a sua empresa. Afinal, como já falamos anteriormente, muitos profissionais estão escolhendo onde querem trabalhar.

Por isso, é preciso que o negócio mostre que tem condições de oferecer um ambiente de trabalho leve, que proporcione um aprendizado contínuo e que seja cheio de oportunidades de crescer internamente

Então, sugerimos que a empresa “respire” esse ambiente através da sua cultura e seus valores, mas o mais importante é mostrar isso para o mundo. Fazer isso é muito simples, basta ter um código de cultura e torná-lo público para que todos possam ver.

Tome como exemplo o Netflix, que foi um dos pioneiros a mostrar seu culture code!

2 – Entenda a demanda da empresa

A segunda dica para empregar talentos é antes de mais nada entender o que a empresa como um todo está necessitando naquele momento em relação à recursos humanos.

Então, coloque na ponta do lápis o que cada equipe está precisando, procure entender quais dessas demandas são mais prioritárias e bata o martelo sobre as posições que serão contratadas.

Após isso, defina com os responsáveis de cada área qual será o perfil de candidato ideal para cada uma das vagas. Além disso, estabeleça o nível de conhecimento necessário para que o trabalho possa fluir bem quando esse novo colaborador já estiver empregado.

No caso de vagas que são consideradas mais estratégicas, ou seja, são indispensáveis para o funcionamento do negócio, o segredo é investir na contratação de profissionais mais experientes e que dominem a área. Até porque, muitas vezes a empresa não pode perder muito tempo ensinando essa função totalmente do zero.

3 – Divulgue as vagas

O próximo passo é mostrar para todos que a empresa está contratando e precisando de gente competente. Nessa questão, as possibilidades para fazer isso são vastas.

As vagas podem ser divulgadas nas redes sociais pessoais dos colaboradores da empresa e também no perfil do próprio negócio.

Em relação a essa ação, qualquer rede social poderá trazer um bom resultado, mas obviamente que o Linkedin poderá ser mais eficiente, pois é uma rede que proporcionam o foco em ações como essa.

Outra opção é procurar o auxílio de agências de empregos. Afinal, eles são especialistas nesse assunto. Porém, é preciso passar exatamente o perfil de profissional que você está buscando para que elas possam trabalhar da melhor maneira possível.

Não se esqueça de deixar bem claro todos os detalhes da vaga, desde os requisitos, qualificações necessárias, o papel que o funcionário irá desempenhar e até a faixa de remuneração salarial.

Fazendo isso, você evita qualquer mal entendido durante a seleção e também no futuro.

4 – Elabore um processo de seleção completo

Para que você consiga empregar talentos de forma efetiva, será preciso criar um processo de seleção que seja capaz de avaliar todas as habilidades e competências exigidas para a função desejada.

A sugestão então, é que ele seja completo e transparente. Além de entrevistas, adicione etapas práticas que possam identificar se o candidato tem o perfil desejado, tanto em relação a parte técnica quanto ao perfil pessoal, ou seja, verifique se ele preza por valores parecidos com a cultura da empresa.

Para que essa seleção não fique muito pesada para ambas as partes, procure tornar essa seleção algo que gere um aprendizado para esses profissionais já no próprio processo, etapa por etapa.

Dessa forma, será possível mostrar que a empresa tem muito valor a agregar a ele.

5 – Tome cuidado com os currículos perfeitos

A grande verdade é que muitos candidatos sabem muito bem como elaborar um currículo, porém nem sempre aquilo que está escrito é o que aconteceu na prática.

Até porque, quando vamos escrever sobre experiências que tivemos no passado, a tendência é valorizar todos os aspectos positivos com a nossa própria visão.

Então, ao analisar um currículo, não há problema nenhum em questionar qualquer ponto positivo relatado pelo candidato.

Aliás, a entrevista poderá ser uma ótima oportunidade de tirar isso a limpo e pedir exemplos práticos para avaliar a situação.

Obviamente que isso deverá ser feito de maneira educada.

É sempre bom também, pedir referências e certificar-se de que alguns feitos realmente aconteceram. Então, solicite certificados e diplomas de qualquer curso que o candidato relatou que fez e que seja relevante nessa análise.

6 – Incentive indicações

Outra boa maneira de empregar talentos é incentivando indicações dos próprios funcionários da empresa.

A lógica dessa ação é simples: Se o colaborador tem um certo apreço pela empresa, está de acordo com o seu crescimento, está satisfeito com o seu trabalho, ele irá indicar pessoas que não estejam alinhadas? Provavelmente não.

Aliás, a tendência é que eles sejam extremamente seletivos com essa questão, visto que se ele entende que é preciso de gente competente para trabalhar lá, dificilmente ele irá indicar qualquer um para as vagas que estão em aberto.

Criar um programa de indicações para empoderar os funcionários da empresa é uma excelente estratégia para trazer cada vez mais gente boa para trabalhar no negócio!

7 – Faça análises comportamentais

Saiba que por muitas vezes a parte técnica do candidato pode ser facilmente modificada, ou seja, se ele precisar estudar e aprender algum assunto pois ele tem um certo déficit de conhecimento, ele irá estudar e se qualificar. Porém, a parte comportamental é muito difícil de mudar!

Por isso, principalmente na etapa de entrevista, análise questões desse nível, que sejam fáceis de compreender como o candidato agiria em momentos decisivos, como por exemplo, quando está sob pressão.

Uma tática boa é pegar as experiências anteriores que ele teve e entender como ele lidava com os seus desafios, ou então fazer simulações com situações hipotéticas.

Deu para perceber que empregar talentos não é fácil, mas também não é impossível.

Basta direcionar as ações da empresa para que isso seja feito da maneira mais eficiente possível. As dicas que passamos são apenas alguns exemplos disso.

Agora que você já sabe como empregar talentos, que tal conhecer os 7 motivos para você comparecer aos eventos de negócio

tomar decisões assertivas

Tomar decisões assertivas: Suas decisões precisam ser pensadas!

Um fato é que as decisões precisam ser tomadas e nem sempre é fácil chegar a uma conclusão.

Um fato é que as decisões precisam ser tomadas e nem sempre é fácil chegar a uma conclusão.

Uma jornada empreendedora envolve uma série de tomadas de decisão. Por isso, ter consciência do impacto que elas podem gerar no seu negócio é muito importante.

Com este artigo, nós queremos ajudar você a desenvolver atitudes que podem garantir decisões mais coerentes para cada situação.

8 coisas que podem te ajudar a tomar decisões assertivas

Continue acompanhando o nosso conteúdo e veja dicas que vão tornar a ação de tomar decisões assertivas mais simples.

Identifique o problema

Geralmente vão existir problemas antecedendo uma decisão que você tenha que tomar. Esses problemas podem ser de pequena e até de escalas maiores.

Por isso, identificar a razão pela qual você precisa tomar uma atitude, é fundamental para encontrar uma solução.

Compreenda qual é o problema que você está enfrentando, de maneira que o seu emocional não afete diretamente nas suas escolhas.

Por mais que às vezes pareça que vários motivos levam a algum problema, na verdade sempre haverá o ponto de partida de isso tudo. Saiba identificá-lo para propor uma solução mais adequada.

Analise os últimos acontecimentos

Agora você já sabe que vários fatores podem levar a um único problema.

Para identificar o princípio disso tudo, fazer uma retrospectiva e analisar os últimos acontecimentos podem te ajudar a não agir de maneira precipitada.

A precipitação é o sua maior inimiga. Quando se trata de grandes passos na sua vida profissional, por maior que seja a pressão que o tempo exerça, ele não precisa te levar para o caminho errado.

Mais uma vez, afaste o seu lado emocional e tente enxergar não só o seu ponto de vista mediante às circunstâncias.

Decisões precisam ser tomadas e você, como empreendedor, precisa analisar os fatos já que as suas escolhas tem um peso importante no futuro do seu negócio.

Crie diversas possibilidades

Ser criativo também é uma qualidade de um bom empreendedor.

Na hora de tomar as suas decisões, use todo esse seu potencial em criatividade para propor diversas possibilidades e caminhos.

Anote todos perspectivas e todas as consequências das mesmas. Isso vai te ajudar a mentalizar mais facilmente as opções que você tem antes de optar por um caminho — principalmente se essa decisão for importante.

É nesse momento que você deve perceber os obstáculos a serem enfrentados futuramente e propor soluções que sejam saudáveis a curto, médio e longo prazo.

Saiba das suas capacidades

Antes de tomar qualquer decisão, saiba do que você é capaz. Mas nem por isso você deve tentar carregar o mundo sozinho.

Aproveite todo o seu potencial, conhecimento prévio e experiências para futuras decisões que você tomará pela sua empresa, mas nunca dê um passo maior do que as suas pernas.

Por mais que um empreendedor tenha a necessidade de avançar rápido, escalar o seu negócio e ver os resultados, é importante saber da sua capacidade antes de tomar qualquer decisão, principalmente se ela afetar diretamente o seu negócio e todas as pessoas que estão envolvidas nele.

Lembre-se que as suas habilidades podem ser treinadas e com isso você se tornará ainda mais apto para gerir o negócio. Sendo assim, prefira pequenas conquistas do que a probabilidade de uma queda brusca.

Se planeje antes de tomar decisões

Na altura do campeonato, você já percebeu que suas ações podem tomar escalas muito maiores do que elas parecem ter.

Por isso é importante se planejar para as consequências que surgirão após a sua tomada de decisão.

Esteja preparado para o que as pessoas podem pensar ou falar a respeito das suas escolhas para o negócio ou até mesmo as eventualidades que podem acontecer a partir disso.

Se planejar vai muito além de se preparar para o que as pessoas têm a dizer. É se preparar para as mudanças e o trabalho que algumas situações podem gerar.

Se a sua decisão for expandir o seu negócio, por exemplo, você precisa ter saber exatamente o que essa ação irá gerar como consequência.

Sendo assim, o fato de planejar as suas tomadas de decisões nos leva ao próximo tópico!

Saiba que nem tudo pode sair como o planejado

O ato de planejar não significa que tudo vá acontecer exatamente como você previa, não é mesmo?

Da mesma forma que é importante fazer o seu planejamento, é importante manter a calma caso as coisas não saiam como planejado.

Muitas coisas não estão no seu controle. Por mais poder de decisão que você tenha como empreendedor, não significa que você consiga fazer tudo sozinho.

É nesse momento em que podem ocorrer frustrações ou quebra de expectativas, já que nem todas as pessoas podem trabalhar da forma como você deseja.

Sendo assim, nada de desistir caso algo saia um pouco “fora da curva”, combinado?

Ignore os seus medos

Você sabia que não seria fácil, mesmo que ninguém tenha te contado. No fundo todos entendem que existem diversas responsabilidades em empreender.

Fato é que temer o fracasso deve ser carta fora do baralho! Por isso, ignore todo o seu medo das consequências.

Se antes de chegar a uma decisão, você analisou, estudou as possibilidades e se preparou para as consequências, não há do que ter medo.

Você sabe das suas capacidades, os riscos e está ciente de que um passo de cada vez é a melhor solução para continuar sempre escalonando o seu negócio, não é mesmo?

Seja firme em suas decisões

Não poderíamos terminar esse post sem falar sobre a importância de se manter firme diante das decisões que foram tomadas!

Nunca volte atrás porque alguém não acredita na sua capacidade ou acha que não é uma boa ideia. Você está preparado para esse cenário, se lembra?

O empreendedor é o principal interessado em fazer boas escolhas, em saber o que é o melhor para o seu negócio. Não deixe que as pessoas tirem de você essa autonomia.

Isso não significa que opiniões não são bem-vindas, ou que você não deva voltar atrás caso faça uma escolha errada. Isso também podem acontecer!

O ponto principal aqui é ajudar você a entender que você precisa de posicionamento e as pessoas esperam isso de você. Por isso, acredite em sua capacidade e nas suas ideias!

O Saia do Lugar quer ajudar você a ser, cada vez mais, um empreendedor que colha bons frutos do seu negócio! A partir dessa leitura esperamos você sinta menos o peso de tomar decisões assertivas e que esse processo facilite suas ações.

Que tal aprender a se livrar do stress corporativo? Clique aqui e evite que todos os desafios de um negócio tirem o seu sono!

 

reuniões de time

Reuniões de time: Os benefícios de manter essa cultura na sua empresa

Liderar uma equipe não é tarefa fácil. Exige comprometimento do gestor e agilidade para tomar decisões. Uma das maneiras de se conseguir sucesso na liderança é realizar reuniões de time.

Liderar uma equipe não é tarefa fácil. Exige comprometimento do gestor e agilidade para tomar decisões. Uma das maneiras de se conseguir sucesso na liderança é realizar reuniões de time.

Ainda que sejam comuns no ambiente corporativo, as reuniões devem ser pensadas de forma estratégica para que apresentem bons resultados à empresa.

Neste artigo vamos listar algumas vantagens que as reuniões de time trazem à equipe – desde que feitas de forma adequada, é claro.

1 – Controla boatos

Boatos podem ser um grande problema no ambiente profissional. Em alguns casos eles não possuem nenhum fundamento. Por isso, as reuniões de time podem ser utilizadas para identificar informações falsas e desmenti-las.

Para que essa estratégia funcione, é importante que o gestor esclareça os fatos, dando aos colaboradores um panorama real da situação.

Tentar identificar pessoas envolvidas na disseminação dessas informações não é recomendável, pois passa uma ideia de autoritarismo.

O líder também não deve usar a reunião para convencer a equipe de que o boato é mentira, afinal, com o tempo sua falsidade se comprovará sozinha.

2 – Esclarece metas

Reuniões de time também podem ser fundamentais para tornar as metas da equipe mais claras.

Um grupo é formado por pessoas de temperamentos diferentes, por isso, nem todos do time podem se sentir a vontade para perguntar algo sobre a tarefa – isso ocorre, com frequência, com profissionais recém-contratados – a falta desse direcionado pode acarretar na qualidade do trabalho realizado.

O gestor deve ser didático em alguns momentos, mesmo que isso possa parecer desnecessário. Tenha certeza que nenhuma dúvida sobreviveu à reunião.

3 – Motiva a equipe

Existem momentos de desânimo em um time, e isso prejudica a qualidade do trabalho e a produtividade da empresa. Em alguns casos, não basta cobrar o colaborador. É necessário motivá-lo.

As reuniões de time são uma excelente oportunidade de reverter essa situação. Mostre à equipe como eles são especiais, e como o trabalho que desenvolvem é importante. Valorize-os.

O gestor deve se portar como um capitão do time, alguém que está lá para orientá-los, mas que joga ao lado deles.

Identifique às causas do abatimento emocional e, se for possível à companhia, ofereça ajuda.

Um líder não precisa ser necessariamente um coach, no entanto, se for do interesse, aconselhe os membros mais inexperientes da equipe.

Eles podem estar desanimados por falta de perspectiva profissional. A opinião de alguém mais experiente pode ajudar.

4 – Torna o ambiente mais agradável

A vida profissional exige muito da equipe. É possível que seus colaboradores – e você também – passem mais tempo com os colegas de trabalho do que com as pessoas de sua família.

Fazer reuniões de time pode contribuir para que o ambiente de trabalho se torne mais agradável, e que os membros da equipe possam se ver de maneira mais respeitosa e amistosa – como parte de um grupo talentoso que tem um objetivo em comum.

5 – Cria um networking

Alguns trabalhadores mudam sua trajetória profissional, por isso deixam a equipe em que atuam para se dedicar a novos desafios.

No entanto, sua empresa pode precisar de alguém para desempenhar uma nova tarefa, ou um trabalho esporádico, e contar com uma pessoa que já é conhecido – e que entende os valores da empresa – pode ajudar muito.

As reuniões de time – assim como os encontros individuais – podem fortalecer a relação entre os profissionais.

Se um membro da equipe está estudando algo que não tem nenhuma relação à atividade da empresa é provável que existe a chance de ele deixar a equipe um dia, mas isso não significa que o contato profissional precisa acabar.

6 – Fortalece a liderança

Reuniões de time são ideais para que o líder tenha uma noção de como é percebido pela equipe e, se necessário, faça mudanças em seu jeito de interagir com os demais profissionais.

O líder deve aproveitar esses encontros para poder reforçar seu papel de membro da equipe, tirar dúvidas dos profissionais e delegar as funções.

Se a comunicação ocorrer de forma direta, sem ruídos, as reuniões de time ajudam a equipe a confiar no líder, melhorando seu desempenho.

7 – Oxigena a empresa

Boas ideias podem surgir de reuniões de time.

É claro que, nem sempre, é possível alterar o rumo de uma tarefa porque a equipe discorda do modo com que ela será feita, no entanto as próximas metas da empresa podem ser modificadas para testar as sugestões dos profissionais.

Muitas companhias já tiveram sucesso ouvindo seus talentos internos.

Reuniões de time: o que não fazer

Para poder tornar essa estratégia produtiva alguns cuidados devem ser tomados:

  • Evite o excesso de reuniões: muitas reuniões são cansativas, quebram o ritmo de trabalho e chateiam os colaboradores.
  • Tenha certeza que existe algo a ser dito: ter uma reunião de time em que todos os profissionais ficam se olhando porque nada de relevante é contado pode prejudicar a imagem da liderança.
  • Estude o que vai falar: saiba quais são os pontos que deve mencionar na reunião. Utilize frases curtas e diretas. Se possível ensaie, para poder ter uma noção de tempo.
  • Evite reuniões depois do expediente: ficar na empresa por mais tempo que o esperado modifica a rotina do colaborador, que pode ficar profundamente irritado, ignorando completamente o conteúdo do encontro.
  • Utilize material de apoio: isso ajuda a reunião de time a ficar mais dinâmica a atraente. Mas verifique sua necessidade e não esqueça de testar os equipamentos (projetores monitores) para garantir o sucesso da exibição.

Reuniões de time ajudam a empresa a superar desafios e traçar um horizonte de colaboração mútua. A liderança sai fortalecida e os profissionais sentem-se valorizados.

Essa estratégia deve ser estudada para que funcione. Cada empresa terá suas particularidades e cada equipe é única.

Lembrando-se disso as reuniões de time de sua empresa têm tudo para contribuírem para o alcance de metas da companhia, gerando valor para todos os envolvidos.

Agora que tal continuar estudando para se tornar um líder cada vez melhor? Um bom líder pode se estressar em alguns momentos, por isso aprenda a lidar com o estresse empresarial.

stress empresarial

8 maneiras de evitar o stress empresarial do dia-a-dia

Não há desafio melhor do que empreender! Afinal, o empreendedor deverá lidar com muitos obstáculos em sua jornada que nada mais é do que uma ótima oportunidade de crescer e se desenvolver profissionalmente.

Não há desafio melhor do que empreender! Afinal, o empreendedor deverá lidar com muitos obstáculos em sua jornada que nada mais é do que uma ótima oportunidade de crescer e se desenvolver profissionalmente.

Através desse caminho será possível adquirir novos conhecimentos, aprender a ser resiliente, desenvolver habilidades e competências que o ajudarão a formar seu estilo de gerir uma empresa e se tudo der certo a recompensa será o sucesso!

Porém, nem tudo são flores. Por trás dessa rotina há muito trabalho pesado que precisa ser feito e que muitas vezes nem sempre é o mais agradável, principalmente no Brasil, em que será preciso enfrentar algumas burocracias e exigências para o negócio poder funcionar!

Obviamente que essa realidade é totalmente favorável a gerar muito stress para o empreendedor. Apesar de ser algo normal, é preciso que ele se atente a gravidade da situação e busque maneiras de preveni-las e neutralizá-las. Até porque, tanto ele quanto o negócio podem ser muito prejudicados com isso.

Tendo em vista esse cenário, preparamos aqui 8 dicas para qualquer empreendedor evitar o stress empresarial. Confira:

1 – Tenha um bom planejamento

O primeiro passo para evitar o stress empresarial é elaborar um planejamento que seja abrangente, passando por todos os detalhes da empresa.

Aliás, ter um plano que esteja adequado a realidade do negócio e sua gestão, poderá evitar surpresas ou reduzir o impacto delas. Dessa maneira, será possível resolver qualquer situação com mais eficiência e menos desgaste emocional.

Um fato curioso é que muitas empresas acabam fechando suas portas prematuramente justamente pelo motivo da falta de planejamento. Você não vai querer passar por esse tipo de stress não é mesmo?

Não sabe por onde começar? Elaborar um plano de negócios é um ótimo início para qualquer trajetória empreendedora em busca do sucesso.

2 – Cerque-se de gente boa

Cercar-se de gente boa é algo que pode ajudar a prevenir os momentos de stress. Nesse sentido, tente formar uma equipe que tenha diversas competências e com pessoas de perfis diferentes, de modo que possam se complementar positivamente.

Além disso, preze por buscar colaboradores que, acima de tudo, tenham uma excelente capacidade de trabalho e o bom senso como forma de agir. Até porque, poder dividir as tarefas com quem você pode confiar será um alívio e ajudará a ter noites de sono mais tranquilas.

Saiba que contar com um time competente aliviará os momentos de tensão e stress, pois o empreendedor se sentirá mais seguro, até porque ele poderá contar com a ajuda de todos quando os problemas aparecerem.

3 – Preze por uma boa gestão

Prezar por uma boa gestão é essencial para que a saúde da empresa não seja um problema que poderá culminar em situações de stress para o empreendedor. Por isso, é importante ter total controle dos objetivos, metas e planos de ação.

No lado mais burocrático, é primordial manter toda a documentação em ordem e cumprir todas as exigências e obrigações com antecedência. Isso evitará dores de cabeça futuras.

Já no que diz respeito aos cuidados financeiros, é recomendável ter um controle do fluxo de caixa rigoroso com informações realistas, além de que um certo conservadorismo não irá fazer mal a ninguém no momento de controlar as finanças.

4 – Seja crítico em suas projeções

Um dos motivos que pode causar stress para qualquer pessoa é se preocupar com coisas que podem não dar certo. Isso é algo que pode ser aplicado facilmente à realidade do empreendedor, visto que ele está em uma situação de muita incerteza.

Por isso, é preciso ser crítico ao analisar as projeções e previsões, tentando trazer um cenário que seja o mais realista possível e minimizar os êxitos que são esperados. Dessa maneira, as expectativas abaixam e isso também elimina a pressão de que será preciso ter a obrigação de fazer algo grandioso.

Assim, quando o resultado das ações a médio e longo prazo chegar, há altas chances de se surpreender positivamente, evitando um stress desnecessário.

5 – Aprenda a delegar

Um dos principais motivos para gerar stress no empreendedor é o excesso e sobrecarga de trabalho. Isso geralmente acontece pois ele tem o perfil centralizador e não sabe e nem quer delegar as tarefas para seus colaboradores.

Pois bem, o resultado disso nós já sabemos, não é mesmo? É muito comum nos depararmos com empreendedores cheio de coisas para fazer, sendo que não conseguem entregar uma atividade no prazo, além de atrasar entregas de projetos, prejudicando atividades e gerando um stress desnecessário para sua vida.

Portanto, é preciso desapegar de grande parte das tarefas que consomem seu tempo e delegá-las para a sua equipe!

6 – Saiba priorizar as atividades

Ser organizado é um desafio para muita gente! Além de que pode ser um dos motivos que causam stress empresarial para o empreendedor.

Muitos consideram esse ponto como algo irrelevante, mas não é! Afinal, muitas pessoas não sabem por onde começar seu dia devido a falta de organização e priorização de suas obrigações.

Isso gera um sentimento de que as coisas não estão andando como deveriam e a sensação de que há sempre muitas tarefas a serem feitas, tornando a lista de atividades algo interminável. Obviamente que isso gerará uma preocupação e um stress totalmente desnecessário.

Portanto, recomendamos tirar um tempo no início dos dias e das semanas para se organizar e priorizar as atividades e obrigações que deverão ser entregues.

7 – Tenha um hobbie

A vida do empreendedor é intensa, basicamente toda a sua energia e seus esforços estão canalizados no negócio. Então, é muito comum que ele pense nisso 24 horas por dia!

Porém, é preciso separar alguns momentos da semana para poder desligar um pouco dessa rotina insana e arranjar uma válvula de escape para recarregar sua energia.

Então, recomenda-se encontrar e investir em alguma atividade que consiga cumprir esse objetivo de tirar a sua cabeça do negócio por alguns momentos.

A dica é encontrar um hobbie e dedicar-se a ele com uma certa frequência para que possa ajudar a minimizar os momentos de stress da rotina empreendedora.

8 – Cuide de sua saúde

Por fim e não menos importante: Cuide de sua saúde!

Essa dica já se tornou até um pouco clichê mas sempre merece ser reforçada! Para que o empreendedor possa dar conta de um dia cheio de coisas a fazer e lidar com as decisões a serem tomadas, é preciso que seu corpo e sua mente estejam bem.

Por isso, não deixe de praticar exercícios físicos regularmente, comer bem e buscar práticas para relaxar a mente, tal como a yoga e a meditação! Não se esqueça também de fazer exames periódicos para saber se está tudo ok!

Agora que você já sabe como lidar com o stress empresarial, saiba como inovações no mercado financeiro podem impulsionar seu negócio.

empreendedorismo tecnológico

Empreendedorismo Tecnológico: 9 macetes para aumentar as suas vendas de tecnologia

Talvez você não se dê conta, mas seu modo de vida hoje é bem diferente do que há dez anos. Provavelmente você ainda usa seu celular para pedir comida, mas não telefona mais, prefere usar o Ifood, por exemplo.

Talvez você não se dê conta, mas seu modo de vida hoje é bem diferente do que há dez anos. Provavelmente você ainda usa seu celular para pedir comida, mas não telefona mais, prefere usar o Ifood, por exemplo.

Sabemos que o empreendedorismo é uma força que impulsiona o mundo rumo à diversas soluções de problemas, mas o vento que dita o rumo desse caminho de inovação é o avanço da tecnologia.

Mas, será que um empreendedor tecnológico é apenas mais um empreendedor?

Sim e não. Existem conceitos do empreendedorismo que são comuns a todas as atividades econômicas, no entanto, vender tecnologia tem as suas particularidades, e é esse o tema do artigo de hoje.

Empreendedorismo tecnológico: o que é?

Podemos definir como empreendedor tecnológico o indivíduo que oferece tecnologia e inovação aos consumidores. Muitos produtos que hoje parecem obsoletos já foram exemplos disso.

As máquinas fotográficas que usavam filmes, os computadores pessoais que trabalhavam com Windows ME, os discos de vinis, enfim, todos esses produtos já foram exemplos de ideias empreendedoras que só existiram porque a tecnologia permitiu. Muitos, inclusive, foram fundamentais para que esses avanços acontecessem.

O empreendedor tecnológico incentiva o avanço da ciência, que por sua vez incentiva sua atividade empreendedora.

Empreendedor tecnológico: como vender tecnologia?

Já reparou como é difícil para uma pessoa falar sobre um tema que ela domina? Não é raro que, nessas ocasiões, o indivíduo seja tomado pela euforia de conversar sobre o que gosta, esquecendo-se que nem todos sabem tanto sobre o tema quanto ele.

Esse é o primeiro ponto que deve ser observado pelo empreendedor tecnológico: as pessoas não são obrigadas a admirarem aspectos técnicos do seu produto.

Um usuário da Apple não se preocupa em saber como a empresa conseguiu mais desempenho. Ele apenas está feliz por ter um smartphone que atende as suas necessidades e/ou expectativas. Pense nisso.

1- Venda emoção

Pode parecer redundante falar isso, mas nós somos seres humanos. O empreendedor tecnológico é uma pessoa que está produzindo para – pasmem – outras pessoas.

Quando nos esquecemos disso corremos o risco de cair no erro citado no início deste tópico e, desse modo, não mostramos ao cliente como a tecnologia pode tornar sua vida mais prática, dando-lhe a chance de ficar mais tempo com quem ama, de se dedicar a uma atividade que gosta, de poder realizar seus sonhos.

Uma viagem de Uber não é apenas uma viagem de carro, mas a chance de se livrar de péssimas viagens de ônibus, que podem estragar seu dia. Essa mesma viagem pode ser a chance de economizar – em relação ao táxi – e gastar essa diferença em um lanche.

Nos dois exemplos o consumidor pode refletir sobre emoções, uma negativa e outra positiva. O empreendedor tecnológico deve levar isso em consideração quando for vender seus produtos, ou serviços.

2- Seja didático

Um dos maiores erros na hora de se vender tecnologia é não conseguir traduzir as informações importantes para o consumidor final.

Imagine uma pessoa que nunca usou um tablet vendendo esse produto em uma loja?

Esse vendedor não conseguirá convencer um consumidor de que aquele produto tem utilidade – além de um possível constrangimento quando ele encontrar um cliente que possui conhecimento avançado sobre o produto.

Investir em treinamento é fundamental. Toda a equipe deve conhecer o produto – não apenas a equipe de vendas – afinal, uma das maiores barreiras na hora de convencer o consumidor a comprar algo é vencer o medo relacionado à compra.

Toda compra é um investimento, você consegue cativar o cliente ao ponto de vencer a insegurança que ele tem?

Vamos usar dois exemplos simples, que eu tenho certeza que te convenceram: Uber e Netflix.

As duas viagens com desconto e os 30 dias grátis da Netflix são fundamentais para que o usuário entenda o serviço, teste e conclua que esse é um bom investimento.

Dar ao cliente uma “amostra grátis” ainda é extremamente didático.

3- Não exagere nas promessas

Tenha cuidado ao descrever seu produto ao cliente e evite o exagero. É extremamente difícil reconquistar um cliente que se decepcionou, do mesmo modo que é complicado fazer negócios com um investidor que se sentiu enganado.

Sua empresa oferece uma solução interessante, mas será que ela é realmente a “primeira do mercado a fazer isso”?

Controle a empolgação e mantenha uma postura confiante, mas realista sobre sua empresa.

Imagine se o Facebook lhe dissesse que “você não tem amigos se você não tiver um Facebook”, isso não soa muito pretensioso?

Pense nisso, não só na hora de criar suas campanhas publicitárias, mas na hora da venda e quando for conversar com futuros investidores e sócios.

4- Venda um cliente 2.0

No final das contas, quando seu cliente comprar seu produto, o que determinará o sucesso ou fracasso da venda será o quanto a compra impactou a vida daquela pessoa. O quanto o cliente melhorou ao realizá-la.

Por exemplo, comprar uma máquina de lavar louças é, na verdade, tornar-se mais ágil e ganhar tempo para ficar com a família.

O empreendedor tecnológico deve se lembrar que, quando as pessoas utilizam seu produto, ou serviço, elas estão recebendo um “up grade” em suas rotinas.

Conte uma história ao cliente, escute suas expectativas e demonstre como ele poderá ganhar uma importante “atualização em sua vida” ao adquirir o produto.

Para isso, é necessário humanizar as pesquisas de mercado. Saber quem é seu público-alvo é muito importante, mas não basta.

O empreendedor tecnológico deve fazer uso das ferramentas disponíveis para ter uma relação mais próxima do cliente.

As redes sociais podem atender a essa demanda. Por isso, dedique tempo conhecendo o seu cliente e analisando como sua empresa pode dar a ele a melhor versão de si mesmo.

Esse é um desafio para o empreendedor tecnológico, mas tenha certeza que fará diferença na hora da venda.

5- Empreendedor: buscando um investidor

Em muitos casos, para ter viabilidade econômica, o empresário deverá buscar investidores para conseguir tirar sua empresa do papel. Essa necessidade é muito comum entre as startups.

Uma vantagem que está à disposição do empreendedor tecnológico é o fato de que os investidores estão em busca de negócios inovadores – mesmo sabendo dos riscos eventuais envolvidos nesses investimentos.

O primeiro passo é analisar qual a necessidade financeira da empresa, o quanto ela precisará investir para poder desenvolver, ou adquirir, a tecnologia que precisa.

6- Pesquise incubadoras

O Brasil já possui incubadoras espalhadas por suas principais cidades.

Nesses espaços o empreendedor terá acesso à consultoria, equipamentos de informática, sala de reunião, além de um espaço físico para desenvolver seu trabalho.

Normalmente as incubadoras pertencem às universidades, por isso, algumas priorizam empreendimentos de alunos.

Isso pode ser muito vantajoso caso você seja um universitário. Verifique se a escola de negócios de sua instituição possui essa iniciativa.

7- Fique antenado aos concursos

Todos os anos são realizados concursos que buscam financiar ideias de negócios inovadores. O Ministério da Ciência e Tecnologia oferece bolsas de até R$ 200 mil para os participantes do concurso Start Up Brasil.

Essa ajuda também está presente na iniciativa privada.

O Banco Santander realiza, anualmente, ação semelhante. A montadora Renault também incentiva iniciativas empreendedoras, mas apenas aquelas que estão relacionadas com a atividade principal da empresa.

8- Participe de feiras e congressos

Durante todo ano são realizadas, em todo o país, feiras para aproximar investidores e empreendedores.

Esses eventos costumam contar com o apoio de prefeituras e faculdades, mas infelizmente, nem sempre, possuem grande divulgação.

Por isso, participe de grupos nas redes sociais para poder ficar sabendo de suas realizações.

9- Busque financiamento

Além do capital do investidor outras fontes podem ser consideradas quando o assunto é incentivar o empreendedor tecnológico, mas antes é importante conhecer alguns termos, são eles:

Investidor-anjo:

Esse investidor está acostumado com negócios que envolvem tecnologia. Sabe dos riscos, mas também conhece a alta chance de retorno que a tecnologia proporciona.

Os investidores-anjos exigem participação societária. Desse modo, eles utilizam sua experiência para poder ajudar a empresa a conseguir suas metas.

Capital semente:

Recurso investido pelo anjo, suficiente para que que empresa comece a operar de forma profissional.

Venture Capital:

Financiamento que exige participação societária da instituição que fornece o capital.

Uma exigência para conseguir o financiamento é já ter testado a ideia do negócio, de modo que a viabilização econômica já tenha sido comprovada.

Investimento coletivo:

Mais conhecido, o investimento coletivo é aquele em que várias pessoas doam pequenas quantias à empresa, podendo não receber nada em troca por isso. Tem como finalidade incentivar uma ideia.

Editais públicos:

Como já mencionado neste texto, tanto a iniciativa pública, quanto a privada, possuem projetos para ajudar os empreendedores.

O empreendedor tecnológico deve se lembrar que vender um produto é criar relações com o cliente, é ajudar pessoas a serem melhores, a terem vidas melhores.

A tecnologia proporcionou isso para todos nós. Hoje vivemos em mundo melhor informado e com mais opções de consumo graças aos empreendedores do passado, que solucionaram problemas com suas empresas.

Logicamente que como em qualquer outra atividade empreendedora, investir em tecnologia exige conhecimentos em administração, marketing e comunicação. Por isso recomendo a leitura de outro texto, no qual te ensinamos a inspirar sua equipe!

marketing de permissão

Marketing de permissão: Pedir permissão para entrar em contato com o público gera mais resultados?

Ninguém gosta de receber propaganda sem estar interessado, não é mesmo? Então que tal pedir permissão?

Ninguém gosta de receber propaganda sem estar interessado, não é mesmo? Então que tal pedir permissão?

Já faz um tempo que estamos vivendo uma realidade diferente, tanto que alguns profissionais de marketing dizem que as ligações de telemarketing e os comerciais de televisão estão com os dias contados, pois ações tradicionais como essa que são consideradas publicidade de interrupção não são mais bem aceitas pelo consumidor que está cada dia mais seletivo.

Isso está acontecendo muito pelo fato da internet estar empoderando as pessoas com o acesso à informação e também assumindo um papel importante em toda a sua jornada de compra. Ou seja, nesse canal não há mais espaço para propagandas indesejadas.

Então, para as empresas, fica o questionamento: Por que ao invés de perturbar um cliente em potencial, não incentivá-lo a pedir para receber sua comunicação voluntariamente?

Pois bem, para você que está achando que isso é impossível, vamos apresentar nesse post uma das maneiras mais eficientes de fazer isso: o marketing de permissão!

Para saber mais, continue lendo!

O que é o marketing de permissão

Um dos maiores gurus do marketing digital, Seth Godin, define o marketing de permissão da seguinte maneira:

“É a arte de tornar um estranho um amigo, e o amigo, um cliente.”

Conceitualmente, não tem muito segredo, é o ato de pedir permissão para enviar qualquer ação de marketing para o cliente.

Sendo assim, através dele é possível se comunicar somente com quem realmente tem interesse no seu segmento de negócio, produtos e serviços.

Isso faz com que qualquer empresa crie relacionamento com leads e clientes que sejam duradouros.

Geralmente, esse tipo de prática é adotada em ações de email marketing em que o cliente se inscreve na lista de emails de um negócio, para receber sua comunicação, porém o marketing de permissão é aberto para qualquer ação.

Esse jeito de fazer negócio está dando tão certo que de acordo com a Direct Partners, 35% das empresas usam o email marketing como principal ferramenta de divulgação de seus serviço e que 28% delas consideram esse como método com melhor desempenho e com maior facilidade de mensuração de resultados.

Sendo assim, vamos fornecer algumas dicas rápidas para você se dar bem com o marketing de permissão:

1 – Ofereça incentivos

Para ter uma maior aceitação do público em receber suas propagandas, é preciso ter uma moeda de troca. Então, ofereça algum tipo de recompensa em troca da permissão de obter o endereço de email das pessoas.

2 – Cative o cliente

Antes mesmo de vender o seu produto ou serviço, procure ganhar primeiro a confiança do cliente. Uma das maneiras de fazer isso é focando bastante no marketing de conteúdo com a finalidade de trazer coisas novas e que ajudem-o com seus problemas.

3 – Melhore o relacionamento

Não é só porque o cliente se inscreveu em uma newsletter que signifique que ele confia na empresa. Afinal, é necessário conquistá-lo diariamente!

Dessa maneira será possível ganhar cada vez mais permissões em troca de mais incentivos, fortalecendo esse relacionamento.

Exemplos de marketing de permissão

Antes de falarmos sobre algumas maneiras que um negócio poderá utilizar o marketing de permissão, vamos apresentar 4 princípios que devem ser seguidos, segundo o próprio Seth Godin:

1- Considere que ninguém deseja receber informações a respeito do seu negócio ou qualquer conteúdo que você está querendo divulgar;

2- Toda permissão dada pelo cliente em receber essas informações é intransferível, ou seja, não poderá ser passada para terceiros;

3- Essa permissão é totalmente revogável, isso quer dizer que o cliente pode deixar de receber o seu conteúdo caso não queira mais;

4- A permissão também não é estática, ou seja, ela poderá ser totalmente flexível dependendo do grau de interesse que o cliente tem com o seu negócio.

Pois bem, as ações que envolvem o marketing de permissão são aquelas que podem e devem solicitar a confirmação do usuário, se ele gostaria de receber as propagandas, divulgações e novidades da sua empresa.

Seguem alguns exemplos de como isso pode ser feito:

  • Um campo de inscrição ao final de posts em blogs solicitando o envio de materiais complementares por email caso o usuário tenha interesse;
  • Landing Pages de solicitação de contatos comerciais ou de consultores especializados no segmento da empresa;
  • Disponibilização de local para que o usuário possa se cadastrar e escolher quais informações ou conteúdo gostaria de receber, conforme seu interesse;
  • Formulários de cadastro para enviar informações sobre produtos ou serviços;
  • Cadastro para receber novidades semanais (newsletter);

Lembre-se que nesses formulários e landing pages deverá ser solicitado somente informações básicas e que não sejam sensíveis. Isso fará com que mais pessoas se sintam à vontade em se cadastrar.

Não se esqueça também de que caso o cliente queira se descadastrar, isso deverá ser feito imediatamente e de uma maneira que seja fácil para ele.

Vantagens e Desvantagens do marketing de permissão

Agora que você já entendeu bem sobre todo o conceito do marketing de permissão e as suas boas práticas, vamos destacar algumas de suas vantagens:

  • É uma prática que ajuda a diminuir a quantidade de spam que é disparado pela internet;
  • Demonstra que o negócio possui respeito pelo seu cliente e quer desenvolver um relacionamento pautado somente no seu interesse;
  • Garante que somente o dono do email possa se cadastrar para receber as informações;
  • Oferece a possibilidade da empresa defender-se caso esteja sendo acusada da prática de spam;
  • Permite que o negócio crie relacionamentos e fale somente com quem realmente importa: pessoas interessadas no que eles têm a dizer/vender;
  • Com a comunicação mais focada em somente quem tem interesse, a garantia de retorno é bem maior;
  • Redução do risco da empresa ter uma fama de “chata” ou “desnecessária”

Apesar dessas vantagens, a empresa ainda precisará tomar o cuidado de disparar emails ou qualquer outro tipo de comunicação em uma frequência que seja ideal e não muito intensa. Caso contrário, o usuário poderá entender que estará recebendo um contato abusivo ou spam.

Além disso, obviamente há algumas pequenas desvantagens que se você parar para analisar. Elas nem são tão impactantes e não representam grandes perdas para o seu negócio, veja quais são:

  • A sua lista de contatos vai diminuir;
  • Muitos usuários podem desistir de se cadastrar pois irão achar o processo “burocrático demais” ou então por motivo de falhas, como por exemplo, não localizarem o email de confirmação de cadastro em sua caixa de entrada;

Lembre-se que uma lista menor não é necessariamente pior que uma lista maior, pense que apesar da quantidade ter diminuído, a comunicação será bem mais assertiva, com maiores chances de retorno.

Sem contar que é muito melhor assumir essas desvantagens do que ficar com uma fama de uma empresa que somente quer distribuir spam por aí!

Quer saber mais sobre o marketing de permissão? Então, acesse esse link!

como acelerar vendas

Como acelerar vendas? Confira as nossas 7 dicas profissionais

Quando falamos de empreendedorismo, negócios e qualquer assunto relacionado à gestão de empresas, geralmente os temas que mais aparecem são relacionados à área de vendas.

Quando falamos de empreendedorismo, negócios e qualquer assunto relacionado à gestão de empresas, geralmente os temas que mais aparecem são relacionados à área de vendas.

Chega até ser óbvio o motivo desse assunto ser muito pautado, até porque vender é uma das principais atividades de qualquer empresa e são as vendas que garantem o seu sustento, além de fornecer apoio para os planos de expansão e crescimento do negócio.

Esse fato fez com que os times de vendas das empresas tenham a responsabilidade de correr atrás dos resultados que são almejados e foram definidos, gerando metas a serem batidas.

É muito comum que em momentos de pressão as empresas busquem novas formas e inovar em seus processos de vendas para acelerar a sua aquisição de novos clientes. Por isso, preparamos aqui 7 dicas de como acelerar vendas de qualquer negócio! Confira:

1 – Fique atento ao fluxo de novos negócios

Para que qualquer negócio consiga fazer as primeiras previsões de quantas vendas poderão ser realizadas em um determinado período, precisará se atentar ao fluxo de novos negócios que são adicionados ao seu funil de vendas.

Entender essa métrica é bem simples, basta verificar o número total de novos negócios adicionados no funil ao longo do tempo. É possível também dividir essa análise por canais de aquisição (Inbound Marketing, indicação, prospecção ativa, parcerias, etc) para que ela fique um pouco mais profunda.

É importante se atentar a esse fluxo, pois caso ele não esteja fluindo de uma maneira satisfatória, corre-se o risco dos leads se esgotarem quando você menos esperar.

A partir desse entendimento, será possível entender se será preciso acelerar a geração do número de novos negócios por canal de aquisição.

Obviamente que cada canal tem sua particularidade, sendo que alguns rendem mais negócios e outros menos. Portanto, baseado em dados de mercado, analise a capacidade de cada um juntamente com a sua sustentabilidade. Ou seja, entenda se é possível extrair mais leads de cada canal e se será possível manter uma boa performance a longo prazo.

2 – Encontre maneiras de aumentar o ticket médio

O ticket médio nada mais é do que o valor médio dos negócios que compõem o funil de vendas e determina qual é a capacidade de geração de receita futura.

É possível entender esse dado atribuindo um valor para cada Lead que está no funil, baseado na expectativa de fechamento daquele negócio. A importância de se atentar a isso é entender se o funil possui capacidade para atingir o resultado que é desejado.

Existem maneiras de aumentar o ticket médio do negócio, uma delas é agregar produtos ou serviços complementares na venda. A outra maneira é reduzindo o seu valor original, oferecendo descontos e promoções, com o objetivo de aumentar a taxa de conversão.

Porém, tome cuidado ao adotar promoções, elas precisam ter um objetivo claro e um data de término, dando um prazo para que o negócio seja fechado!

3 – Otimize as taxas de conversão

A taxa de conversão representa a eficiência do funil de vendas, ou seja, a capacidade de transformar leads em clientes. A maneira mais simples de entender essa métrica é tirando o percentual dos negócios ganhos sobre o total (negócios ganhos + negócios perdidos).

Quanto maior a taxa de conversão for, menor será o desperdício dos leads ao longo do funil, além de que o seu processo de otimização poderá reduzir drasticamente o Custo de Aquisição de Clientes, tornando o negócio mais sustentável e escalável.

Entenda que realizar melhorias nas conversões do funil de vendas são estratégias que renderão efeito a médio e longo prazo, porém quanto antes forem implementadas, mais cedo resultados melhores virão.

A dica principal é analisar os gargalos de cada etapa do funil e seus gatilhos de passagem. Com isso, será possível utilizar técnicas de growth hacking para fazer experimentos que possam colher alguns resultados e implantar avanços contínuos.

4 – Entenda o seu ciclo de vendas

É impossível pensar em como acelerar vendas sem conhecer o tempo entre a geração do lead até ele virar um cliente, é o que chamamos de ciclo de vendas.

Para mensurar isso basta tirar a média do tempo em que cada lead ficou no seu funil de vendas até o negócio ser fechado.

A importância de entendê-lo está em poder fazer previsões de fechamentos mais eficientes e elaborar estratégias. Por exemplo, se o seu ciclo de vendas é de 4 semanas e a sua equipe precisa bater a meta em 2 semanas, provavelmente novos leads não ajudarão a bater essa meta, portanto o foco não deverá ser esse.

Uma boa prática para reduzir o ciclo de vendas é entender quais são os pontos de atrito que são desnecessários ao longo do funil e removê-los para dar mais eficiência ao processo. Nesse sentido, tente analisar todas as etapas e retire qualquer gargalo que esteja presente em cada uma delas.

5 – Negocie com as pessoas certas

Um dos maiores erros que times de vendas cometem em sua jornada é ter que replicar o processo mais de uma vez para a mesma oportunidade de negócio! Por que isso acontece? Na maioria dos casos, o vendedor está falando com a pessoa errada dentro da organização.

É muito comum nos depararmos com vendedores negociando com pessoas que não são tomadoras de decisão, apesar de poderem ser excelentes influenciadoras.

Portanto, desde o início é preciso entender se a negociação está sendo feita com a pessoa certa, para que não haja retrabalho e desperdício de tempo.

É claro que em alguns mercados é um pouco difícil chegar de cara nos diretores ou gerentes das empresas. Porém ao longo do caminho e com uma certa experiência adquirida, é possível descobrir os atalhos para conseguir acessar essas pessoas de maneira mais eficiente.

6 – Busque especializar o seu time

Uma prática interessante para alavancar as vendas é incentivar que colaboradores e times de vendas se especializem em segmentos de mercado.

Agindo dessa maneira, será possível que cada vendedor construa seu “território” e consiga vender de maneira cada vez mais eficaz, com um custo de tempo e de dinheiro bem menor que o comum.

Por isso, compreender a origem de suas vendas e saber para quem a sua empresa está vendendo é essencial para definir quais são os mercados promissores e focar no desenvolvimento de seus vendedores para que eles possam ser especialistas nesses mercados e reduzir o seu ciclo de vendas.

7 – Entenda o pareto do negócio

Uma das principais maneiras de ganhar eficiência no processo de vendas é aplicar a regra de pareto que diz que nesse contexto diz que 80% das vendas podem ser geradas por 20% dos mercados e segmentos que a empresa pode atender

Ou seja, procure saber quais segmentos de mercado geraram mais negócios. Assim, será possível definir em quais leads deverão ser investidos esforços maiores para que o negócio feche!

A melhor maneira de saber se a sua equipe está colocando energia nas contas certas é analisar dados das vendas que já foram fechadas. Algumas características que você pode olhar são: Tamanho da empresa, perfil do cliente, cargo do cliente, duração do ciclo de vendas, etc.

Agora que você já sabe como acelerar vendas, que tal saber como atrair mais clientes com o marketing de conteúdo?