Autor Convidado

pela Rock Content.
Esse post foi escrito por um de nossos parceiros especialistas no assunto.



temer produtividadeempreendedor vai muito além de dar palestras vazias de ideias, motivação e sorte.

">

Acredite, não precisamos temer a produtividade!

“Precisamos ser mais produtivos”. Esta frase, que há tempos ecoa dentro das corporações, se repete cada vez mais.

“Precisamos ser mais produtivos”. Esta frase, que há tempos ecoa dentro das corporações, se repete cada vez mais.

Diante da necessidade de se trabalhar com equipes cada vez menores, a cobrança se torna inevitável.

Para alguns a frase causa arrepios e, na maioria das vezes, soa impositiva, causa a sensação terrível de que somos lentos, ineficientes e que precisamos trabalhar mais rápido… trabalhar mais!

Tudo isso não é à toa. Há muita confusão quando falamos em produtividade. Muitos pensam somente na equação “mais com menos”, “mais em menos tempo”, e se esquecem que – segundo encontrei em algumas pesquisas – a possível origem da palavra em latim também sugere que produtividade é “avançar”.

Neste sentido, gosto de encarar a produtividade sob outra perspectiva. Prefiro ir além quando penso nos motivos que me levam a querer ser mais produtiva e a desejar o mesmo para minha equipe.

Quero ser produtiva para viver melhor, para ter mais tempo livre, para concluir uma tarefa (independente do grau de complexidade e importância) no tempo exatamente necessário.

Quero ser produtiva para manter um bom fluxo de energia, sem baixas causadas por fadiga ou pelo estresse de um prazo não cumprido. E quero que todos à minha volta sejam produtivos, para que o trabalho em equipe flua tranquilo.

Pensar a eficiência por essa ótica – a meu ver – é libertador. Evita aquele frio na barriga ao imaginar que meu empregador deseja que eu trabalhe mais, que passe horas me dedicando, num ritmo frenético.

Isto só é possível porque consigo transpor antigas convicções e enxergar a produtividade como algo capaz de possibilitar o que tanto buscamos: qualidade de vida.

Ainda, a ideia de que as novas tecnologias nos poupam tempo e são sinônimo de eficiência, pode ser enganosa. É cada vez mais comum nos depararmos com a falta de foco em virtude da tecnologia.

Nem sempre estar constantemente conectado, mesmo nas férias, é sinal de produtividade. Estar disponível, respeitando limites, ou ser real timing, sem ficar irreparavelmente ansiosos, é o grande desafio de profissionais dos tempos modernos.

Diante disso, a produtividade encontra seus aliados:

  • Na captura e coleta de informações
  • Na organização
  • Na classificação
  • No acesso
  • No compartilhamento

Este “fluxo” já acontece continuamente no nosso dia a dia. O problema é que muitas vezes tentamos concluí-lo sem qualquer automação, sem ajuda da tecnologia (mesmo com recursos incríveis à disposição!), e, quando há ruptura no processo, sequer notamos. Nos perdemos, perdemos informações, tempo, e nos tornamos improdutivos.

Por isso, volto à questão do início. Não é preciso temer a produtividade. Vamos assumir que a possível origem da palavra revela o seu real intuito: avançar, evoluir.

É preciso encará-la como uma atitude capaz de nos tornar mais felizes, seja isso o que for – até mesmo trabalhar de frente para o mar, por que não?

*Júlia Figueiredo é Partner Marketing Manager no Evernote e membro do conselho da ONG “Latinas in Tech“, comunidade de mulheres latinas que atuam em empresas de tecnologia do Vale do Silício.

geração e gestão de leads

Os 8 segredos que você precisa conhecer sobre Geração e Gestão de Leads

Você quer mais clientes para o seu negócio? Certamente qualquer empreendedor responde “sim” a essa pergunta.

Você quer mais clientes para o seu negócio? Certamente qualquer empreendedor responde “sim” a essa pergunta.

Então, nós vamos ajudar você a chegar a esse objetivo com uma estratégia consistente e eficiente: geração e gestão de leads.

Geração de leads é o processo de conquistar potenciais clientes para o seu negócio. Por meio de conteúdos relevantes, seu site atrai possíveis interessados na sua solução. Ao conquistar a confiança dos visitantes, você capta emails para poder se aproximar deles.

Mas esse processo só se converte em vendas se for seguido pela gestão de leads. Os potenciais clientes precisam ser nutridos no funil de vendas com mais conteúdos para que tomem uma decisão acertada de compra – e, ao final, escolham a sua empresa.

Basicamente, é esse o processo, mas nós vamos revelar algumas dicas para potencializar ainda mais sua estratégia de geração e gestão de leads!

5 dicas para aprimorar a geração de leads

A geração de leads consiste em duas ações principais: atrair e converter. Elas podem ser desmembradas nas etapas que veremos a seguir, com alguns detalhes que fazem a diferença nos resultados.

1. Tenha empatia com a sua persona

A construção de personas é uma etapa essencial, mas muitas vezes desprezada no planejamento da estratégia.

Persona é a descrição fictícia de um cliente ideal da empresa, com informações sobre seu perfil, estilo de vida, necessidades, problemas etc. Quando mais aprofundada, melhor!

Isso gera empatia com o público, pois você compreende as dores reais das pessoas e como pode ajudá-las, tornando conteúdo, linguagem e abordagens mais adequados.

2. Gere um tráfego qualificado

Quanto mais qualificado for o seu tráfego, mais eficiente será o restante do processo. Afinal, pessoas mais próximas ao seu perfil de cliente têm mais chances de se tornarem um deles.

Então, preocupe-se não só com a quantidade de visitantes do seu site, mas principalmente com a qualidade. Será que essas pessoas estão realmente interessadas? Será que elas têm poder de decisão? Será que elas têm o perfil ideal?

Para gerar tráfego qualificado, tenha uma boa estratégia de produção e divulgação dos conteúdos, focada no perfil da persona.

Depois, analise a taxa de conversão: quanto maior ela for, mais qualificados são seus visitantes.

3. Otimize suas landing pages

Landing pages são páginas de destino, para onde os usuários são direcionados quando clicam em um link de anuncio, post ou qualquer divulgação.

Elas devem ser extremamente focadas no objetivo de conversão, que geralmente é o cadastro de email. Por isso, elas têm poucos elementos: uma imagem, um pequeno texto, um formulário e um botão de confirmação.

Então, seu foco nas landing pages é a otimização das conversões. Analise constantemente os resultados dessas páginas e teste os elementos que provocam mais cadastros.

4. Crie uma oferta de valor

Para incentivar que os visitantes informem seu email, ofereça algo em troca, como baixar um ebook, participar de um evento, assistir a um webinar etc.

Porém, não faça “mais do mesmo”. É possível que as pessoas já tenham lido vários posts do seu blog e já conheçam seu conteúdo. Se você não oferecer nada de novo, útil e interessante para os visitantes, não há razão para eles se cadastrarem.

Então, produza materiais ricos, que ofereçam uma experiência valiosa para o seu futuro lead.

5. Crie CTAs poderosos

CTA é uma chamada para ação (Call To Action). Ela identifica a ação que o usuário deve executar, segundo os seus objetivos.

Em uma landing page, o CTA é essencial para orientar o visitante: clique no link para receber a oferta.

Porém, para criar CTAs poderosos, fuja do padrão “clique aqui”. Seja claro e objetivo: “cadastre”, “assine”, “compre”. Se possível, seja criativo nas palavras! No visual, capriche nas cores para chamar a atenção e motivar o clique instintivamente.

3 dicas para melhorar a gestão de leads

Depois de gerar os leads, você precisa aprofundar o relacionamento com eles para fortalecer a confiança na sua marca. Veja agora mais alguns passos que você deve seguir:

6. Fortaleça a confiança com a nutrição de leads

A partir de uma ação do lead (como o download de um ebook), você consegue identificar qual o seu assunto de interesse e seu estágio de compra.

Assim, você pode inseri-lo no funil de vendas para realizar a nutrição dos leads, que consiste no envio de uma série de emails automatizados que educam a persona e amadurecem sua decisão de compra até a abordagem de venda.

Assim, você desenvolve um relacionamento de confiança com o lead ao longo de sua jornada, pois ele se abastece de informações para tomar a decisão mais acertada.

7. Crie uma classificação para os leads

No fundo do funil, é preciso entregar para as vendas apenas aqueles leads que estão mais prontos para a conversão.

Para isso, é preciso fazer a qualificação dos leads, também conhecida por Lead Scoring. Nesse processo, você dá uma “pontuação” para cada contato de acordo com dois critérios:

Intenção de compra

Identificada por alguma ação do usuário. Por exemplo, se ele clicou em um link para ver a demonstração de um produto, significa que ele está interessado.

Perfil do cliente

Identificado no cadastro do email. Por exemplo, se você vende um software de CRM, os leads que informaram o cargo de Gerente de Marketing terão uma pontuação melhor.

Dessa forma, você pode fazer uma classificação dos leads e identificar quais são prioritários, para realizar uma abordagem de venda com mais chance de sucesso.

8. Integre os times de marketing e vendas

Em muitas empresas, as equipes de marketing e vendas trabalham afastadas. O problema é que, na gestão de leads, essas áreas precisam ser muito próximas.

O pessoal de marketing deve saber qual perfil de leads está gerando mais vendas e quais foram entregues precipitadamente, por exemplo. Assim, o lead scoring pode ser revisto.

Da mesma forma, a equipe de vendas precisa saber qual o histórico de contatos com o lead e qual linguagem foi utilizada, para realizar uma abordagem coerente.

Por isso, na sua empresa, aproxime essas duas áreas para que elas troquem informações e resultados entre si, tornando a operação toda mais integrada e eficiente.

Gerar leads é o primeiro passo para conquistar novos clientes. O problema é que você pode se perder na quantidade de leads gerados. Por isso, a gestão de leads ganha importância para priorizar os contatos e abordar as pessoas certas.

Com esse processo completo e estruturado, a atuação da empresa se torna mais qualificada, eficiente e, principalmente, rentável.

E você, já aplica a estratégia de geração e gestão de leads? Está tendo bons resultados? Quais dificuldades encontra? Escreva aqui nos comentários para conhecermos sua experiência!

Artigo produzido pela equipe do Leadlovers.

monitoramento de informação

Por que o monitoramento de informação é tão importante? Veja os motivos

Em geral todo empreendedor sabe que o monitoramento de informações sobre o seu negócio, mercado e concorrência são fatos importantes, mas muitos não sabem realmente o “por que” o monitoramento de informação é tão importante.

Em geral todo empreendedor sabe que o monitoramento de informações sobre o seu negócio, mercado e concorrência são fatos importantes, mas muitos não sabem realmente o “por que” o monitoramento de informação é tão importante.

Especialmente agora, com a popularização da internet, a sua empresa está todos os dias sendo mencionada por alguém. Seja na grande mídia, ou mesmo em pequenos blogs ou fóruns online.

Se você está sendo citado, você tem que saber o porque!

Em outra via tão importante quanto olhar para o próprio negócio e acompanhar os que as pessoas falam sobre você, também é fundamental saber como o seu concorrente atua ou está sendo visto pela a audiência.

Em suma, monitorar as informações em torno da sua marca é uma das formas de saber se seus esforços de marketing e assessoria de imprensa estão trazendo resultados.

O clipping, em especial, é uma excelente ferramenta porque permite que você veja facilmente o panorama das publicações envolvendo o seu nome. Isso permite que

você possa antecipar estratégias e decidir onde investir quando o assunto é comunicação da sua marca.

Além disso, o monitoramento da concorrência ajuda você a entender melhor o seu nicho de mercado e encontrar formas de se destacar na multidão.

A importância do monitoramento de informação

Por que fazer um monitoramento de informação? Esta pergunta pode não fazer muito sentido para você, mas deveria.

Monitorar a informação em torno da sua marca tem inúmeros benefícios e é importante por diversas razões. Separamos as principais abaixo:

  • O monitoramento de informação ajuda você a identificar mudanças ou novas tendências de mercado, possibilitando a sua ação rápida para adequação ao setor;
  • O monitoramento também permite que você mantenha um alto nível de atualização e divulgação de informações sobre a sua empresa, para que o que é divulgado na mídia permaneça importante e relevante em relação aos temas de interesse do seu setor, principalmente quando se relacionam diretamente a sua audiência;
  • Você encontra inspirações e insights para melhorar o seu próprio produto ou serviço;
  • Você identifica e prevê crises de imagem, podendo criar estratégias de respostas rápidas e efetivas para solucionar o problema com maior rapidez e segurança.

O que isso pode trazer de vantagem para sua empresa?

Bom, no item anterior apontamos algumas vantagens do monitoramento de informação mas queremos ser ainda mais específicos. Então entenda melhor quais são as vantagens dessa estratégia para a sua empresa:

Manutenção do correto posicionamento da marca

É por meio do monitoramento que você consegue alinhar a imagem que você deseja passar para o seu público e a imagem que o seu público realmente percebe de você.

De nada adianta achar que a sua marca tem determinada persona, quando o seu público a vê de maneira diferente.

Ps.: Lembre-se, você não faz um serviço ou produz um produto de acordo com os seus próprios gostos. Você o faz de olho no que o seu cliente quer.

Portanto, é o monitoramento que mostrará a você de maneira clara se o seu discurso e o olhar do seu público sobre a sua empresa estão alinhados.

Fornecimento de dados e estatísticas para a atividade de SAC

À medida que você percebe como sua empresa é vista no mercado, toda a sua equipe estará melhor munida de argumentos para possíveis reclamações ou interações com os clientes que possam surgir.

Por exemplo, se você percebe que uma crise está prestes a estourar em algum jornal, você já pode passar esses dados para a sua equipe de atendimento ao público para que eles preparem a melhor estratégia para solucionar o problema rapidamente.

Orientação clara no momento de tomadas de decisões estratégicas

Imagine a seguinte situação: Você deseja lançar um novo produto, mas não tem certeza de como vai ser a receptividade do público.

Sua assessora de imprensa, então, divulga uma pequena nota apenas para gerar o buzz sobre o assunto. O monitoramento das reações resultantes dessa nota pode ajudar você a decidir se é a hora certa do lançamento.

Aumento da aquisição de novos clientes e fidelização dos antigos

Quando você sabe exatamente como a sua empresa é vista, você também sabe quem se identifica com ela.

Essa é a peça chave para criar ações focadas em conversão de novos clientes e fidelização de antigos, isso porque você terá suporte para saber exatamente o que, como e quando falar com a sua audiência.

O que você aprende ou ganha com isso?

Segurança. Suas decisões estratégicas estarão mais objetivas e tenderão a ser mais acertadas porque você conhece mais o seu público, entende melhor o mercado e compreende de fato como a mídia vê e trata a sua empresa.

E isso, consequentemente, fará com que a sua marca se destaque em seu setor, uma vez que você terá um panorama claro do que é tendência e de como é o comportamento do mercado.

Como monitorar os concorrentes

Por que monitorar a concorrência? O primeiro dos motivos é bastante relevante, mas pouca gente presta atenção: você só se diferencia no mercado quando conhece a fundo os serviços e produtos da sua concorrência. Caso contrário, você vai apenas fazer mais do mesmo.

Além disso, a análise da concorrência ajuda você a entender melhor as atividades da sua concorrência e usar essa informação para promover melhorias em seu próprio negócio.

O monitoramento dá a você uma gama de informações enorme e permite que você se antecipe as tendências.

Por exemplo, um bom monitoramento pode apontar que o seu principal concorrente abriu vagas em determinada cidade, o que pode indicar expansão de mercado.

Saber disso antecipadamente faz com que você repense suas estratégias e busque formas de se manter competitivo.

Como fazer esse monitoramento?

Existem muitas estratégias diferentes envolvendo o monitoramento da concorrência e uma delas é o Benchmarck.

A técnica envolve um processo de comparação entre produtos, serviços, práticas e resultados da sua empresa com os seus principais concorrentes.

Em uma definição bem resumida, ele pode ser dividido em três partes: o planejamento, fase dedicada ao levantamento de informações sobre o objeto de estudo e ao alinhamento de objetivos, métodos de avaliação e indicadores de desempenho; análise e coleta de dados, onde são monitorados e examinadas todas as informações levantadas; e finalmente a produção dos relatórios.

Outro bom aliado na hora de monitorar a concorrência é o clipping. Como também já dissemos, ele é um compilado de informações que ajuda a entender o desempenho de determinada empresa frente ao público.

O interessante é que o clipping também pode ser usado para monitorar empresas concorrentes e a vantagem é que atualmente existem diferentes ferramentas no mercado que executam a clipagem de maneira totalmente automática, tornando o trabalho mais ágil e prático.

Essencialmente, existem quatro itens importantíssimos que devem ser levados em conta durante o monitoramento. Eles podem ser mais detalhados, de acordo com a necessidade da sua marca ou da informação que você deseja levantar:

Marca

É importante lembrar que para fazer comparações você precisa saber o desempenho da sua própria empresa. Portanto, colete e faça uma análise de menções da sua marca, produtos, serviços, ou pessoas importantes ligadas a sua empresa (como SEO).

Concorrência

O mesmo vale para concorrência. Acompanhe menções aos produtos, serviços, nomes de cargos importantes, etc.

Segmento de Mercado

Analise também o que é falado acerca dos seus parceiros e fornecedores. Você não quer o seu nome ligado a uma empresa problemática!

Além disso, a análise de mercado como um todo vai te ajudar a otimizar os processos e a comunicação da sua própria empresa.

Público-alvo

Finalmente, tão importante como monitorar a concorrência, é monitorar o público-alvo. Isso porque você disputa todos os dias o gosto da sua audiência, e saber as necessidades, dúvidas, e objetivos dela permite que você crie melhores estratégias para seu relacionamento e a manutenção.

Agora que você sabe que o monitoramento é uma etapa fundamental para qualquer estratégia de marketing, não perca mais tempo e comece a monitorar as informações que te darão vantagem competitiva!

QUERO SABER DAS MELHORES FERRAMENTAS DISPONÍVEIS PARA MONITORAMENTO.

Caso você ainda tenha dúvidas de como o clipping pode te ajudar com o monitoramento, veja o guia mais completo sobre clipping

Jonathan Ribeiro,

Especialista em monitoramento de informações no Klipbox e apaixonado por empreendedorismo.

política de premiação - funcionário desmotivadopotenciais clientes é fundamental.

">

Torne os seus funcionários mais motivados com uma Política de Premiação

Por: Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Por: Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Meus caros, poucas vezes um conceito foi tão propalado e reconhecido em sua capacidade geradora de benefícios.

Vacinado de modinhas de ocasião

Talvez o motivo esteja na simplicidade do seu significado, mas também pode estar no reconhecimento do óbvio ululante, e isso é muito saudável.

No frigir dos ovos, os resultados precisam aparecer, como sempre.

Afinal de contas, convenhamos, poucas coisas são menos estimulantes do que um ambiente de trabalho onde acomodados, “rodas presas” e preguiçosos são tão considerados e premiados quanto aqueles que operam com obstinação.

Sim, acredite, não somos “todos iguais”

Nesse contexto, onde os “prêmios” sempre se caracterizam como algo restrito, nada mais natural que se estabeleçam regras comuns e justas para o seu acesso.

Cria-se com isso uma espiral positiva em benefício da competitividade e da saúde econômica dos negócios. É o máximo de igualdade economicamente viável.

Em resumo: igualdade de regras.

O ponto é que na “meritocracia”, pouco importam a sua origem, filiação, raça, credo, onde você estudou, ou mesmo as questões de gênero.

Em um ambiente assim, o valor vem dos resultados e da qualidade como estes foram atingidos. Obviamente não se trata de algo perfeito, mas muitos se adaptam facilmente e jamais vão querer trabalhar em um modelo diferente.
A questão é como implantar esta cultura, considerando os seus desdobramentos operacionais, e seu impacto no cotidiano de profissionais, ainda não acostumados ao processo triturador que o culto ao mérito impõe.
Vamos lá:

Elimine a retórica vazia

Ao implantar uma cultura meritocrática seja coerente. Nada será mais importante do que o resultado e sua qualidade. O resto é o resto.

Tenha metas claras e exequíveis, para que possam ser distribuídas aos colaboradores.

Sem isso, não haverá parâmetros confiáveis e respeitados de avaliação.
Tudo nascerá de um planejamento detalhado, possibilitando o encadeamento de objetivos, metas e ações.

Crie uma política de premiação

Ela pode ser gradual e escalonada, envolvendo desde o incremento de remuneração até a participação na sociedade.

O prêmio precisa ser em dinheiro

Ou no máximo com participação societária, conversível em dinheiro.
As pessoas querem enriquecer e usufruir do ganho econômico que estão proporcionando ao negócio com seus esforços. Nada mais do que isso.

Cuide bem da comunicação

Ela deve refletir um programa claro e dotado de regras cristalinas. Isso vai garantir adesão e comprometimento.

Dedique especial atenção ao clima interno

Não permita que a competitividade saudável provocada pela meritocracia deságue em agressividade gratuita e processos autofágicos.
Equipes precisam trabalhar com coesão e coordenação eficiente (concatenada com o planejamento do negócio). Sem isso você criará uma terra de ninguém com prejuízos imediatos à operação.

Tenha em mente que não se trata de um modelo perfeito

Ele está longe de ser a prova de equívocos.
Desta forma, esteja preparado para perder alguns talentos que independentemente de sua capacidade, não estão dispostos a conviver profissionalmente em um ambiente tão duro e difícil.

Traga gente competente

Os incompetentes e acomodados odeiam a “meritocracia”, e farão tudo o que for possível para sabotar o modelo.
Neste último item, nasce a questão mais importante de todas. Então vamos dar uma atenção especial!
Atrair talentos, além de estratégico para os negócios, pode significar a diferença entre o êxito e o vinagre em um empreendimento.
Contudo, para isso acontecer, em um contexto onde a empresa conquista a atenção e o interesse dos melhores profissionais do mercado, precisamos deixar de lado as modinhas e os invencionísmos corporativos.
Assim, partiremos para algo mais óbvio, elementar e efetivo, que na realidade começa no cotidiano, preferencialmente com aqueles que já foram selecionados.

Por favor, “back to the basics” – volte ao básico – , sempre.

Vamos lá:

1. As pessoas querem ser respeitadas

Elas podem ser convocadas a encarar intensas jornadas de trabalho e assumir pesadas responsabilidades, até ai tudo certo.
Mas o trato pessoal com essa gente merece e deve ser feito com cuidado. Chefes arrogantes e broncos espantam gente competente;

2. Fique atento ao comportamento dos líderes

Você os contratou, então tire as suas próprias conclusões sobre como conduzem suas equipes.
Seja implacável com sociopatas corporativos, egocêntricos e arrogantes. Mas por favor, não se contente com os manuais da boa gestão. No lugar disso atue com firmeza.

3. Não incomode seus colaboradores com mudanças permanentes

Elas muitas vezes são desnecessárias e contraproducentes.

Deixe um pouco de lado a “última novidade que surgiu no último evento a que compareceu”
Mudanças causam stress, esgotamento e descontinuidade em fluxos e processos que poderiam avançar com eficiência.
Só recorra a elas quando são realmente essenciais.

4. Cumpra com suas promessas relacionadas ao desenvolvimento profissional

Neste contexto trabalhe sempre com a verdade.
Não invente ou alimente ilusões. No lugar disso convide a todos a enfrentar a realidade vigente, dedicando a energia do grupo para transformá-la.

5. Não puna os erros daqueles que erraram tentando acertar

Uma atmosfera de temor só serve para atrofiar a capacidade empreendedora do grupo.

6. Evite (ou fuja) de julgamentos comportamentais

Muitas vezes eles não carregam fatos comprováveis ou evidências objetivas e específicas.
Diante deste tipo de cenário, as pessoas costumam se preocupar mais em encarnar personagens do que em realizar.
Boa sorte e até o próximo!

grandes investidores

Grandes investidores: ensinamentos de quem alcançou o sucesso

Ter alguém para se inspirar pode dar aquele gás que faltava para corrermos atrás dos nossos sonhos. Por isso mesmo, quem quer empreender e ter um bom modelo de negócio muitas vezes se espelha em pessoas bem-sucedidas.

Ter alguém para se inspirar pode dar aquele gás que faltava para corrermos atrás dos nossos sonhos. Por isso mesmo, quem quer empreender e ter um bom modelo de negócio muitas vezes se espelha em pessoas bem-sucedidas.

Quem nunca imaginou como é viver com uma conta bilionária no banco? Contudo, muitas vezes esquecemos que, para ganhar a fama e a fortuna de hoje, muitas pessoas traçaram um caminho de luta e algumas decepções.

Exemplo disso são os grandes investidores. Quem conseguiu enriquecer no Mercado de Ações com certeza deve servir de exemplo para muitos iniciantes neste universo.

O Mercado Financeiro não é simples e quem consegue entendê-lo tem muita sabedoria para compartilhar por aí.

Foram as experiências boas, como lucrar milhões em apenas uma transação, e também as ruins, como perder seis dígitos após um ato por impulso, que ajudaram essas pessoas a conquistar o sucesso que têm atualmente.

Mais do que apenas invejar a riqueza alheia, que tal aprender com quem chegou lá? Veja agora ensinamentos de investidores de sucesso para começar a seguir já!

Benjamin Graham: motivos são tão importantes quanto objetivos

Graham foi um professor aclamado da Universidade de Columbia. Parte de sua fama surgiu por causa de seus ensinamentos sobre a análise fundamentalista, uma forma de avaliar onde investir dinheiro a partir das perspectivas de longo prazo das empresas.

Muitas pessoas que hoje iniciam no mundo dos investimentos seguem lições de Graham. Isso porque, apesar de ter nascido em Londres no fim do século XIX, seus estudos ainda são bastante atuais.

Quer aprender com ele? Saiba que estar certo não é suficiente. Você precisa estar certo pelos motivos corretos. Afinal, de nada adianta estar convicto do que faz se seus motivos não estão alinhados com seus objetivos.

A convicção, inclusive, está bastante presente em suas lições. Para ele, é preciso ter paciência e disciplina para se manter firme em suas convicções, especialmente quando o mercado insiste que você está errado.

Assumir uma posição e se manter fiel a ela parece simples na prática, mas quando o mundo segue por outro caminho, podemos começar a duvidar de nós mesmos. Ouça a voz da sabedoria!

Warren Buffett: fuja do lugar comum

Benjamin Graham foi professor de Buffett e chegou a ser considerado por seu pupilo um dos homens mais importantes de sua vida.

O apelido, “oráculo de Omaha”, não surgiu à toa. Aos 86 anos, Warren Buffett permanece há quase duas décadas entre os primeiros colocados na lista de mais ricos do mundo.

A frente de sua empresa, a Berkshire Hathaway, ele publica anualmente cartas em que dá dicas valiosas a seus leitores. Em uma delas, Buffett escreveu que não se pode ficar obcecado pelo sobe e desce do mercado.

O que realmente importa para ele é estar focado no jogo e não no placar.

Outra lição que podemos aprender com ele é em relação aos riscos. Em suas palavras, “o risco vem de não saber o que você está fazendo”.

A falta de compreensão sobre como agir também ganhou destaque quando ele afirmou que é melhor não investir em um negócio que você não entende.

Ele também indica remar contra a maré: “A hora de se interessar por ações é quando ninguém mais está interessado.

Você não pode comprar o que é popular e achar que está agindo de maneira correta em relação a seus investimentos”.

George Soros: erros também são aprendizado

Quando se fala em investidor de sucesso, outro nome que surge espontaneamente é George Soros. Sua fortuna chega a mais de 20 bilhões de dólares!

Entre suas maiores proezas no Mercado Financeiro, está o lucro de 1 bilhão de dólares conquistado em 1992 ao investir contra a libra esterlina.

Ele é um dos fundadores do Quantum Fund, um dos maiores e mais lucrativos fundos de hedge existentes. Além do sucesso nos investimentos, Soros também se deu bem na literatura. Aos 80 anos, ele é autor de quase uma dezena de livros sobre o Mercado Financeiro.

Soros não crê que é possível se divertir investindo bem. “Se investir é entretenimento e se você está se divertindo, provavelmente você não está ganhando dinheiro”. Segundo ele, o bom investimento, infelizmente, é chato.

E ele não tem medo de reconhecer suas fraquezas. Soros já admitiu que acaba se deixando tomar pela euforia e também pelo desespero. Mas ressaltou que só deu a volta por cima porque reconheceu seus próprios erros.

É importante não só reconhecer, como também corrigir as falhas. “Uma vez que nós entendemos que os seres humanos são imperfeitos, não há vergonha em estar errado, mas sim em falhar por não conseguir corrigir nossos erros”. Ou seja, Soros é adepto do ditado que diz: errar é humano.

Jim Rogers: tenha fé em si mesmo

O fundo criado com a parceria entre Rogers e Soros é considerado um dos mais rentáveis da história. Para se ter uma ideia, em dez anos esse fundo chegou a avançar 4.200%!

A sociedade com Soros foi tão frutífera que Jim Rogers conquistou o que muitos sonham: aposentar-se aos 40 anos. Um verdadeiro entusiasta do mercado asiático, ele atualmente mora em Cingapura e atua como um observador profissional do mercado.

Rogers realmente acredita que o oriente é o futuro dos negócios, tanto é que uma de suas sugestões é que todo mundo nascido a partir de 2003 deve aprender a falar mandarim.

Ele também aconselha a todos traçar seu próprio caminho. Rogers já confessou que, no início da carreira, se deixou levar pela opinião dos outros e se deu mal.

“Com o tempo, vi que quando eu discordava dos outros, eu estava certo. Então, passei a seguir minha intuição e deixar os outros para lá”, disse.

Ele também escreveu diversos livros sobre economia e investimentos. Um deles, “A Gift to My Children: A Father’s Lessons for Life and Investing”, traz um ensinamento interessante para quem não é muito fã de mudanças.

Um trecho da obra diz que aqueles que não conseguem se ajustar às mudanças, vão ser varridos por elas. Aqueles que aceitarem as mudanças e reagirem de acordo, vão se beneficiar com elas. Flexibilidade é o segredo do sucesso!

Jorge Paulo Lemman: sonhar não custa nada

Claro que esta lista não iria terminar antes de ter ao menos um brasileiro por aqui.

Jorge Paulo Lemman é um nome forte em terras tupiniquins e também internacionalmente. Tanto é que ele foi chamado de “conquistador da América” pela revista Forbes.

Entre suas conquistas está a criação da Ambev e investimentos em diversas empresas do ramo alimentício no país, como Heinz, Burguer King e Lacta.

Contudo, sua mais nova área de investimento é a tecnologia. Este ano, ele investiu no Snapchat, rede social com valor de mercado superior a US$ 20 bilhões.

Uma máxima dele para inspirar as pessoas é sonhar longe. Para ele, ter um sonho grande dá o mesmo trabalho de ter um sonho pequeno. Então, por que não querer ir além?

Lemman também dá muito valor ao empreendedorismo, já que, segundo ele, os empreendedores vão salvar o Brasil. “Peço que eles não desanimem na primeira dificuldade, peço que eles continuem”, completa o pensamento.

As dificuldades são um dos principais motivos para muita gente desistir antes de alcançar um objetivo. Ele deixa claro que nada acontece em linha reta, já que sempre vão haver altos e baixos.

O importante, para Lemman, é constantemente aprender com as dificuldades e sempre ver nelas uma oportunidade.

Exemplos de sucesso existem vários por aí, tanto de grandes investidores quanto de pequenos empresários. Sabe o que todos eles têm em comum? A humildade de aprender com os próprios erros e a disciplina para prosperar em meio à adversidade.

O Mercado Financeiro foi palco do sucesso dos investidores citados e pode ser o seu também. Sabe o melhor? A Bolsa de Valores é o melhor investimento do ano. Ainda dá tempo de aproveitar e mudar de vida!

Agora é um excelente momento para empreender e investir. É hora de colocar a mão na massa e tirar seus sonhos do papel!

Autoria: Ana Cláudia Inez, graduada em Relações Públicas, mestre em Processos Comunicacionais e estudiosa do mercado de ações. Integrante da equipe Toro Radar, é responsável pela comunicação e relacionamento da empresa com parceiros em todo o país.

liderar com sucesso

12 lições para empreender e liderar com sucesso

Alguém que se aventure na estrada dos negócios precisa aprender o grande valor da liderança.

Alguém que se aventure na estrada dos negócios precisa aprender o grande valor da liderança.

Este artigo é pra você que atua no mercado ou deseja atuar solitariamente, saiba que é possível empreender perfeitamente e em equipe.

Neste post você receberá importantes lições para ser um empreendedor líder e alcançar resultados satisfatórios em seu empreendimento.

Ao final será disponibilizado uma série de dicas que lhe serviram de guia pelo caminho da liderança no empreendedorismo.

Lição 01: O que diz Guy Kawasaki

Guy Kawasaki, fala no seu livro “The Art of the Start” que inovadores isolados é um mito da história, sempre homens como Thomas Edson e Steve Jobs foram amparados e suportados por equipes.

Por mais profissional e experiente que você seja procure um “soulmates” usando uma expressão do sr. Guy, que quer dizer, a sua outra metade nos negócios.

Para crescer é preciso parcerias, networking, aliar-se com alguém que contribua para o desenvolvimento do seu empreendimento e aqui surge a necessidade da liderança.

Lição 02: Para alcançar resultados você sofrerá em silêncio

De todas as atividades que uma pessoa de negócios precisa desenvolver sem dúvida a formação de uma equipe é mais desafiadora.

É preciso lidar com questões tais como: delegar funções, cobrar resultados, motivar, apoiar os colaboradores em suas atividades e entregar recompensas e em alguns casos demitir.

A liderança sofre em silêncio e toma suas decisões com o único objetivo, alcançar os resultados.

Lição 03: Tenha pessoas competentes em sua equipe

Nos últimos anos as escolas de administração tem adotado um discurso mais paternalista com os colaboradores dando a entender que os mesmos precisam ter uma vida social confortável para aí então produzirem melhor.

Não se pretende contrariar os livros, mas o empreendedor é aquele que se privou de pegar as maças do único pé disponível que é o mercado, para se dedicar na construção de um instrumento que lhe proporcionará colher muito mais maças amanhã.

Portanto ele tem seu capital, seu tempo e sua energia empregada ali, arriscando tudo em nome do resultado e precisa está cercado de pessoas também igualmente competentes.

Lição 04: Retenha talentos como Mr. Selfridge

O drama da vida de Harry Gordon Selfridge em Londres muito bem retratado no seriado Mr Selfridge é a realidade em menor ou maior grau daquele homem ou mulher que adentra o universo empresarial.

Ao encontrar Agnes Towler uma colaboradora com grande potencial Selfridge se interessa pelo bem estar da mesma, deixando claro que contava com as habilidades dela para o sucesso do seu empreendimento.

É preciso ter desenvoltura na capitação de recursos financeiros, humanos, material e principalmente reter talentos, pois o empreendedor não faz tudo sozinho.

Lição 05: Não fuja dos conflitos

Ao observar as literaturas das escolas de negócios nota-se por meio das pesquisas que os conflitos são resultados de choques de personalidades.

Então você que está disposto a se tornar um empreendedor de vez precisa aceitar que conflitos serão uma constante na caminhada.

Embora seja sabido que nem todos os conflitos são negativos, no mundo moderno a criatividade e inovação são o combustível para o crescimento de uma organização, e às vezes o ambiente de conflitos funcionais traz a tona novas ideias e oxigena seu escritório, fábrica e incubadora com outras possibilidades.

Lição 06: Motive

A motivação é você dar um ânimo a pessoa, o motivar contem os estragos que porventura possa acontecer na trajetória da busca pelo resultado.

Nem sempre a motivação está no dinheiro, mas na expectativa que amanhã será melhor do que hoje ou a esperança do pódio como no futebol.

Lição 07: Aprenda a administrar conflitos e motivações

Todos precisam de motivação, veja o técnico de futebol, quantos conflitos é preciso administrar dentro de um vestiário, aqueles jogadores recebem altos salários, são xingados pela torcida muitas vezes, são controlados por regras que muitas vezes são subjetivas ao juiz e principalmente, são pressionados para alcançar o alvo, o gol.

Na qualidade de técnico de futebol o indivíduo se vê preso numa série de dilemas, pois a sua responsabilidade é oferecer o resultado positivo, vitória.

Mas por mais pressionados que estejam não há pressão maior do que sobre o gerente de futebol que precisa ter uma boa estratégia e trabalhar em cima de um planejamento consistente para entregar o título ao clube.

A medida que sobe a hierarquia a quantidade de variáveis que podem conduzir ao erro aumentam e claro os conflitos multiplicam, por isso a motivação precisa ser maior do que os conflitos.

Lição 08: O líder precisa estar motivado

A qualidade de sua liderança é resultado da sua motivação, se o que você faz hoje é simplesmente pelo dinheiro ou por necessidade me desculpe, mas você não está motivado.

Liderar e motivar são palavras que se equivalem no sentido funcional.

Motivar é se colocar numa posição de liderança e oferecer algo a equipe pelo o que lutar.

Lição 09: Um toque pessoal

Muitas vezes pela manhã eu colocava músicas, assistia vídeos e lia frases que me traziam ânimo para encarar os desafios do dia.

Tinha que às vezes me encontrar com um cliente, um fornecedor ou com algum colaborador e não poderia fazê-lo sem motivação, pois certamente os resultados seriam desastrosos.

Ser empreendedor é ter um equilíbrio na mente não basta ser bom naquilo que faz é preciso ser visionário, no sentido Dolabela e Dornelas de dizer, e principalmente ser resiliente diante de tamanha pressão.

Lição 10: Planejar e liderar funcionam juntos

No livro “The Art of the Start” o autor não se detém muito na questão da liderança ele se preocupa mais em estabelecer um processo empreendedor eficaz, mas neste texto fica claro que o empreendedor precisa ser líder.

E nesse quesito ainda muito se pode aprender com biografias, palestras e compartilhando experiências com outros empreendedores e profissionais.

Lição 11: A cultura da empresa é reflexo do líder

O relacionamento numa organização é resultado de um clima organizacional e o clima reflete a cultura daquela empresa e a cultura começa com o empreendedor.

Se o empreendedor trabalha com valores de liderança como delegar, confiar, transparência e dedicação é fato que todos vão trabalhar nesta linha. E aquele que não se adaptar a este ritmo ficará para trás.

Lição 12: Da teoria para a prática

Didaticamente podemos entender o conceito de ser um empreendedor líder, mas na prática quando você entra num escritório, numa oficina de startups ou numa loja a realidade é bem diferente.

O empreendedor precisa romper com o aparente, ele vê além das pessoas e produtos, ele enxerga a dinâmica do mercado em seu sentido vivo.

Ele não contempla compradores ou usuários ele visualiza soluções sendo trafegadas de um lado a outro. Procure ser prático em suas ações e decisões, lembre-se, você busca resultados.

Dicas para ser um bom empreendedor líder

E finalmente, segue abaixo algumas dicas para compreender melhor a relação entre empreendedorismo e liderança.

Não são chavões, mas são princípios de liderança e empreendedorismo que podem contribuir significativamente para a sua carreira:

  • Faça o colaborador se sentir parte da meta emocionalmente e no bolso também;
  • Não crie metas inalcançáveis;
  • Não seja ganancioso, mas tenha ambição;
  • Crie uma atmosfera positiva, mas não paternalista;
  • Seja acessível;
  • Mostre ao colaborador sutilmente que você o está vendo;
  • Seja claro ao colaborador sobre o que você quer dele;
  • Seja paciente com o sócio, mostrando onde a opinião dele está falhando, se de fato estiver;
  • Não tenha vergonha ou medo de rever uma estratégia;
  • Mostre como fazer uma operação fazendo;
  • Seja o primeiro a chegar e o último a sair;
  • Seja humilde;
  • Resolva o problema;
  • Não tenha partido;
  • Seja exemplo;
  • Não perturbe, dê feedbacks;
  • Não maltrate, seja direto e claro;
  • Não xingue, não dê apelidos, grave nomes;
  • Saiba falar não;
  • Convença, não ameace;

Finalmente, o mundo dos negócios é movimentar e combinar recursos com o objetivo de auferir ganhos e lucros, nunca esqueça que de todos os recursos o principal é as pessoas por meio do qual você alcança seus resultados.

Empreender não está desconectado do ato de liderar, mas ambos estão entrelaçados.

Texto produzido por Daniel Júnior (Co-criador da plataforma de divulgação gratuita wbs3.com)

mercado e oportunidadesPlataforma Brasil Editorial.

">

Mercado e oportunidades: lidando com o pessimismo

Por: Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Por: Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Caros leitores, em tempos de pessimismo, de ressaca das euforias e de expectativas pelos duros ajustes que virão, o que nos resta?

Nos resta seguir em frente.

Sem nenhuma ironia ou receita de bolo, o foco desse texto será exclusivamente o seu entusiasmo (ou a falta dele eventualmente).

Não se engane, o cenário onde você atua (a nossa economia) poderia ser bem mais potente, mas apesar de tudo resiste, e ainda é um oceano de oportunidades.

As expectativas frustradas

Eu entendo, você esperava que nesta altura do campeonato já estaríamos caminhando em direção a uma economia moderna, rumo a maturidade. Mas as coisas não são assim tão simples meu amigo.

Não deixam de ser expectativas legítimas, mas tão irreais quanto.
Não estou defendendo aqui a alienação, ou a acomodação. Porém uma outra realidade precisa ser considerada.

Um mundo de oportunidades e coisas para serem feitas

Em uma vida econômica tão disfuncional como a nossa, sobram oportunidades para o destaque, para o prodígio.

Sim, isso mesmo, individual, nada de coletivo. Sugiro (ao menos por um tempo) uma pausa na “ditadura do politicamente correto”.

Você nasceu, ganhou uma única vida para viver, e ela vai se encerrar, talvez em menos tempo do que você espera.

Portanto, para quem não tem tempo a perder, e se cansou do ideário “bonitinho” e cosmético dos últimos tempos, destaco abaixo uma coletânea de conceitos para não somarmos com a multidão de insatisfeitos – que nada fazem para romper o ciclo do desastre.

1. A vida é darwiniana (em países em desenvolvimento é darwiniana ao quadrado)

Assuma desde já, e sem frescuras, essa realidade. Encare desde já o campo de batalha tal como ele se apresenta e pare de divagar;

2. Não gaste mais do que a sua receita

Isso é difícil? É quase impossível?

Problema seu. Caso não consiga colocar essa fórmula em prática, saiba que fracassará;

3. Desenvolva uma visão de fundo, em ampla perspectiva

Isso é essencial, mas não caia na armadilha de negligenciar os detalhes. É ali, no universo das pequenas coisas, que um projeto encontra a sua morte;

4. Não se importe com a arrogância ou a pretensão alheia

A maioria das pessoas que você encontra em salas de reuniões e encontros de negócios não tem soluções para nada.

Pouquíssimos conseguem planejar ou implementar algo concretamente. Vivemos em uma era onde a retórica alimenta a retórica;

5. Não tente agradar a todos

Deixe para lá essa história de querer ser “o cara legal” .

Sim você colecionará inimigos e críticos (grande coisa). Nuca de esqueça que um homem sem inimigos é também um homem sem valor. Faz parte do jogo, pare de choramingar.

6. Caso deseje ser socialmente atuante, pondere alguns aspectos

Não, não espere ler aqui uma recomendação pautada na onda do politicamente corretismo.

Organize a resistência ao estatismo brasileiro; que mata a nossa produtividade, burocratiza a vida empresarial, e se intromete cada vez mais na sua vida privada.

Este status quo quer controlar o que você pensa ou diz, mas negligencia com incompetência persistente as principais atividades e responsabilidades de um aparelho estatal decente.

Nada traria melhor resultado para o bem estar social do que atenuar esse estado de coisas.

7. Assuma que as pedras do caminho surgirão

Se deseja mesmo garantir um lugar ao sol, deve estar preparado para persistir, e prosseguir, com o que lhe restou de confiança e recursos por um bom período, antes de ver a luz ao final do túnel.

8. Seja original, sem ser iludido

Saiba reproduzir de forma rentável e aplicável aquilo que de alguma forma já funciona.

Aos poucos construa o seu espaço próprio, os seus conceitos, o seu produto ou serviço.

9. Cultive a sua personalidade

Saiba fugir do senso comum e, convicto de seus argumentos, tenha a coragem de pensar por conta própria e defender como um leão as suas crenças.

Sem se preocupar em ser aceito ou com “narizes torcidos”, mas por favor, sem perder o senso crítico.

O espaço para o empreendedorismo de palco está se esgotando.

10. Lide com a descrença

Se deseja inovar, esteja preparado para toda a desconfiança que surgirá ao seu redor.

Mas não seja bobinho, e mantenha ao menos um pé e se possível a metade do outro também, firmes no chão;

11. Priorize a realização

O que significa em termos empresariais, obviamente, construir algo que se sustente em termos econômicos.

Contudo, menos preocupado com os ganhos financeiros imediatos que podem migrar para o seu bolso.

Ao mesmo tempo, não se esqueça jamais, que o objetivo primordial de um empreendimento é remunerar o capital dos seus sócios.

Resumo da ópera: menos imediatismo = resultados mais sólidos.

12.Não se apegue aos modismos de gestão

Desenvolva um estilo próprio, sem se importar com o aval dos “especialistas”.

Caso conclua que em determinado momento ou estágio é necessário ser controlador e centralizador, simplesmente haja como tal e ponto final.

Deixe os modismos ou “a última onda” para os teóricos do capitalismo

13.Não perca tanto tempo na busca de reconhecimento

Isso raramente acontecerá, e saiba desde já que erguer um negócio lucrativo e inovador, que confronta padrões pré-estabelecidos e conceitos vigentes, trará desafetos, inimigos, detratores e muitas críticas antes de dar certo.

14. Não se torne um alienado iletrado

Permaneça em contato com o noticiário (político e econômico).

Não se esqueça, são nos labirintos do poder público que a sua vida é decidida em um país tão estatal como o Brasil;

Até o próximo.

 

influenciadores digitais

Como os influenciadores digitais podem ajudar nas vendas do seu e-commerce?

A expressão do momento parece ser “influenciadores digitais”, todos estão falando sobre eles e eles estão falando sobre tudo. Mas, você sabe quem são essas pessoas?

A expressão do momento parece ser “influenciadores digitais”, todos estão falando sobre eles e eles estão falando sobre tudo. Mas, você sabe quem são essas pessoas?

Famosos nas redes sociais, os influenciadores colecionam seguidores e fãs que os acompanham em ambientes como o YouTube, Instagram e Snapchat.

Quem são os influenciadores?

Influenciadores nada mais são que pessoas comuns que sabem usar sua personalidade (e tecnologia) de forma a atrair a atenção de outros que pensam ou se interessam pelas mesmas coisas que eles.

Eles são uma espécie de porta-voz de um grupo e funcionam, muitas vezes, como um agregador dessas pessoas.

Não é preciso ser o cara mais popular do colégio para ser um influenciador digital.

Aliás, essa é uma vantagem da internet: dar espaço para que todos os tipos de pessoas possam aparecer e se conectar com semelhantes. Ou seja, tem influenciador nerd, marombado, gordinho feliz, modelo, gamer, fitness, engraçado e o que mais você quiser.

Mas afinal, sobre o que eles falam para atrair tantas pessoas? Na verdade, eles falam o que o público deles gosta e quer ouvir, por isso o sucesso.

Os influenciadores conversam sobre livros, contam as suas experiências como mães, ensinam receitas, jogam os mais novos games ao vivo e fazem tutoriais de maquiagem.

As possibilidades de tema são infinitas quando se trata de redes sociais, mas como esses influenciadores podem ajudar nas vendas do seu e-commerce?

Você percebeu que falei acima sobre os assuntos mais recorrentes no trabalho desses influenciadores? É aí que está a chave para o sucesso: encontrar o nicho (tema) que mais combina com a sua campanha.

Não adianta pedir a um gamer para resenhar sobre o mais novo lançamento de “removedor de esmaltes com secagem instantânea”. É preciso estar atento ao público desses influenciadores.

Tipos de influenciadores

Apesar de tratarem de assuntos diferentes, os influenciadores exercem papéis comuns junto aos seus seguidores.

Uma influenciadora fitness e outra comilona assumida podem ser consideradas celebridade mesmo tratando de assuntos opostos. Isso, porque o que define o papel de um influenciador não é o tema, mas sim o posicionamento e a maneira com que falam com seu público.

Segundo a ferramenta Traackr, atualmente, os influenciadores são divididos em dez tipos de categorias, de acordo com os temas de seus canais e são eles:

  • Celebridade – normalmente possui muitos seguidores;
  • Autoridade – tem moral máxima no seu nicho;
  • Conector – conexões entre seu público (e também com as marcas);
  • Marca – seu nome e reputação valem muito, são uma espécie de marca mesmo;
  • Analista– fornece dados e contribui para o conhecimento sobre o tema;
  • Ativista – defende uma causa e movimenta seus seguidores nessa direção – geram mais engajamento;
  • Expert – com expertise na área, criam produtos focados no tema;
  • Insider – possui grande poder local;
  • Disruptivo – possui ideias inovadoras e alimenta debates com opiniões diferentes;
  • Jornalista – exerce o papel do novo jornalismo, tratando de assuntos exclusivos e de interesse comum.

É importante conseguir identificar o tipo de papel que cada influenciador exerce sobre seu público antes de escolher quem vai falar sobre e pela sua marca.

Como escolher o melhor influenciador para a sua campanha

A dica aqui é entender para quem você quer falar e quais são os públicos que podem se interessar pelo seu produto. Ou seja, aposte nos nichos de conteúdo, principalmente se o seu produto ou serviço também for destinado a um grupo específico de clientes.

Se você faz cupcakes veganos, por exemplo, os influenciadores na categoria “culinária” são uma excelente escolha, mas, é importante que eles falem sobre alimentação saudável em seus canais – tudo vai variar de acordo com o seu tipo de campanha, se é de branding, vendas ou promoção, por exemplo.

O que é preciso analisar antes de escolher um influenciador

Geralmente, os influenciadores digitais mais experientes possuem um Midia Kit. Nesse documento, o anunciante pode checar o público que mais assiste aos vídeos publicados no canal do youtuber, ou quem são os milhares de seguidores do instagramer.

Além disso, alguns influenciadores disponibilizam dados como tempo médio de visualização de seus vídeos ou a região do país que concentra o maior número de inscritos/seguidores.

Mas, e se o influenciador que eu quero usar em minha campanha não possuir esses dados? Aí é preciso que você mesmo busque e analise algumas métricas.

A dica, neste caso, é rolar o feed do influenciador que você quer contratar. Não preste atenção apenas no conteúdo que ele compartilha, mas também analise a fundo tudo o que foi postado. Passe um tempo lendo os comentários e vendo o número de curtidas ou dislikes que o influenciador recebe.

Dê uma atenção especial ao tipo de engajamento que é gerado, ou seja, do que se tratam os comentários: são dúvidas, sugestões, reclamações ou elogios?

Influenciadores com um número muito alto de seguidores podem ter um engajamento bem menor que um outro influenciador com menos inscritos, por isso esse tempo de análise é precioso.

Como os influenciadores podem ajudar nas vendas do seu e-commerce

Ok, você já entendeu quem são e quais os papéis que os influenciadores exercem, mas ainda pode estar se perguntando por que vale a pena apostar nos influenciadores ao invés de seguir pela mídia tradicional e fazer um filme para tv.

Como o próprio nome já diz, os influenciadores digitais têm um enorme poder de influência em seus seguidores e isso acontece pela confiança que eles inspiram.

Para que seja efetiva, a sua publicidade deve soar como um conselho na boca dessas pessoas, afinal os fãs acompanham o dia-a-dia e as conhecem assim como conhecem a um amigo.

Por isso, sua marca deve se encaixar com a personalidade do influenciador escolhido para que ela seja legitimada pelo comportamento comum dele.

Os influenciadores digitais ajudam tanto nas vendas de produtos e marcas porque se posicionam como um amigo, alguém próximo, e não uma pessoa estranha te mandando fazer algo.

Afinal, se um grande amigo falar que essa calça que você está usando não lhe caiu bem, por quê desconfiar dele? Por isso, os influenciadores digitais podem servir como bons conselheiros sobre a sua marca e, assim, alavancar suas vendas.

Artigo produzido pela equipe do Méliuz, empresa que devolve ao consumidor parte do valor gasto em compras direto na conta bancária (cashback).

gestão e negóciosBrasil Editorial.

">

Gestão e negócios: jogando alguns clichês ao mar

Por: Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Por: Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Meus caros, em períodos de tempestade e turbulências, nada seria mais natural para gestores e empreendedor, do que um exame cuidadoso das táticas e métodos a serem adotados na estrada a ser percorrida.

Modinhas e inovações requentadas

Em meio a modinhas e inovações requentadas de última hora, ninguém quer experimentar o fracasso (por maior que seja seu efeito didático).
É evidente que 10 entre 10 profissionais buscam o êxito nos seus empreendimentos e projetos, e neste caso fazer melhor, ou fazer diferente, pode ser justamente a peça do quebra-cabeça que faltava para uma execução brilhante e singular.

Mas o tiro pode sair pela culatra

Contudo, vale a pena observar algumas realidades.
A regra é a de que não há regra, a não ser o valioso e atemporal “bom senso” que é primo-irmão do “senso crítico”, e primo de segundo grau da saudável desconfiança.

Os maiores clichês

Desta vez faremos a nossa abordagem a partir de alguns clichês muito propalados, mas que merecem um olhar de lupa. Vejamos:

1. “Líderes induzem, mas jamais dizem o que deve ser feito”

Sim, estamos na era onde as habilidades de liderança pouco a pouco diluem as antigas capacidades dos “chefes clássicos”.
Tudo bem, mas um líder que não consegue exercer nenhum comando nos momentos críticos, ou nos pontos de inflexão, pouco vai servir para levar a cabo um projeto ou empreendimento ambicioso.
Além do mais, se todos são líderes, quem vai dizer o que deve ser feito?
Ou melhor, se ninguém disser o que deve ser feito, teremos que contar com uma organização onde as pessoas se movimentam e atuam de forma automática e em absoluta sintonia de adivinhação? Improvável.

2. “Toda inovação é bem-vinda”

A afirmação é linda, e muitas vezes bate com a realidade, principalmente naqueles casos de aplicação tecnológica imediata na vida cotidiana.
Um olhar de microscópio.
No entanto, quando a inovação ocorre no mundo dos conceitos e práticas de conduta, outra vez, um olhar cuidadoso pode proteger você do desperdício de tempo e de dinheiro.
Por um simples motivo: aquilo que pode ser excepcionalmente aplicável em uma empresa, pode ser destrutivo em outra.
Práticas que tornam o trabalho mais produtivo em uma organização, podem travar completamente outros ambientes.
O fato é que a singularidade produtiva de cada caso, negócio ou projeto, deve sempre nos empurrar a criticar padrões empacotados. Sem isso nos transformamos em “micos” corporativos.

(Em tempo, o nazismo foi na sua época entendido como uma inovação do pensamento político)

3. “A disciplina mata a criatividade”

Esta afirmação encampa uma bobagem tão grande, que vou abreviar o comentário sugerindo que leiam sobre a vida e a obra de Leonardo DaVinci;

4. “Depois de uma crise, colheremos anos de bonança”

De todos os clichês mais comuns, esse é um dos mais perigosos.
Ele esconde a realidade de que “a bonança” é construída com disciplina econômica, planejamentos criteriosos e dever de casa feito. Ela não vai nascer do nada.
Ao enfrentarmos uma crise, sem o devido aprendizado, o que colheremos a diante será uma crise ainda pior.

5. “Larguei a vida corporativa para tocar meu próprio negócio e com isso levar uma vida mais equilibrada”.

Poucas afirmações são tão desconectadas da realidade do que essa. A não ser que o empreendedor em questão seja de mentirinha.
Empresários de verdade invariavelmente sacrificam, e muito, a vida pessoal e seu equilíbrio, em prol dos seus sonhos e projetos, colhendo no dia a dia algumas aflições, uma boa dose de ansiedade e medo
Não se pode ter tudo na vida.
E é bom esclarecer que, mesmo assim, com tudo isso, ainda preferem viver nesse redemoinho. Sim, não se pode ter tudo na vida;

6. “Investidores gostam de risco”

Afirmação falsa. Talvez isso aconteça com o investidor ficcional retratado em alguma obra cinematográfica ou da dramaturgia soft.
Investidores de verdade fogem dos riscos e das incertezas.
Porém como é impossível evitá-los, aprendem a aplicar seus recursos em cenários compostos pela melhor composição de riscos/ incertezas.
Não é por outro motivo que governos muito interventores da economia e que a todo momento mudam as regras do jogo acabam por afugentá-los.
O resultado? Como sempre, “crises econômicas”.

Ao assumir verdades absolutas, enterramos talvez a engrenagem essencial de nossa inventividade.
Resumindo, não podemos abdicar jamais de uma máxima:
Clichês existem para serem questionados, colocados a prova, e muitas vezes derrubados.
Até o próximo.

Quer saber mais sobre modelos de negócio? Leia o nosso guia sobre o assunto!

multiplique seu dinheiro

Multiplique seu dinheiro: 5 dicas para achar os melhores investimentos

Se o seu objetivo é cuidar bem das suas finanças e trazer o melhor rendimento para o seu dinheiro, deixá-lo parado não pode estar em seus planos!

Se o seu objetivo é cuidar bem das suas finanças e trazer o melhor rendimento para o seu dinheiro, deixá-lo parado não pode estar em seus planos!

Investir o que você tem guardado é a maneira mais inteligente de lidar com essas economias e caminhar em busca do sucesso financeiro.

Contudo, na hora de escolher como aplicar o capital, muitas vezes podemos nos confundir e acabar optando pela solução mais conhecida, para evitar maiores preocupações. Entretanto, muitas vezes essa não é a melhor alternativa.

O ideal é acompanhar a sua situação financeira de perto, tomando sempre decisões embasadas.

Se você quer encontrar os melhores investimentos, preparamos 5 dicas essenciais para te ajudar a fazer seu dinheiro trabalhar por você!

1) Reavalie suas escolhas

É comum ficarmos acomodados com a nossa situação financeira e não tiramos um tempo para rever nossas estratégias. Mas, para que o seu dinheiro sempre esteja aplicado da melhor maneira, isso é essencial.

A conjuntura econômica influencia diretamente muitas modalidades de aplicação.

Uma vez que está em constante mudança, essa influência também muda, e um investimento promissor pode passar a ser uma fria para o seu bolso.

Um exemplo atual é o da poupança, a aplicação mais popular do Brasil. Com a alta da inflação, ao colocar o seu dinheiro em caderneta você estaria perdendo, ao invés de ganhar.

Por que insistir em desvalorizar o seu dinheiro, enquanto você poderia estar realizando lucros maiores?

Uma vez que o rendimento poupança é diretamente influenciado pela taxa de inflação, essa alta ocasionou impactos muito negativos em se tratando dos lucros do investimento.

Portanto, mantenha as suas escolhas financeiras sempre atualizadas, para ficar de olho se elas realmente estão sendo a melhor alternativa.

2) Estude o Mercado Financeiro

Um passo importante na hora de escolher o melhor investimento para você é conhecer todos os produtos que o mercado financeiro oferece. São tantas opções que muitas vezes nós nos atemos a apenas as mais populares, mas nem sempre isso é o melhor a se fazer.

Lembra do caso da poupança? Hoje ela é o investimento mais popular do Brasil e nem por isso oferece boa rentabilidade ao poupador.

Você já pensou em trilhar novos caminhos e aprender a como investir na bolsa de valores?

O mercado de ações é uma alternativa interessante pois oferece inúmeros produtos, para os mais diferentes perfis de investidores. Dessa forma, você consegue, inclusive, diversificar os seus investimentos em um só lugar!

Além da bolsa, existem muitas outras modalidades de investimento que você pode escolher. Cada uma delas tem suas peculiaridades, prós e contras, e por isso é importante conhecê-las a fundo antes de tomar uma decisão.

3) Defina o seu perfil investidor

Não existe um investimento correto e outro errado. Existe o investimento mais adequado para você! E isso pode ser determinado de acordo com o seu perfil de investidor.

Antes de escolher o destino do seu capital você precisa entender o que você espera quando aplicar esse dinheiro e quais são os seus objetivos, para ter renda extra ou acumular capital para investir em imóveis, por exemplo.

Pense se você tem um perfil mais arrojado, disposto a arriscar, ou se tem um perfil conservador, que quer fazer investimentos de menor risco.

Depois, reflita se você quer resultados mais imediatos, ou se pretende deixar seu montante investido por um tempo considerável.

Isso influenciará o tipo de produto que você irá escolher para aplicar, já que cada um deles poderá se adequar melhor de acordo com suas expectativas.

4) Compare as modalidades de investimento

Agora que você já conhece os diversos produtos financeiros que estão disponíveis e sabe o seu perfil de investidor, é hora de comparar.

Determine os fatores que são prioridade para você na hora de investir e trace um paralelo entre as suas opções para entender qual atenderá melhor às suas expectativas.

Mapeamos alguns aspectos importantes na hora de escolher onde investir:

Rentabilidade

A possibilidade de lucro com o investimento é o que nos mobiliza a aplicar dinheiro, certo? Portanto, você tem que identificar qual é a modalidade que irá te oferecer boa rentabilidade, além de se adequar a outras exigências delimitadas.

No mercado há muitas opções que oferecem ótimas margens de rentabilidade, como negociar ações de empresas, comprar papéis do tesouro direto, ou até mesmo aplicar na oscilação de preço do dólar.

Liquidez

Aqui você tem que definir se precisa de grande flexibilidade em sua aplicação. Você quer poder retirar o seu capital a qualquer momento ou não tem problemas em aguardar prazos maiores para ter acesso ao montante investido?

Quando conseguir a resposta para tais questionamentos você irá entender se precisa de produtos com alta liquidez ou se isso não é sua prioridade.

Segurança

É muito comum encontrar pessoas com medo de investir dinheiro por estarem inseguras quanto à segurança. Inclusive, é por esse motivo que grande parte da população acaba optando por aplicar o dinheiro na poupança, considerada um investimento bastante seguro.

Contudo, o mesmo órgão que segura o montante investido na poupança também oferece essa facilidade para outros tipos de aplicação.

A vantagem é que além de seguros, esses investimentos oferecem rentabilidades melhores que a poupança.

Dessa forma, o maior benefício da aplicação na poupança não é exclusivo da modalidade, podendo ser encontrado em muitas outras.

Essa garantia é dada pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), e se aplica em investimentos de até R$250 mil por CPF e instituição financeira. Entre as aplicações asseguradas pelo órgão, temos:

  • LCI (Letras de Crédito Imobiliário)
  • LCA (Letras de Crédito do Agronegócio)
  • CDB (Certificado de Depósito Bancário)

5) Faça contato com profissionais

Entrar em contato com profissionais da área financeira pode ser uma estratégia que irá impulsionar o seu sucesso! Eles serão capazes de te aconselhar, para que você tenha maior segurança de suas escolhas.

Muitas vezes confiamos em pessoas que não entendem verdadeiramente do assunto. Apostar em transações questionáveis pode colocar tudo a perder! Por isso, é de extrema importância procurar profissionais de confiança, com certificação e boa reputação no mercado.

Percebeu como é sempre importante estudar todas as possibilidades para conseguir realizar os melhores lucros? Dessa forma você será capaz de identificar as oportunidades que realmente valem a pena para você!

Autoria: Ana Cláudia Inez, graduada em Relações Públicas, mestre em Processos Comunicacionais e estudiosa do mercado de ações. Integrante da equipe Toro Radar, é responsável pela comunicação e relacionamento da empresa com parceiros em todo o país.